quarta-feira, 29 de maio de 2013

Em equipa que ganha, não se mexe...


... mas o FCPorto mexe sempre... É uma das consequências do nosso sucesso. O FCPorto habituou-se a preparar as épocas contando com a eventualidade e até a elevada probabilidade de perder os seus heróis. Foi assim com Mourinho, com Deco, com Lucho, com Quaresma, com Villas Boas, com Falcao, com Hulk, etc. Isto só para citar os meus preferidos. Este ano parece que se resolveu cedo com Moutinho e James... Isto para dizer que aquela máxima que tanto ouvimos aplicada ao futebol não tem sido possível aplicar. Nem que quiséssemos...

Após o intróito vou directo ao assunto: devemos renovar com Vítor Pereira? Julgo que a decisão já estava tomada e que o golo de Kelvin e o suplemento de alma e de crença que a equipa apresentou nos últimos jogos veio baralhar as contas... Até me parece estranha a hesitação, mas acredito que vai haver troca de treinador no Dragão.

Vamos a prós e contras. A maior virtude que atribuo a Vítor Pereira é o facto de ser portista. Para mim isso é cada vez mais importante em planteis com poucos portugueses e poucos portistas. E isso pode ter sido fundamental nestes últimos dois títulos. Em ambos tivemos de recuperar uma desvantagem e acredito que a transmissão da identidade do clube é fundamental nessas alturas de adversidade. Outra característica importante das equipas de VP é a organização. A equipa raramente se desposiciona e nota-se que isso é trabalhado até à exaustão. Outro 'pró' claro é a eficácia de 100% em títulos nacionais. Duas tentativas, dois sucessos. E isto apesar do crescente investimento do nosso adversário directo, apesar da maldição dos fins-de-ciclo que a saída de Villas Boas deixou, das saídas de titulares como Alvaro Pereira, Rolando, Guarin,  Falcao e de Hulk. Além disso, este ano houve lesões importantes de Maicon, James e Moutinho. Há que reconhecer que o treinador nunca teve vida fácil no Dragão em termos de empatia com os adeptos.

Quanto a contras, apresenta melhores resultados em competições de regularidade que em competições a eliminar. Isso poderá indicar que não é um treinador que seja capaz de motivar a equipa no momento. Uma boa serie de resultados leva a equipa a patamares de confiança elevados, mas, no momento de adversidade, em competições a eliminar não noto muita confiança na equipa. Exemplos, a eliminatória do ano passado com o City, o jogo do ano passado com a Académica para a Taça de Portugal, etc. Outra crítica que tenho a apontar é o da obsessão com a organização. Não é por acaso que ponho isto nos prós e nos contras. Por vezes, uma virtude torna-se contraprodutiva se levada à exaustão. Se um extremo é exímio a procurar o terrenos interiores, se o faz em todas as jogadas, mais cedo ou mais tarde, essa jogada vai deixar de funcionar com a mesma eficácia, por muito bom que o jogador seja. Há oscilações de forma, os defesas nunca são os mesmos, etc. Direi o mesmo quanto ao futebol de posse que Vitor Pereira apresentou. O esquema assenta numa organização e numa disciplina de circulação de bola que vençam pelo  cansaço a organização defensiva contrária. 'Cheiram tanto a bola' que abrem espaços, que ficam disponíveis a serem aproveitados. Eu gosto da ideia. A verdade é que  prática demonstrou que, por um lado, actores diferentes resultam em eficácia diferente. As lesões de James e sobretudo de Moutinho causaram danos claros no jogo da equipa. O abaixamento de forma de Jackson quase nos custava o título. Logo ele que tanto fez pela equipa este ano. Por outro lado, nota-se que a organização está a amarrar a equipa a um jogo com uma dose de risco muito reduzida. Não é necessariamente mau quando temos pelo menos um jogador que varia o jogo e que joga de maneira diferente. Por exemplo, Hulk no ano passado. Sem Hulk, o 'plano b' não existe. Varela vai tentando, Atsu foi aparecendo mas, para já, apenas temos artistas a mastigar e o Jackson a encostar. Faltam os malabaristas. O sal do futebol que iria dar uma nova vida ao esquema que Vitor Pereira desenhou. Mas será que o Vitor Pereira gosta disso? Ou será que o futebol mastigado que fomos apresentando o satisfaz em pleno? Pelo menos ele não deu mostras de ter capacidade de inverter a tendência. Cmo podemos falar do jogo da primeira mão com o Malaga como um sucesso, quando tivemos tão poucas oportunidades de golo? Para serviram nesse caso os 80% de posse de bola? Será que o Vitor viu isso? Isso assusta-me. 

De facto a coisa está equilibrada. Por um lado, temos um treinador que surpreendeu muita gente. Portista, jovem, competente, com resultados internos bons e que valorizou alguns dos activos do plantel, nomeadamente Fernando, Maicon, Mangala e Alex Sandro. Nunca alinharei nessa teoria de que qualquer um que se senta naquele banco se arrisca a ser campeão... Por outro lado, teve maus resultados na Europa e nas competições a eliminar e parece obcecado com um sistema de jogo que está demasiado atado ao rendimento de 3 ou 4 jogadores nucleares. E recordo que dois deles já saíram. A minha opinião não é difícil de adivinhar a quem me lê regularmente. Havendo soluções disponíveis no mercado, eu aproveitaria para trocar de treinador e abrir um novo ciclo. Estou convencido que a formula de Vítor Pereira teve méritos mas que se esgotou. Eu ambiciono um FCPorto que não se contenta com um campeonato e com as dores dos outros. Nem que sejam 3 seguidas... O FCPorto deverá manter um perfil dominador dentro de portas e assustador na Europa. Temo que, nas duas últimas épocas, não cumprimos a segunda parte. Venha daí novo projecto!

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Tempo de antena

Eu sei que este tipo não merece atenção da minha parte. É demasiado fraco, desonesto intectualmente. Enfim, neste país come-se tudo o que nos põe no prato. Basta ser-se polémico para ter tempo de antena. Este Rui Santos que, segundo sei, é responsável por uma tabela classificativa alternativa chamada pomposamente de 'Liga da Verdade', tem esta fabulosa interpretação do lance de James Rodriguez no passado Domingo. Vejam, porque é de ir às lágrimas. A SIC não percebe o ridículo em que cai ao manter uma pessoa tão pouco preparada com um airplay semanal de 2 horas! A partir do minuto 5:05.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

TRI


Tricampeão, invicto, 0 derrotas, melhor defesa, melhor marcador, enfim... É habitual, mas não será por isso que se deverá desvalorizar! Aliás, o desmoronamento do nosso principal adversário no 92º minuto será motivo de gozo, mas terá de ser motivo de regozijo! Ganhámos a um adversário que esteve bem próximo do melhor que lhe é possível! Não convém esquecer isso! Nem convém esquecer a forma tardia e inesperada como alcançámos este título! Dirão que sempre acreditaram... Mas uma coisa é a paixão e outra é a razão. E muito raramente ganha a primeira... Importa reter que, mais uma vez, perante a adversidade extrema se vêem os verdadeiros campeões! Os tricampeões! São 8 campeonatos nos últimos 10! 

Quanto ao jogo, nem tenho nada a destacar. Exibições normais que garantiram a normalidade que é o facto de o FCPorto não falhar nos momentos decisivos. Nem vou perder tempo com a expulsão mais que estúpida de Danilo.

Quanto à festa, para mim foi nos Aliados. Sei que a política afastou a festa do centro da cidade. Espero que, para o ano e quando a política já não esiver no caminho, o festejo não de divida entre a Alameda do Dragão e a Avenida dos Aliados.

Sigam os festejos e siga a preparação da próxima época! Que se lixe o PIB!

Último destaque para as fantásticas equipas de Andebol e Hóquei! Menção honrosa para a equipa de sub-19. Tenho muita esperança nesta geração. Perderam o campeonato por 1 ponto, mas 8 em 11 jogadores são juniores de primeiro ano e potenciais campeões no próximo ano. Muita atenção ao futuro de Rafa, Tomás Podstawski e André Silva.


domingo, 19 de maio de 2013

Paços de Ferreira 1-2 FC Porto (92-93)...

Post de 22.03.2012 recuperado tendo como pretexto o jogo de hoje à tarde na Mata Real...


Notas:
- Jaime Pacheco... treinador e jogador... e ainda marca um golão...
- Baía a voar... fantástico... 0m55s...
- O lugar do peão atrás da baliza...
- 2m59s... mais um lance para o outro soviético da SIC falar da implementação das novas tecnologias no futebol...
- Kostadinov falhou tanto golo...

Paços de Ferreira 0-3 FC Porto (91-92)...

Post de 21.12.2011 recuperado tendo como justificação o jogo de hoje à tarde na Mata Real...


Notas:
- Dia da inauguração da iluminação no Estádio da Mata Real...
- Carlos Daniel a comentar o resumo do jogo...
- Dupla Kostadinov/Domingos... fortíssima...
- FCP matou o jogo com dois golos de rajada já perto do final do encontro...

quinta-feira, 16 de maio de 2013

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Três saborosos pontinhos



Nem parece, mas não ganhámos nada mais que isso. Mas estamos numa posição priviligiada! Quem, há uma semana atrás, diria que estaríamos nesta situação? Importante não ter deixado de acreditar. Já o havia destacado aqui. Outro clube já teria sucumbido há muito. Por entre as capeladas, os penaltis falhados, as lesões em jogadores importante, o aproximar do final campeonato parecia trazer a fatalidade do insucesso. Parecia...  Por estas e por outras coisas é que o FCPorto é diferente!

O jogo correu pior do o que eu pensava. Há muito que aqui venho defendendo que o visitante não joga nada. Que o nosso, por vezes sonolento, futebol era bastante superior ao 'pontapé-prá-frente' e ao futebol sem meio-campo que se pratica na Luz. Como tal, julgava eu que essa diferença se iria notar no jogo de Sábado. Enganei-me. Não contava que tivéssemos as mesmas dificuldades que tivemos no jogo com a Olhanense. Também não contava que o visitante jogasse da mesma forma... Estava à espera que a sua habitual sobranceria não lhes permitisse vir jogar ao Dragão para o pontinho e com a táctica do autocarro e da perda de tempo. Pois Jesus percebeu, e bem, que essa é uma táctica que nos tem causado dificuldades e foi o futebol que apresentou. Em termos de estratégia, não me choca. O empate bastava. Mas esperava mais do clube mais grande cá do império e dos territórios ultramarinos...

Entrámos bem no jogo. Estávamos com o controlo das operações até que um lançamento lateral e um golo às três tabelas veio complicar as coisas. Aí foi muito importante a reacção dos adeptos e da equipa. Chegámos facilmente ao empate e isso deixou-nos de novo na crista da onda. O problema é que tínhamos pela frente um adversário bem posicionado defensivamente e que raramente saiu com muita gente para o ataque. Apenas fomos conseguindo perigo através dos lances de Varela e dos laterais porque, pelo meio, não passava nada. E assim se foi arrastando o jogo. Isto até ao momento em entrámos no campo do paranormal. Não é todos os dias que vemos um jogo desta importância resolvido por uma tabela entre um jogador de 35 anos com 23% de incapacidade e um moicano do Paraná com 19 anos! Que golaço! Explosão no Dragão! Razão tem Vitor Pereira: houve sorte, mas só uma equipa fez por merecê-la.

Individualmente, destaco Otamendi, Fernando e Varela. Os outros também estiveram bem. A rara excepção foi Jackson que não teve um jogo muito feliz. No banco, Vitor Pereira mexeu bem. Deixou a melhor equipa em campo até ao limite o que me pareceu bem, face às opções que tinha no banco.

Quanto à exibição de Pedro Proença, direi que a pressão do clube que conta com ele como associado teve efeito. Por sorte, não houve qualquer hipótese de se decidir o jogo nas áreas. A quantidade de faltas que os visitantes conseguiram em torno da nossa grande-área é bizarra se olharmos para a mínima quantidade de futebol ofensivo que apresentaram...

Na próxima semana o desafio volta a ser de dificuldade máxima. Ainda temos presente o que uma equipa descomplexada como o Estoril é capaz de fazer a um clube com a pressão de vencer. Mas o FCPorto é diferente... Somos Porto!

sábado, 11 de maio de 2013

FC Porto 3-1 Benfica (2009-10)...

Eles vinham fazer a festa, mas nós não deixamos...

Notas:
- Quando são episódios mais recentes, a tendência de "rever" é menor e, por isso, sem querer pesquisar o porquê surgiram uma série de interrogações a ver esta peça: Beto a titular? Farias a titular (pensei que tinha entrado, mas já fui confirmar à ficha de jogo e Falcao nem vê-lo)?
- Eles entraram no jogo por cima com duas oportunidades claríssimas de golo...
- Belluschi em grande... no canto para o primeiro golo, na raça consegue recuperar a bola do segundo golo e depois, abre o livro, e termina a noite em beleza... ainda por cima com o número 7 nas costas, todas as razões para eu gostar dele...
- Que momento do Guarin aos 7 minutos do resumo...
- Que momento do Gaurin aos 8 minutos e 10 segundos...
- A cueca do Belluschi ao Aimar... nota-se que o Aimar já está à espera (porque ele faz sempre aquilo), mas mesmo assim ele consegue fazer, e depois sai-lhe logo aquele míssil do pé... Fantástico...
- Falta no resumo o momento da expulsão do Fucile, antes do golo do Benfica... momento crucial no jogo... de um possível 2-0 com a marcação do teórico penalty, o FCP fica 10 e sofre um golo... depois, só com 10, foi Porto a mais para evitar a festa do título no Dragão...
- Em suma, tem de rever jogos recentes mais vezes... Vale a pena... ;)

terça-feira, 7 de maio de 2013

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Vamos a tempo?




Na semana em que chumbou na FPF o alargamento da Liga a 18 clubes, o FCPorto deu mais uma demonstração de que está a fazer uma ponta final melhor que o seu adversário directo. Na Madeira, onde, na passada segunda-feira foram precisas ajudas invulgares como penaltis estapafúrdios e remates com sentido errado para que se mantivesse a distância entre primeiro e segundo, o FCPorto passeou. É coisa que não tem sido habitual para os lados da Luz. Dirão que já não precisam e que as vitórias tangenciais chegam perfeitamente. Terei que concordar. Mas leva-me a pensar que esta desvantagem não seria inalcansável se houvesse mais algumas jornadas. Serve-nos de pouco mas, em circunstâncias semelhantes, não me recordo de ver os nossos habituais adversários a darem esta réplica. É fácil desistir nestas circunstâncias. Mas o FCPorto é diferente!


O jogo na Choupana foi um passeio. Quando liguei a TV no dia seguinte vi um resumo da RTP em que começava por louvar a eficácia inicial que nos levou a uma vantagem de 0-3 aos 20 minutos. Erradíssimo! Se a eficácia fosse comparável à do nosso adversário directo na luta pelo título, aquela primeira parte teria terminado com um 1-7... Foi massivo o futebol ofensivo da equipa na primeira parte e é de louvar que o consiga nesta altura do campeonato com esta classificação. A segunda parte foi mais enfadonha. Também já não era preciso. Até tínhamos convertido um penalti...

Individualmente, gostei de Danilo, James, Varela, Lucho e Fernando. Destacaria o primeiro por ser um dos jogadores que vem fazendo a melhor ponta final. Ele e Fernando vêm coleccionando várias exibições sólidas seguidas. Pela negativa o facto de ter visto Abdoulaye a jogar novamente a titular. Não gosto, por muito que não tenha comprometido.

Só espero que replique este futebol na próxima semana. Se assim for, não haverá festa do título, por certo.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Nacional 0-1 FC Porto (88-89)...

Post de 14.03.2012 recuperado tendo como motivação a ida à Madeira este fim de semana...



Notas:
- Os livres do Branco eram qualquer coisa...
- O pormenor do árbitro perto dos 45 segundos, quase a obrigar que o Nacional prossiga com a bola, é fantástico...
- Este Dino ainda deu muito que falar, principalmente no Beira-Mar...
- Golo de Rui Águas perto do fim... destaque para a facilidade de remate...
- Ficha do Jogo...