quarta-feira, 19 de julho de 2017

O Apito morreu!



Já sei que o FCPorto jogou e até acabei agora mesmo de ver o jogo em diferido. Tinha decidido que iria fazer uma crónica conjunta dos 3 primeiros jogos de preparação televisionados, para dar mais alguma consistência às opiniões e às primeiras impressões sobre o futebol deste FCPorto de Sérgio Conceição. Esta estratégia também me iria dar umas mini-férias das crónicas aqui no blog, mas tive de interromper.

Já devem ser poucos os que nos seguem desde essa altura, mas o blog foi criado em 2006 e, logo nos seus primeiros anos, fomos confrontados com o maior ataque alguma vez feito ao clube. E fomos comentando à medida que os ataques se iam sucedendo. Nessa altura o FCPorto de Jesualdo Ferreira era avassalador por cá, e o adversário decidiu que «teria de fazer as coisas por outro lado». Tem aspas porque é uma citação de uma das escutas do processo. Apenas uma das tais que foram ignoradas. Ora o «por outro lado» teve muito mais vertentes do que o que seria de esperar. Tivemos o lado judicial com a inquinação do processo para o impedir de chegar a Lisboa. Tivemos o disciplinar através de um lacaio colocado no Conselho de Disciplina da Liga. Tivemos também o lado federativo com o golpe palaciano na reunião do Conselho de Justiça da Federação. Tivemos o lado literário com um livro fabricado e reescrito para incluir informação do processo e para que se reabrisse na justiça desportiva um processo morto pela justiça civil. Mais tarde, foi o mesmo livro que serviu como pretexto para a formação de uma 'task force' nomeada pelo Procurador Geral da República, para reabrir todos os processos anteriormente arquivados. Por fim, tivemos o lado cinematográfico com o filme sobre o livro, realizado pelo marido da autora não oficial do livro.

Simplificando, o processo inicial contra o FCPorto morre nos tribunais, mas parte do processo vem para os jornais. Essas fugas de informação são transformadas em memórias de uma ex-mulher de Pinto da Costa e incluídas num livro que serve posteriormente como prova adicional no processo na justiça desportiva, e para reabrir o processo no justiça civil. Mais 'Kafkiano' era difícil... A verdade é que tudo isto foi-se desmoronando até que morreu definitivamente na sexta-feira passada. Mas não escapamos ilesos e as revelações recentes do nosso Director de Comunicação são a prova de que o crime acabou por compensar. Mas foi «por outro lado»...

O denominado 'Apito Final' não era o fim da linha. Quem orquestrou isto foi derrotado em toda a linha. Mas o Apito não acabou. Há que denunciar e responsabilizar os artistas que se dispuseram a participar nisto. Esta gente entrou em conluio numa gigantesca vigarice, foi derrotada e têm nome:
- Luís Filipe Vieira, BTV e Rui Gomes da Silva;
- Ricardo Costa e Hermínio Loureiro;
- Francisco Mendes da Silva, Álvaro Batista, Eduardo Santos Pereira, João Abreu e José Pereira dos Reis - os 5 vogais do Conselho de Justiça da Federação que decidiram à revelia de Presidente e Vice Presidente desse órgão.
- Freitas do Amaral que passou um parecer 'encomendado' a validar o golpe palaciano no Conselho de Justiça;
- Pinto Monteiro, Maria José Morgado e a 'super equipa' de investigação que perdeu processo atrás de processo;
- o Realizador João Botelho e o seu ex-marido Leonor Pinhão.

O apito morreu! Venham as consequências para os obreiros desta vergonha!

E, já agora, comecem a corrigir as classificações da época de 2007/2008. Por exemplo, como podem ver na imagem, o jornal O Jogo ainda não o fez.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Ruben Neves



Quando há negócios como este do Ruben Neves sobressaem logo duas correntes antagónicas entre os adeptos, ambas irritantes. A primeira são os puristas: «O FCPorto tem de ser feito de portistas», «isto é um escândalo», «ninguém se demite na SAD», «o presidente já não está bom da cabeça e os abutres tomaram conta do clube», «o Jorge Mendes está-nos a dar cabo do clube». etc. Depois temos os pragmatistas: «o FCPorto sempre foi um clube vendedor», «a situação financeira do clube exigia vendas até 30 de Junho», «o Ruben nem sequer era titular e o importante é manter o Danilo», «que interessa ser o Wolverhampton, se o jogador foi, é porque quis ir», etc..

Eu, que normalmente estou mais próximo dos pragmatistas, desta vez estou mais próximo do lado oposto. Esta não é uma venda normal. Quando o FCPorto aposta num jogador como ativo para fazer render, a venda tem sempre duas características: valores avultados e o momento da venda é definido por nós. Mesmo quando não há tubarões disponíveis, há sempre um Dinamo de Moscovo ou um Zenit. 

Vamos directos ao assunto: esta venda de Ruben Neves é assustadora, porque nos confronta com uma realidade do FCPorto que muitos de nós insistem em ignorar ou negligenciar. Estamos a vender um jogador que não queríamos vender neste momento, por um valor abaixo do normal para este perfil de jogador e para o habitual em jogadores vendidos pelo FCPorto, para um clube 'barriga de aluguer' controlado por um empresário que vai tentar, tão cedo quanto possível, fazer com Ruben Neves a mais-valia que deveria ser o FCPorto a fazer.

Hoje em dia temos de nos habituar a um FCPorto tão sôfrego para chegar às vitórias, que não tem tempo nem engenho para fazer uma gestão a médio prazo e para sequer valorizar e tratar bem os seus melhores activos. Vejo alguns portistas chocados com o valor da transferência, mas vejo o mundo inteiro que segue o futebol jovem, chocado com o destino deste que é dos maiores talentos portugueses dos últimos anos. Mais um sintoma do absurdo do negócio.

Quem me lê habitualmente poderá argumentar que escrevo isto porque o Ruben era o meu jogador preferido do FCPorto. É verdade que isso tem influência, mas estaria igualmente assustado se fosse o Danilo a ser vendido, nesta altura, por estes valores e para este clube.

Foi-se o mais jovem capitão do FCPorto o mais jovem a marcar com a nossa camisola, um portista verdadeiro, que foi obrigado a ir jogar para a segunda liga inglesa para o clube 'barriga de aluguer' de um empresário. Logo o Jorge Mendes...

Boa sorte Ruben! Espero mesmo que um dia regresses.

PS: Este post está escrito há mais de uma semana há espera do anúncio e do valor da transferência. Decidi não esperar mais.