segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Stress

Estamos perante um problema recorrente. Lógico que estou a pensar em finalização. Se já tinha ficado claro nos últimos jogos que ganhamos, ontem o problema ficou completamente a nu: marcamos poucos golos dado o caudal ofensivo que temos mantido. Começa a ser stressante assistir a um jogo do FCPorto. Sobretudo porque percebemos que a incapacidade de converter golos fáceis como os que falharam Bruno Alves, Lisandro e Farias, etc. está a dar consecutivamente confiança ao adversário. Ontem mesmo, o Marítimo teve 4 (!?) oportunidades de golo. Impensável no Dragão. E estamos a falar de uma equipa que atacava no máximo com 3 elementos visto que jogou com 5 defesas e 2 trincos. Muito pobre e o mais certo é tácticas destas resultarem em goleada do que em empate. Ainda assim e contando com isso, criamos o suficiente para vencer e só o passar do tempo conseguiu degradar a qualidade do nosso jogo. No entanto não podemos deixar de reparar numa coisa que Jesualdo fala muito que é a gestão dos ritmos de jogo. Não creio que o estejamos a fazer convenientemente. Há alturas do jogo em sufocamos ao máximo o adversário havendo outras em que lhe damos liberdade completa. Poderá ter a ver com o facto que termos pouco Lucho mas de facto é stressante esta discrepância exibicional dentro do próprio jogo e a forma como por momentos perdemos algum controlo das operações. Uma coisa é certa, não podemos sequer comparar a exibição de ontem à do Dinamo em casa e à do Rio Ave. Não houve aquela apatia perante o desenrolar do jogo. O problema agora é outro que até parece mais fácil de resolver. Basta os nossos avançados não coincidirem da desinspiração como aconteceu ontem.

Individualmente, Lucho parecia que ia fazer a primeira grande exibição em meses mas simplesmente desapareceu na segunda parte. Nestes casos é altamente recomendável a substituição por Guarín ou Farias, por exemplo. Lisandro e Hulk tentaram bastante mas não era noite de acerto no toque final. As duas entradas de rompante e de cabeça de Rodriguez entusiasmam, visto que o que mais me incomodava nas suas exibições era a sua ausência das zonas de finalização. Rolando não fez um bom jogo, tal como Fucile, sendo que no caso do primeiro é apenas a primeira vez que acontece. E agora vamos às minhas embirrações do costume. Pedro Emanuel a lateral deixa a equipa coxa. Fernando pode neste jogos ser substituído por um jogador que apresente outro tipo de soluções ofensivas, por muito que seja um jogador impressionante defensivamente. Jesualdo devia ter mexido no jogo mais cedo. Apesar de a entrada de Mariano ter resultado, deveria ter feito outra alteração de seguida. E parece-me que quando as coisas correm mal em campo e não se faz as 3 substituições dá-se um mau sinal ao plantel. Se Farias não serve para entrar num jogo com 0-0 no marcador antes dos oitenta minutos, não precisamos só de um lateral esquerdo no mercado de inverno.

O resultado de ontem volta a tornar imperioso que não se volte a errar, o que até não é mau visto que a equipa tem respondido optimamente nessas situações. No entanto, apesar do ressurgimento dos resultados, não deixamos de notar que precisamos de algumas prendas no sapatinho. Como não gosto muito do mercado de inverno, fiquemos apenas por um novo lateral esquerdo.

Um bom natal!


sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Sorteio Simpático


Por muito que eu preferisse o Lyon e o Villareal, Atlético de Madrid está ao nosso alcance prevendo-se dois jogos bastante equilibrados. Por um lado temos a nossa experiência na prova e do outro temos uma equipa recheada de grandes jogadores sobretudo do meio-campo para a frente onde Forlan e Aguero chegam para meter medo a qualquer um. E ainda há Simão, Maniche, Maxi Rodriguez, etc. Aliás, é uma equipa que joga bem pelas alas que é um dos nossos pontos fracos defensivamente. Mas até lá muita àgua irá correr...

Ps: Preparem a cabeça de leitão para atirar ao 'pesetero' Paulo Assunção.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Complicómetro


Deve ter batido nos limites o complicómetro. Foi uma preocupação constante a forma como a equipa insistiu em tornar difícil um jogo que poderia ter sido bem mais tranquilo, sobretudo pela forma como entramos no jogo. Ao contrário do que havia acontecido em Setúbal, entramos com vontade. No entanto, percebeu-se que a vontade esmorecia sempre que chegávamos ao golo, o que não deixa de ser caricato. Isto aliado à já habitual serie de golos fáceis falhados e a uma exibição de Fucile que oscilou entre a ajuda preciosa lá na frente e as 3 paragens de cérebro que redundaram em dois golos sofridos e um penalty para o Estrela por marcar. Mas não me conformo com tanto golo falhado. Precisamos de 3 oportunidades claras para marcar um golo enquanto que os nossos adversários têm marcado de qualquer maneira. Para ajudar, houve ainda um lance de mão na bola claríssimo na área do Estrela. O jogo acabou por ser resolvido num lance de pura magia como já não víamos desde que Quaresma foi para Itália em busca de uma vida melhor (até agora, em vez de uma melhor ‘bida’ saiu-lhe um bidão) Hulk é mesmo uma caixa de surpresas. É que não se sabe mesmo o que vai sair dali. Destaque igualmente para Rodriguez. Dois golos fora de casa. Nada mau! Tem crescido com a equipa e sobretudo na equipa. Para além da exibição de Fucile, gostaria de destacar pela negativa duas coisas que até já começam a ser habituais. Lucho continua algo desligado do jogo e desastrado no último passe, que é algo que nunca lhe tínhamos visto. Por último, volto a insistir: Pedro Emanuel a lateral é uma fonte de problemas. Nem defende em condições, nem ataca. E isso faz com que o extremo daquele lado tenha uma vida descansada. É só atirar a bola para a frente e correr atrás dela. Sem bola pode descansar à vontade visto que o nosso capitão não passa o meio-campo.


O mais importante é que cumprimos a nossa missão e vamos numa serie de resultados muito boa. Ainda assim, e por muito que os nossos adversários já tremam, sente-se que algo não está bem. E isso só pode resultar de um pequeno grande pormenor: ainda não estamos em primeiro. E acredito que tem sido essa insatisfação que tem levado a esta serie de resultados. Espero igualmente que a insatisfação com aquele resultado em casa com o Leixões esteja bem presente. Não espero nada menos que um autêntico atropelamento da equipa do Mota, a caminho de mais uma presença no Estádio de Oeiras.


Equipa para fechar o ano em beleza:


Helton; Fernando, Pedro Emanuel, Bruno Alves e Fucile; Pelé, Raul Meireles, Lucho e Rodriguez; Hulk e Lisandro.



segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Plantel à prova




Este ano vão ser assim os jogos da Taça de Portugal e da Taça da Liga: testes à qualidade e homogeneidade do plantel. Foi nessa perspectiva que os portistas viram o jogo de sábado. Há que analisar as segundas linhas e tentar perceber até que ponto podem entrar facilmente num jogo de responsabilidade superior. Em seguida faço a minha análise aos jogadores em campo com excepção dos já sobejamente conhecidos Hulk, Rolando e Nuno, tentando identificá-los em 3 níveis desenvolvimento:

- À porta do onze principal

Guarín - Foi muito elogiado por Jesualdo e não é para menos. Tem sido uma ascensão meteórica nos últimos jogos tendo passado de fora dos convocados para a primeira linha das opções a lançar na partida. É ainda um pouco trapalhão mas tem características físicas invejáveis e que não encontramos noutro jogador do meio-campo. Consegue ainda aliar a isto uma técnica apreciável e uma velocidade que se faz notar especialmente na forma como chega em contra ataque à área adversária como uma flecha. Recorde-se o lance do segundo golo no Bonfim. A câmara focou no Hulk e por instantes parecia quando ele decide travar e passar ao lado, era improvável que algum jogador tivesse conseguido acompanhar a passada desconcertante de Hulk. Pois já lá estava Guarín. Continuo com espectativas altas em relação a este jogador.

Pelé - Estará nesta condição mais pelas suas características do que pelas últimas exibições. Percebe-se que leva o jogo mais à frente que Fernando e com muito mais certeza, nomeadamente do passe longo e no remate de longa distância. A sua aparição na equipa como suplente utilizado coincidiu com as melhores exibições de Fernando o que para já tem adiado a sua integração na equipa. No futuro julgo que a utilização destes dois jogadores será intercalada consoante as características do adversário. Por exemplo, com o Estrela será melhor apresentar Fernando. Já com o Marítimo em casa, Pelé seria uma boa opção.

Tommy Costa - Acho que não é deslumbrante em nada a não ser na versatilidade. Mas é preferencialmente um numero oito rápido, certinho e um jogador que não deixará ficar mal o treinador em qualquer circunstância. Até agora o jogador que mais se aproxima da titularidade e isso diz tudo.

Candeias - Dos extremos apresentados no sábado foi o único que abanou com o jogo. Muito rápido e com fome de bola parece, agora que Hulk é indiscutível, e que Tarik anda desaparecido, a aposta ideal para agitar um jogo a partir do banco.


- Meros jogadores de plantel

Mariano González - É esforçado e tal, mas já chega! Pede-se muito mais a um jogador do FCPorto que o mero empenho. Até com o Cinfães insiste nas trapalhadas! Fez uma boa jogada que resultou em golo e o resto do jogo não esteve lá. Ainda se apresentasse características únicas no plantel. Não é o caso e como tal, para mim, Mariano só deverá ser utilizado em último caso ou nestes jogos.

Farias - Voltou a fazer uma primeira parte horrível tal como tinha acontecido no último jogo em que tinha sido titular. A verdade é que, na segunda, fez o que se lhe exigia: marcou e esteve nos golos. Mas estas são excepções que confirmam a regra que é a de um jogador demasiado desligado do jogo. Depende demasiado dos seus colegas do meio campo. Se estes não estiverem a jogar Farias também não resolve nada, ao contrário do que acontece com outros avançados do plantel. É no entanto um jogador com faro de golo e apesar se prever que nunca possa ser um titular, percebe-se que poderá saltar do banco quando for preciso reforçar a presença na área.

Stepanov - Nem nestes jogos parece completamente seguro. Tem características interessantes para a posição: envergadura, velocidade e alguma técnica. Mas insiste nos erros pontuais mas comprometedores, como passes errados e coisas do género. Inicialmente julguei que seria outro Pepe, ou seja, um jogador que com paciência e com algum tempo seria um caso sério. Pois Rolando não teve tempo e impôs-se. Havendo ainda a experiência e o coração de Pedro Emanuel, sobra apenas o estatuto de quarto central do plantel.

Tarik - Este Tarik desmotivado e desaparecido do jogo não pode estar na primeira linha das opções de Jesualdo. Ainda por cima apagou-se na altura em que a equipa mais precisava dele. Não tivesse aparecido Hulk...

Rabiola - É muito jovem e parece ter características interessantes. Ainda não se viu nada e na ausência de grande opções para esta posição deveremos ver como evolui na Taça da Liga.

- Jogadores a despachar rápido

Lino - Todos os problemas que tivemos surgiram por causa da fraquíssima capacidade defensiva deste jogador. Se nem um extremo rápido da III divisão se consegue controlar para quê manter este jogador no plantel? Todos os problemas que o Cinfães apresentou têm o dedo de Lino.

Tengarrinha - Desde que existe o projecto Visão 611 de integração de jovens na equipa principal, apenas Candeias teve oportunidades a sério. E percebe-se porque este ano temos tido necessidades nas alas. O que não se percebe é a integração de mais este trinco quando no plantel há tantas soluções para essa posição. Que tal tentar jogar com as lacunas do plantel nomeadamente nas laterais. É que o jogador acaba por ser adaptado a essa posição tornando mais difícil ainda que se adapte e que traga alguma coisa à equipa. Se é para isto prefiro que seja emprestado.

Bolatti e Benitez - Se nem num jogo destes têm lugar...

Equipa já para quarta-feira na Amadora:

Helton; Sapunaru, Pedro Emanuel, Bruno Alves e Fucile; Fernando, Raúl Meireles, Lucho e Rodriguez; Lisandro e Hulk.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

É GR e Sueco, mas não é o Ravelli...

Wozniak tem sido um dos últimos alvos dos vídeos made in Basculação... Mas existem outros guarda-redes que deixaram marcas... negativas, tal como o guardião polaco que se pensava sucessor de Mlynarzyc... este também internacional, mas da Escandinávia e veio para o FCP a meio da época 1995/96 após o castigo imposto a Baía por 2 meses (caso do Campomaiorense) ... lembro-me especialmente dele numa supertaça disputada no Parque dos Príncipes em Paris e em que perdemos por 3 golos sem resposta contra o Sporting... o fantasma Vítor Baía começava a pairar nas paragens do Dragão (e ele ainda fazia parte do plantel)... Os restantes guarda-redes eram Silvino, Jorge Silva e Vítor Nóvoa...

Pelos vistos ainda joga, com 43 anos no Hammarby da Suécia, clube onde iniciou a sua carreira como Sénior em 1986....


quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

O Apagador


Foi o efeito do jogo de ontem. Apagou-se a má imagem de Londres, apagou-se o sorriso de Wenger e também o de Platini. Pelo segundo ano consecutivo fomos primeiros no nosso grupo da Champions League. Uma das coisas que se pede a Jesualdo é sempre uma candidatura sólida pelo menos aos oitavos de final da prova. E isso ele tem conseguido consecutivamente e até tem feito melhor visto que nestes dois últimos anos tem se colocado em melhor posição para passar aos quartos. Sejamos claros: é óbvio que estamos em melhor posição no sorteio por muito que Chelsea, Real Madrid e Inter tenham ficado anormalmente em segundo nos seus grupos. Com isto há ainda a possibilidade dos Tubarões se irem comendo uns aos outros já nos oitavos de final o que também é muito bom. E há a segunda mão no nosso fantástico Estádio do Dragão. Gostava muito, e o Deco que me perdoe, de eleminar o Chelsea do Scolari. (É aproveitar enquanto estamos com a moral toda...)

Wenger desrespeitou-nos pela segunda vez na prova. Por muito que eu admire o seu incrível faro para descobrir talentos, sobretudo em França, e por muito que o futebol que este Arsenal por vezes apresenta seja o mais bonito do mundo, não posso apreciar estas características num treinador. O respeito pelo adversário é fundamental no futebol e em tudo. Apesar de estar há muitos anos em Inglaterra, Wenger não perdeu ponta da fanfarronice e sobranceirismo bem próprios dos franceses. Todos sabemos que os franceses têm tanto a dever à humildade como as francesas têm à depilação... Como tal, enquanto as francesas apresentam frondosos matagais debaixo dos braços e não só, Wenger apresentou uma suposta equipa de segunda num acto de suprema subestimação de um adversário. Temos pena. Provávelmente passou pela cabeça de Wenger que nós não chegaríamos para os seus miudos aproveitando até para poupar cinco ou seis titulares para o dificílimo(?!) embate com o Middlesbrough. Acredito piamente que o FCPorto da segunda parte de ontem chegava para ombrear com o melhor Arsenal. Mas graças ao fanfarrão nunca o saberemos. Espero que lhe calhe no sorteio um Barcelona ou um Bayern de Munique para não voltar a vê-lo sorrir e troçar tão cedo.

Quanto a Platini, já devia estar radiante desde que a sua Juventus, como sabemos um clube campeão da idoneidade, afundou o Real Madrid e voltou à alta roda do futebol Europeu. Mais um sorriso que foi apagado. Pois o FCPorto mantém-se em prova contra a superior vontade de sua Iminência! Isto num ano em que tivemos, graças a este e a outros artistas de nacionalidade portuguesa, sérios atrasos e condicionalismos externos na preparação da época. Estamos aí para estas e outras adversidades. O FCPorto é assim.

Vamos ao jogo. Wenger disse que não tinha tido grandes problemas até ao golo. Mentira. Já antes se tinha percebido que não havia argumentos para parar Hulk e já Lucho e Lisandro tinham desperdiçado ocasiões claras para marcar. Uma coisa é certa, foi na segunda parte que fizemos a melhor exibição da época deixando novamente a ideia que voltamos, tal como no ano passado, a ser uma equipa temível nas transições rápidas em contra-ataque. Nessa altura Fernando emergiu no jogo. Que grande segunda parte deste jogador. Não será o MVP porque o que fez de óptimo na segunda parte, fez mal na primeira. Durante o jogo todo gostei de Lisandro, Bruno Alves, Rolando, Fucile, Raúl e Lucho. Este esteve mais solto, mais interventivo e apareceu muitas vezes na área adversária. Pena Jesualdo tê-lo retirado do jogo tão cedo e na sua melhor exibição dos últimos tempos. Não se percebe. Vem consecutivamente a público defendê-lo por palavras mas não chega. E que tal defendê-lo em campo deixando que ele retome a confiança?(nem me reconheciam se não apresentasse pelo menos um crítica a Jesualdo) Por último vamos mais uma vez à minha embirração do costume: Hulk. Tendência incrível para estragar jogadas que, grande parte das vezes, ele próprio cria do nada. Oscila perigosamente entre o Excitante e o Irritante, se bem que ultimamente tem resvalado mais para o primeiro. Aguardamos 'em pulgas' pelo amadurecimento deste jogador. Para já o que fez chega para se investir na compra da totalidade do passe. De resto deu para tudo. Para o Fucile rematar à baliza, para rir das trapalhadas do Mariano e de Guarín e sobretudo para levantar a moral de todos, adeptos incluídos. No entanto não posso deixar de lamentar a falta de eficácia do nosso ataque. Uma segunda parte daquelas tem de valer mais golos. E nós até precisamos visto que não tem sido uma época excepcional em termos de golos marcados.

Equipa para Cinfães (com as atenções também viradas para o que acontece no campo do nosso vizinho Leixões):

Nuno; Sapunaru, Stepanov, Pedro Emanuel e Lino; Pelé, Guarín e Tommy Costa; Tarik, Farias e Candeias.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Flash Interview Memorável...

Em dia de Champions, e logo contra um Arsenal no Dragão, fomos encontrar mais uma relíquia nos nossos arquivos da nossa videoteca...

Trata-se nada mais nada menos que uma espécie de Flash Interview dos anos 80... O ainda agora bem conhecido Miguel Prates entrevista Jorge Nuno Pinto da Costa, Artur Jorge e João Pinto após a gloriosa noite de Viena... mais um vídeo, simplesmente, imperdível...



Notas...

- Pinto da Costa e aqueles óculos...

- O senhor bigode de Artur Jorge...

- Aquele arzinho de intelectual de João Pinto é fantástico...

- Ouçam e voltem a ouvir o nosso capitão... divinal...

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Lucho-independência


A sensação com que fiquei do jogo de Sábado é que há um mês tínhamos perdido o jogo. Isto pela forma pouco competitiva como abordámos o jogo. Não convém esquecer a forma como fomos sucessivamente penalizados por Rio Ave, Leixões, Dínamo de Kiev e Naval por entrarmos no jogo desta mesma forma. E já agora não convém esquecer que a margem de erro nesta altura é zero! Vale a pena esperar que o adversário vá crescendo em motivação? Jesualdo tem de fazer ver a equipa que não será assim que vamos lá. Espero que já na Amadora isto melhore.


O golo de Bruno Alves acabou por decidir um jogo que estava a ficar complicado. E é um golo importante visto que Bruno Alves tardava em transpor a supremacia aérea que tem na zona defensiva para a área adversária. Tem de aproveitar melhor a sua fabulosa impulsão. Tudo o resto surgiu com naturalidade e já está provado que com Hulk em campo temos um potencial muito interessante em termos de contra-ataque. Rodriguez continua esforçado mas trapalhão, Lisandro continua doido com a forma de jogar do Hulk e Lucho continua a jogar pouco. Vá lá que desta vez o ‘pouco’ de Lucho rendeu um golo e uma assistência, mas sinceramente, não me parece normal tamanha falta de influência no jogo da equipa e logo no ano em que mais se lhe pedia. Jesualdo contava com ele para suavizar as perdas dos últimos anos e sobretudo as do último defeso. Poderão dizer que as saídas deste ano foram mais e mais sonantes mas vamos ser claros. Quaresma é insubstituível mas com Hulk conseguimos disfarçar. As últimas exibições de Fernando e o facto de termos ainda Pelé no banco também ajudam a que a saída de Assunção seja amenizada. Pelo contrário, apenas temos um lateral que faça esquecer Bosingwa e aí sim, temos um problema. Se por aí podemos explicar alguns golos sofridos como explicar os problemas em criar e marcar golos. Vamos ser claros: neste momento temos dois jogadores capazes de desequilibrar ofensivamente e são o Lisandro e o Hulk. Se Rodriguez e sobretudo Lucho continuarem a ajudar pouco ou nada como tem sido costume vamos ter que esperar que se continue a desemperrar os jogos através das bolas paradas como em Setúbal. É mesmo um enigma o que se passa com Lucho. Jesualdo tenta defender o Começou por jogar muito bem e de repente caiu a pique. Como sempre já se ouvem várias teorias nos intervalos do Dragão. Dizem que são problemas extra futebol, que são rabos de saia, que está a fazer birra por querer sair, etc. A verdade é que há dois meses que estamos órfãos de Lucho e nem por isso a equipa se desmoronou. Caiu por instantes para depois se levantar estando neste momento em plena tendência evolutiva, primeiro em termos de resultados, e esperamos que mais tarde em termos exibicionais. A verdade é que, bem ou mal, ultrapassámos a Luchodepedência como antes tínhamos ultrapassado a Quaresmodependência e a Assunçãodependência e todas as outras dependências que os nossos adversários atiram para o ar na tentativa de individualizar os nossos sucessos que como sabemos sempre foram sobretudo colectivos. (Ou me engano ou pouco falta para inventarem a Hulkdepedência…)


Para amanhã com Arsenal tenho a dizer que estou sedento de vingança, mas pensando bem, convém que a equipa não entre à maluca. O Arsenal torna-se muito perigoso quando tem espaços por isso é melhor ir com calma e esperar que os miúdos percam a cabeça como aconteceu no último mês. Preocupa-me mais uma vez o facto de Jesualdo ir reccorrer mais uma vez a Pedro Emanuel para lateral. Para mim a situação em que ficamos menos penalizados é mesmo a de Fernando descer a lateral direito.


Equipa para o ataque ao primeiro lugar no Grupo:


Helton; Fernando, Pedro Emanuel, Bruno Alves e Fucile; Pelé, Raul Meireles, Lucho e Rodriguez; Hulk e Lisandro.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Derby da Invicta na Maia...

O vídeo da semana traz-nos aquelas vitórias do campeonato, em que, apesar de não se jogar por aí além consegue-se o mais importante… as vitórias… foi o que aconteceu na passada segunda contra a Académica e no jogo que recordamos na Maia, no primeiro Derby da Invicta da época 1996/97… as imagens estão a preto e branco porque na altura não havia televisão por cabo e às vezes a antena mexia-se com o vento e dava nisto…






Notas…

- o jogo seguinte à goleada na Luz, daí a coreografia das claques portistas…

- Carlos Manuel a chamar por Leão que hoje ainda faz parte do plantel do novo Salgueiros

- os cruzamentos de trivela de Ljubinko Drulovic

- Jorge Costa impiedoso…

- Artur, corria, corria, corria…

- Nandinho, do futebol amador para a primeira divisão, aquelas erupções de jogadores que depois desaparecem…

- O próprio Jardel a dizer que não tinha jogado bem… mas pronto, estava lá, como sempre, e decidiu…

- Estas entrevistas (como a do Mariano), em cima do acontecimento, era bom que regressassem… traria momentos de pura diversão…

- Wozniak… mais uma vez a abaixar quando rematam à baliza… e a bola novamente na trave… acho que aquilo não era esporádico, penso que era uma das suas características a defender remates de longe…

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

As Lágrimas de Cebola...

A imagem da semana era óbvia pelo que ocorreu no fim de semana… Simboliza a pressão que deve estar nas costas do número 10 do FCP após a contratação sonante do Verão… a mim ainda não me convenceu, mas também tenho noção que não vi o verdadeiro Cebola… espero que a confiança nos traga um novo Rodriguez, e enfatizando o que já foi dito por Prata no post abaixo, que depois de chorar, Cebola comece a fazer chorar os adversários…

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Chorou em vez de fazer chorar


-->

É uma semana de emoções fortes. Jesualdo ajoelhou-se perante a vitória na Turquia porque sabia que estava consumada a viragem no rumo da equipa. Viragem que coincidiu com o primeiro objectivo cumprido da época. Ontem Rodriguez chorou ao atingir o que perseguia desde que as primeiras dúvidas sobre o seu real valor se instalaram nos adeptos. Rodriguez sempre tenta e tenta incessantemente, mas não tem chegado. Tenta com tanta vontade que o que tem sobressaído acabam por ser as trapalhadas, que é o que normalmente acaba por acontecer a quem tenta mais com o coração, do que com a cabeça. Ontem mesmo o golo é o que se pode salvar de uma exibição que oscila entre a garra, a velocidade e as trapalhadas e os inúmeros lances perdidos. Ainda assim tem vindo a melhorar as suas prestações e espera-se este golo lhe traga a tranquilidade que lhe tem faltado. Aí sim poderá justificar o salário, o valor astronómico da contratação e mais importante ainda, fazer os adeptos de um certo clube chorar em vez de chorar ele.
Relativamente ao jogo de ontem, mais uma vez tivemos uma exibição Q.B. Jogamos o suficiente para vencer e nada mais. Ainda assim há algumas considerações a tirar sobre o jogo. Em primeiro lugar Hulk. No ano passado olhávamos para Quaresma quando sentíamos que era necessário algo diferente para abanar o jogo. E lá vinha um malabarismo, um drible ou uma trivela. Este ano, olhamos para Hulk. E lá aparece um remate potente, uma arrancada em força e sobretudo o que pedíamos a Quaresma: imprevisibilidade. É essa a chave futebol moderno. Todos os melhores treinadores tentam construir a equipa mais sólida e estável possível lançando dois no máximo três jogadores com o poder de dar uma sapatada no jogo. Nós, na ausência de Lucho, temos Lisandro e temos Hulk. Destes três jogadores vai depender o que o FCPorto vai valer este ano. Como tal todos esperamos que Lucho acorde… Enquanto isso não acontece os suspeitos do costume vão segurando a equipa. Estou a falar de Raul Meireles, Bruno Alves e Lisandro com o recente aditivo de irreverência de Hulk e de garra de Fucile. De resto, voltámos a sofrer mais um golo pelo lado de Sapunaru. Já começa a ser muita coisa e parece vamos mesmo ter de ir ao mercado procurar um lateral… Fernando também tem muitas culpas no lance. Não consigo perceber porque é que Jesualdo não fez mais substituições. São assim tão maus os que temos no banco? Não servem para jogar contra dez? Não dá para perceber.
Uma coisa está clara: a nossa tendência está a ser claramente a inversa à dos nossos adversários. Dependemos só de nós próprios para sermos campeões. É a isto que estamos habituados.
Ronaldo venceu como esperado o prémio de melhor jogador do mundo da France Football, que é claramente o mais importante prémio individual que um jogador pode atingir. O prémio da FIFA é bem mais político e como tal menos importante. Tal como já aqui tinha dito é um prémio justíssimo por mais que muitos defendam que Messi é melhor jogador, tipo:«Ronaldo foi melhor este ano, mas Messi é melhor.» Não concordo. Por muito que ninguém goste da personalidade de Ronaldo por muito que este ano a selecção não tenha tido o melhor dele, Ronaldo é um jogador de futebol e não um jogador de fogachos como muitos apregoam. Não que Messi o seja mas Ronaldo é bem mais completo. Messi é imparável no um para um e em velocidade, enfim um futebol excitante, mas Ronaldo não faz mais coisas? Faz todas as posições da frente de ataque, marca livres, marca de cabeça tem muito mais poder de choque. Nas duas últimas épocas jogou sempre mais 50 jogos (Messi faz no máximo 15 até se lesionar) e marcou pelo menos 30 golos (quantos marca Messi?). E estamos a falar de um extremo numa equipa que tem Rooney, Tevez e agora Berbatov. Tenho insistido neste ponto porque não percebo este unanimismo em Portugal relativamente às reservas quanto a Ronaldo. Pelo menos o unanimismo que havia em relação a Figo e que não há agora em relação a Ronaldo. Dizem até que Figo é que era um verdadeiro capitão da selecção. Um senhor no futebol ao contrário do pirralho Ronaldo. Fico doido. Não estamos a falar do jogador em que mais se notava a diferença de rendimento entre clube e selecção. Até parecia que estava a fazer um frete. E quanto a personalidade… Estamos a falar só de um jogador assinou por dois clubes e que aproveitou um impasse eleitoral no Barcelona para assinar pelo arqui-rival. Quanto a personalidade estamos conversados. País estranho este…
PS: O destaque ao frango de Quim soa a desresponsabilização da equipa que ia atacar o Olimpo e acabou parcialmente arrasada como a Acrópole…
Equipa para Setúbal:
Helton; Fernando, Pedro Emanuel, Bruno Alves e Fucile; Pelé, Raul, Lucho e Rodriguez; Lisandro e Hulk.