terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

Porque sabe tão bem ler...


Nós sabemos perfeitamente como são estas entrevistas... mas sabe pela vida ouvir este género de frases de ex-jogadores do nosso FCP...


O nome dele... toda a gente cantou... porque a música ficava no ouvido e os golos que marcou também ajudava... e leiam o que ele diz ao maisfutebol.iol.pt quando lhe perguntam aquilo que sente falta no Blackburn...


«Falta ouvir-me a música da Liga dos Campeões antes de começar a jogar!», acusa, lacónico. É essa a catarse que McCarthy anseia. Fechar os olhos, ouvir o público e arrepiar-se com o hino da champions antes do pontapé de saída de um grande jogo europeu. «Quando vejo os jogos da Liga dos Campeões, penso que poderia estar lá com o F.C. Porto, a reviver os nossos tempos de glória. Não conheço nenhum ambiente mais assombroso do que o do Estádio do Dragão em noite de jogo para essa competição. Era mágico!»


Ficará na memória de todos o primeiro jogo para Champions no Dragão... foi contra o M. United e os dois golos do 77 foram de outro mundo... Quando falamos disso agora parece que já foi há uma eternidade... Aquela cabeçada que colocou a bola no buraco onde a coruja dorme foi o expoente da loucura naquela noite, que como ele diz... foi mágica...


Estavamos mesmo, mesmo atrás da baliza onde tal aconteceu... :-) ... até arrepia só de lembrar...


Esperemos por amanhã... há muito que a adrenalina por um jogo não era tanta... não estou com a confiança de há três anos atrás, mas também é verdade que estou à espera de algo mais... e não... não é de uma vitória moral...


segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

O fantasma do Natal

Na era pós-mourinho é a 3ª vez que o nosso FCPorto está nesta situação de abaixamento de forma após o Natal. Como me recuso a acreditar em fantasmas, começo logo a reflectir sobre as causas deste marasmo em que a equipa caiu. Logo vejo que nada tem a ver com o que sucedeu nas épocas anteriores. Há dois anos, Fernandez foi despedido nesta altura após uma derrota em casa com o Braga do nosso Professor Jesualdo. No ano passado, perdemos com o Estrela na Amadora e o Co Adrianse tremeu de tal forma que mudou a táctica para o atípico 3-4-3 e, por exemplo, Diego nunca mais jogou.

Ora no primeiro caso, era óbvio que aquele era um dos planteis mais desequilibrados da história recente do FCPorto. Na altura ficamos sem mais dois heróis de Gelsenkirchen Carlos Alberto e Derlei e o único reforço que se viria a confirmar útil foi mesmo o Ibson. Recordo também que nessa altura a comissão disciplinar atacava em força com os sumaríssimos e como tal, parece-me agora miraculoso o segundo lugar conseguido nesse ano e só o péssimo futebol do Trapatoni ajudou a disfarçar o nossa péssima época a todos os níveis. (nesse ano houve também os factores carolina e claque)
Quanto à época passada, o treinador era Adrianse e com isto está tudo dito. Cada vez mais estou convencido de que o talento individual e o espírito de equipa dos nossos jogadores valeu por si apesar do insano ditador que os treinava. Queria vê-lo a experimentar o 3-4-3 com o Ricardo Costa ou com o Bruno Alves. Se tivesse lesões e castigos como teve este ano o Jesualdo…
Este ano è diferente. O futebol do FCPorto até Dezembro veio sempre em crescendo. Voltamos finalmente a ter boas prestações na Europa. Tínhamos um onze estabilizado e até os jogadores que tardaram a ganhar forma começaram a render ao seu nível. Estou-me a lembra de Lucho, Lisandro, Paulo Assunção e do próprio Quaresma. Jogadores outrora controversos como Bosingwa, Postiga e Bruno Alves estão a realizar as suas melhores épocas de sempre. Então o que se passa? A minha opinião é que o plantel apesar de equilibrado, não tem nalgumas posições segundas escolhas à altura. Refiro-me particularmente à posição de defesa central e aos extremos. Na posição de defesa central é óbvio que Ricardo Costa não tem qualidade suficiente. Estando Pedro Emanuel no estaleiro, a 3ª opção este ano tem de ser João Paulo e no defeso temos claramente que ir ao mercado. Quanto aos extremos, Alan não tem qualidade e Vieirinha ou não tem maturidade ou não tem o que é preciso para jogar num clube desta dimensão. Recomendo que ambos sejam dispensados. O Vieirinha precisa de rodar e o Alan tem de ir de vez. Nesta posição não é liquido que necessitemos de ir ao mercado visto termos boas opções nos miúdos que temos emprestado nomeadamente o Ivanildo e sobretudo o Hélder Barbosa parecem-me melhores opções que as actuais. No entanto, relembro que o Professor pouco teve a ver com a construção deste plantel e que o a situação actual do futebol recomenda apenas pequenos retoques no mercado de Inverno. Isto porque nesta altura os preços estão inflacionadíssimos.
Resumindo, tenho toda a confiança no Professor para resolver esta pequena crise de resultados mas no entanto, deixo um pequeno reparo. Parece-me claro que Professor tem de olhar mais aprofundadamente para a nossa construção de jogo ofensivo. Sem Quaresma e sem Anderson, parece-me óbvio que temos de jogar com outro tipo de médios. Estou-me a lembrar de Jorginho e sobretudo de Ibson, mas para jogarem de início.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Dependências


Muitos acham que o recente jogo de Leiria teve o condão de relançar o título. Não me parece. É no entanto claro que relançou definitivamente a carreira do nosso amigo Elmano Santos. Isto porque é óbvio para mim que vários tentaram, mas apenas este senhor conseguiu aliar uma arbitragem desequilibradíssima a um resultado negativo do FCPorto. Olhem que o Paulo Costa na Madeira bem tentou! De certeza que o vamos ver a apitar jogos importantes! Estes feitos têm que (e costumam) ser bem recompensados pelo Conselho de Arbitragem…
Mas não é disto que vos queria falar. Queria falar de dependências. É óbvio para todos os entendidos do futebol que o FCPorto é neste momento dependente do futebol de Quaresma. Já foi dependente do de Anderson Lembram-se dele? Está claro que sim! Mas há por certo quem não se lembre… Se julgam que o campeonato está relançado… Também já fomos dependentes do Mourinho. E do Deco. E do Jardel também! Os cruzados pela verdade desportiva até acham que dependemos das supostas actividades no sub mundo do nosso presidente. E dos cafés com leite, e dos chocolatinhos, e da fruta, etc.
A ideia é simples e consiste em individualizar feitos que são colectivos. Todos os que já alguma vez passaram pelo nosso clube dizem maravilhas da nossa organização e da força do nosso balneário. No entanto, para a maior parte do país tal só acontece porque ganhamos mais vezes que os outros. E só ganhamos mais porque temos o Quaresma, ou o Anderson, ou o Mourinho, ou o Pinto da Costa, ou mesmo os chocolatinhos…
Haja paciência portistas! Um dia todos terão de perceber a força e a identidade da cidade e das pessoas que nos transformaram em 20 anos num dos melhores, mais temidos e mais influentes clubes da Europa e do Mundo. Foi sempre um esforço colectivo! Orgulhosamente não dependemos de ninguém, a não ser dos nossos! Sem o Raul, sem o Lucho, sem o Paulo, sem o Zé e sem o Pepe, o Quaresma seria sempre um óptimo jogador mas nunca seria um campeão. É isso que fazemos. Pegamos nos miúdos, mostramos-lhes o que é uma equipa e fazemos deles ganhadores! Isto é o FCPorto! Uma organização de sucesso sem paralelo neste país de medíocres! E o que fazem os medíocres? Continuam à espera que apareçam os Elmanos e as procuradoras e façam o que eles não conseguem em campo. É triste a vidinha destes tipos...