sexta-feira, 31 de agosto de 2012

O Rato Atómico...

Um dos elementos das últimas equipas técnicas do nosso clube, o qual nunca perdeu nenhum encontro oficial como treinador principal, é o cromo recordado da semana...

Rui Barros era um verdadeiro rato atómico e quando falamos dele vem, inevitavelmente, à memória o seu golo em Amsterdão contra o Ajax na primeira mão da Supertaça Europeia de 1988...

Rui Barros fez uma época de sonho na sua época de estreia no FCP, sendo que na época seguinte foi logo transferido para a Juventus, apenas regressando anos mais tarde...

Chegou, viu e venceu... sintetiza o seu primeiro ano no Dragão depois de ter jogado no Varzim, sagrando-se Campeão Nacional, vencendo a Supertaça Europeia e sagrando-se Campeão do Mundo na neve de Tóquio...

Fez uma mítica dupla com Domingos quando regressou na época em que éramos comandados por Bobby Robson...

Wikipédia...

"Rui Barros foi campeão nacional de juniores pelo FC Porto em meados da década de 80. No seu percurso juvenil vestira as camisolas do Aliados de Lordelo, do Rebordosa, o clube da sua terra, e do Paços de Ferreira. A exemplo de outros, não teve a sorte de subir imediatamente à equipa principal, tendo sido emprestado, para rodar, ao Covilhã (2ª Divisão) e ao Varzim. Ao serviço deste último sagrou-se campeão da Zona Norte da 2ª Divisão. Regressou ao seu clube de coração na ressaca da conquista da Taça dos Campeões Europeus. Lançado por Tomislav Ivic, contribuiu para as vitórias na Taça Intercontinental e na Supertaça Europeia. Neste último jogo, marcou mesmo o único golo com que o F.C. Porto derrotou o Ajax, na primeira-mão, na Holanda. Este golo, obtido após uma abertura de Gomes, isolando-o na cara do guarda-redes, resumiu as qualidades que fizeram dele um jogador de eleição na Europa: a rapidez e a técnica. Foi com naturalidade que assinou pela Juventus. Jogou lá dois anos e ainda hoje é considerado uma das velhas glórias da vecchia signora. Em 95 jogos (incluindo campeonato, taça e provas europeias) fez 19 golos, tendo ganho uma Taça de Itália e uma Taça Uefa. Entre 1990 e 1993 jogou no Mónaco (ao lado de George Weah) de Arsène Wenger, ao serviço do qual marcou 4 golos na Taça das Taças, contribuindo para a ida à final, que acabaria por perder para o Werder Bremen, em 1992. Na época de 93/94 jogou no Marselha (com Futre), antes de regressar ao FC Porto para ser um dos obreiros do futuro PENTA-campeonato. Foi internacional por 36 vezes (desde 1987 a 1996) e marcou 4 golos ao serviço da selecção."

Cromo...
Carreira...

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

"O Sporting não devia dar tão tarde porque dá sono..."

Imperdível...

Farense 0-1 FC Porto (87-88)...


Notas:
- 0m00s - Recordação motivada pela deslocação dos azuis e brancos neste sábado ao Algarve...
- 1m36s - Grande arrancada de Rui Barros... leva tudo à frente e consegue o golo solitário que nos daria 2 importantes pontos..,
- 2m33s - O Paco Fortes tinha ar de ser daqueles jogadores de raça... e com estilo... aquelas meias para baixo não enganavam...
- 3m02s - Este tipo de faltas raramente eram marcadas... agora também já é menos usual os guarda-redes sairem com o pé tão levantado...
- 3m27s - O árbitro a não deixar entrar a assistência para o Jaime Magalhães... Muito Bom!
- 3m52s - Celso sem cerimónias...
- 4m36s - Estádio completamente cheio...

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Arranque


Depois da entediante exibição da primeira jornada em Barcelos, esperávamos uma resposta  à altura. Terá sido este o verdadeiro arranque do campeonato. E viram-se coisas interessantes. Desde logo, 'espetámos' quatro golos a essa agremiação pela qual eu tenho tão pouca simpatia, que é o Vitória. Depois houve ali bons momentos e bons golos. Não mais que isso. Óbvio que o ritmo não aumentou assim tanto e também não me parece que a equipa esteja sequer perto do potencial que tem. Ainda assim, deu para animar as bancadas cheias daqueles adeptos que só têm a possibilidade de ver o FCPorto ao vivo uma vez por ano.

Quanto ao jogo, tivemos as alterações óbvias nas laterais, com a entrada daqueles que, à partida, serão os titulares. Digo 'à partida' porque não sabemos o que irá acontecer até ao final da semana. Por exemplo, se sair Moutinho, julgo que uma das opções mais credíveis para o lugar é o Danilo, sendo que até o Alex Sandro fez recentemente esse lugar na selecção olímpica brasileira. Nesse caso, Miguel Lopes agarrará a titularidade com facilidade. Outra alteração que vimos foi a entrada de Atsu para o lugar de James. Quanto a isto julgo que Vitor Pereira esteve bem e jogou com a iminente saída de Hulk. Por um lado, ficou claro mais uma vez que Atsu já tem pedalada para estas andanças. E ainda há Varela que entrou bem e é um suplente de luxo. Depois temos a transição de James para o meio, onde ele ambiciona jogar e onde muitos julgam ser o seu lugar natural. Eu sou um deles. Ou seja, se Hulk sair, haverá três soluções muito boas para as alas com James, Atsu e Varela. Se Hulk não sair, haverá a possibilidade de ir passando o testemunho de organização de jogo entre Lucho e James. É difícil de jogar com tantas incertezas mas não me parece de o Vitor faça mal em abrir o seu leque de opções. Isto apesar de ser um crime ter James no banco. Por falar em Lucho, continua a demonstrar que o factor idade ainda não pesa assim tanto, muito menos em jogadores que, como ele, imaginam facilmente as jogadas antes de todos os que os rodeiam em campo. Quando se é inteligente a jogar não é preciso correr mais que os outros... Moutinho e Fernando elevaram um pouco o nivel do seu jogo e facilmente se foi conseguindo criar lances de perigo, quer pelo bom apoio dos laterais ao ataque, quer pelas jogadas individuais de Atsu e Hulk, quer pelas combinações a meio, orquestradas por Lucho e Moutinho. O primeiro golo surgiu numa delas. Vários toques de primeira e a bola entra facilmente em Lucho que não falhou perante uma tentativa falhada de 'passe de morte'. Depois, perante a fraquíssima réplica do adversário, foi só gerir até que os golos aparecessem naturalmente. E podiam ter sido mais.

Individualmente o destaque de MVP vai para Lucho. No entanto, não houve nenhuma exibição que me desagradasse. Também não houve nenhuma super-exibição. Hulk e Atsu estiveram bem, o meio-campo dominou o jogo facilmente e a defesa não teve trabalho. Até os suplentes James e Varela entraram bem.

Mas tudo isto é demasiado incerto. Continuaremos à espera dos desenvolvimentos desta semana. Pelo que vejo, a nossa intransigência negocial tem arrastado os processos de venda e mesmo de compra para a deadline do mercado. Isto torna muito difícil a vida do treinador e deixa os adeptos nervosos e colados às notícias de desportos destes últimos dias. Segue a inquietude...

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

A Cultura do Piton de Alumínio...

(post anteriormente publicado e actualizado em 24.08.2012)

Depois de recordado no último vídeo, nada melhor que a distinção de cromo da semana para Jaime Pacheco, homem que passou pelos dois clubes que se vão defrontar neste fim de semana e que agora se encontra a realizar uma aventura profissional na China como treinador.

Jaime Pacheco teve uma ascensão meteórica, começou a jogar futebol no Rebordosa com 16 anos e passado 4 anos estava no FC Porto, contratado por José Maria Pedroto, para ele o verdadeiro mestre, não há cá Special Mourinho's, principalmente depois do bate-boca entre eles: um só tinha um neurónio e o outro, pelos vistos, era doente mental.

Esteve nove anos no Porto, pelo meio esteve duas épocas no Sporting mas ainda regressou a tempo de se tornar Campeão Europeu. Depois ainda passou pelo Setúbal, Paços, Braga, Rio Ave e Paredes. Representou ainda a selecção no França84 e no México86. A primeira experiência no comando técnico duma equipa foi no Paços de Ferreira quando era jogador-treinador, mas a primeira vez que assumiu somente a pasta de treinador foi no União de Lamas. E seria nas Antas que se deu a conhecer quando, para a Taça de Portugal, empatou a zero mesmo com Jorge Silva a falhar um penalty nos últimos minutos da partida e não provocar um escândalo ainda maior. Nessa época, Pimenta Machado levou-o para Guimarães para tirar o clube do fundo da tabela e na época seguinte estava nas competições europeias. Curiosa a saída de Guimarães quando estava no segundo lugar porque, segundo Pimenta, não gostou da forma como Pacheco se dirigiu a uma pessoa da Direcção... Acho que já ouvimos desculpas melhores...

No entanto, foi a sorte dele, foi para o Boavista e lá viveu os melhores anos de treinador, participações na Liga dos Campeões, título de Campeão Nacional e até às meias-finais da Taça UEFA chegaram (ameaçando um derby tripeiro em Sevilha) foram o máximo que conseguiu atingir enquanto treinador. Teve, também, um outro ponto alto logo a seguir, em Mallorca, quando obrigou Samuel Eto'o a vestir calções em vez das calças de fato-de-treino. Talvez este episódio tenha justificado a sua curta estada em Espanha... isto e os maus resultados. Depois foi sempre a cair, Guimarães, Boavista, Belenenses e, por fim, Al-Shabab na Arábia. Agora está na China enfrentando uma nova aventura profissional.

Frases «à la Pacheco»:1. "Caneleiras desde o primeiro dia! Um jogador não pode passar o treino a pensar que pode magoar-se, portanto é melhor estar protegido."
2. "quando o Benfica não ganha o jornal "A Bola" não vende"
3. "Com respeito por todos, agora pelo Jorge Jesus, fiz mais que todos os treinadores portugueses que chegaram a um grande. Não fui apenas campeão, fui duas vezes segundo classificado no campeonato e o Jesus foi quinto no Braga com uma equipa melhor que aquela que o Domingos tem agora."
4. "O sr. Amândio de Carvalho, que ainda hoje está na federação, prometeu-nos em França um cartão vitalício, que nos havia de permitir entrar em qualquer campo para assistir a um jogo. Nem isso cumpriu. No México, supostamente tínhamos direito às camisolas de jogo. Nem isso. Fiquei com a do último jogo e entreguei-a em Fátima como promessa."
5. "Eram outros tempos, tinha colegas que fumavam ao intervalo e davam tudo no relvado; tive outros que bebiam água e leitinho e não se mexiam lá dentro"
6. "Não gosto de falar dele (de Mourinho), como gente não presta. Nunca me meti com ele nem acho que deva falar dele. O meu único desejo é que o salário mínimo dos portugueses triplique e todos sejam felizes. Não sei se vou dar um ou dois apartamentos aos meus filhos, mas quando morrer ao menos que se lembrem que eu dizia sempre a verdade. Como costumo dizer, só minto à minha mulher! A mais ninguém!"
7. "no ano em que o Rui Águas e o Dito trocaram o Benfica pelo FC Porto, o Toni convidou-me para ir para o Benfica. Tinha 27 anos. Mas já tinha dado a minha palavra ao FC Porto."
8. "O João Pinto teve grandes dificuldades de adaptação ao Boavista. Não estava preparado psicologicamente para passar do Sporting para aquele Boavista. Não estava preparado para uma descida tão grande (de qualquer maneira, a sete jornadas do fim do campeonato e com cinco meses de salários em atraso ainda lutávamos pelo segundo lugar). Por outro, também não estava bem fisicamente, e a fase de divórcio também não ajudou."
9. "o Bosingwa - lembro-me que ficou muito zangado quando o coloquei a jogar a defesa direito e hoje está onde está"

10. "O Petit deve lembrar-se bem. À terça-feira doía-lhe sempre ou o dente ou a unha. Deixava-o a correr horas a fio - da parte de tarde já não tinha dor."
11. "Repare - e aqui não estou a falar de A ou de B -, para se chegar a certos lugares é preciso ir a muitas capelas ou a muitos bruxos. Duvido muito que as grandes portas se abram sem que se faça isso. Posso chegar ao fim da vida com menos dinheiro e menos currículo mas tenho coluna."

12. "É verdade, fui proibido (de jogar na equipa de veteranos do Porto), mas o problema está ultrapassado. Como disse, conheço os motivos da tensão. A verdade é que não gosto de pedir favores e enquanto treinador tive que fazer declarações em defesa do meu clube que não caíram bem em alguns meios. E, portanto, tudo isso tem um preço, mas tenho uma excelente relação com muita gente do FC Porto."

Cromo...
Carreira...


Nota de Rodapé: Repostagem do "cromo" Jaime Pacheco com algumas actualizações. Rubrica que terá presença assídua no nosso blogue às sextas-feiras.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Crónica requentada


Escrevi isto na noite do jogo. Entretanto, não voltei a ter acesso ao texto que escrevi e, sinceramente não me apeteceu escrever outro. Na altura chamei-lhe «O primeiro jogo de pré-época de Hulk». 

Hulk é o único jogador que jogou em Barcelos que não fez pré-época. Será o único que tem desculpa para jogar no ritmo que se jogou. Há ainda Alex Sandro mas esse já entrou na fase da desgovernação. Aquela primeira parte é daquelas que bem se definem em conversas ao intervalo com um «isto vai dar merda...». Todos os condimentos estavam lá. Ritmo lentíssimo, sobranceria, adversário inóquo e em busca do pontinho e aquela estúpida e perigosa noção de que o jogo se vai resolver a qualquer altura. Pois claro que o que se previa se cumpriu. Trouxemos um pontinho de onde no ano passado não trouxemos nenhum. Poderia até ser um mal menor. Mas não me sai da cabeça que entre o que aconteceu nesta época e a anterior, apenas muda a eficácia do Gil nas bolas paradas e uma arbitragem que este ano foi pouco menos escandalosa. E isso dá-me a ideia que de um ano para o outro não se aprendeu com os erros, o que considero grave. O forcing final não chegou e perdemos uma boa oportunidade de ganhar vantagem.

Individualmente o destaque vai para Hulk. É o incrível e é sempre ele a mexer com a equipa mesmo quando não faz uma exibição portentosa, como foi o caso. Gostei da entrada de Alex Sandro. Seria previsível e não se percebe como é que se queimou uma substituição quando ele podia perfeitamente ter jogado de início. Tirando isso, gostei das mexidas do banco. Os dois avançados poderão resultar bem contra estes autocarros e notou-se que as oportunidades de golo e de perigo aumentaram com esta mexida. Gostei mais de Jackson do que em ocasiões anteriores. Nota-se bem a sua presença, sobretudo no contronto físico e no jogo aéreo, sendo que, depois troca a bola fácil e sem invenções. Não gostei James e do Moutinho. Já sabemos que o Moutinho não sabe jogar mal mas espero muito mais deles. Atsu também entrou bem. Os restantes estiveram a um nivel apenas regular.

Mas esperemos que esta exibição cinzenta se trate apenas uma ligeira prolongação da pré-época e que a competição a sério chegue já no meu regresso ao Dragão. Que saudades!

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Mais uma...


 A crónica será tão rápida como o interesse que esta pré-época tem tido para mim... 

Ok. Será um pouco mais longa visto que uma frase não daria para falar do jogo de Sábado. Fico contente que a nossa grande contratação para esta época já facture. Não direi que me tenha convencido. Até me parece um pouco lento, mas são apenas as primeiras impressões e são mais positivas que negativas. Quanto ao jogo, foi mediano e ao nível do que tem sido a pré-época. A vitória é justíssima e a Académica não mereceu estar tanto tempo empatada. A equipa com este Lucho que já não tem a pedalada que tinha (pés e ideias não lhe faltam) e sem Moutinho fica partida. Fernando faz o que pode, mas não dá para ligar tamanha distância. Isto leva-me à questão da ausência de Moutinho do onze titular. Se não está vendido ou à venda, se não há nenhum caso de indisciplina, não aceito que não seja titular. Já estamos sem o melhor jogador da equipa e ainda ficamos sem o motor. Estão a tentar provar-nos que ganhámos sem eles? Poupem-nos! Esta política que se tem tido com os jogadores vendáveis é desastrosa. A começar por Belluschi, Sapunaru, Fucile, Alvaro Pereira, Rolando e até Varela. São jogadores que, pelos vistos, queremos vender. Mas é escusado encostá-los no banco ou na bancada. É ruinoso desportivamente e sobretudo economicamente. Salvar-se-á a moral do grupo? Até ao primeiro resultado negativo... Esperemos que não chegue e que as perdas sejam apenas financeiras.