terça-feira, 31 de março de 2009

Que curioso... espanhóis!

Depois de mais uma paragem na Liga, até já toda a gente se esqueceu que o Guimarães foi ganhar à Luz na última jornada, é altura para tentar perceber mais uma curiosidade do futebol: os vitorianos são espanhóis porquê?

A rivalidade é entre Braga e Vitória, mas o termo ‘espanhol’ já é do domínio público quando nos referimos aos adeptos do Guimarães. E para tal, duas explicações, escolham vocês a melhor:

1. Os vimaranenses portam-se mal (que surpresa!?!?!) e vêem o seu estádio interditado; a Federação, na altura, marca o jogo para Braga, gerando uma certa revolta nos indefectíveis de Guimarães, que exteriorizaram o seu descontentamento com uma tarja: “Para nos tratarem assim, mais vale irmos para Espanha”. Parece que a moda pegou e tornaram-se os espanhóis.

2. A outra, esta mais histórica, leva-nos para o tempo de D. Afonso Henriques e sua mãezinha – D. Teresa – por sinal, filha bastarda do Rei D. Afonso VI de Castela e Leão; o cúmulo chega em 1128 quando o nosso primeiro Rei luta contra a própria mãe e o seu aliado (um conde galego), evitando a anexação da região portucalense ao reino da Galícia; contudo, o passado da D. Teresa não passa despercebido aos arcebispos que logo tratam de chamar ‘espanhóis’ aos de Guimarães por serem descendentes de filhos bastardos da mãe de D. Afonso Henriques com castelhanos.

A história que se segue, foi partilhada por alguns basculantes (pelo menos por um, foi). Creio que estávamos em Setembro de 2000 em plena Semana de Recepção ao Caloiro; armados em Doutores, requisitamos alguns caloiros para os integrarmos no espírito da faculdade, claro que alguns do 2º ano aproveitaram-se e colaram-se ao nosso grupo para poderem libertar as frustrações de que tinham sido vítimas no ano anterior. Entre eles, Filipe ‘Vitória’, ainda não sabíamos nada dele na altura mas só foram precisos 5 minutos. Até ali, super-simpático a meter-se com as caloiras e a fazer os possíveis para se integrar no nosso grupo, até que começamos a perguntar as cores clubísticas de cada um. Caldo entornado. Um caloiro era do... Boavista. Filipe ‘Vitória’ (atenção, conhecia-nos há 5 minutos) muda literalmente de cor para um tom arroxeado, e berra na cara do caloiro “Tu és de quem pá, tu és de quem? Sabes o que nós dizemos em Guimarães, sabes? Boavista é merda, merda, merda...”. Alguém teve que afastá-lo enquanto os insultos saíam a uma velocidade feroz. Filipe ‘Vitória’ é também a única recordação boa que tenho do Guimarães porque foi ele que me mandou a sms com a minha última nota do curso (como podem ver, começou ali uma boa amizade mesmo com gajos do Vitória)!


Chega de espanhóis, segue uma história curiosa sobre Roberto Fabián Ayala (agora no Zaragoza) contada pelo pai:

“Já tinha 34 anos e Fabián apenas 15. Jogávamos juntos no centro da defesa do Club San José, uma equipa que participava numa competição menor. Eu era também o treinador, mas neste jogo decidi ficar no banco. De repente, numa jogada, o nº 9 deles faz uma entrada violentíssima sobre o Fabián que o tira da partida e o leva, inclusivamente, para o hospital. Entrei dentro do campo e fui ter com o árbitro que já tinha o vermelho na mão para o mostrar ao nº 9. Disse-lhe ‘que vais fazer? Nãooo, são coisas que acontecem, não foi nada...’. Não sei quantas mais coisas lhe disse, não queria que o expulsassem e consegui que ele continuasse em campo. Mas não por muito tempo. Fiz uma substituição: entrei eu. Um bocado mais tarde, quando o Fabián já estava quase a sair do hospital... o nº 9 deles estava a entrar.”

segunda-feira, 30 de março de 2009

Renovar ou não renovar



Eis a questão. Enfrentando mais uma enorme pausa no campeonato, aproveito para pôr à discussão o que mais me tem preocupado nos últimos tempos. Primeiro foi Lisandro e agora Jesualdo. Se em relação ao primeiro defendo que deve ver renovado o seu contrato de imediato, não posso dizer o mesmo em relação ao nosso treinador. Vamos com calma. Parece que em relação a Jesualdo não consegue haver meio termo. Em Outubro e após as 3 derrotas consecutivas, muitos pediam a sua cabeça, apesar de nada estar decidido. Agora e após a exibição de Madrid e a curta vantagem adquirida no campeonato parece que muitos dos seus defensores sairam da toca a gritar pela renovação do seu contrato. Neste aspecto parece-me que a táctica da nossa administração do 'esperar para ver' está correcta (sé é que é esta a táctica...). No entanto, convém ir fazendo a soma dos prós e contras para na altura certa agir. Vamos por temas.

Resultados falam por si?

Ora muitos falam dos resultados. Não deixa de ser verdade que se trata de um treinador que ainda não perdeu um único campeonato desde que chegou. E todos sabemos em que circunstâncias chegou. E mesmo treinando uma equipa montada por outro treinador chegou ao título apesar de um afrouxamento na parte final. Na segunda época fez uma prova fantástica. Pouco haverá a apontar. Este ano houve mais sobressaltos mas parece que tudo acabará bem. Na Champions o desempenho também tem sido bom. Se no primeiro ano atingimos os objectivos mínimos e fomos eliminados em Londres com uma amarga 'vitória moral', nos dois anos seguintes ficámos em primeiro lugar no nosso grupo e este ano chegámos mesmo aos quartos de final. Os resultados são bons. Não há dúvida.

Em contraponto, fica-nos sempre a ideia que, com Jesualdo, e ao contrário do que é norma neste clube, perdemos eficácia nas provas a eliminar. Tal fica bem marcado no desempenho frente a Paulo Bento. Aliás, o Paulo bem pode agradecer a Jesualdo o facto ainda ter um emprego... Perdemos duas Supertaças seguidas e ainda uma final da Taça num ano em que demos a esse mesmo adversário 20 pontos de vantagem no campeonato. Como é possível não ficar claro numa final a diferença de qualidade demonstrada ao longo um ano inteiro? Tal só pode indiciar que Jesualdo não controla os níveis de motivação da equipa. Também nos clássicos deixamos de ter aquele ascendente que era nosso apanágio. Tal está claramente demonstrado nos resultados em casa este ano em que não fomos capazes e nem sequer estivemos perto de vencer. Isto apesar de nos reconhecerem mais uma vez a melhor equipa do campeonato. Nos anos anteriores poucas foram as excepções a esta regra. Lembro a vitória em Alvalade este ano, a vitória magra mas clara em casa sobre o Benfica no final do campeonato passado e pouco mais. Tudo o resto têm sido empates e exibições pouco coloridas em jogos em que nem é preciso trabalho motivacional.

Jesualdo fez jogadores como Bruno Alves, Lisandro, Rolando, Fernando, etc.

De facto foram jogadores que explodiram com este treinador. Poucos eram os que acreditavam que Bruno Alves desse neste portento que é agora. Muitos achavam que Lisandro seria sempre um avançado para partir para a área da ala e nunca um ponta de lança. Rolando e Fernando são escolhas deste treinador e que foram lançados às feras, tendo dado provas a todos os níveis. Até com Quaresma se tem provado que é preciso trabalho e compreensão de treinador ,que Jesualdo teve e que outros Doutorados simplesmente não tiveram paxorra. Hulk é mais um exemplo. De facto, Jesualdo cria um núcleo duro de titulares e alguns desses jogadores cresceram muito no seio da equipa e beneficiaram muito da eficácia da máquina de meio campo formada por Meireles, Lucho e Assunção que como sabemos vem já do tempo de Co Adriaanse.

No outro lado da moeda estão os jogadores a quem este conceito do núcleo duro não permite chegarem a mostrar o que valem. Farias marca quase sempre que joga. No entanto, quando são precisos golos não é opção e entra apenas aos oitenta minutos. Se Jesualdo faz um esforço para perceber Quaresma e Hulk, porque não fazer um esforço para ter um plano B que inclua um rato de área como Farias ou mesmo o esquecido Adriano. Isto tudo num ano em que temos uma dificuldade gritante em marcar golos em casa. Mariano, por exemplo, tem sido dos melhores nos últimos jogos e, após a sequência de oportunidades que teve e inserido na engrenagem da equipa titular, nem parece o trapalhão do costume. Stepanov poderá ser outro exemplo. Outros jogadores que dão provas noutros clubes também nos põe a pensar no porquê de não terem mais oportunidades. Lembro-me por exemplo de Luís Aguiar. Jesualdo achou que não deveríamos exercer opção. Já o Braga beneficia do futebol mais excitante da liga com este jogador ao leme e com outro jogador a quem Jesualdo não deu oportunidades a brilhar na frente de ataque. Tudo isto perante a nossa falta de opções ofensivas no banco. Isto já para não falar de outros nomes muito badalados como Ibson, Pitbull, Paulo Machado (que também já perdemos de vez) e os jovens extremos que estão condenados a serem emprestados para toda a eternidade. Jesualdo está mesmo integrado no projecto de desenvolvimento das nossas escolas? Que jogadores introduziu ele no plantel principal? Há que perceber que se continuarmos a desprezar as segundas linhas, teremos sempre de ir ao mercado cada vez que nos vierem buscar uma das jóias acabando por desaproveitar parte dos camiões de dinheiro que têm entrado. E já percebemos, pela mera análise das contas e dos resultados sem transferências de jogadores, que isso terá de acontecer todos os anos.

Jesualdo tem sido a única voz do clube

Neste período em que o nosso presidente, e o clube por arrasto, continua a enfrentar o ódio de morte que nos têm (em parte devido a algumas imprudências da sua parte) com ataques em toda a linha, tem sido sempre Jesualdo a defender as nossas cores. Logo ele que é apenas um convertido por razões profissionais. E tem-no feito com grande mestria. Fala sempre o suficiente, com moderação, clareza, deixando até a ideia que este é mesmo o seu clube do coração. Não é, mas já percebeu que somos diferentes e provavelmente até terá pena que o benfiquismo ter vindo misturado no genes familiar. De outra maneira não poderia representar o clube como tem feito. Chega até a dar a sensação que o faz demasiado sozinho, o que valoriza ainda mais esta sua faceta.

Mas se comunica bem para fora do clube, não podemos dizer que o faça em termos para dentro, nomeadamente para os adeptos. A desconfiança nunca desapareceu mesmo depois de um campeonato ganho com históricos 20 pontos de vantajem e mesmo depois da bela recuperação que está a fazer este ano. Não esquecer que já estivemos a 7 pontos do primeiro. Como explicar este fenómeno? Como explicar o facto que eu estar para aqui a fazer os prós e contras da renovação deum treinador que provávelmente será tricampeão? Uma coisa é certa, o facto de a discussão existir, prova que a comunicação para dentro não funciona. Percebe-se que a própria figura cinzenta do treinador não empolga e daí muitos defenderem que deve passar para uma função mais de gestão global do plantel como director desportivo. O futebol quase sempre assente unicamente em transições rápidas também não ajuda.

Conclusão: Vale a pena trocar o seguro pelo desconhecido?

É o maior dos argumentos pela renovação. Há alternativas seguras no mercado? Não vejo. E nem me falem de Jorge Jesus e Paulo Bento... Não há alternativas sem ser de risco. Como foi a de Mourinho por exemplo. A minha opinião assenta na velha expressão 'o seguro morreu de velho'. O futebol faz-se de ciclos e acredito sinceramente que o de Jesualdo acabou. Após o ciclo glorioso com Mourinho, tivemos um ciclo de tumulto que terminou com a saída do insano Adriaanse. Com Jesualdo acalmamos ao sabor das vitórias. Agora há que tentar explodir! Foi um bom ciclo mas não me parece que, sendo prolongado, possa vir a ser melhor. E é isso que todos queremos: queremos mais que isto. Mais que o bom queremos o excelente! Será pedir de mais?

Equipa para trucidar os ratos de secretaria de Guimarães:

Helton; Fucile, Rolando, Bruno Alves e Cissokho; Fernando, Meireles, Lucho e Rodriguez; Lisandro e Hulk.

PS: Prometi fazer a pergunta todas as semanas e, portanto, cá vai: Em que ponto está a renovação de Lisandro?

Continua a petição em http://www.peticao.com.pt/lisandro-lopez

quarta-feira, 25 de março de 2009

Por falar em renovações...

... e em jogadores que mereciam tudo e mais alguma pela forma como defendem a nossa camisola, recordamos nos vídeos made in basculação, precisamente, aquele que devia ter terminado a carreira envergando a camisola de listas verticais azuis e brancas... foi o meu primeiro ídolo, foi, certamente, o ídolo de muitos aqueles que estão a ler estas palavras neste momento...

Aqui fica um, dos muitos jogos, em que Gomes, Fernando Gomes, o nosso bi-bota, marcou golos pela camisola que amava... os denominados jogadores de antigamente... E por nesta semana os "vasquinhos" terem estado muito em foco, o jogo é precisamente contra eles na época em que não fomos campeões nacionais, mas sim, europeus... o vídeo é extenso (daí ter terminado o upload agora), mas certamente dará muito gozo quando o virem...

terça-feira, 24 de março de 2009

Lisandro



Não temos os caracóis encharcados em gel, gravatas ridículas, nem nos tentaram chegar a roupa ao pêlo no parque de estacionamento da SIC, mas também temos direito a ter uma petição: queremos que Lisandro renove e que passe a ser dos mais bem pagos do plantel. Isto por muito que tenha um empresário que fala de mais e mesmo que ainda no ano passado lhe tenha sido renovado o contrato. É um verdadeiro jogador à FCPorto e dos jogadores mais influentes e merece ser tratado como tal. Se concordas assina a petição no link abaixo.

http://www.peticao.com.pt/lisandro-lopez

segunda-feira, 23 de março de 2009

Criminologia


Muito se tem discutido neste fim-de-semana um suposto crime. Os senhores do costume reclamam na já habitual histeria insuportável: Roubo! Nós portistas não nos temos queixado. Isto apesar de já há 4 quatro jogos seguidos, sermos claramente prejudicados. Dou por mim a pensar que quando falámos de crime e quando o avaliamos, não conseguimos deixar de pensar na vítima. Parece-nos sempre muito mais grave um assalto a uma velhinha ou uma criança. Quanto mais frágil a vítima, mais grave parece o crime. E de facto é a única razão que encontro para todo o destaque dado à arbitragem de Lucílio Batista. O homem até foi explicar-se ao jornal da noite e só faltou o comentário posterior do Moita Flores.... Não me lembro de tal coisa, mas justifica-se plenamente. Então não é que o sacana marca um penalti logo aos tipos que foram atropelados pelos mauzões alemães? Coitadinhos dos vasquinhos… Eu até era para ignorar completamente esta taça que o meu clube escolheu ignorar, e até nem vi o jogo, mas não podia deixar de gozar com esta situação. Um pequeno conselho grátis à nação sportinguista: ver com atenção os últimos jogos do FCPorto. Se calhar aí vão perceber que quando não podem confiar nos homens do apito, têm de jogar de maneira a não estarem expostos às suas decisões. Pela segunda semana consecutiva, três penaltis por marcar no dragão. Poderemos até juntar à festa um golo mal anulado. Roubo? Não. Eles até ganharam 2-0… Os Portistas podem não ser tão histéricos mas não estão a dormir. Enquanto jogarmos assim, os lances de arbitragem em vez de provocarem barrigadas no árbitro, dão-nos barrigadas de riso…


Vamos ao jogo. Boa primeira parte onde podíamos ter criado uma vantagem considerável. Mas não. Mais uma vez falhamos os 10 golos do costume e voltamos a passar ao lado da goleada. Mesmo na segunda parte e apesar de termos chegado a jogar a passo, tivemos mais 4 ou 5 oportunidades. Não só podíamos ter goleado como também podíamos ter evitado aquele susto que uma nabice do Fernando nos proporcionou. Poderia até permitir que jogássemos a segunda mão com a equipa da Liga Intercalar. Assim, não sei se Jesualdo irá arriscar tanto… Individualmente, gostei de dois jogadores. Mariano está a jogar muito bem. Muito em jogo, tem jogado fácil, directo e com um a dose bem mais aceitável de trapalhadas. O outro foi o Meireles. Tem sido para mim o jogador com um rendimento mais constante ao longo da época e ontem mereceu bem o golo que marcou. Lucho e Lisandro jogaram benzinho, Sapunaru na primeira e Cissokho na segunda parte estiveram activos no ataque e Bruno Alves teve tempo para fazer dois grandes cortes. Fernando manchou uma exibição, já de si cinzenta, ao isolar um jogador do Estrela e Stepanov esteve muito trapalhão. Resultado: mais uma goleada que nos ficaram a dever…


Para terminar, gostaria de manifestar a apreensão que senti ao ler no jornal O Jogo que estavam encontrados os alvos prioritários para venda no próximo defeso. São eles Lisandro e Bruno Alves. Ainda por cima é um jornal que costuma estar bem informado nestes aspectos. Até já estamos habituados a vender duas estrelas por defeso, mas estes dois… Provavelmente os jogadores com mais garra no plantel vão de uma só vez? É que têm personalidades que fazem muita falta ao plantel e que estiveram intimamente ligados à recuperação efectuada depois do fatídico mês de Outubro. Ainda por cima custa-me a circunstância em que está Lisandro. Se Bruno Alves começa a ser difícil de manter, dada a escassez de centrais de grande categoria nalguns grandes clubes, dá ideia que não é por essa razão que Lisandro estará entre os activos a vender. Tal só poderá ser pelos problemas com a sua renovação. Pergunta: em que ponto está a renovação de Lisandro? Planeio até fazer essa pergunta aqui todas as semanas porque não me cabe na cabeça que não se trate este jogador como ele merece. E logo ele que tem um coração enorme dentro de campo e que é, dos estrangeiros que passaram pelo FCPorto ao longo dos anos, um dos que mais se aproxima do que eu considero ser um jogador à FCPorto. Tratem lá disso…

sexta-feira, 20 de março de 2009

Boas recordações


Não será o melhor sorteio possível mas, sinceramente, havia uma equipa que eu queria evitar a todo o custo que era o Liverpool que é uma equipa talhada para este tipo de competições. Num segundo plano, Barcelona e Manchester United que apesar de terem ambos ataques imparáveis, têm também defesas mais permeáveis perante a nossa forma de jogar. E não convem esquecer que é um clube que nos traz boas recordações. Aquele golo do Costinha deverá ser mesmo o golo que mais festejei até hoje.

Olhando para o Manchester vem-nos logo à cabeça se seremos capazes de parar um ataque com Ronaldo, Rooney e Berbatov. Uiiii... Mas serão eles capazes de parar Hulk, Lisandro e Rodriguez? Já me sinto melhor. Por zona de campo, o ataque é indiscritível e impossível de marcar ao homem dada a mobilidade que apresenta. Rooney e Ronaldo aproveitam muito bem as aberturas de Berbatov que recua para distribuir jogo com classe, tendo ainda tempo para ir lá a frente finalizar quando é preciso. Marcar bem este jogador será fundamental visto que apesar de ter uma classe incrível, não prima pelo empenho e velocidade. Quanto a Ronaldo vamos apenas esperar que não esteja inspirado e evitar livres à beira da área. Quando ao meio-campo, boas notícias. Ferguson insiste em não lançar constantemente Anderson que poderia ser um perigo constante preferindo os bem mais previsíveis Carrick e Fletcher e o já idoso Scholes. Será muito importante ganhar esta batalha. Na defesa, o melhor jogador caiu em desgraça no último jogo com o Liverpool. Vidic é mesmo um Pepe ou um Bosingwa, isto é, pode sair tudo dali. Ferdinand é um dos jogadores mais sobrealvaliados de que melembro e prevejo muita dificuldade em acompanhar Lisandro e Hulk. Evra é muito ofensivo e convém aproveitar isso e do outro lado O'Shea é daqueles mistério: como é possível um jogador tão mau ter lugar numa equipa destas? Por último o Guarda-redes que também é capaz de tudo. Esteve quinze jogos sem sofrer golos para depois sofrer um frango. Aconselho muito remates à baliza.

Concluindo, na eliminatória anterior eliminamos uma equipa com um ataque de sonho, não por defendermos bem, mas pela forma como os pusemos em sentido com o nosso ataque rápido e com o nosso meio-campo dominador. Terá ser ser aplicada a mesma receita perante uma adversário que é só o campeão em título...

quarta-feira, 18 de março de 2009

Festival de bola...

Hoje os vídeos made in basculação recuam 21 anos para recordar a meia-final da Taça de Portugal de então... Domingo o jogo vai ser contra o Estrela, mas há 21 anos atrás foi a meia-final mais apetecida... um clássico FC Porto - Benfica no Estádio das Antas... não fui ver o jogo... tinha 7 anos e o meu pai dizia que era de alto risco... lembro-me de vibrar na rádio e do Porto ter tido uma mão cheia de oportunidades para marcar... lembro-me também de quando a minha irmã chegou a casa ter dito que, e passo a citar: "podíamos ter goleado aqueles mouros"... a noite foi, de facto, mais de desperdício, mas quase no lavar dos cestos, marcamos o golo que nos garantiu o acesso ao Jamor...

O vídeo tem um pequeno resumo do jogo inicialmente (praticamente só o golo) e depois outro, mais completo... mais uma noite mítica que vale a pena recordar...



Notas:

- os falhanços de Rui Barros... a recarga ao pontapé de bicicleta de Jaime Magalhães é inacreditável...

- Toni a dizer que o FCP foi um justo vencedor...

- O adjunto de Toni no banco do Benfica, em sequência do post de ontem de Pispis...

- A falta cavada por João Pinto na área do Benfica... como é que um árbitro marca livre indirecto aquilo??? não percebi...

- O cotovelo do Mozer no pequeno Rui Barros... penalty??? porquê??? não vale a pena marcar... :)

- O túnel das Antas e o chuveiro de objectos de que foi alvo Veloso aquando da expulsão...

- O companheiro de Ivic no banco do FCP...

- O Estádio das Antas abarrotar numa quarta-feira a noite... os Dragões Azuis na bancada central aquando da entrada dos jogadores... o barulho em cada lance de ataque do FCP... Fantástico...

terça-feira, 17 de março de 2009

Que curioso... Jesualdo Ferreira!

Em destaque e a prometer algumas capas de jornais sobre a (não) renovação pelo Porto, está na altura de dar a conhecer um pouco mais da carreira do nosso mister: nasceu em Mirandela e este ano já completa 63 anos de idade, foi com os pais para Angola até à adolescência mas regressou a tempo de tirar Desporto em Lisboa.

Iniciou a carreira de treinador nas camadas jovens do Rio Maior e do Torrense até 1984 e na época 84/85 estreia-se como treinador principal da Académica, passando depois pelo Atlético (é benfiquista e passou pelo Atlético, vá lá que está a sair melhor que a encomenda), pela Selecção de Angola e pelo Estrela da Amadora, até que a sua carreira daria o primeiro grande salto quando aceitou ser adjunto de Toni no Benfica, contribuindo para o título nacional conquistado na época de 1993/94. Ainda acompanhou Toni no Bordéus e fez de Zidane o jogador que foi... Tentou depois uma aventura no estrangeiro ao serviço do FAR Rabat, de Marrocos (há pouca informação sobre o que fez lá e regressou passado um ano, acho que está tudo dito). Enfim, tem 62 anos, uma vida inteira ligada ao futebol, a maior parte do tempo discretamente mas há dois episódios que marcam:

O primeiro deles, na época 96/97, tinha eu 16 anos e jogava nos juniores do Leixões com alguns internacionais sub-18 (na altura fez-se 3 anos naquele escalão), o treinador era o Folha, que era conhecido por dar uma cambalhota sempre que marcava um golo, cresceu no Leixões, passou pelo Benfica mas brilhou no Boavista, e numa das palestras num treino em pleno relvado do Estádio do Mar virou-se para um dos meus colegas – Israel – que tinha sido convocado para um dos estágios da selecção e disse-lhe mais ou menos isto: “Israel, dou-te os parabéns por ires à Selecção, mas também tenho pena porque vais encontrar um treinador que é um grande paneleiro...”. Escusado será dizer que se estava a referir a Jesualdo, agora o que ele sofreu com o nosso mister ninguém ficou a saber!

O segundo deles é abordado por Mourinho no livro dele, o Leiria a fazer uma excelente época, Benfica de Toni a desiludir e Vilarinho que no ano anterior não foi na chantagem do Special One quer voltar a vê-lo como treinador principal dos lampiões. Estava a acabar 2001. Veiga, Vieira e Carlos Janela intercedem junto de Mourinho mas a contratação esbarra num ponto: Jesualdo Ferreira (mais um motivo para renovarmos com ele). Vieira, segundo Mourinho, desfez-se em elogios “um homem da sua confiança, um homem do Benfica e um homem de bem, trabalharia com qualquer treinador sem levantar um problema que fosse”. Mourinho contrapôs: “Das duas uma: ou digo directamente, olhos-nos-olhos, a Jesualdo Ferreira que não quero trabalhar com ele, para que, claramente, entenda que sou eu que não quero trabalhar com ele, ou então nada feito e não vou para o Benfica”.

Em jeito de conclusão, a minha opinião: chegou ao Porto de Adriaanse numa situação que todos nos lembramos já com a época a decorrer e fez uma transição serena; vai a caminho do 3º título pessoal e apurou-nos sempre para os oitavos-de-final da CL (os mínimos que se exigem mas que muitos não conseguiram), a deste ano parece mesmo uma epopeia; perdeu jogadores muito importantes e continua a apresentar resultados. Se devíamos estar no Estádio do Algarve no próximo Sábado e ganhar as Taças de Portugal? Devíamos, mas o Professor tem margem de progressão!

NOTA: Mas troco-o pelo Mourinho!

segunda-feira, 16 de março de 2009

Ruptura


Finalmente uma exibição sólida em casa! Finalmente a ruptura com o passado recente do Dragão. Já merecíamos… Dominámos por completo o jogo e de tal forma que só podemos entrar confiantes na próxima vez que jogarmos no Dragão. E não convém esquecer que devolvemos com troco as derrotas da primeira parte da temporada naquele horrível mês de Outubro. Houve ali, sobretudo na primeira parte grandes desenhos ofensivos, altura em que se percebia o pânico dos defesas da Naval a quem pouco valeu o Autocarro que tentou ensaiar sem sucesso. Ainda assim, houve ali um ligeiro sofrimento porque continua a custar marcar golos em casa. Ontem foi por dois motivos. Um motivo careca e incompetente, e outro motivo que é a imensa nabice que tem tolhido a nossa linha avançada nestas alturas. Nada explica o falhanço de Rodrigez, Mariano e sobretudo o de Lucho. E logo ele tinha de falhar de baliza aberta. É que para mim foi o melhor em campo. Teve tudo. Passes longos e milimétricos nas costas da defesa, remates de longe perigosos e o golo da tranquilidade. Para mim o MVP. Gostaria de destacar também num segundo plano os nossos 3 avançados de ontem. Lisandro esteve endiabrado e só lhe faltou o golo. Rodriguez é inalcançável naquelas arrancadas pela esquerda. Por último, o ‘patinho feio’ Mariano esteve nos dois golos e isso diz tudo. Por último gostaria de destacar a estreia segura de Madrid e mais uma vez a exibição dos laterais que com as recentes exibições começam a descansar-nos mais um pouco.


Vamos ao careca. Ontem mais uma vez tivemos um artista no Dragão. Pela segunda semana consecutiva conseguimos evitar que o árbitro tivesse influência no resultado. Se na semana passada há um penalti por marcar e um golo mal anulado, nesta há um penalti com expulsão do guarda-redes, e um outro penalti com a agravante de ter dado um amarelo a Lisandro que, de uma forma bem conveniente, o tira do jogo de Guimarães. Isto por entre uma serie de erros e trapalhadas e um lance muito duvidoso em que Lisandro se isola e é derrubado. Aí estou muito longe e não pude ver se era mesmo falta e expulsão. A verdade é que espero que isto continue assim. Que não seja preciso uma arbitragem isenta para ganharmos, porque dali não podemos contar com nada. Que continuemos a ganhar apesar do árbitro…


Quem também entrou em ruptura com o seu novo amigo foi o Vitória de Guimarães. Não sei o que a direcção do clube pensa fazer mas parece que há ali uma rebelião no balneário vitoriano. Pelo menos os objectivos dos jogadores e do treinador não parecem ser os mesmos da Direcção que, como sabemos, tem uma clara preferência por jogos de secretaria… Como tão cedo não vou esquecer as manobras do Verão passado, gostaria muito de ir lá dar 5 outra vez… Mas isso é só daqui a 15 dias…


Equipa para a taça de Portugal onde recebemos o Estrela:


Ventura, Sapunaru, Stepanov, Bruno Alves e Benitez; Madrid, Guarin, Lucho e Mariano; Lisandro e Farias.

quinta-feira, 12 de março de 2009

Injustiça


Completamente injusta a forma como não ficou bem marcada no resultado a superioridade que demonstramos em relação a essa equipa milionária que é o Atlético de Madrid. Foram dois jogos em que tudo aconteceu: más arbitragens, golos falhados de forma incrível, frango, bolas ao poste, etc. Vá lá que a equipa superou tudo isto e conseguiu passar com todo o merecimento. Já no ano passado tínhamos merecido…


Ontem apesar dos receios que assolavam alma portista, jogamos para ganhar. Fizemo-lo sem precisar, mas com perfeita consciência que a melhor forma de defender era o ataque. Não deixa de ser um chavão mas a verdade é que quanto mais púnhamos em sentido a defesa do adversário mais facilidade tínhamos em controlar o seu poderoso ataque. Convém não esquecer os constantes pontapés para a ‘bouça’ que obrigamos o Atlético a fazer. E assim fomos controlando o jogo mas não foi possível fazê-lo todo o tempo. Houve ali uns vinte minutos (exactamente a meio do jogo) em que o jogo foi irritantemente equilibrado. Entramos muito fortes como tem sido habitual mas sem criar grandes ocasiões de golo. Tal ficou guardado, e aqui veio a novidade, para a segunda parte onde após a saída de Maxi Rodriguez passamos a controlar o jogo por completo. Se já antes o nosso trio do meio campo, que jogou muito bem, ganhava ascendente, a partir daí foi um recital. Gostei muito de Fernando, Lucho e sobretudo Meireles. Mais um grande jogo deste jogador todo-o-terreno. Aliás gostei da equipa toda mas são estes os três que destaco. Outro destaque que gostaria de deixar é para os laterais. Passaram um teste de fogo. Não é preciso ser um génio (e o treinador do Atlético está bem longe disso) para perceber que esse é o nosso ponto fraco. Apesar de o adversário se ter apetrechado para aproveitar esse facto, tivemos uma resposta à altura tendo acontecido apenas uma desconcentração para cada um sem grandes consequências.


Uma palavra para o árbitro: Esterco. Levamos dois amarelos por pedirmos os amarelos que o raio do holandês não queria mostrar nem por nada. Enfim, ridículo. Hulk foi um autêntico saco de pancada e tudo foi permitido. A juntar à festa, há ainda um penalty por marcar sobre Lisandro. Chegados a estas fases temos tido sempre arbitragens destas e não nos esquecemos que há para aí gente muito incomodada com o nosso sucesso na Europa. Sim estou a falar do galo com que anda o Francês…


Vamos aos apurados. Separo entre 3 grupos para o sorteio. Temos o grupo do ‘azar do caraças no sorteio’ onde incluo o Manchester United, o Liverpool e o Barcelona. Em seguida temos o grupo ‘não tivemos muita sorte mas podia ter sido pior’ onde incluo o Chelsea e o Arsenal. Por último, os mais apetecíveis Bayern de Munique, equipa muito desequilibrada em termos de valores e semelhante até ao Atlético de Madrid, e o Villareal, o outro outsider. Já aqui tinha dito que prefiro o Bayern. Manias…


Mais uma vez os adeptos do Atlético de Madrid fizeram das suas. Não convém esquecer que tal já havia acontecido num jogo com o Marselha. Na altura Platini jurou ser implacável e chegou a condená-los a 2 jogos a 300 Kms de distância, mas após muita pressão e após uma campanha cerrada do jornal ‘A Marca’ e até do Governo Espanhol, acabou por ceder e houve apenas um jogo à porta fechada. Percebe-se que aprenderam a lição. Na primeira mão, Lucho é atingido por uma garrafa quando festeja um golo e agora os membros de uma das claques resolvem, sem qualquer provocação aturar pedras à polícia, e atingir com tochas ou very-lights adeptos do FCPorto que chegaram mais cedo à zona do estádio. Aguardo as consequências. Se calhar é melhor fazê-lo sentado…


Em vésperas de uma Sexta-feira dia treze, continua a maldição de Mourinho com a Champions. Não sei se foi pela forma como ‘festejou’ a nossa Champions a verdade que está lançada a profecia: Mais depressa ganhará o FCPorto a novo título na Liga dos Campeões que Mourinho…


Equipa para a recepção à Naval:


Helton, Sapunaru, Rolando, Bruno Alves e Fucile; Madrid, Tommy Costa, Lucho e Rodriguez; Lisandro e Farias

quarta-feira, 11 de março de 2009

Ecos de Madrid (Parte 2)...

Conforme prometido, regressamos hoje para completar a reportagem de Madrid, com o que lemos no dia seguinte nas terras espanholas...

Soube pela vida ler o reconhecimento da na nossa superioridade e que agora ao Atlético só restava um milagre no Porto... esperemos que os resultados sejam similares ao milagre que os lagartos esperavam ter em Munique...

O jornal com destaque na primeira página do nosso jogo era o "Mundo Deportivo"... deduzo eu de Barcelona e que deve ter uma edição Madrid... também eles enfatizavam a esperança para a segunda mão, referindo que um golo de sorte de Forlan e as defesas de Leo Franco salvaram o "Atleti"

A "Marca", mais preocupada com o duelo de titãs no Bernabéu, refere que o Atlético foi incapaz de superar o FCP apesar dos nossos brindes...


O "Ás", também jornal madrileno, diz que o FCP foi melhor e que o Atlético sobreviveu por milagre..

Por fim, o "Metro lá do sítio... o "ADN"... destaca o naufrágio do Atlético na Europa...

Dizem que podíamos muito bem golear...

Outras notas...

A garrafa na tola do Lucho, nos festejos do segundo golo...

O "corte de mangas" de Jesualdo, muito enfatizado pelos espanhóis...


Hulk... o Portentoso...
Jogadores do FCP... um a um... A parte relativa ao Hulk está qualquer coisa: "Só faltou rasgar a camisola.."

E uma nota para os adeptos do Liverpool presentes... não sei se por causa de Torres ou, simplesmente, porque iam jogar com o Real...

As horas passam e pouco já consigo pensar que não no jogo de logo... o Atlético de há duas semanas moralizou-se com a vitória ao Barça e o empate no Bernabéu... mas acredito que um FCP forte e moralizado é imparável... eles têm de vir atrás do golo e isso, isso pode ser catastrófico para os colchoneros... esperemos que assim seja...

terça-feira, 10 de março de 2009

Que curioso... 1893!


Para quem foi sócio do FC Porto aos 5 anos, ou seja, nos inícios da década de 80, e ainda guarda o cartão de sócio da altura, facilmente estranha a data de fundação do clube: 1906!

Pelos vistos, agora recordando as notícias na net, a alteração promovida pelo nosso presidente - Pinto da Costa – em AG não foi muito pacífica e a comunicação social insistiu que esta alteração só foi feita para o FC Porto ser o clube mais antigo de Portugal e com isto fazer mais uma afronta ao Benfica. Afinal, o nosso clube já impunha muito respeitinho na imprensa naquela altura!

A história é breve e conta-se com poucos factos: António Nicolau d’Almeida, comerciante de vinho do Porto e com contactos privilegiados com a Corte, apaixona-se pelo futebol numa das suas viagens a Inglaterra e decide criar uma equipa – o Foot-Ball Cube do Porto. Ele que não era burro nenhum, funda o clube a 28 de Setembro de 1893, data em que o rei D. Carlos I celebra 30 anos de idade, e para ajudar à festa institui o azul-e-branco (as cores da Monarquia) como as cores do clube. Contudo, o projecto foi sol de pouca dura e no ano seguinte praticamente extingue-se o clube. As más línguas dizem que a esposa do Nicolau (inglesa e da high society) o convenceu a dedicar-se ao ténis porque o futebol era muito violento e aquele desporto era muito mais digno das relações que mantinham com a corte. Digamos que foi uma Carolina Salgado dos tempos antigos...

O que é certo é que só em 1906, quando José Monteiro da Costa acompanha António Nicolau d’Almeida a Inglaterra para uma viagem de negócios e tem o primeiro contacto in loco com o futebol é que decide pegar no projecto entretanto hibernado e, claro, conta com a ajuda do amigo para resgatar atletas de 1983 e 84 e formar a nova equipa do Foot-Ball Clube do Porto a 2 de Agosto de 1906.

Eis a razão para que até há bem pouco tempo festejamos 80 anos de vida em... 1986!

E porque há muitas histórias no futebol e nem todas relacionadas com o nosso clube, aqui vai uma que se passou no Mundial de 78 na Argentina:

Jogo entre alemães e mexicanos, dia 6 de Junho, resultado final: Alemanha 6-0 México. Aos 39 minutos os alemães já ganhavam 3-0, e é então que se lesiona o guarda-redes José Pilar Reyes que é imediatamente substituído pelo suplente Pedro Soto. Já no hospital, Soto foi o primeiro a visitar o amigo Pilar, que lhe perguntou: “Quanto ficou?”, Soto respondeu: “Empatámos!”, “A sério?” perguntou Pilar. “Sim, a ti meteram 3 golos e a mim também...”

segunda-feira, 9 de março de 2009

Comandante deu o mote em Mar sereno





O Porto demonstrou nesta jornada mais do mesmo, facilidade tremenda em jogar fora-de-portas com exibições seguras e vitórias tranquilas. A excepção só foi mesmo em Madrid, mas isso já todos conhecemos a história com um frango pelo meio e oportunidades atrás de oportunidades desperdiçadas.


De referir que esta crónica está ser feita por alguém que viu o jogo no Mar e, por isso, pode estar algo desvirtuada de alguns factos que possam ter sido descortinados apenas pela tv, aliás tive que me ausentar por alguns minutos na primeira parte porque tinha o meu afilhado no colo que, para não perder pitada do jogo, decidiu mijar-me em cima. Enfim, levar menininhos ao estádio dá nisto, ao menos é uma defesa quando passamos por desacatos ainda antes do jogo porque se há uma coisa que os pseudo-hooligans ainda tem respeito é por pessoas que levam crianças ao colo!


Quanto ao jogo propriamente dito, Jesualdo aproveitou para rodar a equipa, fosse por obrigatoriedade ou fosse por opção, jogamos com Farías, Mariano e Tomás Costa. Ok, só surpreendeu Lisandro no banco, mas mostrou que para jogos contra o Leixões ou equipas que se assemelham como a Naval, Paços de Ferreira, Trofense e outros mais, 3 ou 4 jogadores que por norma não são opção, quando jogam no meio do núcleo duro da equipa, de certeza que não vai ser por eles que o Porto não vai ter mais domínio ou mais oportunidades de golo do que aquelas equipas. A gestão podia ser assim há muito mais tempo e, se calhar, tínhamos mais uma final para disputar ou, pelo menos, não seríamos eliminados por números iguais ao de ontem.


O Porto entrou bem na partida e o Leixões, que desde há muito denota pouca profundidade ofensiva apesar de sair bem para o ataque, apenas tentava sacudir a pressão sem conseguir fazer mais do que dois/três passes seguidos. Beto ainda evitou o golo (que se adivinhava a qualquer momento) com duas saídas corajosas aos pés dos jogadores do Porto até que surge uma grande penalidade infantilmente cometida por Hugo Morais. Sinceramente não compreendo como é que os jogadores num canto dão propositadamente mão na bola. A entrada de Chumbinho permitiu que o Leixões tivesse mais um elemento de apoio a Rodrigo e Diogo Valente e com isso subiu mais no terreno embora sem causar perigo ou colocar em causa o domínio do Porto, no entanto, foram dez minutos antes do intervalo que deixaram a sensação que o Porto poderia adormecer um pouco na partida (quase como em Paços de Ferreira) e que o Leixões ainda poderia assustar os tricampeões. Tudo vai por terra com mais uma oferta leixonense, no caso, Laranjeiro que assiste primorosamente Hulk.


A partir daí, com muitos metros concedidos ao ataque do Porto para jogar em transições rápidas como os nossos jogadores tanto gostam de fazer, foram criadas muitas oportunidades e com facilidade se chegou a uma goleada perante um adversário que tende a cair progressivamente na tabela classificativa mas a quem todos reconhecem o excelente campeonato realizado até agora, inclusive os sócios que brindaram os ‘peixeiros’ com uma grande salva de palmas e cânticos de apoio enquanto regressavam aos balneários no final da partida.


Última nota para Helton, ainda não vi o lance na televisão mas embora me pareça que Cissokho pudesse ter evitado o choque, não deixa de ser mais uma falha incómoda que não tem maior dimensão porque desta vez ganhamos confortavelmente.


Muita atenção aos colchoneros que parece que acordaram depois do recital de bola que levaram dos dragões. Equipa para eles (pensei mesmo muito no onze): Helton; Fucile/Sapu/Tommy, Rolando, B . Alves e Cissokho; Fernando, Meireles e Lucho; Rodríguez, Lisandro e Hulk.

quinta-feira, 5 de março de 2009

O Lobo Míope... exagera!


Até ao momento, o Lobo Míope sonhou alto.

Todos os jogadores propostos, até ao momento, não passam de fantasias, obviamente.

São fantasias porque as contas estão no vermelho (côr que devia ser proibida no nosso clube) e porque muito dinheiro foi esbanjado nas últimas temporadas.

É um facto que a nossa administração dá-se mal quando vende muito. Todavia, isso é assunto que não me preocupa muito já que essa mesma administração nos tem habituado a estes ciclos de esbanjamento, seguidos de contracção e, consequentemente, contratações baratas e acertadas que rendem milhões, que serão depois esbanjados, and so on, and so on...

Posto isto, e porque sempre achei que o melhor mercado é o interno, tanto para treinadores como para jogadores, elaborei uma lista de potenciais reforços REAIS para a próxima época, até porque "O nosso quadro de atletas para 2009/10, de resto, está praticamente definido e privilegia jovens portugueses com potencial de crescimento» segundo disse Antero Henrique, a propósito do eventual interesse em Nené do Nacional.

Já estarão assegurados o defesa direito do Rio Ave, Miguel Lopes (22 anos/1,82m/72kg) que me faz lembrar Paulo Ferreira, e o avançado Silvestre Varela (24 anos/1,80m/75kg). Aspecto curioso nestas duas contratações é que nenhum dos dois teve sucesso nas respectivas passagens pelos clubes da 2ª Circular. Auspicioso, no mínimo, pese embora já tenhamos sofrido alguns amargos de boca com contratações deste género. De qualquer modo, os dois juntos custam menos de 1/6 do Pelé, menos de 1/3 do Tomy, menos de 1/4 do Bolatti, ou seja, risco zero! Ah!, e são portugueses com ambição! Parabéns SAD!

Neste seguimento, há dois jogadores que me têm encantado esta época: Nené, o "Desinteressante" e Ruben Micael Freitas da Ressureição!

Quanto ao primeiro, é para mim a grande revelação da época (a par do Hulk) e das duas, uma: ou está a fazer uma época "à Pena" ou é mesmo craque! Fala-se que o Nacional tem uma proposta de 4 Milhões de Euros do Lokomotiv de Moscovo. 




Nené tem 25 anos e 1,82m, é ambi-dextro e marca livres. Eu acho que íamos buscá-lo por metade e mandavamos um contentor de jogadores para lá! Não gosto do Professor Manuel Machado mas reconheço que tem feito excelentes épocas no Nacional e é um dos bons treinadores portugueses.
Já o Ruben Micael tinha, antes de mais nada, de mudar de nome! De resto, parece-me ser um excelente jogador. Com 22 anos e 1,75m de altura, está a fazer a sua estreia na Liga Sagres. É um jogador rápido, combativo e muito inteligente. Se mudasse de nome podia ir longe. Em alternativa, poderíamos contratá-lo e emprestá-lo mais um ano ou adquirir só o direito de preferência mas parece-me um bom jogador.

Para trinco, que é uma posição em que temos carências, há necessidade de recrutar mais um jogador. Pelé foi um fracasso e não entendo porquê. Depositava grandes esperanças nele. É mau profissional? O treinador preferia o Fernando? Não sei, mas se ele não voltar, isto é, se o seu passe for vendido (ele custou 6 Milhões!!!!), a minha primeira opção é Andrés Madrid (27 anos)! Quem me conhece sabe a admiração que tenho por este jogador e, por isso, admito a minha irracionalidade neste ponto. Se nem Pelé, nem Andrés Madrid fossem a escolha da nossa SAD, então a minha sugestão era Bruno China (26 anos/1,82m) e toda uma carreira ao serviço dos bebés! Tem sido uma das figuras do campeonato e está a atingir o auge da sua carreira.

Caso o Ventura não seja a primeira opção para a nossa baliza na próxima época, então o Eduardo é a melhor opção. É o melhor guarda redes português, da actualidade, e o melhor guarda-redes a actuar em Portugal. Com 26 anos e 1,87m tem ainda muitos anos de futebol pela frente. No entanto, a minha preferência vai para o Ventura. Neste posto, tenho sérias dúvidas se o Beto seria uma boa opção para a nossa baliza... (Desculpa-me Pispis)

Entretanto, há 4 regressos que, na MINHA opinião, são obrigatórios:
  • Castro: Desde a primeira vez que o vi jogar, vi um jogador à Porto! Tem raça, bons pés e bom remate. É humilde!
  • Nuno André Coelho: Que bela época tem feito no Estrela da Amadora. Este não deve ter salários em atraso!
  • Wason Rentería: Adoro este jogador! Ainda falha muito mas acredito que em 2 ou 3 anos está a jogar num clube da dimensão do FC Porto mas num campeonato mais forte, como por exemplo, Barcelona,  Real, Liverpool ou United! LOLOLOLOL





  • Ibson: Não vale a pena explicar, pois não??




Infelizmente, estou convencido que, no final da época, vamos dizer "adeus" a Lucho, Licha e Bruno Alves. Precisamos, urgentemente, de vender passes de jogadores e estes são os mais valorizados e eles também querem dar o salto para outros campeonatos.

Depois, há um conjunto de jogadores que "deviam" ir embora, definitivamente:
  • Hélton: Obrigado mas, é a vez do Ventura!
  • Pedro Emanuel: Parabéns, Capitão!
  • Mariano: Decepção, caro, decepção, caro, decepção e caro!
  • Sapunaru: Idem!
  • Benitez: Não é decepção porque também não se esperava nada de um suplente do Lanús...
  • Bolatti: Não se adaptou e é caro!
  • Tarik: Merece ir ganhar dinheiro para as Arábias!
  • Farias: Só faz sentido ficar se tiver um treinador que aposte nele. É um jogador com caracteristicas muito próprias que não se enquadram no sistema actual.
  • Adriano: Ouvi dizer que virou lamparina!!!
  • Guarín: Se for baratucho pode ficar... mas só porque sou crente!

Bem, estou meio perdido... Acho que já me estiquei demais...

Um forte abraço! Aúúúúúúúúúúúúúúuúú

quarta-feira, 4 de março de 2009

Ecos de Madrid…

O vídeo da semana desta semana é trocado pela reportagem da viagem de alguns basculantes a Madrid para acompanhar o nosso FCP…

Pis e Lamas, após a aventura de angariar bilhetes para o jogo, embarcaram em busca do conhecimento da cidade de Madrid e, principalmente, das vibrações no Vicent Calderon


Durante a viagem de avião, enquanto líamos o jornal, apercebemos que, meia hora depois da nossa chegada, a comitiva azul e branca também iria parar no Aeroporto de Barajas… motivos mais do que suficientes para realizarmos a devida reportagem deste facto para o nosso blogue… jornalistas portugueses, apenas a SIC, estando, também, 3 ou 4 televisões espanholas… elas não tiveram muita sorte, pois a Segurança do FCP não permitiu qualquer tipo de reportagem, remetendo para a conferência de imprensa após o treino possíveis questões que os jornalistas queriam colocar…


Desta mini-recepção à nossa equipa destacamos a presença de dois marroquinos que cumprimentaram Tarik com dois beijos, alguns espanhóis a chamarem pelo Lucho e um holandês que nos abordou questionando sobre o aparato montado em frente aquela porta de desembarque do aeroporto… Pis respondeu em inglês afirmando que aguardávamos pela Football Team Oporto, facto que ele também não ficou indiferente indo logo comentar com os seus colegas, aguardando, como nós, pela sua chegada…


Obviamente que abordamos alguns dos nossos jogadores, sendo de destacar o ar sorridente com que Nuno nos encarou (Riskas, ele mandou-te cumprimentos), e destacando o facto de Lucho e Meireles terem sido completamente prestáveis quando solicitamos fotos com eles (estas ficam para o “blog dos amiguinhos”)…



Por Madrid, não faltou o Tour ao Bernabéu, a visita ao Museu de Cera, onde estivemos com Torres e Zidane, e o Palácio Real onde encontramos Portistas equipados a rigor…


As 9 Taças dos Campeões Europeus...

Os troféus de Melhores Jogadores do Mundo dos craques que passaram pelo clube madrileno...

Zidane e El Niño em cera...

Gente da nossa terra no Palácio Real...

Indo ao mais importante, o jogo, o receio existente na ida para o Estádio e na hipótese de nos cruzarmos com a claque madrilena rapidamente desapareceu, dado no metro em que entramos estar abarrotar de Portistas que gritavam bem alto pelo nosso clube…


Quanto ao jogo, toda a gente viu… Foi pena não termos trazido a vitória, mas foi fantástico sentir a nossa SUPERIORIDADE em pleno Estádio do Adversário… HULK esteve fenomenal…


Pouco ouvimos os “Ultra” lá do sítio, mas o que ouvimos deu para arrepiar… a bancada toda, mas toda mesma, a saltar, ao ritmo de “A-TLE-TIC, A-TLE-TIC, A-TLE-TIC”…

No dia a seguir compramos toda a imprensa espanhola e com muito gozo líamos que o Atlético tinha tido muita sorte… nos vários jornais vinha destacado a imagem de Lucho a levar com uma garrafa na cabeça (nos festejos do segundo golo, algo que penso que passou quase despercebido em Portugal) e o gesto à “Zé Povinho” de Jesualdo aquando da anulação do golo do FCP…


Resumindo, foi FANTÁSTICO estar !!!


Na próxima semana, como antevisão da segundo mão, colocaremos os vídeos e os recortes de imprensa espanhola, concluindo assim a prometida reportagem basculante da viagem a Madrid.