quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Nem sentiram o cheiro da redondinha



Não foi uma primeira parte perfeita. Mas não acredito que, esta época, tenhamos estado mais próximo dessa perfeição. 83% de posse de bola é qualquer coisa de assinalável? Acontece quando o adversário não consegue manter a bola mais de 5-10 segundos seguidos e acontece quando o adversário passa series de vários minutos a correr atrás da bola sem a conseguir sequer cheirar. É assim que o FCPorto deve jogar. Isto permite que se vá descansando com bola e permite que vão aparecendo oportunidades, visto que os erros nas defesas acontecem muito mais frequentemente, pelo simples facto de as defesas ficarem impacientes. Gostei bastante! O resultado poderia ser bem mais dilatado ao intervalo. Na segunda parte, não foi tão bom mas manteve-se um nível bastante agradável e o avolumar do resultado foi inevitável.

Individualmente destaco um trio de meio-campo Moutinho, Defour e o MVP Fernando. Destaco este último por ser, à partida e pelas suas características, um dos que teria mais dificuldade em executar este estilo de jogo. Pois fê-lo na perfeição. Moutinho merecia o golo. Defour está cada vez melhor. Pena não ter muita confiança na definição de pé esquerdo. Quando o fez, notou-se. Do resto gostei de todos e até alguns jogadores que vinham em fase decrescente, como Varela e Otamendi, estiveram ao nível.

No entanto, nada disto ficará na memória se na próxima semana em Guimarães não houver mais uma vitória. Pelos vistos, contra todas as minhas previsões, isto vai ser taco a taco porque não parece que o resto das equipas portuguesas consigam fazer face ao velhinho 4-4-2 à inglesa do nosso adversário. Já nem os ingleses usam disto e em teoria, fechando as laterais e e povoando o meio-campo deveria resultar. Isso viu-se no jogo do FCPorto na Luz. A verdade é que eles têm tido tanta facilidade em ganhar como o FCPorto. Se assim continuar, no Dragão haverá mais uma lição de táctica do Professor ao Mestre...

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Regulamentos, Taça da Liga e Afins...

Um dos nossos habituais leitores (aka Levezinho) escreveu o seguinte que, de tanta coisa que praí se diz, também temos o direito de opinar... assim sendo, aqui fica a sua opinião no nosso blogue:


"Ora vamos lá tentar decifrar a desclassificação do Fc Porto da Taça da Liga.

Quem ouve ou lê os meios de comunicação social... até parece que não há qualquer dúvida que houve infracção. Dei-me então ao trabalho de ir ler os regulamentos... e conclui 2 coisas: 
Primeira - Os regulamentos estão um bocadinho para o mal feitos (mas isso obviamente não serve de desculpa e teríamos que os cumprir). 
Segunda - A situação está longe de ser clara... já que como disse.. os regulamentos estarem mal feitos... dão obviamente hipóteses a várias interpretações. 

Vamos lá então à minha interpretação...

O artigo que tanto se fala: Artigo 13º - Qualquer jogador apenas poderá ser utilizado pela equipa principal ou equipa “B”, decorridas que sejam 72 horas após o final do jogo em que tenha representado qualquer uma das equipas, contadas entre o final do primeiro jogo e o início do segundo...  Este artigo encontra-se num anexo do regulamento de competições da Liga cujo título é: REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE EQUIPAS “B” NA II LIGA POR CLUBES DA I LIGA. Ou seja uma a mais óbvia e fácil interpretação disto.. é que se tratam de regras que pretendem regular as competições da II e I Liga... 

No que aos regulamentos da taça da Liga diz respeito... o único artigo que fala na utilização de jogadores é o seguinte: Artigo 10º - Participação dos jogadores na competição Poderão participar na competição da Taça da Liga os jogadores que nessa época desportiva se encontrem inscritos e licenciados na Liga, de acordo com o estipulado no artigo 48.º e seguintes do Regulamento das Competições. Ou seja podem participar nesta competição todos os jogadores que se encontrem inscritos e licenciados... ora todos os jogadores do Fc Porto que defrontaram o Setúbal encontram-se inscritos e licenciados. 

Mas vamos até supôr... que o famoso artigo 13 então não pretende apenas regular a participação dos jogadores nos campeonatos da I e II Liga... e engloba também competições como a Taça da Liga. Se lermos atentamente o artigo.. ele é tão absurdo que levado à letra... faz com que até o Benfica tenha que ser desclassificado. Ora de acordo com este artigo qualquer jogador só pode ser utilizado pela equipa principal (ou equipa B), 72h após o final do jogo em que tenha representado qualquer uma das equipas (A ou B). Estoril - Benfica (6 Janeiro às 20:15) Ora temos aqui um jogo da equipa principal do Benfica disputado no dia 6... em que jogaram jogadores como:Jardel, Aimar, Olá Jonh, Sálvio e Lima Benfica - Académica (9 Janeiro 19:45) Aqui temos dia 9 (menos de 72 horas depois) os mesmos 6 jogadores utilizados. Ora levando à letra o artigo 13... qualquer jogador só pode ser utilizado pela equipa principal 72h depois de ter representado qualquer uma das equipas (estes jogadores representaram uma das equipas) e menos de 72h depois.. foram utilizados pela equipa principal... por isso estão também em incumprimento."

domingo, 27 de janeiro de 2013

Desportivo das Aves 1-2 FC Porto (85-86)...

Nesta manhã de domingo, a equipa B do FC Porto desloca-se à Vila das Aves e esse foi o argumento utilizado para irmos ao nosso baú "buscar" mais uma relíquia... o primeiro jogo do Desportivo das Aves na primeira divisão nacional contra o FC Porto... vitória suada com uma entrada de rompante dos dragões no segundo tempo com Futre e Gomes a garantirem dois pontos para a equipa portista...

Destaque ainda para o 1m38s com uma série de gente empilhada no holofote a ver o jogo... o resumo termina novamente com uma interessante "flash interview" a Artur Jorge...

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Podia ter sido mais fácil...


Ora aí está um título de post que posso aplicar tanto ao jogo de ontem como à primeira volta.

Comecemos pelo jogo de ontem. Boa entrada em jogo, com golo nos primeiros minutos e com mais 3 oportunidades claras para facturar. Logo aqui se podia ter feito o resultado. Com um bocadinho mais de calma e de talento, um 2-0 nessa altura seria um resultado que não assustaria ninguém. Mas logo veio um dos nossos habituais apagões. O Setúbal deixou de andar à nora e passou a acreditar. Pregou dois ou três sustos e com isso chegou ao intervalo com a ilusão de que estava a disputar o jogo. E por mim tinham razão. O jogo não estava controlado. Passou a estar com uma substituição de Vitor Pereira ao intervalo. Tira-se um extremo e mete-se um central. Chamar-lhe-ão substituição defensiva mas eu prefiro eficaz. A partir daí não mais o Setubal criou perigo, a não ser numa quase oferta de Helton. Além disso, trocámos um jogador apagado e inconsequente por um titular que começará agora a reentrar na equipa. E Alex Sandro é um jogador de tamanha fineza que desempenha melhor as funções de médio/extremo que qualquer dos extremos do plantel, com a excepção de James que também não é bem um extremo. Foi portanto um boost de qualidade e serenidade no jogo do FCPorto que permitiu que a equipa ganhasse o jogo. Só não dou nota máxima a Vitor Pereira porque acho que esta poderia ter sido a solução inicial.

Destaques óbvios para os já habituais Alex Sandro, Jackson e Mangala. Para mim o MVP foi Alex Sandro. Muita, muita classe. Impressionante. Depois tivemos Jackson que marca dois golos. Por último, Mangala que tirando de dois lances em que dá a Meyong demasiado tempo para pensar, fez mais uma exibição impressionante coroada com duas assistências para golo. Pela negativa Kelvin. Muito tenro. Não pode ainda jogar a este nível. Por mim ficava na equipa B até ao final da época. Lucho esteve bem em tudo menos no último toque. Nem parece dele. A excepção foi o golo. De saudar o regresso de Maicon. Por muito que Otamendi venha a jogar bem, Maicon é outra coisa.

Fazendo um análise rápida e superficial à primeira volta: não está mau. Óbvio que uma primeira volta de sucesso era uma primeira volta com liderança isolada e isso poderia ter acontecido não fossem aqueles quatro pontos perdidos em Barcelos e em Vila do Conde. Se se lembrarem desses jogos poderão concordar que foram ambos jogos que tivemos controlados, mas que não ganhámos porque simplesmente deixámos o tempo passar até uma altura em que já era tarde de mais. Isto aconteceu também noutros jogos como o de ontem sem que houvesse consequências de maior. Há que temperar melhor as nossas exibições. Quando é para descansar com bola, há que fazê-lo com mais critério e sem que o adversário veja nisso uma oportunidade para crescer no jogo. Esse é um dos desafios para uma segunda volta mais segura e ainda mais vitoriosa.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

V. Setúbal 0-1 FC Porto (85-86)...

Em dia de visitarmos o Bonfim, relembramos uma jornada histórica do nosso clube... Estamos na penúltima jornada do Campeonato Nacional de 1985/86, o Benfica dependia apenas de si próprio para se sagrar Campeão. Tinha 2 pontos de avanço sobre o FC do Porto, que ia a Setúbal, e recebia em casa o Sporting. Parecia impossível uma reviravolta, mas no futebol tudo pode acontecer. O derby de lisboeta corre mal ao Benfica que perde em casa por 2-1 e o FCP foi ganha no Bonfim com fantástico golo de Futre após assistência, imaginem só de Mlynarczyk. O FC do Porto passava para a liderança do Campeonato e na semana seguinte, recebia em casa o Covilhã, último classificado e já despromovido, em mais um jogo de sofrimento intenso, onde se iria sagrar Bi-Campeão Nacional!


Futre, na primeira pessoa, a falar do golo no programa As Noites do Futrebol na TVI24...


E algumas imagens deste jogo retiradas do blogue Bi Tri...


domingo, 20 de janeiro de 2013

Pontapé no maratsmo


Titulo fraquinho... Eu sei. Mas mesmo assim cá está!

Diria que o titulo é aparentemente tão fraco como o jogo de ontem. Digo aparentemente porque, neste caso, as aparências iludem. Não foi um grande jogo do FCPorto mas o adversário estava lá para dificultar ao máximo. Já muitos notaram mas este Paços é de facto uma equipa interessante e difícil. Mas mais difícil se torna pelo défice de criatividade que a ausência de James provoca. Defour está a jogar bem mas não pode dar à equipa o que um extremo dá. Muito menos quando comparamos com um extremo como James. Ainda por cima, Moutinho e sobretudo Lucho, não têm estado brilhantes. É possível que esse problema se resolva com Izmaylov. Vamos ver já na quarta-feira, visto que Fernando estará ausente por castigo. Por falar em Izmaylov, aquela segunda parte estava a ficar chatinha. Nada melhor que um golo do menino dos dói-dóis! Deu para animar o público do Dragão que resolveu enfrentar o temporal. Na primeira parte houve mais futebol mas menos golos. O golo de Alex Sandro deu para lembrar o grande João Pinto.

Individualmente gostei de Mangala, Fernando e de Jackson. Acho que Otamendi está em processo de queda de forma o que pode ser perigoso porque Maicon está aí a aparecer. Os laterais estiveram bem mas já lhes vimos melhor. Moutinho e Lucho estiveram regulares. Varela continua ausente e Kelvin pouco fez senão a assistência para o segundo golo.

Quarta-feira acerta-se caledário. Convém colar na frente para atenuar um pouco a propaganda pravdiana que sempre aparece quando as papoilas estão na frente...

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

FC Porto 2-0 Paços de Ferreira (91-92)...

Esta foi a primeira vez que o FC Porto defrontou o Paços de Ferreira em casa para a Liga Portuguesa e, talvez, o primeiro encontro de sempre entre estas duas equipas segundo a estatística fiável do http://www.zerozero.pt/... Destaque no vídeo para o penalty "sacado" por Folha, a frieza do romeno Timofte nas grandes penalidades, o "enterro" de Jaime Pacheco no segundo golo do FCP, concluído com a classe de Kostadinov... O vídeo termina com duas perdidas de Domingos, onde também pode ser visto José Mota, atual treinador do Vitória de Setúbal que iremos defrontar na próxima quarta-feira...

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Programa de Novas Oportunidades


A abordagem do FCPorto ao mercado de inverno é enternecedora. Há por aí no mundo do futebol gente boa mas que, por um motivo ou por outro, ganhou poucos ou nenhum títulos. E eu a pensar que o Passos Coelho ia acabar com o Programa das Novas Oportunidades...

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Dá-lhes Vítor!



É uma parvoíce dar mais destaque às declarações finais que ao jogo em si. Mas confesso que foi o que gostei mais ontem. Estou habituado a um Vítor Pereira, ou  com um discurso fraco, ou quando forte, desenquadrado. Não foi o caso. Quanto ao destaque aos lances de arbitragem, não esteve mal. Mas o que tinha de ser dito era que o actual líder, que jogava em casa, não jogou nada! Tinha de ser dito que o mestre da táctica apresenta, como apresentou o ano todo, um futebol sem meio-campo que se salva pela excelente qualidade dos seus finalizadores. Eu, tal como Vítor, não acredito que eles cheguem para equipas com nível de Champions como a nossa. Tinha de ser dito. Gostei!

Quanto ao jogo, não gostei tanto como das declarações de Vítor Pereira. Não que tenha sido mau. Longe disso. Foi uma boa exibição do FCPorto. Não teve aquela maturidade a que nos habituámos nos últimos anos. Com isto quero dizer que o FCPorto, normalmente, joga melhor na Luz, sofre normais calafrios, mas raramente desperdiça uma vantagem no salão de festas. E ontem fizemo-lo por duas vezes. Pouco me interessa jogar melhor se no momento da verdade desperdiçamos o esforço de um jogo inteiro em pequenas desconcentrações. Um bom exemplo é Mangala. Fez um jogo monstruoso, com um golo e com 99% dos minutos irrepreensíveis e sem erros. Pois numa fracção de segundo e numa má decisão isolou o melhor marcador da equipa adversária. Nota-se ainda alguma falta de maturidade que também já tínhamos visto em Paris. Mas quanto a isso, julgo que estamos no bom caminho.

Individualmente, mais vez o Destaco o MVP Mangala. Maicon vai ter muita dificuldade em voltar à equipa. Cheira-me que vai voltar pelo lado direito... Depois temos Fernando e Moutinho, sempre em grande nestes jogos. Os restantes tiveram momentos bons e maus. Gostei também de Defour que tem vindo a jogar muito bem. Destacaria pela negativa o jogo pouco inspirado de Lucho e a ultimamente habitual inutilidade de Varela. Izmaylov teve mesmo de entrar e não se viu. Foi um terror olhar para aquele banco de suplentes antes do jogo. Tanta pobreza...

Dos lances de arbitragem foi tudo dito pelo Vitor. O lance do primeiro fora-de-jogo a Defour e o lance de Maxi são de uma clareza preocupante. Tão preocupante como esta nomeação do João 'pode ser o João' Ferreira...

Para terminar, tenho de referir que normalmente tenho apenas uma foto nos posts que está reservada ao meu destaque nos jogos. No entanto, não resisti a ter aqui esta fantástica foto.


sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Benfica 0-1 FC Porto (84-85)...

Eu não estive lá, mas o dragão vila pouca esteve... para ele a vitória mais marcante do FCP na Luz... de facto é a vitória que abre o caminho ao primeiro título dos anos 80 e ao primeiro título de Jorge Nuno Pinto da Costa como presidente... a partir daqui foi sempre a somar... Ainda há dias li numa revista Dragões antiga que este foi um dos golos da vida de Gomes e percebe-se porquê pela sua importância e por ser um golo com a imagem de marca do nosso bi-bota... o resumo é longo, mas vale a pena... acaba com as inevitáveis reportagens e com Nené a parabenizar o nosso FCP...

domingo, 6 de janeiro de 2013

Podia ter corrido bem melhor


Era importante garantir os 3 pontos e esse objectivo foi conseguido com relativa facilidade. Já vimos muito melhor no Dragão esta época. No entanto, não foi um jogo mau. Houve várias oportunidades que não foram concretizadas por erros de finalização e por causa da boa exibição do guarda-redes do Nacional. Deu sempre a ideia que as coisas estavam controladas e a única preocupação que ia surgindo na cabeça dos portistas eram as lesões. O relvado é novo mas cedo se percebeu que estava a causar problemas de tracção. Daí às lesões vai pouco. Primeiro foi Danilo a cair redondo no chão. «Não me digam que este gajo vai estragar o negócio Izmailov!». Mas o homem lá se levantou. Depois caiu Jackson. «Mau! Como vamos marcar na Luz?» É que Jackson é um máquina. Uma regularidade de facturação impressionante. Felizmente era outro falso alarme. Mas à terceira foi de vez. E logo o James, cuja entrada em jogo, decidiu o jogo do ano passado. As recentes exibições fracas de Varela e de Kelvin e a ausência de Atsu ajudam a tornar esta ausência numa semi-calamidade. Ainda por cima, qualquer necessidade que surja no jogo parece ser resolvida com o mesmo jogador: Defour. Ele até está a jogar bem, mas o esquema fica muito menos ofensivo e, consequentemente, temos menos oportunidades de golo. Esperemos que James seja recuperável. Neste aspecto as coisas podiam ter corrido bem melhor.

Quanto ao jogo em si, tudo dito. O adversário causou poucos problemas e apenas houve alguma incerteza no resultado por causa do nosso desacerto na finalização e por causa das estúpidas e desnecessárias faltas que fomos cometendo nas imediações da nossa área. Neste lances, podem acontecer dissabores...

Individualmente, gostei dos laterais e dos centrais. Temos uma defesa que tem dado garantias e Danilo deu muito andamento ao seu flanco, o que foi importante depois da saída de James. No entanto, o MVP é Jackson. Conseguiu meter lá a bolinha que valeu os 3 pontos e isso chegou. Pela negativa, Kelvin e sobretudo Varela. Não fizeram nada pelo segundo jogo consecutivo. Preocupante porque um deles será titular na Luz.

Na quarta-feira não haverá crónica. Eu, tal como grande parte dos portistas que trabalham, não vou ver o jogo. Sendo a competição que é, confesso que não tenho muita pena, mas convém ganhar visto que poderemos ter acesso facilitado à final.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Bom 2013


Só hoje arranjei 5 minutinhos para aqui escrever. Resolvi não interromper as férias por causa da Taça da Liga e, pelo que vi no Domingo, não fui o único...

O jogo foi fraquinho em termos de intensidade e o adversário que, aparentemente não apoquentava muito, acabou por marcar dois golos extremamente improváveis. Um de livre directo fabulosamente marcado e outro em mais um 'freak happening'. O terceiro num mês... Vá lá que, ao contrário do que aconteceu nos lances bizarros de Danilo e de Helton, este não resultou em derrota. E podemos agradecer a João Moutinho e a Lucho que me pareceram os que mais fizeram para que aqueles últimos minutos fossem de pressão para o Estoril. Sendo assim temos via aberta para a próxima fase desta competição que continuamos a usar para fazer gestão. Se nas outras épocas temos feito gestão do plantel, as circunstâncias deste ano fizeram com que houvesse antes gestão de forma física do onze inicial. Está tudo muito tranquilo ao contrário do que o João Querido Manha, manhosamente quer fazer crer...

Individualmente gostei de Lucho e Moutinho e detestei Varela e Kelvin. Aquela nabice do Otamendi está perfeitamente desculpada pela enorme época que ele está a fazer. 

Elegendo desde já as figuras da primeira metade da época diria Otamendi, Jackson e Vitor Pereira. O primeiro por ser o melhor jogador até agora, o segundo por já ter conseguido pôr o seu nome entre a longa lista de fantásticos pontas-de-lança do Dragão e o terceiro pela forma como conseguiu paulatinamente avançar contra as dúvidas que muitos tinham e têm sobre a sua capacidade. E fê-lo praticando um futebol interessante que assenta num invulgarmente talentoso trio de organizadores de jogo: Lucho, James e Moutinho.

Para terminar, não deixo de achar interessante este ataque ao mercado de inverno através do iminente negócio Izmailov, que aqui adiantámos há algum tempo. Por um lado temos o russo. Em condições físicas plenas será um dos 5 melhores jogadores do campeonato. E a 60%? E depois temos a questão táctica. Será que vem para extremo ou para o meio-campo como alternativa a Lucho? Com as ausências de Atsu e Iturbe, iniciamente será extremo. No entanto, jogue onde jogar, parece claramente uma aposta no futebol de toque, no tiki-taka que Vitor Pereira insiste em replicar. Nesse caso sairia da equipa o intermitente Varela, perdendo a equipa em verticalidade e apoio nas alas. Por outro lado, parece que vamos abdicar de um guarda-redes que fizemos estrear na equipa principal com 17 anos, ou seja, um jogador em quem apostávamos muito. Acho estranho. Além disso temos ainda o lateral direito posição onde, depois do regresso de Fucile, teremos excesso de opções. Por aqui tudo bem. Faltará saber o que pretendemos fazer perante a ausência de terceira opção para avançado, agora que Kleber se magoou.