domingo, 31 de janeiro de 2010

Sinais de Retoma

Expressão muito grata ao nosso P.M. José Sócrates e que se aplica perfeitamente à nossa exibição na Madeira. Mas ao contrário da economia portuguesa, que tem de esperar pela retoma dos outros para voltar a arrancar, nós tivemos que fazer pela vida. E o que fizemos foi contratar o mais promissor médio a jogar na Liga portuguesa. E de facto, notam-se logo os efeitos. A receita foi juntar a uma equipa que estava já recheada de grandes executantes, um jogador que fosse capaz de assumir o jogo e a responsabilidade de juntar as peças que já chegavam a parecer que não encaixavam. E para isso, e depois de apostas falhadas em Valeri, Guarín, Tomás Costa e mesmo Belluschi, bastou um jovem madeirense com carácter, ambição e sobretudo com um futebol muito simples nos pés. Poderei estar a precipitar-me mas parece-me que, com Meireles ao lado, vamos finalmente regressar a um futebol atraente recheado das transições rápidas que Jesualdo tanto gosta.

Ora com isto pretendo partir para um exercício que por muito simplista que seja, poderá ser levado em conta no planeamento de novas épocas. Trata-se de uma reflexão sobre o preço cada vez mais inflaccionado dos jogadores sul-americanos. Já sei que por exemplo 5 milhões por Hulk e por Falcao não se tornam caros visto que são claramente jogadores que se veio a provar que valem muito mais. Mas isso provou-se à posteriori... Pergunto quanto custaria trazer um equivalente a Varela ou ao Rúben da Argentina ou do Brasil. Óbvio que nunca custariam mais e é claro que poupamos no período de adaptação que se insiste que esta gente tem de ter. O planeamento desportivo para este ano começou por ser anunciado como uma clara aposta em valores portugueses e jovens. Como isto esperava também que se diminuísse o dispêndio em contratações visto que se tratam de jogadores mais baratos. O problema é que tal política se esfumou no momento em que vendemos Lucho e Lisandro. Ou seja, para substituir as estrelas não bastam os Rubens e os Varelas. E isso veio a provar-se errado. Se repararmos têm sido os portugueses as apostas mais rentáveis. Enquanto pensava nisto lá veio mais um rombo na minha confiança na existência de uma política desportiva coerente no que às contratações diz respeito. Demos um dinheirão por um brasileiro que já não é jovem, que falhou na primeira experiência na Europa, que nem tem um currículo assim tão impressionante em termos de golos e que tem um largo historial de indisciplina. Poderá sair dali um Hulk ou um Falcao mas não vos parece que é mais um negócio de alto risco?

E por falar em negócios caros, o MVP da partida da Choupana também foi bastante caro. Destaco Alvaro Pereira porque foi um jogador que não me impressionou muito à partida, mas que agora está em grande forma. Além disso, está nos 3 primeiros golos, o que é obra para um mero lateral esquerdo. Está claro que ainda está longe da perfeição como defesa mas também é claro que compensa pelo jogo ofensivo que canaliza pelo seu flanco. Muito bem estiveram também Rúben, Varela e Falcao. Até Belluschi tem estado melhor. Pelo contrário não gostei do Mariano (observação preocupantemente crónica) e detestei Fucile. Não fez nada de jeito e deu ao adversário, que foi completamente dominado, a hipótese de se queixar da arbitragem num lance em que fez tudo para perder a bola, vendo-se depois obrigado a fazer um penalti que acabou por não ser assinalado. Mas com isto estou longe de querer implicar que o Nacional foi prejudicado. Pelo contrário. O jogo começou com um penalti claríssimo sobre Rodriguez. Esse lance teve estranhamente (ou não) apenas uma repetição e como tal deve ter passado despercebido a muitos. Rogriguez toca para o lado e o guarda-redes adversário desliza e apanha o pé. Depois houve, para além do penalti sobre o Edgar, um outro sobre Belluschi e o lance do Alvaro Pereira, por muito que não seja o penalti clássico da rasteira, há um movimento do defesa que falha a bola e que atinge o uruguaio. E depois há ainda uma expulsão perdoada a Nuno Pinto. Enfim, uma Xistrada... Considero portanto ridículo que Manuel Machado se venha queixar de árbitros pouco católicos. Deveria sim queixar-se do seu cirurgião plástico que lhe sugou para além de alguma massa adiposa, meia dúzia de neurónios. (julgo que, agora que sabemos que ele acabou por ultrapassar bem o problema de saúde, já podemos gozar...) O mais importante é que goleamos na Madeira com uma equipa desfalcada de Hulk, Raul Meireles, Bruno Alves e Rodriguez.

Na terça-feira, e ainda hão de me explicar como é que apesar do desacordo do FCPorto o jogo é na terça, está em causa mais um picnic no Jamor. Parece-me que este Sporting de Carvalhal não tem argumentos, mas convém que isso se prove em campo...

Equipa para a recepção aos vasquinhos:

Beto (se não recuperar Helton); Fucile, Rolando, Bruno Alves e Alvaro Pereira; Fernando, Raul Meireles, Rúben e Belluschi; Varela e Falcao.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Nem mirra, nem golos, Baltazar?

Chegou ao Porto, não para adorar o Deus menino, mas para ser adorado por todos aqueles que acompanharam a sua carreira no país vizinho. As épocas de sucesso no Celta de Vigo (ajudou a equipa a subir de divisão com 34 golos), e depois no Atlético Madrid, fizeram dele um avançado de créditos firmados e criou fortes expectativas nas hostes portistas. Chegou até a ser o ‘pichichi’ numa altura que Hugo Sanchez já fazia estragos ao serviço dos merengues.

Já agora, numa de curiosidade, ‘pichichi’ é o termo que se utiliza para definir o melhor marcador da Liga espanhola em honra dum grande jogador do Athletic de Bilbao dos anos 10 e 20: Rafael Moreno “Pichichi”. Foi, inclusive, ele que marcou o primeiro golo no Estádio San Mames (daqui a muitos anos serão ‘ninjas’ os melhores marcadores da nossa Liga?).

Mas, Baltazar, revelou-se um verdadeiro flop sem nunca ter conseguido uma posição de destaque, muito por culpa da dupla Domingos-Kostadinov. Chegou, também, com 31 anos, o que pode explicar alguma coisa sobre o seu (fraco) rendimento. O que é certo é que acabou a carreira no Japão a marcar 28 golos em duas épocas aos... 37 anos de idade.

Actualmente, a fazer jus à sua condição de professar a palavra divina desde muito novo junto dos colegas de equipa (que lhe valeram apelidos como ‘Artilheiro de Deus’ ou o ‘Deus do golo’, tendo sido dos primeiros atletas a declarar-se Atleta de Cristo), é pastor e presidente da Missão Atletas de Cristo do Brasil. É também empresário reconhecido pela FIFA.


Como a passagem pelo Porto passou despercebida, apresentamos o cromo do Celta (nunca é demais relembrar este fantástico clube) com a ajuda do blog Cromo dos Cromos.


Cromo...














Carreira...

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Estádio Municipal de Lisboa


A partir de agora, e depois das notícias de hoje do Diário de Notícias e do Jornal de Notícias, vou passar a chamar ao Estádio da Luz, Estádio Municipal de Lisboa. Foram só 65 milhões de ajuda que a PJ considera ilícita. Ora com as ajudas vindas da organização do Euro 2004 que ascendem aos 22 milhões de euros é certo que bem mais de metade dos 120 milhões de euros que custou o estádio (falava-se de 160 milhões...) tenham sido pagos com dinheiro dos contribuintes. (este últimos dois dados foram retirados de um estudo do ISEG sobre o impacto do Euro 2004)

Fica o link da notícia: http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Policia/Interior.aspx?content_id=1480714

Link do estudo sobre o o impacto do Euro 2004: http://www.iseg.utl.pt/mm-conteudos/noticias/eventos/evento_165/Estudo_Sintese_24Mar04.pdf

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Acima de Tudo... Ganhar...

... é o que mais precisamos neste momento e nesta difícil deslocação à Madeira que se avizinha!

Como tal, os vídeos made in basculação, foram à procura disso mesmo... uma vitória frente ao Nacional, aparentemente não muito bem jogada, mas conseguida, trazendo na bagagem para o continente o que mais interessava... os 2 pontos da altura...

O jogo respeita à época 1990/91, ainda no Estádio dos Barreiros (possivelmente a Choupana ainda não reunia condições para receber os jogos do campeonato), com uma vitória à tangente por 3-2 com um bis do então puto Domingos Paciência...

Amnésia

Depois das declarações de Rúben Micael de ontem, e lembrando outras que já tínhamos aqui citado numa altura em que ainda não sonhávamos que ele vinha para o FCPorto, vem um fonte da mourada debitar as seguintes pérolas: "Aparentemente recuperou de um período prolongado de amnésia no preciso momento em que passou a fazer parte do plantel do FC Porto. Já está a justificar a contratação, infelizmente pelos piores motivos. As pessoas têm memória e sabem o porquê da coincidência desta declaração agora." Pois sabem. Sabem que uma parte importante da nossa defesa é o facto de que só agora é que um árbitro resolveu escrever sobre o que se passa nesse túnel. Que só agora a CD resolveu actuar. E que esses comportamentos discricionários são mais graves que um pontapé num segurança ou num 'interveniente com direito de acesso ou permanência no recinto desportivo'(termo técnico muito convenientemente inventado).
Ora quem tem amnésia é o vosso ponta-de-lança Ricardo Costa visto que, logo na altura, tanto o Rúben como o seu treinador são bem claros em relação ao que se passou. Como comprimido para a amnésia desse criativo jurista ficam os vídeos:




domingo, 24 de janeiro de 2010

Um cheirinho


O grande aliciante do jogo de ontem para a Taça Qualquer Coisa era mesmo a estreia do Rúben (assim será tratado a partir de agora). E de facto e tal como eu esperava o homem entrou muito bem e notou-se sobretudo nos primeiros 60 minutos. Se repararem na primeira meia hora fizemos à volta de 6 remates dos quais 5 foram da nova contratação. E era isto que eu esperava dele: um raio de acção superior ao de Belluschi. Não está em causa a qualidade do Bellushi até porque foi ele que desencravou o jogo num lance de pura inspiração individual. O problema é que o argentino não consegue, ao mesmo tempo equilibrar o meio-campo defensivamente e chegar lá à frente para o último passe e para a finalização. Já Rúben não mostra qualquer problema e poderá não ter os pezinhos delicados de Belluschi mas acho tem outros atributos e julgo que entrará de caras no onze deste FCPorto.

Quanto ao jogo de ontem, Jesualdo resolveu ao intervalo o problema que ele próprio criou. Por mim e dadas as últimas exibições seria Nuno André a ocupar o lugar de Bruno Alves e percebo que não se adapte bem à ala. Já opção de Guarín na ala não sei se foi para rir ou para chorar. A verdade é que correu pessimamente muito por culpa do treinador mas também porque o jogador parecia que estava embriagado e não fez nada em condições. A primeira vez que vi jogar Bellushi foi na ala esquerda. Devem lembra-se desse jogo visto que foi na Grécia e o Benfica levou 5 e foram poucos. Por isso, quando vi o onze julguei que era essa a opção mas o Jesualdo mas parti do princípio errado que foi o de pensar que ele não quereria inventar muito. Mas como aquilo poderia ficar complicado meteu-se Falcao em campo e a coisa resolveu-se de uma forma mais ou menos segura. O que até soube bem numa altura em que para os portistas tem havido vários momentos de sufoco nos últimos jogos. Individualmente e para além do Rubén, gostei do Tomás Costa, do Falcao e do Miguel Lopes. Não gostei assim muito do Orlando Sá mas marcou e isso é fundamental num ponta-de-lança. Detestei o Guarín e não gostei muito do Mariano e daquela defesa tosca do Nuno para a frente nos primeiros minutos. Por mim o Beto fazia os jogos da Taça e da Taça da Liga.

E por falar em cheirinho, continuam a sair notícias e mais notícias, com muita contra-informação à mistura, sobre o caso do túnel. Gostava que a CD da Liga fosse tão rápida a decidir o processo como foi a esclarecer que não poderia usar as imagens do vídeo do túnel para condenar as agressões do ano passado. No meio disto tudo só uma coisa é certa: isto cheira muito mal e acho que a decisão final ainda vai dar confusão. Não estou a ver todos os portistas a aceitar esta vergonha civilizadamente e isso preocupa-me.

Equipa para a crucial visita ao Nacional:

Helton; Fucile, Rolando, Nuno André e Alvaro Pereira; Fernando, Raul Meireles, Ruben e Rodriguez; Varela e Falcao.

PS: Mais um festival da CD da Liga. Agora, segundo notícia do Record, inventaram um novo conceito de 'interveniente com direito de acesso ou permanência no recinto desportivo':

«Agressões foram provadas e as provocações também

RECORD TEVE ACESSO À NOTA DE CULPA A HULK, SAPUNARU E BENFICA

A nota de culpa enviada pelo instrutor do processo do túnel da Luz dá por provada a agressão de Hulk ao assistente de recinto desportivo Sandro Correia com um pontapé e também confirma que este foi vítima de uma outra agressão a soco e pontapé por parte de Sapunaru, que por sua vez, ainda socou o steward Ricardo Silva. São estas as acusações das quais o FC Porto terá agora de apresentar defesa, sabendo de antemão que os atletas incorrem num castigo entre 6 meses e 3 anos de suspensão, além de multas pecuniárias.

No entanto, no relatório elaborado pelo instrutor do processo, e ao qual Record teve acesso, aponta também para "conduta provocatória" aos jogadores e outros elementos da representação oficial do FC Porto. Essa será eventualmente uma atenuante que pode aliviar o castigo dos jogadores, nomeadamente de Hulk que incorre "apenas" numa infração disciplinar muito grave, enquanto que para Sapunaru são contabilizadas duas.

Provocações

No documento que aponta também para uma infração do Benfica, o instrutor lembra que o clube da Luz é reincidente, ao mesmo tempo que assinala "a intensidade do dolo revelada pelos stewards" nos incidentes verificados.

Os passos dos acontecimentos são detalhados no relatório, destacando-se que:

- o diretor de operações e planeamento da Liga, Carlos Lucas, solicitou expressamente aos stewards que não empurrassem nenhum agente desportivo

- num momento em que apenas se encontravam no acesso ao balneário do FC Porto, Fernando Oliveira (responsável pela segurança do FC Porto), Hulk e Sapunaru e mais alguns elementos da SAD, o supervisor dos stewards, Sandro Correia, que estava colocado atrás do cordão humano formado pelos stewards, começou a dirigir-se verbalmente aos elementos do FC Porto de forma provocatória, afirmando entre outras coisas "vão lá para dentro... Voltem lá para cima..."

- que nessa altura os stewards (...) começaram também a dirigir provocações verbais aos jogadores e membros do staff do FC Porto, designadamente Fernando Oliveira, Hulk e Sapunaru, enquanto colocavam as mãos nos aludidos elementos no sentido de conduzi-los para o balneário

- que os stewards agiram de forma livre, consciente e voluntária (...) com intenção de provocar verbal e fisicamente os jogadores e restante staff do FC Porto, bem sabendo que essa conduta era proibida e punida por lei e regulamentos.

Por isso, o Benfica é acusado de "não ter assegurado a ordem e a disciplina no interior do túnel, permitindo que os stewards provocassem verbalmente jogadores e staff do FC Porto e se gerasse desordem e confronto físico".

Rastilho

O relatório sublinha que no final do jogo as duas equipas recolheram aos balneários sem incidentes, embora tenha sido aí que se iniciou "uma discussão, no hall do túnel, próximo do balneário do FC Porto, entre Fernando Oliveira e um dos stewards presentes, que se desafiavam mutuamente, dizendo FO ao steward: "largue-me", "tira-me a mão", "não me empurres".

Depois do envolvimento de mais stewards, "os ânimos exaltaram-se e a discussão subiu de tom, gerando-se intensificação de empurrões de parte a parte, o que chamou a atenção de alguns jogadores do FC Porto que já estavam dentro do balneário".

Agressões

Conforme se lê na nota de culpa, Hulk "aproximou-se do steward Sandro Correia e tentou agredi-lo com um soco". O assistente esquivou-se e outro steward interpôs-se entre os dois. Hulk, porém, "tentou novamente agredir Sandro com mais dois socos e desferiu ainda um pontapé com a perna esquerda que atingiu lateralmente, na zona da cintura, ficando a bota do jogador, que tinha lama, marcada no casaco que aquele usava".

De seguida, lê-se no relatório, Sapunaru "também avançou sobre Sandro e desferiu, com a mão esquerda, um soco que atingiu o dito steward com violência na testa (...) ato contínuo, Sapunaru deu um salto e, no ar, desferiu um pontapé com a perna direita, de frente para o steward Sandro Correia, atingindo-o de raspão na zona abdominal".

O mesmo jogador agarrou o steward Ricardo Silva e puxou-o "para baixo, tendo, quando este estava em baixo, sofrido um pontapé com os pitons na canela esquerda por parte de agente não apurado e um soco nas costas desferido por Sapunaru".

No relatório assinala-se, a dado passo, que "no seguimento dos incidentes gerou-se uma grande confusão no hall do túnel que envolveu diversos jogadores e membros do staff do FC Porto e stewards presentes no local, protagonizando todos estes agentes empurrões, puxões e confrontos físicos nuns casos de agressividade e noutros para apaziguar os ânimos". No entanto, não se identificam mais jogadores.


A acusação

1) Sport Lisboa e Benfica-Futebol SAD violou os deveres consignados pelo artº 18.º, n.ºs 1, 2 e 5, do RC, e, dessa forma, praticou a infração disciplinar leve "da inobservância de outros deveres" previsto e punido pelo artigo 99.º do RD com multa de 250 euros e 2.500 euros

2) Givanildo Vieira de Sousa (Hulk), jogador do FC Porto Futebol SAD, praticou a infração disciplinar muito grave "agressão sobre interveniente com direito de acesso ou permanência no recinto desportivo" p. e p. pelo artigo 115.º, n.º 1, al. f) do RD com suspensão de seis meses a três anos e multa de 2.500 a 7.500 euros

3) Cristian Iounur Sapuranu, jogador do FC Porto Futebol SAD, praticou, em concurso efectivo, duas infrações disciplinares muito graves de "agressão sobre intervenientes com direito de acesso ou permanência no recinto desportivo" p. e p. pelo artigo 115, n.º 1 al. f), do RD com suspensão de seis meses a três anos e multa de 2.500 a 7.500 euros, devendo as penas de multa a aplicar a este arguido ser acumuladas entre si e com outra penas (art 49, n.º 2 do RD) e as penas de suspensão acumuladas nos termos do art. 49, n.º 1, al. b) do RD»


sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

A antítese de Aquiles...

Se um foi recordado pela sua única fraqueza, outro será sempre lembrado pelo 'golo à Madjer'. Ele, que até já tinha sido recordado anteriormente neste mesmo blog. Hoje, depois de mais uma deliciosa recordação postada por Lamas com novo golo de calcanhar de Madjer, não resistimos a voltar à carga com mais cromos e mais episódios do argelino.

Rabat Madjer chegou ao FC Porto em 1985 oriundo do futebol francês onde jogou no Tours e no Matra Racing, esse mesmo clube para onde Artur Jorge, mais tarde, seguiu com o estatuto de Campeão Europeu. Para sair da Argélia e do seu clube desde pequenino - NAHD (Hussein-Dey) - não foi fácil. Havia uma lei que não permitia a saída de jogadores com menos de 28 anos e Madjer já estava a ser «massacrado» com propostas de clubes europeus depois de se ter mostrado na selecção argelina em grandes competições: Quartos de Final dos Jogos Olímpicos de 1980 em Moscovo, a Final da Taça das Nações Africanas de 1980 na Nigéria e o campeonato do Mundo de 1982, em Espanha, notabilizando-se no jogo frente à RFA no qual a selecção da Argélia venceu por 2-1, tendo marcado o primeiro golo.

Com o imbróglio resolvido entre Madjer e os responsáveis argelinos, o craque foi em 83 para o Matra Racing, clube que voltava à ribalta à custa do investimento fortíssimo da empresa MATRA ligada à indústria automóvel, não sendo de admirar que anos depois a torneira se fechasse e o Racing caísse no amadorismo. Ainda passa pelo Tours e chega ao Porto onde, sem dúvida, viveu os melhores anos da sua carreira.

Os golos de calcanhar foram recordados por Madjer e explica como o de Viena é muito mais recordado do que o das Antas que até considera mais bonito: "Um golo desses é marcante quando surge na final de uma grande competição e frente a um grande adversário. Hoje, se falarem de um golo à Madjer, todos sabem como é. Ninguém esquece o golo de Maradona no Mundial de 1986, frente à Inglaterra, ou o penálti de Panenka. A seguir a Viena, goleámos o Belenenses (7-1), fiz três golos, um deles de calcanhar, mais bonito, e que não foi tão falado".

Muitos só conhecem as 'manias' de Delane Vieira que encomendou neve para Tóquio e colocou dois sapos no Prater em Viena que acabaram por se transformar em golos, mas poucos sabem que Madjer obrigou o plantel portista a tocar no Corão antes da final da Taça dos Campeões Europeus. Pelos vistos, foi decisivo dentro e fora das quatro linhas.


Cromo (Época 1986/87)



Cromos (Época 1987/88)




Cromo (Época 1989/90)




Currículo...

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Ministério Público de mais

Ora saíram as escutas na net. Pronto, paciência... Aconteceu... Paciência o car#&%$!!!! Não há regras? Quem responderá por mais esta fuga? Quem tinha acesso ao processo e sobretudo aos ficheiros de som? Quero nomes? Enquanto isto saiu na imprensa escrita duvido que se conseguisse chegar à fuga de informação mas será que agora não se consegue? Julgo que consegue e quero responsáveis, que é para esta vergonha que é o ministério público português com as suas fugas de informação selectivas passe a ser responsabilizado. Quanto ao teor pouco importa. Já estava tudo nos jornais... Estão à espera de quê? Que se reabra o processo? Óbvio que não. A intenção é tentar humilhar o nosso presidente que continua a falar pouco e que quando fala lança acusações vagas e inócuas. Já as gravei no computador mas não ouvi e nem sei se vou ouvir. E como eu já milhares o devem ter feito. Mais um festival de justiça na praça pública... Só neste país!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Penoso


Foi a frase da noite de ontem. Isto porque os fabulosos comentadores da TVI se fataram de dizer que o prolongamento seria penoso para os pobres jogadores do Belenenses. Coitadinhos... Mas no fundo foi penosa a forma como não conseguimos ganhar em 90 minutos a este penoso Belenenses. Há muito que reflectir. Como é possível uma equipa destas causar-nos tantos problemas. Penosa a organização de jogo do FCPorto. Penosa também a forma com Olegário fez vista grossa a um penalti sobre Alvaro Pereira e a um pé em riste sobre Rodriguez dentro da área que daria livre indirecto a 3 metros da baliza. Penosa também a forma como este dois, que já conhecíamos de um comentário no ano passado a um Sporting-FCPorto também para a taça, continuam sem vergonha nenhuma. Chegam a ver um esquerdino num jogador que marca penaltis com o pé direito... No jogo de ontem só gostei do Rodriguez, do Pereira e do Falcao. Tudo o resto foi mau incluindo o Valeri que perdeu mais uma oportunidade. Qualquer dia nem ao banco vai. Penosa também a exibição de Beto se exceptuarmos os penaltis. Penosa a entrada de Mariano. Enfim, penas e mais penas.

Nos penaltis tudo pode acontecer mas o único que saiu bem da coisa foi o Beto. Que fique claro que nestas críticas nunca está em causa o empenho dos jogadores. Mas é assustador perceber que eles dão tudo e que não conseguem fazer melhor que isto.

Equipa para a Taça qualquer coisa:

Nuno; Miguel Lopes, Maicon, Nuno André, Abdoulaye; Prediguer, Guarín, Rúben Micael e Sérgio Oliveira; Farías e Orlando Sá.

Novamente de Calcanhar...

Em dia de jogo da Taça de Portugal contra o Belenenses, fomos ao baú tentar encontrar alguma pérola nos jogos entre as duas equipas azuis... rapidamente nos lembramos de uma goleada por 7-1, na abertura do campeonato 1987/88, em que o destaque foi inteirinho para o argelino que poucos meses antes nos tinha dado uma das maiores alegrias da vida com o Golo de Calcanhar em Viena... neste jogo Rabat Madjer fez um hattrick e voltou a repetir a gracinha com mais um golo de calcanhar para a história do nosso clube...


terça-feira, 19 de janeiro de 2010

O LOBO MÍOPE... EM 3 MOMENTOS!


momento 1

No dia 5 de Março de 2009, escrevi aqui que "Já o Ruben Micael tinha, antes de mais nada, de mudar de nome! De resto, parece-me ser um excelente jogador. Com 22 anos e 1,75m de altura, está a fazer a sua estreia na Liga Sagres. É um jogador rápido, combativo e muito inteligente. Se mudasse de nome podia ir longe. Em alternativa, poderíamos contratá-lo e emprestá-lo mais um ano ou adquirir só o direito de preferência mas parece-me um bom jogador."

Quase um ano depois, este rapaz confirmou plenamente aquilo que se esperava dele. As suas exibições nesta edição da Liga Europa atestam isso mesmo. A forma como surgiu no flash-interview após o jogo contra as lamparinas mostrou que é um homem de fibra. Os boatos relativos à sua fidelidade aos empresários que o representam e a sua irredutibilidade em trocá-lo pelo Jorge Mendes confirmam que estamos perante alguém de personalidade forte e vincada. Acredito que recrutámos um verdadeiro reforço!

momento 2

Quem é o Labaredas?




Ocasionalmente, acho-lhe alguma piada, todavia, face aos últimos acontecimentos está mais do que na hora de lhe dar um rosto, de lhe dar uma voz e de lhe apresentar novos públicos, já que o público alvo actual só se indigna ainda mais... e a mensagem não passa!

Temos sido achincalhados constantemente! Veja-se o último jogo contra o Paços de Ferreira. Não é que a imprensa nacional (lisboeta) conseguiu transformar este jogo, em que nos sonegaram um golo tão limpo, que nem o algodão desmentia, num jogo em que fomos beneficiados porque o golaço do Falcao terá sido com a mão?!??!?! Mas foi com a mão??? Com a mão de quem????Alguém no seu perfeito juízo é capaz de dizer que é claro que foi com a mão?!?!?!?!? É que nem tudo o que reluz é ouro!!! Eu afirmo: O GOLO É LIMPO E É COM A CABEÇA!

Resumindo, sugiro a "contratação" de um corpo para o Labaredas!

momento 3

Quem me conhece ou acompanha este blog sabe, perfeitamente, que sou um acérrimo defensor da ideia de que o Jesualdo não é treinador para o FCPorto.

No entanto, e porque o FCPorto está acima de qualquer birra ou ponto de vista, penso que está na hora de cerrar fileiras e sermos todos PORTO!


Quando a época terminar, haverá tempo para se escalpelizar tudo o que de bom e mau foi feito nesta época (e anteriores), haverá tempo para todos os portistas darem a sua opinião e criticarem o que quiserem.

O facto é que, neste momento, a divergência não ajuda em nada e como há mais de meio país cheio de vontade de nos impedir de discutir o penta - QUE SERÁ UMA REALIDADE! -o grande reforço para o resto da temporada não é nem o Ruben Micael, nem o Labaredas mas sim a união dos adeptos em torno da equipa! Não importa se os nossos atletas e equipa técnica são bons, maus, fracos, magros, altos, toscos ou tecnicistas. São os NOSSOS jogadores, são eles que nos representam, são eles que vestem a NOSSA camisola, são eles que envergam o NOSSO símbolo! Temos de ser PORTO! O PENTA é NOSSO!

domingo, 17 de janeiro de 2010

À espera do Rúben Milagreiro


Não é bem o nome do moço mas bem pode passar a ser, tais são as esperanças que se depositam nele. Se a sua contratação se concretizar e parece que está tudo tratado, cairá sobre ele a responsabilidade de trazer o que tem faltado ao nosso futebol e o que faltou aos seus pais quando escolheram o nome para dar ao filho: cérebro. Já estou farto de falar nisso e até foquei esse assunto em especial na passada semana. Mas o péssimo resultado do passado Sábado é disso exemplo. Que é que vemos ali? Muito coração e pouca cabeça. Basta ver que perante aquele balde de água gelada que foi o golo daquele moicano do ceará ,que pouco jeito tem para jogar à bola, reagimos energicamente e só não ganhámos porque tivemos uma infelicidade tremenda. Mas enquanto mandávamos no jogo não fomos capaz de o gerir da melhor maneira. Quando se joga em casa tem da haver alturas em que sufocámos o adversário. Será difícil (não impossível) fazê-lo constantemente, mas tem de haver alturas em que o fazemos e não tem de ser preciso o adversário marcar. E o que aconteceu no sábado. Estou aqui a ler o O jogo e aquele resumo dos lances minuto a minuto é sintomático. Nós fomos criando oportunidades e de vez em quando íamos lá. Mas só quando estivemos a perder é que procuramos incessantemente o golo. Ora como é que isto se resolve? Estou mesmo convencido que precisámos de um patrão para o meio-campo. É que não encontro outra explicação para todas estas dificuldades. Se virmos o onze que apresentámos sem uma das estrelas da equipa - Hulk - apresentámos uma boa equipa. Bons centrais, bons laterais, um meio-campo bom tecnicamente e com qualidade sobretudo através do Meireles, um Rodriguez rápido e com uma raça indomável, um Varela com um nível incrível de jogo e um avançado de nível mundial. Este Falcao é mesmo um achado. Grande a finalizar, a jogar de costas para a baliza, a pressionar a defesa contrária e marca em quase todos os jogos. Que mais podemos pedir? Está lá a orquestra toda e só falta o maestro. Será que o Rúben resolve o problema? É um risco enorme mas eu arrisco e acredito que sim.

Quanto ao jogo da Taça da Liga, não fiz crónica mas confesso que se tivesse sido possível fazer teria sido um problema arranjar sumo daquilo. Como tal não o farei, mas só Mariano e Guarín apresentaram algo que, mesmo assim, foi pouco. Só tive pena que o míudo tenha falhado aquele golo feito...

E até aqui discuti futebol. Mas nem sei como me segurei para só falar dos factores extra-futebol agora. Preferi fazê-lo porque entendo que apesar de toda esta merda em que o futebol português está enfiado nós temos problemas internos e há que atacá-los. Mas isto é demais! Aquele atrasado mental que fala todos os Domingos na Sic-notícias resolveu fazer uma estatística demagógica e falaciosa a que chama o campeonato da verdade. Pega na tabela classificativa e tira e adiciona pontos consoante as más decisões das equipas de arbitragem. Já que o tipo se dedica a estes métiers, que tal fazer uma lista dos melhores marcadores da verdade? Será que mudava o líder? Cheira-me que seria colombiano... E para além das arbitragens desastrosas há o jogo de gabinete. Está a fazer um mês desde o jogo da Luz e ainda temos um dos nossos 3 melhores jogadores suspenso preventivamente. Enquanto isto os tipos da Comissão Disciplinar da Liga estudam minuciosamente os regulamentos para ver se descobrem na nota ao artigo 300º e tal o pormenor que vai fazer com que o possam suspender por uns tempos. E se não encontrarem desta vez hão de arranjar alguma coisa, sejam as injúrias que só Xistra ouviu, seja o facto de ele não separar o lixo para reciclagem ou ter deixado o tampo da sanita levantado. Vale tudo para o afastar dos campos. E têm razão! O moço tem demasiado futebol nos pés para os portugueses que não sofrem desse mal congénito e saloio que é ser Portista. Pois eu nasci no Porto, e graças ao meu pai e ao meu avô sou Portista com um orgulho que dificilmente sinto noutra coisa. E a estes Ricardos Costas, os Ruis Costas, Os Xistras, os Lucílios e os Fiscais-de-Linha tenho a dizer que estou farto! Estou farto de não bastar à minha equipa ser melhor para ganhar campeonatos? Porque raio é que temos de ser sempre muito mas mesmo muito melhores? Porque raio é que temos de ser o clube que tem de ter um departamento jurídico com tanto trabalho como o desportivo? Porque é que a mediocridade e os joguinhos de interesses compensam mais que o mérito neste país e neste campeonato? Nunca uma comissão disciplinar da Liga actuou tanto. Mas é claro que quantidade não implica qualidade e as suas decisões persecutórias em relação ao FCPorto já foram literalmente enxovalhadas pelo Conselho de Justiça de Federação pelos Tribunais Comuns, nomeadamente o da Relação, e por esses senhores que nada percebem de direito desportivo do Tribunal Arbitral do Desporto. E o que se diz perante isto em dois terços do país? Que o Ricardo Costa é que tem razão e que eles até nem recorreram da primeira decisão entre outras baboseiras intelectualmente desonestas. Pudera? Quem é que não adora a justiça à la carte? Pois eu não gosto e exijo que o nosso líder Pinto da Costa acorde. Já sei que ele está mais activo mas queremos mais. Chega de aturar esta vergonha calados. Chega de palavras e há que partir para a acção. Não quero um FCPorto passivo na Liga, quero acções judiciais sobre a Liga de Clubes e sobre os interpretes destas decisões que só não envergonham a justiça em países como o Irão, Venezuela, China ou Coreia do Norte. Quero que se denuncie o que há a denunciar e que haja investigações sobre as operações financeiras que permitem a um clube, que ainda há meia dúzia de anos teve de dar acções próprias não cotadas como garantia de pagamento de deveres fiscais, ter 40milhões de euros para gastar em jogadores. Chega! Queremos acção!

Equipa para a Taça de Portugal em Belém:

Beto; Miguel Lopes, Nuno André, Bruno Alves e Fucile; Fernando, Meireles, Bellushi e Mariano; Varela e Farías.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

António Oliveira não pode com ele...

As coisas que ficamos a saber sobre o Raudnei (será Rudinai?) com uma simples pesquisa na net e com a fantástica contribuição de Octávio Machado. Não é que nas palavras do antigo treinador estava um arranjinho combinado com António Oliveira (na altura treinador da Académica) para o Porto perder o jogo e assim os estudantes salvarem-se da descida de divisão, e o nosso herói Raudnei contra tudo e todos marca o golo da vitória? Que arranjinho mal feito.

E pronto, fica aqui registado o momento alto da carreira do Raudnei no Porto: marcou um golo quando não devia! Mas ainda esteve bem no Depor, emprestado pelo Porto, no ano que os galegos subiram à I Liga em 90. Agora que mencionamos, que grande ascenção do Depor: até 90 quase sempre na II Divisão, em 94 falha o título no penalti de Djukic no último minuto do campeonato, em 2000 é campeão espanhol e em 2004 falha a final da Champions porque apanhou o Porto.

Raudnei ainda regressa ao campeonato português para representar Belenenses e Gil Vicente e ao serviço dos azuis consegui confirmar que pelo menos um golo marcou, foi contra o Beira-Mar num jogo que terminou 2-2 com Spassov a bisar e Penteado (que jogador!) a entrar nos aveirenses.

Agora, podemos contratar jogadores ao Raudnei aqui.



Cromos (Época 1987/88)




Currículo...

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

As Segundas Linhas Chegaram...

Em dia de jogo da Taça de Liga, em que, os azuis e brancos se deslocam à cidade dos estudantes, possivelmente, com uma equipa de segunda linha, relembramos o penúltimo jogo da época 1987/88, com o FCP já campeão e, curiosamente, também com uma equipa de segunda linha, trouxeram os 2 pontos (sim, só valia 2 pontos) de Coimbra com um golo de Raudnei, leram bem, Raudnei, jogador brasileiro que teve uma passagem fugaz pelo nosso FCP (2 épocas) e pelo campeonato português em geral, e que depois de passar no Deportivo da Corunha, voltou a Portugal e jogou no Belenenses e no Gil Vicente...

Este jogo é também marcante pela estreia de um "puto" de 19 anos que veste pela primeira vez a camisola do FCP na equipa sénior, jogando no eixo da defesa... nas imagens aparece com o número 2 e tem cabelo curto... quanto ao seu nome: Fernando Manuel Silva Couto...



Nota Final - O nosso blogue foi presenteado com um prémio relíquia da internet que nos foi atribuído pelo blogue Cromos da Bola, SAD. Desde já, agradecemos, este reconhecimento de um blogue ímpar, que se destaca por relembrar verdadeiras pérolas do nosso futebol e cuja escrita tem um humor hiper refinado. Vamos então prolongar a corrente elegendo mais 5 blogues da nossa preferência (depois da consulta pelos 5 membros do nosso blogue, o que resultou em escolhas diversificadas)...

Sou Portista Com Muito Orgulho
Reflexão Portista
Paixão Pelo Porto
António Boronha
E Deus Criou a Mulher

Segue-se o regulamento a seguir do referido prémio:
1- Exibir a imagem do "Prémio Relíquia da Internet" que acabou de ganhar, em qualquer área do blog (barra lateral, por exemplo);
2- Publicar um post a informar que ganhou o selo e o link do blog que o ofereceu;
3- No mesmo post, publicar as regras e indicar os cinco blogs a quem oferece o prémio;
4- Avisar os blogs escolhidos com um mail ou comentário, enviando-lhes o código do selo e o endereço de seu blog;
5-Conferir se os blogues escolhidos por si passaram o selo e as regras.

O LOBO MÍOPE... VÊ MAIS LONGE!



Alan Dzagoev, jovem prodigio nascido há 21 anos na Ossétia do Sul, marca o regresso do Lobo Míope que, com esta “descoberta” será mais idiota ou louco do que, propriamente, míope…

Há, todavia, um propósito nesta sugestão para o nosso FC Porto.

Entendo que tivemos muito sucesso na abordagem que fizemos ao mercado nos últimos 10 anos mas que a fórmula usada perdeu força e relevância nos últimos 2 ou 3 anos. O facto de aparecer um Cissokho, de vez em quando, não invalida isto. E convém não esquecer o projecto 611 (ou 613… ou 615… sei lá!) que tem de começar a libertar atletas para o plantel sénior.

Face às contas que vêm sendo apresentadas periodicamente, constata-se facilmente que a rubrica “custos com pessoal” é excessivamente elevada face ao nível dos proveitos operacionais que a sociedade tem. Ora, cortar no pessoal não me parece uma solução muito fácil mas optimizar os recursos sim! Levanta-se a questão de como podemos optimizar os custos com o pessoal, mantendo uma equipa altamente competitiva a nível internacional e papa-títulos a nível interno.

É aqui que entra a “minha” teoria que uns apelidarão de demagogia, enquanto outros poderão pensar que o rapaz não é idiota de todo…

Assim, defendo que o FC Porto tem de ter um onze mais dois jogadores aptos para serem titulares indiscutíveis, isto é, esquecendo os guarda-redes, temos de ter 12 jogadores aptos a serem titulares sem causar surpresa, nem mossa. Depois, temos de completar o plantel com jogadores da formação e outros recrutados no mercado interno ou até, eventualmente, num negócio de ocasião por esse mundo fora. Quero, desde já, esclarecer que um Prediger (em cujo valor acredito!) não é um negócio de ocasião! Um negócio de ocasião não pode custar mais do que 2 Milhões de euros, além de que, DEZ negócios de ocasião não podem ser classificados como tal… UM é UM!

Pegando no plantel actual e em alguns dos emprestados, vemos que jogadores como o Ukra e o Castro podiam, perfeitamente, fazer parte do plantel. Podemos ver que o Varela revelou-se um excelente negócio, bem como já o foram Bosingwa, Pepe, Nuno Valente, Maniche, Derlei, Paulo Ferreira e outros…, da mesma forma que também recrutamos “atletas” como o Marco Ferreira, que acabam por não ser nefastos nem para a equipa nem para a saúde financeira.

Voltando ao Dzagoev, cujo passe custaria sempre, no mínimo, 15 Milhões de Euros, e para finalizar esta proposta de abordagem ao mercado – não ficarei ofendido se qualquer elemento da estrutura directiva do FC Porto me chamar de estúpido ou ignorante – o FCP, face às vendas de uma ou duas "jóias da coroa", em cada defeso, deveria responder com uma ou duas contratações fortes, para entrarem directamente no onze e fazerem a diferença, além das de jogadores que, actuando no campeonato português, mostrem potencial para a curto ou médio prazo entrarem no onze. Ou seja, teríamos de contratar 1 ou 2 “Dzagoeves”, em função das necessidades e das vendas que se fizessem e os “Varelas” que surgissem. Depois, e em simultâneo, a aposta forte tem de ser na formação, onde quero acreditar que, de facto, essa aposta está a ser feita.

Para finalizar esta teoria, e servindo-me do Relatório & Contas da SAD a 30 de Setembro de 2009, importa referir que em 2009 gastámos cerca de €23,5M em:

  • 100% do Falcao;
  • 50% do Belluschi;
  • 100% do Prediger;
  • 50% do Guarin;
  • Encargos assumidos na renegociação do contrato do Hulk.

Além disto, ainda se investiu mais €5M na aquisição de 10% do “passe” Fernando e em 25% do “passe” do Tomás Costa. Ou seja, esquecendo os 10% do Fernando, teremos gasto cerca de €25M em dois titulares, sendo que num só se adquiriu 50% do respectivo “passe”! Ora, armando-me em merceeiro (sem ofensa para os merceeiros), adquirindo 2 jogadores por €15M, cada um, e num deles só se adquire 50% do passe, gastariamos €22,5M.

E em 2008, como foi? Segundo o mesmo relatório, €25M foram suficientes para “comprar” o Pelé, o CR10, o Hulk e o Mariano!!! Se pensarmos que 70% do CR10 custaram €7M (CMVM) e 50% do Hulk ficaram por €5,5M, então, o Pelé e o Mariano custaram a módica quantia de €12,5M… É demais, não é… Creio que já me fiz entender mas quero ressalvar que estou longe de ser um “Anti-SAD”, da mesma forma que não sou um “SADista”. Tento ter uma visão critica e racional mas sem qualquer tipo de fundamentalismo, até porque a SAD já nos mostrou ser capaz do melhor (Cissokho, Pepe, Ricardo Carvalho, Paulo Ferreira,…) e do pior (Luís Fabiano, Diego,…).

Agora falta o mais dificil que é convencer os “Dzagoeves” a virem para o FCP!

Há muito que defendo que esta tarefa não será tão complicada como pode parecer. Com a rede de contactos que a nossa SAD tem, qualquer um consegue vender a imagem de um clube trampolim para os grandes clubes da Europa. O FCP é o maior mas os jogadores querem é os Reais Madrids, os Barcelonas, os Milões, os Manchestesteres e pouco mais! O FCP tem colocado regularmente atletas em todos estes clubes, aliando excelentes mais-valias financeiras nesses negócios. É aí que entram as parcerias, os fundos e os passes partilhados que os nossos Administradores da SAD tão bem dominam e onde são catedráticos!

Concluindo este ponto de vista, creio que, assim, a nossa competitividade, na pior das hipóteses, manter-se-ia, e eramos “forçados”, também, a lançar jovens oriundos das camadas jovens, potenciando enormes mais valias financeiras e desportivas. Mais uma vez, convém não ignorar as regras de inscrição de atletas nas provas da UEFA!

Regressando ao meu amigo Dzagoev, quero ainda dizer que a escolha de um atleta proveniente da Europa de Leste não é inocente. Tratam-se de excelentes atletas, quer técnica quer fisicamente, com formação táctica e que, apesar de serem pagos a peso de ouro, querem experimentar outros campeonatos. Veja-se o exemplo Izmailov ou, noutro nível, o Pavel Pogrebniak que joga no “todo poderoso” Estugarda. É aí que a marca FCP tem de funcionar e dizer-lhes “ficas aqui 2 anos e depois vais para os Reais Madrids, os Barcelonas, os Milões ou para os Manchestesteres,

Quanto ao Dzagoev, acho que dispensa grandes apresentações. É um miúdo que pode fazer qualquer posição no meio-campo ofensivo, ambidextro, fabuloso no último passe, excelente no drible e nas bolas paradas. Tem uma meia-distância muito boa e a velocidade em corrida e de execução são também atributos bem presentes nele. Antevejo-lhe um futuro fantástico e tem tudo para ser uma grande referência do futebol Mundial nos próximos 10 anos. Já é titular do CSKA Moskow há duas épocas e soma 4 participações na Selecção Principal da Rússia. Esta época, já leva 3 golos na Champions League…

Se acredito que um dia jogará no FCP? Não! Mas que havia condições, lá isso havia…



domingo, 10 de janeiro de 2010

Onde está o cérebro?


Gostaria de agradecer à equipa do FCPorto pela sua exibição descontrolada e, já agora, à equipa de arbitragem que também ajudou a que, assolado por tamanha inquietação, passasse o jogo todo sem notar o frio inacreditável que gelou a noite de ontem no Dragão. Não terá sido a pior exibição desta época no Dragão. Até esteve acima da média visto que se tem jogado bem malzinho. Houve boas jogadas de entendimento entre os extremos e os laterais que estiveram bastante ofensivos, Meireles continua a subir de forma e Falcao é muito interventivo no jogo e começa cada vez mais a ser uma referência na equipa. Ou seja, um dos problemas que temos tido, que é a capacidade de encostar o adversário às cordas, começa a aparecer resolvido. O problema é que tudo isto acaba assim que chegamos ao golo. Jesualdo diz que não conseguimos reagir ao ímpeto do adversário que tenta responder ao golo sofrido. Pois o problema não é esse. O problema está na nossa tendência em baixar o ritmo. Esta falta de ambição tem de ser combatida. Dirão que as equipas de Jesualdo fazem isto há anos, mas é óbvio que os artistas já não são os mesmos.

E aqui chegamos ao problema central do nosso futebol este ano: não há cérebro. Dirão que falta Lucho. Não é a isso que me refiro. De facto Lucho é a personificação do que tem de ser um jogador inteligente. E fá-lo de tal maneira que todos os jogadores à sua volta até parecem melhores. Julgo que é isso que está a acontecer aos dois jogadores que transitaram da época passada. Meireles demorou mas parece que finalmente começa a perceber qual é o seu papel na fase pós-Lucho. Já Fernando continua irreconhecível. Péssimo no passe e hiperdescontrolado naquele que era o seu ponto forte que era a transição defensiva e a primeira tentativa de recuperação da bola. Tal descontrolo quase nos deixou numa posição muito difícil em relação ao título. O cérebro da equipa não tem de ter necessariamente o número 10 nas costas. Pode perfeitamente ter o 6. Pergunto que trabalho foi feito com Fernando na gestão dos tempos do jogo? É que não tem evoluído nada. Poderão perguntar porque é que implico com ele e não com o Meireles e o o Belluschi. Têm razão mas eu tinha mais esperança no Fernando. Mas é um facto que Belluschi não consegue pegar no jogo e que só Meireles tem feito algo nesse capítulo. Diagnóstico: Falta cérebro ao futebol do FCPorto.

Na falta da massa encefálica sobra o talento. O talento de Bruno Alves e de Falcao na finalização e o de Varela, Meireles e Rodriguez na construcção e de Helton que não tremeu no momento decisivo. Não gostei de Bellushi e sobretudo não gostei do Fernando. Jesualdo também não esteve muito bem ao deixar Belluschi tanto tempo em campo, mas esteve bem ao lançara a dupla FáFá que ajudou a chegar ao terceiro golo.

Ps: Esta semana vai-se continuar a jogar na secretaria. Aguardo em pulgas para saber o tamanho da vergonha em que vai desaguar o caso do túnel.

Equipa para o jogo com a Académica na Taça da Liga ou na Liga Intercalar:(Pouco interessa! É para rodar a equipa...):

Beto; Mariano, Maicon, Nuno André e Fucile; Prediguer, Guarín, Valeri e Sérgio Oliveira; Orlando Sá e Farías.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

O homem que só levou com o chicote uma vez...


E porque ainda vamos a tempo de prestar a nossa homenagem a José Maria Pedroto, nada melhor que esta história contada na primeira pessoa por alguém que lidou de perto com ele: Joaquim Queirós. Sei que muitos não gostam do filho (Eugénio Queirós), mas antes de ser anti-portista (ainda vão ter que me convencer desta) é leixonense!

Vários jornais, no dia de hoje, publicaram extensas prosas sobre a vida do treinador José Maria Pedroto, quando da passagem do 25º ano da sua morte. Associamo-nos à efeméride e lamentamos a perda de um nome grande do futebol português e de um amigo. Mas algo ficou por contar, talvez pela juventude de alguns dos que falaram sobre o "Zé do Boné", que não tiveram oportunidade de privar com o mesmo, mas já é de lamentar que a história da sua carreira não tenha sido bem contada. Também já nos falta o Manuel Dias para saber falar de tudo.

Ora o Pedroto que começou a sua carreira nos juniores do Leixões, quando ainda residia em Pedras Rubras e frequentava a relojoaria do saudoso Albano Basto, dirigente, anos a fio, do Leixões, cedo começou a dar nas vistas e quando do serviço militar foi para Tavira e jogou em Vila Real de Santo António. Naturalmente, deu nas vistas. E o Belenenses arregalou os olhos, servindo-se do meio em que se movimentava da alta política e do sócio Américo Tomaz, Pedroto foi transferido ao abrigo duma Lei Militar (nesse tempo ainda não se falava em apito dourado). E Leixões nada conseguiu dizer. Caladinho porque o respeito e o Estado Novo mandavam assim.

Passado algum tempo, para espanto de todos, Pedroto é transferido para o FC Porto, salvo erro por 300 contos (então a maior transferência no futebol Português) e o Leixões nem sequer teve direito a...300 escudos!

E começa então a ascensão do futebolista até vir a ser treinador, também se a memória não me atraiçoa estreando-se na Académica. Depois seguiu-se o Leixões e acontecer-lhe-ia a única "chicotada psicológica" da sua grande e gloriosa carreira.
O Leixões tinha perdido em Torres Vedras por 4-0 e ficou com os pés mergulhados na descida de divisão. A Direcção presidida por Francisco Mil Homens decidiu despedir Pedroto. E fomos nós que tivemos de o fazer, na qualidade de secretário geral do clube. Não esqueceremos, jamais, as escadas da sede em Roberto Ivens, por cima da garagem S. Salvador, quando lhe demos conhecimento. Custou-lhe, naturalmente, a aceitar. Até chorou, dizendo-nos: "não me façam isso" . E o Leixões tinha de o indemnizar, mas não tinha dinheiro, o que motivaria, mais tarde, uma acção judicial, em que até as chuteiras dos jogadores foram penhoradas.

Tivemos, então, de contratar um novo treinador, sendo incumbidos da dificil missão nós e o outro dirigente que era o saudoso Mário Maia. Este sabia muito de andebol, portanto, como nós já andávamos pelos jornais, responsabilizou-me pela tarefa. Conheciamos um nosso amigo jornalista, já falecido, casado com uma senhora espanhola, das Canárias, que tinha relações de amizade com uma família canarinha em que havia um treinador. Chamava-se Ruperto Garcia e havia treinado a selecção da Venezuela.
O senhor veio a Matosinhos e tudo foi tratado a alta velocidade. Um homem sério que até prescindia dos prémios para os distribuir pelos jogadores. De treinador percebia pouco e os seus métodos eram até discutidos pelos jogadores. Mas a verdade é que logo na primeira saída o Leixões foi ao Seixal e venceu por 3-0. E daí para a frente os resultados foram aparecendo e o Leixões não desceu de divisão.
Ruperto Garcia foi-se embora no final da época, mas decidiu escrever uma autobigrafia, na qual escreveu: "em tantos de tal, fui treinar o Leixões, substituindo José Maria Pedroto e salvei o clube de descer de divisão". E foi verdade.

Mais tarde, já quando Pedroto era o treinador glorioso e nós havíamos feito as pazes com ele, já jornalista, nas madrugadas debaixo da pala do Café Orfeu, na Julio Diniz, quando a discussão era grande com o Nuno Brás, Pinto de Sousa, Manuel Dias, Serafim Ferreira, Frederico Mendes, nós quando queriamos ver o Pedroto "saír dos carris", atirávamos: "olhe que eu vou buscar o livro do Ruperto Garcia". E entornava o caldo.

Recordamos a sua passagem pelo Leixões internacional (jogos com o Celtic) e quando Pedroto decidiu ir buscar o seu colega de equipa Carlos Duarte para jogar no Leixões. Nas zangas dele com Auricélio Matos por causa da preparação. Na exigência que ele fez ao clube na contratação do espanhol Cambre, que jogava no Arosa, dizendo que era dos melhores jogadores que vira. Fez o Leixões um esforço danado e foi quase "raptar" o "El Cordobez" a Espanha. O rapaz veio, mal teve tempo de conhecer Matosinhos, embarcou para Escócia, apanhou pancadaria dos escoceses (perdemos por 3-0), regressamos a Matosinhos e o Cambre nunca mais jogou...


Fizemos depois um percurso de amizade e de admiração. Seguimos a sua terrivel doença e não esquecemos o abraço que lhe demos numa tarde de sábado, nas Antas, depois de um dos seus regressos de Londres, onde se tratava.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

A Última Recordação...

... que, durante muito tempo, um dos nossos basculantes teve na memória da presença do seu Leixões na Primeira Liga e num jogo contra o FCP! Estamos na época 1988/89, a última dos peixeiros na primeira liga antes da longa travessia pelos escalões secundários do futebol nacional... para ele, Pispis, este será, muito provavelmente, um vídeo arrepiante...

O jogo foi na Maia, mas desconheço as razões de tal facto, pois para transmissão televisiva não foi de certeza... aguardamos que MPSV, um dos habituais colaboradores para as estórias narradas sobre os Cromos do FCP às sextas, partilhe connosco os motivos que levaram à transferência do Estádio do Mar para o Estádio Dr. José Vieira de Carvalho na Maia, o qual estava abarrotar... quanto ao jogo, a superioridade do FCP foi evidente com uns concludentes 3-0... destaque para o "frango" de Jesus, guarda-redes do Leixões, após canto de Branco e o Bis de Rui Águas, um ponta de lança "à moda antiga" como se diz na gíria futebolística, bem patente nos dois golos alcançados...

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Varela chega


Vou ser breve visto que há pouco a dizer sobre o jogo de ontem. Eu até costumo ser daqueles que tende a dizer que devemos jogar sempre para ganhar. Mas eu confesso que me estou a marimbar para esta Taça da Liga. Fui lá apanhar frio para ver os reforços!

E desta vez jogaram muitos. Para ser sucinto, gostei Varela, do Tomás Costa e do Miguel Lopes. Varela foi a peça que Jesualdo deixou em campo para garantir que ganhávamos. Tomás Costa estava com pilhas novas e correu imenso, tendo estado bem ao nível do passe. Miguel Lopes será um caso a rever e parece que qualquer dia Sapunaru deixa de ter lugar no banco. Esteve muito dinâmico na primeira parte e bem no auxílio aos centrais na segunda. Também gostei de um ou dois pormenores do Valeri (mas é pouco) das bolas paradas tensas do Sérgio Oliveira e da dupla de centrais. O resto foi tudo mediania incluindo a exibição do Leixões que antecipo que continuará a ter dificuldades. Apesar de tudo ainda teve algumas oportunidades nomeadamente aquele presentinho que o Nuno ia dar. No fim-de-semana regressa o futebol a sério.

Equipa para a recepção ao Leiria:

Helton; Fucile, Rolando, Bruno Alves e Alvaro Pereira; Fernando, Raul Meireles, Belluschi e Rodriguez; Varela e Falcao.

Os burros somos mesmo nós...

E-mail enviado por um colega de trabalho para a SportTv depois do Benfica-Nacional do passado Domingo... E assim vai a Comunicação Social...


Boa Noite

Começo por dizer que sou assinante da Sport Tv se a memoria não me falha desde 1999, portanto já pago para ter informação no mínimo, isenta há uma década e nunca mais vejo resultados. Por outro lado esclareço desde já que sou Portista há 44 anos, tantos quanto tenho de idade, e sócio do F.C.Porto desde 1978, e como tal como devem imaginar estou-me nas tintas para o resultado deste jogo até pela competição a que pertence manchada para todo o sempre.

Para o que não me estou “nas tintas” e o que me “obriga” a perder tempo convosco mais uma vez, á a falta de capacidade para pelo menos tentarem disfarçar o clubismo que vos tolhe a visão e vos obriga a considerarem “burros” quatro milhões de Portugueses. Sim porque não existem só os seis milhões…alguns dos outros também pagam; e não é pouco!

Quando o Sr. Miguel Prates tem o desplante de dizer que lhe ficam duvidas na autentica “traçadela” (mais uma) que o David Luiz comete dentro da área do Benfica após o jogador do Nacional ter “puxado” a bola atrás, e quando o Sr. Carlos Manuel vem dizer que na sequencia do “carrinho” o David Luiz tinha que tocar obrigatoriamente no jogador do Nacional está tudo dito!.. Alias da forma que o David Luís entrou arriscava-se a tocar em toda a gente que estava no estádio mas…mais uma vez impune! Pelo arbrito e pela Comunicação Social (parte dela).

O golo do Benfica passa mais ou menos despercebido, não vos interessa escalpelizar ou seja, lançamento a favor do Nacional que o Arbrito transforma num lançamento a favor do Benfica, (salvo erro o comentador de campo chamou a atenção para esta situação), lançamento de linha lateral irregular com um dos pés no ar e efectuado dentro do campo, pese embora por varias vezes o realizador tenha “metido” as imagens no ar as mesmas não mereceram qualquer comentário da vossa parte!.. Não interessa. Se fosse um jogo daquela equipa que vocês sabem e que vos obriga a engolir tantos “sapos” e que tão bem tem representado Portugal por essa Europa, e Mundo fora dariam as repetições tantas vezes quantas as necessárias para mostrar que um jogador cometeu uma ilegalidade ou que tinha o ultimo cabelo à frente do defesa e estava fora de jogo, ou então o Bruno Alves ainda se estava a equipar no Balneário e já estava a cometer uma entrada perigosa.

Meus caros eu até posso estar a exagerar mas sou um simples adepto e cidadão comum, não tenho as vossa responsabilidades ao nível da informação e não falo para milhões de telespectadores, por isso embora tente não tenho a obrigação de ser ISENTO COMO OS SENHORES TÊM; E NO MINIMO É ISSO QUE SE EXIGE ISENÇÃO ; até porque não consigo tirar o som à televisão e ouvir a rádio porque DEVIDO AO SINAL CODIFICADO A IMAGEM ESTÁ ATRASADA EM RELAÇÃO AO SOM E RETIRA A EMOTIVIDADE AOS LANCES.

Não entendam isto como uma critica por serem Benfiquistas, cada um tem o direito de ser adepto do clube que bem entende e afinal até é normal e vulgar neste Pais, ser Benfiquista, pela vulgaridade que isso implica, e pela própria vulgaridade em que se insere o nosso País, mas os Srs. são Jornalistas e embora podendo obviamente ter clube têm obrigação de tratar todos da mesma forma e não ocultar o que vos apetece em função das camisolas.

Sabem, eu já respondo e recebo diariamente a tantos e-mails que me custa um bocado estar a perder este tempo na véspera de mais um dia de trabalho mas começo a estar cansado meus caros, como acima referi sou assinante da SportTV agora também sou assinante da SPORTTV HD, pago a tempo e horas e começo a pensar que ao contrario do que dizia ironicamente aquele que tão mal vos tratou (comunicação social) mas que como se “meteu com o FCPorto vocês endeusaram o “Burro sou mesmo eu” vamos ver até quando!...



Saudações Portistas

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Reforços


Tinha a ideia que íamos ver em campo os reforços tão falados pelo nosso presidente. Ou seja, todo e qualquer jogador que ainda não fez nadinha nesta época. Pois apenas tivemos um Orlando Sá desastrado e um Tomás Costa, de quem já não espero nada, pouco tempo em campo. E depois ainda houve Yero que continuo a achar muito mais parecido com Makukula que com Drogba. Pois é. Reforços não há e pelos vistos não haverão. É uma opção da direcção e da equipa técnica e teremos de viver com ela. É um facto que o plantel não parece propriamente desequilibrado e também é verdade que que há jogadores que podem dar muito mais e que, se o fizerem, poderemos ter os problemas resolvidos. Mas vamos recuar à época passada. Aí detectou-se uma lacuna e contratou-se um jogador para supri-la. Era o que eu defendia este ano: um jogador para a posição do Lucho. Agora, de facto, temos plantel que chegue para dar a volta e chegar ao Penta.

No regresso à competição tivemos um FCPorto Q.B. Já a antecipar alguns efeitos da derrota na Luz, Jesualdo apostou e bem no onze principal. Assim levanta-se a moral, recupera-se a forma e guarda-se os 'reforços' para uma competição onde podemos gerir o plantel ao longo de três jogos. O jogo esteve sempre controlado apesar de não se ter jogado nada de especial. Dá a ideia que a noite inspirada de Meireles, Rodriguez e Varela foi demasiado para uma equipa da segunda liga. Esperemos que a subida de forma dos dois primeiros se venha a confirmar visto que já vimos que a equipa precisa mais deles do que o que seria expectável. Sobretudo porque este ano temos tido um Hulk intermitente.

Noutro assunto, parece que o Túnel da Luz não tem fundo. Pelos vistos, e segundo o idóneo jornal a bola, há mais envolvidos: Helton, Fucile e Rodriguez. E pelos visto há um vídeo. Deve ter sido instalado depois de vários terem falado de incidentes no Túnel da Luz, como por exemplo o Rúben Micael. Ou será que nessa altura já existia vídeo? Aguardo impacientemente pelo desfecho deste caso. Está-se a cozinhar mais uma vergonha à moda de Ricardo Costa.


Equipa para a recepção ao Leixões (máximo de segundas linha possível visto que ainda se pode recuperar):

Beto; Miguel Lopes, Maicon, Nuno André e Abdoulaye; Prediguer, Guarín, Mariano e Sérgio Oliveira; Orlando Sá e Yero;