terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Alguém ofereça ao Basile uma box com Sport TV!



Quando vejo o meu FCPorto jogar como jogou na segunda parte com o Paços e com o Marítimo fico orgulhoso. Este é o futebol que eu gosto, de movimento constante, de velocidade, de táctica, de passes a rasgar, enfim… Espero que o Shalke ainda prove deste nosso ‘veneno’. Mas no meio de tudo isto despontam dois argentinos que juntos davam um jogador perfeito. Imaginem só a classe e a visão de Lucho, e a garra e o coração de Lisandro concentrados num jogador. A mim basta tê-los aos dois a jogar no Dragão. E na Champions. Mas acho que eles merecem mais ainda. Os génios sempre se imortalizaram ao serviço das suas selecções nacionais. Mas parece que Basile não está para aí virado. Nunca convocou Lisandro apesar de ser o Argentino a jogar na Europa com mais golos marcados. Compreendo que Messi, Aguero e Tevez são jogadores excelentes, mas Lisandro já merece uma oportunidade e pelo menos ser convocado. Já a ausência de Lucho é uma incógnita. Depois de anos a fio em que foi sempre convocado, Lucho deixou de ser convocado após a última Copa América. Ainda por cima, e ao contrário de Lisandro, o futebol de Lucho é muito superior ao de Cambiasso e de Gago, que têm sido as opções mais utilizadas nos últimos tempos. Isto só tem uma explicação. O Basile parece tão preguiçoso ou mais que um seleccionador que nós conhecemos bem. Se for assim, recomendo que alguém convença esse senhor que há mais futebol para além do que passa mesmo à frente do seu nariz. Vou ficar atento à próxima convocatória da selecção argentina…

Gostava também de falar de arbitragem. Tenho estado atento aos penaltys marcados e por marcar, e sobretudo aos comentários de supostos especialistas na matéria. Alguns até são considerados peritos no mediático caso do ‘apito dourado’. Conclusão, há 3 maneiras de se fazer penalty em Portugal segundo os peritos: 1- qualquer bola que toque na mão dentro da área; 2- Empurrões e coisas do género, 3- Derrubes, mas nada de lances rasteiros porque aí o avançado tem quase que provar que evitou a todo o custo o obstáculo que lhe apareceu pela frente. Veja-se o penalty marcado ao Belenenses neste fim-de-semana. Costinha entra a deslizar e toca com as mãos e a cabeça no avançado do Marítimo. Mas segundo os comentadores o avançado faz-se ao lance porque salta mesmo antes do choque. O mesmo raciocínio foi aplicado na análise do lance sobre Bruno Gama no jogo do sporting. Pergunto eu: é preciso que os avançados plantem os pés no chão e esperem o contacto para que se marque o penalty? É que assim arriscam-se não só a perder o lance como também se arriscam uma lesão. É que esta interpretação protege claramente os defesas. É isto que queremos? Estaremos com tal fobia aos habilidosos como o Liedson que perdemos o discernimento na análise destes lances? Ou será o efeito Coroado? Parecendo que não, hoje em dia fica toda a gente à espera da opinião desse ‘especialista’, mas a interpretação dele é sempre esta.

Quanto ao jogo de sábado, é melhor nem falar da primeira meia hora. Foi fraquinho. Depois aparecemos no jogo e tudo foi mais simples. O golo aos 45 minutos não foi surpresa nenhuma, dado o domínio e o excelente futebol que praticamos. Destaco os três argentinos que jogaram muito bem. A Farias só temos a apontar o golo de baliza aberta que falhou na segunda parte porque, de resto, foi para mim a sua melhor exibição pelo FCPorto. Quanto a Lisandro e Lucho, não há nada a acrescentar. É o que se vê… Gostei ainda do Raul e do Paulo Assunção… Aliás, ponho as mãos à cabeça com estes rumores de que não irá renovar…

Equipa para o Gil Vicente:
Nuno; Fucile, João Paulo, Stepa e Cech; Paulo Assunção, Kaz e Lucho; Hélder Barbosa, Tarik e Adriano.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Por falar em Guarda-redes...

Este sim... para mim será sempre intocável...

A segurança que transmitia era imensurável, especialmente nas bolas cruzadas para área... é óbvio que também teve falhas inacreditáveis, como qualquer outro, mas será para mim sempre o número 1... ou 99 como queiram... cresci quase sempre com ele na baliza do FCP e quando todos lhe apontavam o fim da carreira, renasceu e deu-nos a Uefa, a Champions e ainda Campeão do MUNDO de Clubes... palavras para quê... as imagens falam por si...



Destaco uma defesa pela Selecção aos 0m50s contra a Áustria... outra na Luz aos 4m23s... uma noite em Madrid que marca o regresso do Baía aos grandes palcos após a grave lesão que teve no Barcelona (embora tivessemos perdido)... e os penalties na Supertaça com o Benfica... não só os penalties, mas também os festejos...

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Mais meia hora de descontrolo


Foi nisto que se resumiu a derrota de ontem. Tal como na primeira meia hora nos Barreiros, voltamos a não controlar o jogo desde o seu início. Até já nem estavamos habituados mas se repararmos bem, normalmente tem dado em golos sofridos, basta ver o caso sintomático de alvalade: 5 minutos de descontrolo = 2 golos do adversário. O problema é que nos últimos 2 jogos tal descontrolo aconteceu por causa de falta de cobertura no lado esquerdo da defesa. Tal coincidiu com esta tentativa de troca de lado entre Raul Meireles e Lucho. Eis que invenção que Jesualdo preparou para este jogo: trocar os nossos médios de lado. O que é que motivou esta troca? Não consigo perceber. Para mim a ideia poderá ser aproximar Lucho de Quaresma, mas não faria mais sentido Lucho deambular pela direita quando Lisandro fizesse as diagonais para o meio no apoio a Farias. Todos nós sabemos que Lucho faz isso muito bem. É que ainda por cima foi exactamente isso que causou o desiquilibrio da equipa na ala esquerda. Na Madeira Ricardo Esteves teve meia hora para fazer o que quisesse, dispondo de todo o espaço do mundo. Deu até a ideia que a culpa era do Cech, mas Fucile teve os mesmo problemas. Aliás o Shalke viu esse jogo e logo decidiu colocar Kuranyi na esquerda... Enfim nada que não se tenha resolvido durante o jogo, mas para isso foram precisas boas exibições de Helton (apesar do primeiro golo), e grandes exibições de Pedro Emanuel e Paulo Assunção. O primeiro mostrou mais uma vez que a velocidade não é condição necessária para fazer um grande defesa e o segundo chega a cansar de o ver jogar. Paulo é simplesmente impressionante!

Concluindo, meia hora de descontrolo não chegou para me assustar. Podíamos ter marcado e o resultado podia ser mais promissor para a segunda mão, mas acho que chegamos claramente para este Shalke 04. De resto fica ficou a clara sensação de respeito que eles demonstaram pela nossa equipa. Defenderam de tal maneira que parecia que estavam a receber em casa um Real Madrid, um Manchester ou um Milan. Vou estar lá no dia 4 para apoiar a minha equipa na passagem aos quarto da champions.

Equipa para a recepção ao Paços:
Helton; Fucile, Stepanov, Bruno e Cech; Bollatti, Raul e Lucho; Quaresma, Lisandro e Farias.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

O árbitro mais sobrevalorizado do futebol português


Em primeiro lugar, gostava de dizer que não concordo com a estratégia de condicionamento que o nosso treinador aplicou na antevisão ao jogo dos Barreiros. Julgo que dão deveremos falar de arbitragem por norma e muito menos antes do jogo. Poderá haver algumas excepções mas apenas quando se tratarem de coisas para além do razoável, o que não me parecia o caso. Não nos marcou um penalty na Choupana… Quantas vezes já aconteceu este ano… Enfim, era evitável.
Mas o que veio a seguir foi ainda pior. O sr. Pedro Henriques abriu o livro. Conseguiu não acertar uma única decisão nos lances capitais do jogo. Este árbitro é péssimo tecnicamente. Normalmente os árbitros Portugueses têm todos os mesmos problemas: falta de coragem (sobretudo perante os 3 Grandes) e falta de critério disciplinar. Pedro Henriques tem mais um: ele não percebe o jogo. Não percebe que é a sua falta de critério na marcação de faltas que faz com que perca o controlo do jogo. Ele tenta aplicar um estilo à moda do futebol britânico e por isso tem sido endeusado pelos órgãos de comunicação social. Mas isto não se aproxima do que é feito no futebol inglês. O futebol nem é sequer comparável em termos de velocidade de jogo e cultura disciplinar enraizada. Mesmo assim acredito que este estilo do «deixa jogar» pode funcionar nalguns jogos mas é preciso haver critério, coisa que falta a Pedro Henriques. Nunca fica claro para um jogador quais são os limites impostos por Pedro Henriques: quando é falta, quando vai haver sanção disciplinar… Tudo isto resulta num descontrolo total quando o jogo é equilibrado e disputado. Ora era isto que estava a acontecer na Madeira. Um jogo rápido e muito disputado, até que a falta de critério o estragou. Depois de várias faltas por marcar ao Marítimo e a partir do momento em que eles perderam o controlo do jogo, passamos a ver entradas mais fortes, primeiro do Marítimo e depois dos nossos jogadores. A impunidade em Portugal resulta sempre em maior abuso… Tudo culminou naquele lance do Lisandro que claramente é merecedor de amarelo mas nada mais que isso. É claro que é uma entrada que só existiu por causa daquele voo de karaté que Mossoró cancelou no último segundo, mas não serve de desculpa… O árbitro que fez? Deu amarelo a outros dois jogadores… Mais tarde o Djalma faz falta por trás à entrada da área sobre Fucile. Segundo amarelo? Claro que não… E o escandaloso lance sobre Farias? Mas para mim o lance mais claro do jogo é o penalty sobre Lisandro imediatamente anterior ao golo do Tarik. Expulsão e penalty? Não, deixa jogar... Queria ver se o Tarik falhava…
O que vale é que conseguimos recuperar e fazer uma segunda parte fantástica. Grande velocidade, grande mobilidade, grande futebol! Lucho, Quaresma e Lisandro estão em grande forma. E é mesmo agora que precisamos deles. Gostei ainda do Raul Meireles, do Fucile e do Bruno Alves. Não gostei da primeira parte e sobretudo de Cech que está um defesa bastante permeável. Para terminar, tenho estado atento aos problemas de velocidade de Pedro Emanuel, sobretudo quando há desmarcações nas costas do Bruno Alves. Isso preocupa-me e acho que não era má ideia dar uma oportunidade a Stepanov já no próximo jogo em casa.

Equipa para o palco onde os nossos sonhos recentemente se tornaram realidade:
Helton; Fucile, Pedro Emanuel, Bruno e Cech; Paulo, Raul e Lucho; Quaresma, Lisandro e Tecla Farias.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Pura magia...

Em semana de jogo contra o Marítimo, porque não relembrar o melhor golo marcado a esta equipa... isto não é futebol... é pura magia...



Um dos que sai disparado a Deco é aquele que se tornou um dos melhores defesas da actualidade e que a nossa instituição vendeu por 30 milhões ao Real Madrid...

Por último, atentem na reacção do "Special One"... mesmo no fim do vídeo...

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Farias na Sertã, Bufos em alvalade e Augusto Duarte na luz

Eis as figuras do fim-de-semana: Farias, o Augusto Duarte e os bufos.
Farias, Raúl e Paulo Assunção garantiram qualidade mais que suficiente para uma vitória tranquila na Sertã. Apesar de ter aqui sugerido uma revolução ainda maior no onze, também me parece correcta a opção conservadora do treinador, até porque o calendário ainda não está tão apertado como isso. Destaque ainda para a reintegração de Tarik que ainda terá uma palavra a dizer n luta por um lugar no onze. No entanto, este Farias não poderá sair do onze enquanto puser este empenho no jogo. É que além disso, ainda há golos, óptimo jogo de cabeça, sentido de desmarcação, bom jogo de costas para a baliza... Enfim, bela surpresa que nos trouxe 2008. Destaque ainda para a paulatina introdução de jovens valores e dos habituais suplentes na equipa. Se as ambições que temos para a Champions se concretizarem, vão ser precisos até ao fim da temporada.

Lá nos arredores da segunda circular, continua a imperar a real barafunda. Comecemos pela instituição. Augusto Duarte não era nomeado para um jogo do benfica há anos. Parece-me óbvio porquê... Aliás livrem-se de o nomear para um jogo do meu FCPorto! Por muito que dure este processo, e apesar do ónus da prova da história dos chocolatinhos estar nas mão dos procuradores e não nas mãos do nosso Presidente, não há condições para que este árbitro apite nem FCPorto nem benfica, e consequentemente, e por uma razão de equidade, o outro crónico candidato ao título o sporting. Nesse aspecto a Liga tem sido cuidadosa qb, como se exige. Mas aqui entra a Federação Portuguesa de Futebol. Essa gente vive num mundo à parte. Quer dizer, não será bem um mundo à parte. É um mundo de incompetência e como estamos em Portugal… Não é que a Federação se sente com pujança para organizar um Mundial, sem que antes disso prove que pode organizar uma competição profissional nacional? Já tivemos de tudo nesta taça. Para além deste caso já houve uma ronda em que tivemos duas equipas isentas (que tal por essas duas equipas a jogar entre si?!), aliás há sempre pelo menos uma equipa isenta, o que é fantástico. E até já houve uma nomeação tão imprudente como esta. Se bem se lembram, para o jogo do FCPorto contra o Desportivo das Aves foi um árbitro que tem um processo em tribunal contra o pai do actual presidente do Aves, que é até o anterior presidente do clube. Toda esta incompetência só pode resultar numa coisa: arbitragens condicionadas à partida. E foi o que aconteceu ontem na luz onde o sagaz repórter Nuno Luz até foi perguntar ao Augusto Duarte minutos antes do jogo como é que ele era capaz de arbitrar um jogo do Benfica nestas condições. Pois… Lá capaz ele pode ser, mas para além do handicap natural de ser dos árbitros mais fracos da primeira categoria, estava ainda mais condicionado. O que é facto é que não me pareceu ter falhado nos lances dos penaltys apesar de haver uma falta anterior clara no lance do segundo. Aliás o treinador do Paços tem mais queixas, mas como só vi o resumo, não posso estar aqui a opinar em seco… No fundo sobram duas conclusões do jogo de ontem: a incompetência dos quadros da Federação e o futebol aos repelões do benfica sem ponta de fio de jogo. Não admira que agora tenham passado a jogar com dois postes lá na frente. Assim não têm de construir jogo, é cortar e jogar directo lá para a frente e esperar que os armários vão aos encontrões desviando os defesas até à baliza. Se funciona com as equipas escocesas…

Quanto ao sporting, depois dos segredos e desavenças de balneário serem expostos nos jornais, Paulo Bento, tinha duas hipóteses: mentia e negava que aquilo tinha acontecido ou refugiava-se num «Este é um assunto para ser discutido no interior do grupo» ou qualquer outro refúgio deste género que os bons treinadores usam quando as coisas correm mal. Mas o Paulo fez pior: ao admitir que existem bufos, tem implícito que pelo menos grande parte ou a totalidade da notícia é verdade. Aí sim: concordo que já não há grande espaço para a autoridade do treinador. Aliás, Paulo Bento fez isto diversas vezes. Que interessam as repetidas demonstrações públicas de disciplina se passado nem uma semana aparecem consecutivamente novos casos… Além disso, e tal como os seus eternos rivais no campeonato da segunda circular, não mostram nada dentro de campo que justifique o estatuto de candidato ao título nacional...

Por último, gostava de falar da Selecção. Estou seriamente preocupado. Apesar da falta qualidade clara de alguns jogadores como Ricardo, Caneira e Petit (que está uma sombra do jogador que já foi), esperava que a restante equipa e sobretudo os fantásticos Quaresma, Deco e o melhor jogador do mundo Ronaldo, chegassem para suprir essas lacunas. Mas é preciso mais. Falta afinar a dupla Ricardo Carvalho/Bruno Alves e falta ter um meio campo em forma. E aqui é que reside o problema. Maniche jogou mal, Petit não tem pernas e Deco está num estado lastimável de forma física. Soluções: ir introduzindo Miguel Veloso na posição de trinco que apesar de não estar em forma é claramente a melhor solução para trinco e arranjar uma alternativa para o caso de Maniche continuar sem ritmo de jogo. Para já a melhor solução parece Raul Meireles mas há ainda Moutinho, Manuel Fernandes, Pedro Mendes e até Tiago que está a começar a jogar na Juve. Quanto a Deco não há alternativas. Resta rezar que melhore... Quanto à questão do ponta-de-lança, pouco importa enquanto Ronaldo e Quaresma jogarem sozinhos... E que faz o seleccionador perante os desafios que tem pela frente? Lança críticas vagas sobre excesso de peso e excesso de vedetismo... É o que temos, já me conformei com a ideia...
Equipa para a dificílima deslocação aos Barreiros:

Helton; Zé, Pedro Emanuel, Bruno, Fucile; Paulo, Raul e Lucho; Quaresma, Farias e Lisandro.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Jogos de Taça...

Jogos de Taça, são sempre jogos de Taça... e a surpresa anda sempre perto de acontecer...

Desta vez não aconteceu, senão também não colocaria aqui o vídeo para recordar... mas teve quase...
Foi há 10 anos, não muito longe de casa e com uma equipa que infelizmente (dada a proximidade) começa a desaparecer do panorama maior do futebol nacional...

FC Maia 4-5 FC Porto (Época 1997-98)...



Fica na retina deste vídeo, a exibição do actual guarda-redes do Chelsea e uma saudade enorme dos passes teleguiados do Drulo...

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Está resolvido o problema do ponta-de-lança?


Mais uma vez o blog foi destacado no JN de quarta-feira. Já é claro que o JN nos tem como site de referência na blogosfera portista, facto que nos enche de satisfação.

Ora vamos ao nosso FCPorto. Passada uma semana, tudo voltou à normalidade na Liga Portuguesa: nós no nosso capeonato à parte e os outros no seu campeonatozinho para clubes de futebol subdesenvolvidos. É de lamentar até porque acho que este nível de competitividade nos prejudica imenso nas provas europeias, mas é o que temos... A descrença é tal que há muito tempo que não ouço nem o presidente da suposta instituição a falar do apito dourado, nem o presidente do auto proclamado clube mais prejudicado pelas arbitragens do universo, reclamar de arbitragens. É deveras sintomático.
Vamos jogo de treino contra o Leiria. Chamo-lhe jogo de treino porque não foi um jogo em que fosse preciso grande empenho dos jogadores. Nem foi preciso esforçarmo-nos muito em defender visto que permitimos ao Leiria, que confirmou o estatuto de maior candidato à descida, várias oportunidades de golo no Dragão, algo que não é muito normal. O destaque vai naturalmente para Farias e o seu hattrick (ou não?! Pelos vistos fez o suficiente para estar em fora-de-jogo mas o golo não é dele). Nas ultimas exibições Farias fez tudo para nos descansar quanto à questão do ponta-de-lança. Raçudo, boa técnica e, para já, sempre no sítio certo. Assim recuperamos o Lisandro para a ala, tal com aqui pedi tantas vezes. Os resultados estão à vista: Lisandro continua a marcar, mas com a diferença de o ponta-de-lança marcar também, ou seja, mais poder de fogo na área, mais golos e por duas vezes resultado de 4-0 em casa… A única coisa que me inquieta em Farias é o que me inquieta em Adriano e em Postiga. Parece que só começam a jogar e a marcar quando as coisas lhes começam a correr bem. E quando corre mal? Afundam-se… O Quaresma foi assobiado há 15 dias e tem vindo a responder categoricamente… Temo que, tal como Adriano e Postiga, lhe falte mentalidade, sobretudo por causa das fraquinhas exibições que tinha feito no ano passado, mas esperemos que esteja errado. Quanto aos restantes destaques do jogo, temos a temível tripla Lucho-Lisandro-Quaresma. Quando estes 3 se lembram de jogar ao mesmo tempo, cuidado! Muito cuidado! Então com um Farias inspirado… Enfim, o jogo valeu pelo desempenho destes 4.
Equipa para o jogo com o Sertanense, equipa da 3ª Divisão Nacional:
Nuno; Zé, Stepa, João Paulo e Cech; Bolatti, Kaz e Castro; Mariano, Hélder Barbosa e Adriano (com Rabiola a jogar a segunda parte)
Ps: O Jesualdo que avise os miúdos que têm uma oportunidade para agarrar. Todos sabemos da dificuldade que tem para motivar a equipa para estes jogos, por isso, poupem-nos de sustos… Sublinhei 3ª divisão nacional por alguma razão…
Ps2: Eu sinceramente não percebo a admiração pelo jovem lagarto Rui Patrício ser convocado para a selecção. O que me admira é o Ricardo continuar a ser convocado. E já agora o Petit também.