quarta-feira, 29 de junho de 2011

Tomislav Ivic - Apresentação do Plantel 87/88...

O arranque da nova época está a chegar e tem algumas parecenças com o vídeo que hoje recordamos de apresentação do plantel 1987/88... a supertaça europeia também era um dos primeiros troféus em disputa e depois de uma fantástica e vitoriosa campanha europeia, inicia-se uma nova época com um novo treinador... aproveitamos ainda o vídeo para uma pequena homenagem ao recentemente falecido Tomislav Ivic...

segunda-feira, 27 de junho de 2011

R.I.P. Ivic


Morreu o treinador da outra época perfeita. Em 87/88 ganhou só o campeonato, a nossa única supertaça europeia, a taça intercontinental e a taça de Portugal. Levava o resultadismo ao extremo e há de ser sempre conotado com um jogo na Holanda frente ao Feyenoord em que jogou na defesa com Aloísio, Jorge Costa, Zé Carlos e Fernando Couto defendendo o 1-0 da primeira-mão. Esse sim, era o verdadeiro autocarro... Foi na sua segunda passagem pelo clube onde obteve muito menos sucesso. Fica a merecida homenagem.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Treinador-Porto


Vitor Pereira insistiu que se enquadra nesta categoria. Este foi a mensagem mais forte que apanhei por entre outras como a da continuidade, da cultura de vitória e a valorização do papel do Vitor nos resultados do ano passado. Por mim tudo bem. Não será para já um mestre na lide dos discursos perante a imprensa mas a mensagem passou e não é para isso que lá está. Está lá para treinar, dispondo neste momento de toda a confiança possível dos adeptos. Confiámos sobretudo que vai começar por 'não inventar' para depois ir incutindo o seu cunho pessoal. Tenho a ideia se que esta é a melhor solução possível neste momento. Boa sorte Professor!

Estou convencido que, ao contrário do que foi dito, tudo o que aconteceu foi uma grande surpresa e que a sucessão não começou a ser salvaguardada há um mês. Isto não implica que não dê nota máxima à direcção nesta história toda. Dava um bom case-study na área da gestão desportiva.

terça-feira, 21 de junho de 2011

O que passa dentro da cabeça do André



Há umas semanas, publiquei aqui um post de homenagem a Villas-Boas considerando-o o grande protagonista da brilhante época que realizamos (poderão ler aqui). Desse post destaco esta frase: «Dificilmente vi a massa associativa tão contente com o trabalho do seu treinador. Será o efeito dos títulos? Óbvio, mas acredito que não é só. Parece que olhamos para Villas-Boas com o orgulho e com o carinho com que vemos um jogador das camadas jovens a despontar e a vencer com a nossa equipa principal. Afinal de contas é um talento que se desenvolveu no seio do clube e essa é uma razão para que os seus feitos nos digam ainda mais!»

Ontem as coisas mudaram um bocadinho... Tal não significa que o que escrevi tenha deixado de fazer sentido. Apenas passamos a ter dúvidas sobre uma das características que mais apreciávamos nele: o seu portismo. Terá a razão prevalecido sobre o coração? Será que o coração foi sequer tido em consideração na decisão? Impossível de adivinhar. Ainda assim vou tentar! O que terá andado na cabeça do André?

Argumentos Pró-Chelsea:
- No mínimo quadriplica o ordenado;
- Negociou previamente com o clube uma clausula de rescisão nunca vista no futebol mundial, pelo que o FCPorto não se poderá queixar em termos financeiros;
- A certeza de que terá possibilidades reais de lutar pela Liga Inglesa.
- A certeza que entrará na próxima Champions League com o rótulo de favorito à vitória final e não como um outsider habitualmente perigoso;
- Terá ao seu dispor uma verba considerável para reformular o plantel;
- Já trabalhou no clube;
- Evita o risco de o plantel do FCPorto ser depauperado durante o defeso e o risco de não repetir o sucesso deste ano. Possibilidade remota mas é sempre uma possibilidade e isso poderia por em causa a existência de futuras propostas desta monta.
- Por último, a vantagem de conseguir tudo isto após ano e meio de trabalho como treinador principal. Mais um recorde, nomeadamente em relação a Mourinho.

Argumentos Pró-FCPorto:
- Teria uma estrutura ganhadora por si montada e com sérias possibilidades de voltar a fazer uma época cheia de sucesso e títulos;
- Concorrência interna é bem inferior o que permitiria abordar as competições europeias com outra disponibilidade;
- Teria um grupo de trabalho que o venera, havendo alguns jogadores capazes de recusar propostas vantajosas para trabalhar sob a sua orientação; (irónico...)
- Haveria a possibilidade óbvia de melhoramento do salário perante a recusa da proposta do Chelsea;
- Se recusasse a proposta atingiria níveis de popularidade perante os adeptos do FCPorto e na cidade que só se aproximariam dos do presidente Pinto da Costa;
- Com dois anos de sucesso, chegaria a um grande da Europa com outra legitimidade e já com a 'nuvem da dúvida' quanto às suas capacidades, praticamente dissipada. Tal poderia implicar que pudesse dispor de várias propostas e provavelmente ainda mais vantajosas;

Posto isto, parto para um exercício um pouco disparatado que é o de dizer o que eu faria no lugar dele. É disparatado porque sei que nunca estarei na posição dele e assim torna-se mais fácil evocar razões do coração... Ainda assim, vamos a isso. Eu no lugar dele teria confiança suficiente nas minhas capacidades para achar que no próximo ano teria igualmente propostas deste montante. Tendo essa consciência, arriscaria ficar sem 2 ou 3 milhoes de euros, e com isso saía do FCPorto e da cidade como um Deus, deixando a porta escancarada para voltar assim que quisesse e até noutras funções. Entraria no Chelsea e noutro clube qualquer com legitimidade para exigir controlo total sobre a gestão do plantel, coisa de que Villas-Boas poderá não dispor este ano no Chelsea, pelo facto de ter apenas uma ano de experiência. Provaria ainda que as juras de amor ao clube e a conversa da 'cadeira de sonho não tinha sido uma táctica para empolgar os adeptos e para criar uma aura de portismo à sua volta.

Posto isto posso dizer que foi uma desilusão grande. Não me vão ver a chamar-lhe 'pesetero', nem lhe desejo que a vida lhe corra mal no Chelsea. Até vou torcer por ele. Eu até já estou habituado a estes rombos que o mercado inflige nos planteis do FCPorto. Simplesmente achava que ele era diferente. Pelos vistos não é! Ainda assim, obrigado Mister e boa sorte!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Pânico!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Alguém me faça o favor de desmentir isto...

Contratação surpresa


Como é óbvio e tal como foi por aqui demonstrado, Platini não tem razão quanto aos estrangeiros do FCPorto. Acontece a gente que não pensa antes de falar... No entanto, não quero com isso dizer que não me preocupa o fenómeno. Preferia que tivéssemos mais portugueses e sobretudo mais jogadores das escolas. Mas mais que isso é ganhar! E para ganhar é com os melhores sejam portugueses ou estrangeiros. Com isto quero dizer que não percebo que se vá substituir um bom jogador português por um jogador estrangeiro que será no máximo equivalente.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Platini até rima com Rennie...


Voltamos a um dos meus ódios de estimação. Já sabemos que lhe custou entregar a taça a Pinto da Costa. E sabemos também que lhe custou que a 'sua' Liga Europa tivesse uma final entre dois clubes de um campeonato que ele considera periférico. E se olhasses para o numero de estrangeiros do Arsenal, do Manchester City, do Real Madrid, do Inter, etc.? «FCPorto devia jogar com mais portugueses». É caso para usar a expressão: «¿Por qué no te callas

Já a notícia requentada de que se vai investigar o tal jantar com árbitros... Enfim... Estou a pensar em meter uma queixa no DIAP a dizer que Luís Filipe Vieira forçou sexo não consensual com duas das ovelhas dos meus tios. Dada a notoriedade do homem, de certeza que será investigado...

Por último, e passando a assuntos bem mais importantes, consta que já temos uma lista de jogadores que não nos importamos de vender, para obter o encaixe habitual: Rolando, Fernando, C. Rodriguez e Fucile. Só no caso do Rodriguez é que não terei pena se sair.. Mas se for assim não será mau de todo.

Adenda:

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Mano não é burro. Mas parece...


A situação de Hulk com a selecção brasileira é ridícula. É de tal forma que até os jornalista brasileiros começam a estranhar. Vejo muitos portistas a desconversar com aquele argumento, que até é um pouco egoísta: «Assim descansa e fica fresquinho para a próxima época!» Tretas! Eu gosto de ver os nossos melhores jogadores a jogar nos grandes palcos pelas suas selecções. Sejam portugueses, sejam brasileiros ou colombianos. E sendo assim, acho tudo isto injusto. Que mais é que o homem precisa de fazer? Precisa de calçar Nike? Precisa de jogar no Real Madrid? Antes faltava-lhe a técnica e o perfume técnico típico do jogador brasileiro. Agora é porque não é ponta-de-lança. Pouco interessa se é melhor nessa posição que todos os tipos que estão convocados para a Copa América. Não é a posição dele... E na posição dele está o Robinho e o seu clone mais novo o Neymar. Eu até nem gosto do estilo de futebol destes dois, mas imaginemos que gostava. Para quê levar dois? Se um estiver a jogar mal, jogada de mestre: «ponho o outro que de certeza que vou baralhar a defesa...» Obviamente que torço para que a Copa América corra tão bem ao Brasil, como correu esta época ao clube das papoilas saltitantes... Colômbia!

Com isto tudo só perde o futebol. Com os Manos e os Batistas do futebol, os dois países com o maior número de talentos futebolísticos do mundo, arriscam-se a continuar a desiludir. O poder dos empresários nestas duas selecções é algo muito sério e perigosos. De facto são treinadores fáceis de moldar à medida dos fregueses, mas o objectivo é ganhar ou é promover jogadores e colocá-los na Europa?

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Passávamos bem sem defeso


Nem sei se este marasmo que tem sido o defeso, me há de deixar confiante ou nervoso. Por um lado a nossa equipa está feita. Temos treinador, temos a intenção de manter a estrutura e temos uma saída de Mariano já devidamente compensada com a entrada de três jovens alas. O trabalho que tem de ser feito é o de preparar as eventuais saídas que, segundo os jornais, não serão poucas. No entanto, as notícias mais insistentes têm sido relativas a jogadores mais defensivos como Rolando, Sapunaru, Otamendi, Beto e até Fernando. Mais uma vez, a dupla interpretação. Sabemos que os nossos melhores jogadores jogam mais à frente e se pudermos fazer um encaixe que não implique as vendas de Hulk, Falcao, Varela, James, Moutinho, Guarin ou Belluschi, até seria agradável. Isto partindo do principio que temos de fazer um encaixe de 20 milhões para equilibrar o barco. A verdade é que parece estranho ninguém se chegar à frente por Falcao, por exemplo. Muito estranho...

Tudo isto faz com que, este ano, os portistas estejam a olhar para o defeso de outra forma: para o FCPorto nem precisava de existir. Isto ao contrário dos nossos adversários que atiram em tudo que mexe... Dá para passar estes meses à frente e ficar tudo como está agora? Quantos não gostariam de estar nesta posição invejável?

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Processo disciplinar para Jorge Jesus

Por um lado o homem acha-se com capacidade para vencer a Champions. Mas treina o clube das papoilas saltitantes. Não acho que seja compatível e como tal parece que também Jesus implica nestas declarações que quer dar o salto. Se não levar com um processo disciplinar vai ser injusto para o caxineiro...

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Protagonista da Época Perfeita: o Presidente


E guardamos o melhor para o fim! Óbvio que há dedo do nosso grande Presidente em tudo o que elogiamos nos dois posts anteriores. 

Arriscou num treinador novo e aparentemente inexperiente e ganhou. Será esse o feito mais elogiado nos últimos tempos. Mas sou capaz de arranjar outros. O clube tem estado a evoluir constantemente e com passos que me parecem cada vez mais acertados. A aquisição do Porto Canal parece uma solução óptima e afasta-se à partida e em projecto de tudo o que tem de detestável a outra experiência conhecida de canal clubístico. E depois temos a evolução do staff. Todos reparamos no aumento de responsabilidade de Antero Henrique. Um 'low profile' com uma relação óptima e próxima com a equipa técnica e com o balneário. E no momento em que foi preciso aparecer uma voz de protesto em nome dos jogadores apareceu Antero. Esta gestão equilibrada da posição do team manager agrada-me. Depois há a revolução que vem sendo operada na comunicação do clube nomeadamente através do site. Além da evolução na compra de bilhetes e outros assuntos de interesse para os associados, enterraram o desastrado labaredas para aparecerem comunicados acutilantes e em cima do acontecimento sob a tutela de um novo e competente director de comunicação. Tudo pormenores que me fazem acreditar que há um esforço em reforçar o staff extra-futebol com os melhores por forma a condizer com a equipa...

Este foi também o ano em que se enterrou em definitivo o apito dourado e o apito final. Mais uma vitória num campo onde nem sempre chegámos a jogar com armas iguais...

Para terminar não podemos esquecer as modalidades. Limpámos tudo. É que já não é a primeira vez que Pinto da Costa vê o FCPorto ser campeão na 4 modalidades colectivas em que participamos... Aqui, especial destaque para a equipa de Hóquei. Decacampeões. Impressionante! Até nas camadas jovens do futebol ganhámos dois títulos incluindo o mais importante que é o de Juniores. 

Nota máxima para mais um grande ano de Pinto da Costa! Quem dera a muitos que os presidentes se pudessem contratar. Que eu saiba este não tem clausula de rescisão. Não é preciso...

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Protagonistas da época perfeita: Jogadores


Começámos pelo mister e não me canso de dizer que ele é mesmo o grande responsável pelo êxito da época de 2010/2011. Mas um maestro depende muito de grandes artistas. Villas-Boas não foge à regra. Fica aqui a avaliação de um plantel onde, graças ao nosso mister, encontramos muito pouco a criticar.

Estrelas:

Destaco 5 jogadores que, para mim, foram os maiores destaques deste FCPorto. O primeiro é Hulk. É para mim o jogador do ano. Um desequilibrador desconcertante! Um foguete em direcção à baliza! Além de tudo isto, as imensas assistências, os penaltis convertidos e o pânico que lança nos adversários a cada jogada.

Depois temos Falcao. Se olharmos para o panorama internacional este é o jogador mais valioso do nosso plantel. É que se repararem, na posição de Hulk há Messi e Cristiano Ronaldo. Mas a ponta-de-lança há melhor que Falcao? Olho para os melhores clubes da Europa e não vejo... Avançado sublime e letal. Além disso é trabalhador de costas para a baliza e um primor técnico na arte de empurrar lá para dentro. Será muito difícil mantê-lo depois de duas épocas excelentes.

De seguida, temos aquela que foi a contratação do ano: João Moutinho. Muito discuti com Pis sobre o seu valor quando comparado com Meireles. Não era comparável naquela altura. É que Moutinho jogava numa equipa diferente. Daquelas onde a obrigação de ganhar é digamos que... Secundária... Assim que começou a jogar no FCPorto, mostrou ao mundo o dínamo que consegue ser numa equipa. É o protótipo do nº 8 em termos de ocupação de espaços e não é nada difícil definir o seu raio de acção: é aquele rectângulo limitado pelas duas linhas laterais e pelas duas linhas de fundo... É sobretudo um jogador que joga com uma inteligência muito acima da média. Faltar-lhe-á mais confiança na definição dos lances, nomeadamente no remate.

Para terminar temos um 2 em 1: Guarín e Belluschi. Para que o 4-3-3 voltasse a funcionar, julgava-se que era preciso inventar um Lucho. Pois a coisa resolveu-se de outra forma. Alternou-se a classe de Belluschi com a força da natureza que é Guarín. E não deixa de ser de assinalar que se tratava de dois jogadores que demoraram a entrar no esquema do FCPorto apesar de virem de clubes Europeus. Neste caso valeu a pena esperar. Será interessante ver se Villas-Boas consegue arranjar maneira de os fazer coincidir em campo com João Moutinho. Seria um meio-campo temível.

Menções honrosas: Helton, Rolando, Alvaro Pereira e Varela

Surpresas:

Destaco quatro. A primeira cabia bem no lote de cima. Chama-se Helton. Não seria de esperar que esta fosse a melhor época de um jogador que já cá está há 5 anos. Mas a verdade é que o problema do Guarda-redes se resolveu internamente e com o mesmo jogador. Mas com graus de concentração aprumados. Está resolvido o problema se não lhe tirarem a braçadeira. Deve dar super-poderes...

A segunda é James. Ninguém esperava que um miúdo de 19 anos tivesse o impacto que teve logo no seu primeiro ano. Foi até fundamental num dos títulos conquistados. Na Taça de Portugal, a sua entrada na luz mudou o jogo e na final foi só o melhor em campo.

A terceira é o nosso romeno. Só vejo um verdadeiro portista no plantel: Sapunaru. Não me levem a mal, até porque os outros são excelentes profissionais. Mas Sapunaru está a tornar-se num caso especial de afecto da massa associativa. Além disso o seu rendimento em campo melhorou extraordinariamente e é uma boa muleta para as subidas do Palito.

Para terminar uma surpresa negativa. Rodriguez. Alguém o viu este ano?

Menções honrosas: Otamendi

Desilusões:

Há poucas e não se pode dizer que tenham sido desilusões completas. Simplesmente esperava mais. Falo de Rúben, de Maicon e de Fucile. Rúben representa o caso inverso do de Guarín e Belluschi. Uns explodiram enquanto que Rúben implodiu. Não dá para perceber o que lhe aconteceu. Sem confiança parece um jogador banal... Melhorou na parte final. Quanto a Maicon, apenas a constatação de que perdeu um lugar que só não é seu porque não consegue manter a concentração durante os 90 minutos. Normalmente joga bem 89 e no minuto que dorme, ou sofremos golo ou calafrios... Quanto a Fucile, podemos dizer que tivemos uns 10 jogos do verdadeiro. O outro ou teve azar com uma lesão na pior altura, ou disparatou até perder o lugar.

Menções não tão honrosas com isso: Souza e Walter

Erros de Casting:

Dois por motivos diferentes. Kiezeck e Mariano. O primeiro porque teve 3 oportunidades de jogar e numa delas empurrou a equipa para fora da luta pelo único título que não conquistámos. O segundo porque não conseguiu garantir a renovação de contrato. Erro de casting com vários anos, apesar da paciência imensa de grande parte dos adeptos portistas.



Assim avalio o plantel. É subjectivo e discutível. Mas foi-me bem mais difícil encontrar defeitos que virtudes. Por mim só venderia Fucile,  Rodriguez e Kiezeck. Isso diz bem do valor actual do plantel.