quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Quem paga? Para já, Rio Ave!


Que noite horrível, a de ontem! Uma mistura de frio, chuva, vento, Mané, Salah, Firmino... A tempestade perfeita! Estas passagens aos oitavos de final da Champions são fundamentais para clubes como o nosso FCPorto, mas este é o outro lado da moeda. Isto pode acontecer. A diferença de recursos é tal, que não nos podemos dar ao luxo de fazer um mau jogo perante adversários desta qualidade. Convem também recordar que, apesar de ser a primeira vez que apanhámos com um resultado péssimo como este, não foi a primeira vez que fizemos uma péssima exibição. Recordo o jogo na Alemanha que poderia ter contornos muito semelhantes não fosse uma invulgar felicidade que tivemos na concretização. Nessa altura, depois do jogo de Leipzig 'espetámos' 6-1 ao Paços de Ferreira. O Rio Ave que se cuide... Mas está feito. Não será para esquecer porque há muito para aprender.

Uma das lições a aprender é a de concluir, por fim, que precisámos de estar num apuro físico muito bom para implementar este modelo de jogo. Em nenhum momento do jogo senti que a equipa estava com pouca vontade. Talvez no final nalguns jogadores. Mas o que pretendo dizer é que o problema não foi empenho, nem foi o modelo de jogo em si. O problema foi que a equipa demonstra cada vez mais sinais de cansaço. Se, ao contrário do habitual, são os adversários a chegar primeiro à bola e se não há capacidade de reacção, acabámos por provar do nosso veneno. O que mais chateou ontem, além de ter apanhado quase tanta chuva como os jogadores, foi constatar que o Liverpool estava a fazer o jogo que nós deveríamos fazer e o jogo que nós fazemos em 90% dos jogos nesta época. Além disso, há que reconhecer que eles fazem isto melhor...

Outra das lições a aprender é a de que temos de manter o equilíbrio das emoções. Parece difícil fazê-lo mas, após o 0-3 e mesmo antes, não era difícil perceber que, continuando com o mesmo esquema, iríamos levar mais. Sérgio deveria ter percebido que a equipa estava em claros apuros e deveria ter tentado protegê-los, nomeadamente através do reforço do meio-campo. Não seria uma opção que agradasse muito às bancadas, mas julgo que o resultado final agradou ainda menos...

Há outra suposta lição que vejo alguns Portistas a tirar, com a qual não posso concordar e que tem a ver com a qualidade dos jogadores. «Eles não têm qualidade para a competição», «Iker não sofria aquele golo», «Marega só marca ao Tondela», «Brahimi não fez uma jogada que fosse» e outras coisas que tal. Descobriram agora que temos um plantel curto ou que temos uma equipa muito pior do que a quase totalidade das equipas nos oitavos de final da Champions? É óbvio que a equipa tem muitas limitações que nos impedem de competir de igual para igual na Champions, mas esta equipa e estes jogadores têm estado numa espiral de auto-superação absolutamente notável e não pode ser um jogo péssimo a mudar a nossa percepção dos méritos da equipa. O Sá que 'frangou' é o mesmo que nos salvou contra o Braga com uma defesa fabulosa. O Marega continua a ser o nosso melhor marcador no campeonato e o Brahimi continua a ser o mesmo jogador, que tem sido considerado o melhor jogador da prova. O treinador que ontem assumiu as culpas é o mesmo treinador que tem feito milagres. Sérgio terá de trabalhar para que o jogo de hoje seja apenas um terrível percalço, numa caminhada para o nosso grande objectivo que é o de devolver o título nacional aos Portistas este ano. Nada mudou!

Individualmente e como é habitual nestes jogos, não há MVP. Pareceu-me que os menos maus foram Marcano e Herrera, mas não estiveram muito melhor que os restantes. 

Venha a Liga. O Rio Ave vai ter de pagar!

Sem comentários: