quinta-feira, 31 de maio de 2012

Braga 1-1 FC Porto (87-88)...


Notas:
- Campeonato Nacional 1987/88... 5.ª Jornada...
- 0m29s: começar a ganhar com um livre de Celso que não se cansava de marcar golos nesta época... apesar de mais longe, um golo muito similar ao livre que ele apontou em Kiev, também esse no início da partida...
- 1m24s: Gomes com tudo para matar o encontro...
- 2m16s: Este Santos do Braga, que se estreou neste jogo, parecia um jogador acima da média... mas já fui ver o percurso dele e o Braga foi mesmo o melhor que conseguiu... mas pelos vistos tem um filho jogador...
- 3m18s: Mais uma grande jogada de Santos e Mly a dar um "frango" daqueles... também lhe acontecia...
- 3m54s: Uma grande defesa de Mly para compensar...
- 4m00s: Peça termina com um agradecimento à brigada de trânsito da GNR... muito bom...

terça-feira, 29 de maio de 2012

Os 3 obreiros do título


Já sei que muitos falarão do Vitor Pereira mas, ele próprio reconhece que cometeu erros durante o campeonato. Importa por isso destacar os que, dado o seu rendimento mais constante, permitiram que a equipa respirasse mesmo quando o futebol não correspondia às expectativas e quando os resultados deixaram de aparecer. 

Comecemos por Hulk. Terá sido provavelmente a sua última época no FCPorto e foi também a época em que foi mais decisivo. No seu primeiro ano, ainda havia Lucho e Lisandro, e nos anos seguintes ainda havia Falcao. Ou seja, só este ano é que teve de assumir sozinho as despesas ofensivas da equipa. Isto devido à intermitência de James Rodriguez. O miúdo é genial mas ainda não aparece com a consistência que poderá atingir já na próxima época, se se encontrar uma forma mais conveniente de o colocar em terrenos mais interiores. Todos sabemos que Hulk é intermitente durante o jogo. Faz coisas fantásticas, coisas péssimas e logo a seguir resolve o jogo. E de facto, é difícil encontrar este ano golos em que Hulk não tenha participado. Mais que isso, na fase complicada e decisiva do campeonato, Hulk resolveu com golos e por vezes numa posição onde não se sente tão confortável, o nosso problema de falta de fiabilidade dos pontas-de-lança. É jogador demais para o futebol português e jogador demais para o actual FCPorto. Pode ser que no futuro o nosso clube atinja patamares que nos permita manter estes talentos mas, para já, teremos de compreender que ele queira mais, por muito que goste do nosso FCPorto. Gostaria de destacar por último aquele que, para mim, foi o momento da época do FCPorto. Para mim houve um FCPorto antes do golo de Hulk na Luz e um FCPorto depois desse golo. Isto apesar dos deslizes com Académica e Paços de Ferreira. Para mim foi esse o 'click' que fez a equipa unir-se em torno do objectivo que restava e que passou a estar ao alcance nesse momento.

De seguida, Fernando. Seria o jogador do ano não fossem os golos decisivos de Hulk no final da temporada. É o problema de não ser decisivo ofensivamente. Mas não quer dizer que não tenha sido tão importante como o seu compatriota. Fernando saiu valorizado com a falta de organização da equipa em certas alturas. No meio daquela confusão o seu raio de acção defensivo, a sua velocidade e a forma, para mim única no mundo, como seca prematuramente o contra-ataque do adversário, salvou-nos de maiores dissabores. Isto num ano em que a defesa claudicou demasiado, sobretudo até ao momento em que Maicon se fixou como defesa central. Otamendi e Rolando fizeram épocas fracas, Alvaro, também abaixo do seu nível, e na direita só no final se fixou um jogador. Não fosse Fernando e por vezes, Helton, tínhamos sofrido muito mais golos. Por último, destacaria a maior desenvoltura ofensiva deste jogador. Não é uma especialidade dele. Tem dificuldades ao nível do passe, mas passou a compensar com a sua velocidade. Conduz mais a bola o que o beneficia. É dos jogadores que mais temo perder neste defeso. Há um ano dizia o contrário. Grande época de Fernando culminado com a deliciosa reacção à expulsão no jogo com os vasquinhos!

Por último, João Moutinho. Numa época de tantas oscilações no nível exibicional da equipa, há que destacar o jogador que não consegue jogar mal. Melhor ainda: é muito raro ver uma exibição de Moutinho que não possamos avaliar, no mínimo, como boa. Poderão notar ainda que é muito raro que o FCPorto não saia a jogar pelo lado esquerdo através de combinações com Moutinho. Além disso, está em todo lado. Além disso joga com muito critério e serenidade. Além disso, melhorou o seu score de golos e assistências em relação ao ano anterior. Que mais se pode pedir? Um jogador que encaixa tão bem no FCPorto que até mete pena ter andado tanto tempo arredado da luta por títulos. Se Hulk sair, dado que Helton está lá na baliza, gostaria que fosse oferecida a braçadeira ao Moutinho.

Nos próximos tempos saem as desilusões, revelações e as grandes esperanças para 2012/2013.

FC Porto 3-0 Vardar (87/88)...


Notas:
- Jogo da primeira mão da primeira eliminatória da Taça dos Campeões Europeus 1987/88... jogo contra o campeão jugoslavo...
- 0m32s - Sousa era muito forte nas bolas paradas... neste golo um misto de força e jeito... muito bom...
- 0m46s - Rui Barros acerta nas "orelhas" da bola e falha uma oportunidade incrível...
- 0m58s - Eu vi-o jogar mas não com os "olhos" de hoje... e agora nesta reciclagem dos resumos vejo nos pequenos pormenores muita, mas muita classe mesmo... o terceiro golo desta partida é mais um exemplo disso mesmo... simplicidade e classe na hora de colocar a bola no fundo da baliza...

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Carlos Lisboa aponta o caminho


É óbvio que é condenável a atitude dos adeptos no 'Dragãozinho' na passada quarta-feira à noite. Mas sendo óbvio que ninguém ficou bem na fotografia, incluindo as forças policiais, há gente com mais responsabilidade. Nestas coisas de claques, que são organizações que não aprecio propriamente, há que valorizar mais a instigação que a espectável reacção violenta. Parece-me óbvio e achei muito engraçado quando vi o Carlos Lisboa a negar tudo com as imagens do crime a passarem ao lado. A lata desta gente...

Mas o que importa é que perdemos e em casa. Não estamos habituados e há que reagir energicamente na próxima temporada. Se dúvidas houvesse sobre o rumo a tomar, Carlos Lisboa indicou claramente o caminho a seguir...

Quanto às declarações do Luís Filipe, poderíamos até ficar chateados. O homem foi buscar o cardápio quase todo. É a visita ao papa, o apito dourado, as escutas, a detenção falhada, o café, a fruta, etc.. Só faltaram os traques. A verdade é que já ouvimos isto vezes sem conta. É sempre a mesma coisa e já nem chateia. É o tipo de discurso repetido, tipo cassete, bem à maneira de outra organização vermelha... Ainda assim, não podemos deixar de registar que, perante ânimos exaltados, a estratégia é a da confrontação ainda mais violenta. Bem responsáveis estes 'Senhores'... Outra ilação que posso tomar é que para garantir que o homem consegue ler os "seus" discurso em termos, passaram a escrever os discursos com apenas uma frase por página. Repararam na quantidade de vezes que ele mudava de página nos poucos segundos de discurso que vimos nas notícias? Que delícia!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Varzim 0-2 F.C. Porto (87-88)...

Notas:
- O Estádio do Varzim estava abarrotar...
- Que efeito que a bola levava no livre do Geraldão...
- Gosto do pormenor do redes do Varzim a atirar-se para o chão quando repara que o árbitro anula o golo...
- Madjer e o calcanhar... sempre lado a lado...
- Rui Barros começava a aparecer...
- Vata era o ponta de lança do Varzim...

terça-feira, 22 de maio de 2012

FC Porto 2-0 Boavista (87-88)...

Notas:
- Saudades destes derbies...
- Boavista apresentou-se muito bem nas Antas... pelo menos pelo resumo...
- 1m44s: jogada muito bem delineada para o primeiro golo do FCP... um golo à Gomes...
- 2m16s: toque de classe de Madjer... claro, de calcanhar...
- 2m40s: João Pinto aparecer a finalizar de primeira... mais uma bonita jogada da equipa azul e branca...

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Efeito Pingo Doce



É a crise... As coisas em Itália também não andam bem e o FCPorto entrou na onda de caridade do Pingo doce e abriu promoções imbatíveis. Quem será o próximo a sair a 50% do valor da clausula de rescisão? Será Alvaro Pereira? Será Hulk? Pelo menos estes últimos 50% serão sempre um óptimo encaixe...

Ainda assim aconselho os interessados resistir à histeria e a esperar mais um pouco. Mais seis meses ou um ano de Vitor Pereira trarão promoções mais em conta...

quinta-feira, 17 de maio de 2012

V. Guimarães 0-0 FC Porto (87-88)...


Notas: 
- Estádio do Vitória em obras...
- Geraldão na estreia com a camisola azul e branca...
- 1m49s: Gomes a rematar para fora do estádio...
- Aquele relvado não parecia estar muito bem tratado...
- Mlynarczyk troca a camisola ao intervalo... nota-se porque a cor muda, agora já não se nota...
- 3m20s: Mlynarczyk defende livre com espectacularidade (acho que podia ter metido a bola para canto) e ouve-se um "broar" enorme no estádio...

terça-feira, 15 de maio de 2012

FC Porto 7-1 Belenenses (87/88)...


Notas:
- Vamos aproveitar este momento de pausa para recordar a época 1987/88 (esperemos nós na sua totalidade)... com este levantamento histórico pretendiamos ainda eleger o Top Ten dos golos portistas desta época... por isso, sempre que acharem que algum dos golos dos resumos apresentados merece essa honra indiquem nos comentários...
- Jornada inaugural da época 1987/88... Início da melhor maneira com goleada perante os azuis de Belém...
- Equipamento secundário do FCP era fixe... algo diferente para aquela época...
- 0:20 - Por falar em golos com classe, o primeiro de Madjer é digno desse atributo...
- 0:33 - "Falta sobre Jaime Magalhães que origina penalty e que INFELIZMENTE a imagem não pode esclarecer"... Muito Bom!
- 0:35 - Celso respondeu aos assobios? Porquê?
- 0:59 - Semedo com o número 4?
- 1:19 - Mais um bom golo de Madjer... classe é uma palavra que lhe assenta muito bem...
- 1:33 - O jornalista com "bitaites" interessantes como o FCP deve jogar...
- 1:54 - Hattrick de Madjer... este irá, certamente, para o Top Ten desta época... um golo "à Madjer"...
- 3:00 - As declarações do treinador do Vardar, equipa campeã jugoslava que o FCP iria defrontar na 1.ª eliminatória da Taça dos Campeões Europeus... "O Vardar não é o Belenenses..."... veremos mais prá frente nos próximos resumos que iremos apresentar...

domingo, 13 de maio de 2012

Só faltava a festa nos aliados


E já agora, faltava a confirmação de Vitor Pereira como próximo treinador. Está feito. É o nosso treinador e a decisão está tomada. Óbvio que não concordo. Continua a apostar-se numa solução transitória amenizada pela cultura de clube, pela qualidade da estrutura e sobretudo pela qualidade do plantel. Este ano chegou para consumo interno. Se isso contenta a administração... E não me venham com a história de que no FCPorto se cumprem contratos. Deu jeito para mandar a farpa em direcção a Lisboa. É óbvio que esteve em cima da mesa a substituição do treinador. Caberia na cabeça de alguém que não se tivesse feito um contrato de dois anos a Vitor Pereira? Fez-se porque não convinha admitir que se estava a fazer uma experiência por causa das circunstâncias muito particulares que se seguiram à saída de André Villas-Boas. E isto fosse mesmo uma opção segura, o seu contrato já estaria renovado há algum tempo. Acredito que irão fazê-lo em breve, mas já não terá o mesmo impacto que teria há uns meses atrás.

Vamos ao jogo. Foi descomplexado, sem pressão e com muitos jogadores a querer aproveitar a oportunidade. Nem todos o conseguiram mas já lá vamos. Isto resultou num jogo bastante agradável de seguir e um futebol de bom nível. Tivemos dois jogadores decisivos. Varela na primeira parte e Kleber na segunda. Varela é talvez um dos jogadores mais importantes nesta segunda volta. Entrou tão mal no campeonato que até já havia quem o pusesse ao nível de Djalma e de Cristian Rodriguez. O Varela da segunda volta trouxe viabilidade à opção de James como organizador de jogo e até à utilização de Hulk como ponta-de-lança, que até é algo que não aprecio propriamente, mas que foi utilizado com algum sucesso. Kleber apareceu quando já não era preciso. Mas voltam aquelas ideias que nós tinhamos do potencial dele. Será que se vai cumprir no FCPorto? Adensou-se a dúvida. De resto gostei de Defour que fez um bom final de época, gostei de Danilo que de facto não engana. Seria interessante vê-lo a jogar ao meio. Lembrei-me disso após aquela jogada em que ele arranca pelo meio e abre na esquerda para Djlama, que também fez um jogo agradável. Pela negativa, Iturbe não fez nada e Mangala parece por vezes distraído, o que o faz ter de andar atrás do prejuízo. O que lhe vale é que é rápido. Destaco por último Kadu. Fez-se de um miúdo de 17 anos campeão. Eu, que acompanhei a época dos sub-19, acredito que está ali valor, mas acho que se está a estragar o miúdo com mimos. Veremos como reage no seu último ano com júnior.

Para o ano há mais títulos a ganhar! Cá estaremos a acompanhar.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Rio Ave 0-7 FC Porto (87-88)...



Notas:
- Gosto da introdução do Ribeiro Cristóvão... "a primeira no BONITO ESTÁDIO do Rio Ave"...
- Rui Barros no primeiro tempo teve mais do que ocasiões para fazer, pelo menos, um hattrick...
- Sousa tinha muita classe... digno da camisola 10...
- Há muitos momentos do resumo em que o tipo que o está literalmente a relatá-lo... "André... Gomes... deixa para João Pinto..."
-  Que grande arrancada do André pela esquerda no lance do penalty...
- Gomes e a saga dos penalties falhadas... passou uma fase em que marcar não era com ele...
- Inácio a marcar golos? Deve ser coisa rara... não me lembro de o ver a marcar...

O melhor local para entrevistas...

Num almoço conseguem entrevistas para uma semana!

domingo, 6 de maio de 2012

Incrível festa


O FCPorto apresentou-se sem grandes objectivos competitivos. Titulo ganho, prémios individuais entregues. Interessava mais a festa e proporcionar aos adeptos uma boa despedida do Dragão. Cumpriu-se. Não foi uma exibição brilhante. O adversário também dificultou. Esteve bastante fechado e tentou aproveitar em transição o nosso ponto fraco que é a inexperiência de Alex Sandro devidamente 'protegida' pelo nosso pior e mais lento central, Otamendi. Por acaso, até são pontos fracos porque são opções mais fracas que as que temos no plantel, nomeadamente, Rolando, Mangala e o mais recente proscrito Alvaro Pereira. Há quem apoie esta fúria disciplinadora e até se 'engole' melhor agora que somos campeões e que o treinador, bestial ou besta, tem um título nacional no currículo. Eu continuo a achar que os casos de indisciplina têm grau de culpa igual ou superior para os treinadores e que, como tal, eles deverão saber tratá-los de maneira a poder ter em campo o melhor onze possível. E para mim não apresentamos o nosso melhor onze quando o Alvaro Pereira não joga. E pouco me importa se faltam dois jogos para o fim do campeonato. Se é para o vender, mais uma razão para tratar isto de outra forma. Nem se convoca o homem? Situação ridícula.

Por falar em situações ridículas, vamos a Hulk. Perguntaram-lhe no final, depois de lhe entregarem o prémio de melhor em campo, se tinha alguma mensagem para os adeptos. Hulk respondeu que lhes queria agradecer. Que muitas vezes o vaiavam, mas que depois ele lá marcava um golito e ganhava de volta os aplausos. É um jogador desconcertante e que se expõe demasiado à crítica de alguns adeptos. Mas será que merece assobios por falhar duas jogadas seguidas? Costuma-se dizer que os ataques ganham jogos mas que os campeonatos e ganham lá atrás. Pois em Portugal, Hulk ganha campeonatos. Custa muito reconhecer mas, neste momento, Hulk é o que mais nos aproxima do topo do futebol mundial. Moutinho, James, Maicon e sobretudo Fernando, ajudaram muito este ano. Mas sem Hulk não havia título nacional e a campanha Europeia tinha sido ainda pior. Que pensem nisso...

Importa a vitória e o score de pontos no Dragão bastante interessante. Siga a festa!

quinta-feira, 3 de maio de 2012

A eterna confusão entre o 'mais grande' e o melhor


Aí está mais uma daquelas frases que deve ter destaque de capa do orgão oficial das papoilas saltitantes. Por um lado agrada à cegueira dos seguidores e por outro faz as delícias dos adversários pelo ridículo que representa. Eu, por exemplo, adorei. Ainda nem consigo conter a gargalhada e já vi isto pela primeira vez há umas horas...

Por falar em benfiquistas à beira de um estado de colapso nervoso, vou falar de Rui Santos que, para mim, continua a ser um 'case study', visto que nunca vi pessoa tão fraca naquilo que faz, a ter tanto tempo de antena. Chegam a ser duas horas semanais para um tipo que trabalha em TV e não articula bem o discurso, não consegue explicar um raciocínio, não tem uma boa figura e imagem para TV e quanto a futebol, supostamente a sua especialidade, está constantemente mal informado e insiste em teorias contraditórias e enredos absurdos. Independentemente disto, imagino que aquilo tenha audiência. Não tem a minha. De qualquer forma, gostaria de deixar aqui, para quem não viu e quem não teve ninguém que lhe contasse, o que este Biltre insinuou enquanto se ia comentando em directo a festa do Bi do FCPorto. Começou por dizer que não conseguia perceber como um jogador faz aquele primeiro penalti nos Barreiros. Depois passou logo para um discurso sobre investigações que estão a decorrer por toda a Europa que incidem directamente sobre jogadores, esquecendo-se de dizer que têm a ver com apostas. Não é preciso ter mais que um neurónio para perceber a insinuação. Pelos vistos, nem é preciso ter mais que um neurónio para se ter tempo de antena nesta nossa terrinha à beira mar plantada. Nem para ser treinador DO clube do topo é preciso...

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Vitor Pereira, obrigado e até sempre...


«Vou deixar isso no ar». Foi a resposta de Pinto da Costa quando lhe perguntaram sobre a continuidade de Vitor Pereira. Para mim isto significa um importante 'volte-face' no discurso que teve até agora, o que pode indicar que, de facto, vamos trocar de treinador. Ainda em Janeiro, numa entrevista ao jornal 'O Jogo', o nosso Presidente insistia no facto de Vitor Pereira ter um contrato de dois anos. Além disso, temos consciência que, em circunstâncias semelhantes de contestação, houve sempre renovação do contrato de treinador, coisa que não se verificou desta vez. Tudo indícios de que Vitor Pereira deverá ser substituído. Mas há mais. Verificámos que em Janeiro se sentiu a necessidade de fazer regressar um jogador que pegasse no balneário e que o liderasse. Nessa mesma altura fez-se alterações consideráveis na estrutura de equipa técnica e houve um reforço da mesma com uma figura de peso junto da massa associativa e com fama de disciplinador, que foi Paulinho Santos. Tudo indícios de que havia, de facto, algo a mudar e de que o estado de graça de Vitor Pereira tinha acabado junto do Presidente. Junto de grande parte dos adeptos, esse estado de graça já havia expirado há muito.

Aqui no blog, há muito que 'pedimos a cabeça' de Vitor Pereira. Temíamos que não seria possível chegar ao título depois das arrepiantes exibições da Champions League, de Coimbra, de Barcelos e de Alvalade. Não se via ideias de jogo, consistência nas ideias vindas do banco, jogadores em eterno sub-rendimento e desvalorização de grande parte do plantel. Eram indícios fortes de que isto poderia correr mal. A verdade é que não correu. A época salvou-se com o título nacional que é sempre uma condição suficiente para que seja efectivo o sucesso desportivo de uma época. De facto, por aqui não há razões para despedir Vitor Pereira. Mais. Demos a volta ao campeonato obtendo vitórias no campo dos outros dois candidatos ao título. É obra! Por último, todos sabemos o que acontece a seguir à saída de treinadores marcantes no FCPorto e nomeadamente, a seguir a sucessos de nível Europeu. Com Vitor Pereira não tivemos a habitual época de 'seca'.

Mas não há só prós. Será que o título apaga a 'montanha russa' exibicional da equipa? Será que apaga a indisciplina que vimos e que não é nada vulgar no FCPorto? Será que apaga a péssima campanha europeia? E a desvalorização do plantel? Só não se desvalorizaram Hulk, Fernando e Maicon. Tudo o resto vale menos no mercado hoje. O próprio FCPorto vale menos na Europa depois de ter sido eliminado num grupo em que era 1º cabeça de serie e depois de ter levado mais um banho com um adversário do campeonato inglês, numa altura em que defendia o título ganho na época passada.  Adversário esse que foi eliminado pouco depois por uma equipa que nem sequer entrou nas contas do título nacional deste ano.

Que fazer? Parece-me mais fácil decidir se basearmos a decisão nas ambições que temos para o nosso FCPorto. Se achamos ou não que Vitor Pereira nos pode pôr novamente a lutar de igual para igual na Europa. Hoje em dia é isso que decide tudo. Seja a cotação dos nossos jogadores, sejam as convocatórias para as selecções. Eu não acho que Vitor Pereira seja uma solução válida para um FCPorto Europeu. Falta-lhe, mais que experiência ou conhecimentos, o carisma. Estará sempre em cheque e isso influencia a autoridade sobre os jogadores e a clarividência nas decisões. Foi uma solução de recurso perante uma situação complicada de resolver. Agradecemos os valorosos préstimos, mas é altura de retomarmos a ascensão europeia do FCPorto.