terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Sporting 1-0 FC Porto (89-90)...



Notas:
- O primeiro jogo de Gomes contra o seu FCP...
- Os comentários deliciosos de Gabriel Alves...
- Aquele Douglas do Sporting tinha um estilo... meias para baixo, camisola bem por fora dos calções e cabelo comprido... fantástico...
- Oceano a defesa direito...
- Falhanços escandalosos de Lima (Sporting)... vale a pena ver... dois lances seguidos... inacreditáveis...
- Sabem quem era Edu? Internacional brasileiro que veio do Torino e esteve na Copa América de 1987... no FCP não me lembro de nada de significativo que tenha feito...
- Já davam bastantes repetições na altura... até mais do que dão agora...

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Feliz Natal...

... em particular a todos aqueles que nos acompanham neste espaço!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

CR10 aponta ao defeso


É daquelas evidências a que qualquer treinador do FCPorto cede, mesmo o Vitor. Aproxima-se um período de transferências e o Cristian Rodriguez passa a jogar. Isto porque aumenta exponencialmente o seu rendimento. Eu até propunha que, mesmo depois de o deixar sair, que é coisa que parece inevitável, se lhe propusesse um contrato de part-time. Vinha cá jogar o Dezembro, Janeiro e Maio. O resto do tempo até poderia tirar férias visto que já sabemos que nesse período das duas uma: ou segue a dieta do Walter e não joga nada; ou segue a dieta do Walter e está constantemente lesionado.

Vamos ao jogo mas com uma abordagem muito leve, visto que esta competição vale muito pouco na cotação de um portista. E não! Não vou mudar de opinião se ganharmos a coisa. Por esse motivo apresento já uma crítica ao Vitor. Eu não resisto... Eu sei que o Hulk decidiu o jogo numa altura que a coisa estava morna e com tendência a complicar, mas eu queria ver antes o Iturbe em campo. Que o Moutinho jogue, até percebo. Defour e Guarin estão magoados e era preciso reformular o meio-campo para a segunda parte. Mas é a Taça da Liga! Isto é para dar ritmo competitivo e confiança aos menos rodados. Três ou quatro titulares no meio das segundas linhas é mais que suficiente... E foi. Chegámos ao golo num remate excelente de Rodriguez após boa assistência de Kleber. A partir daí fomos sempre mais perigosos e, tal como em Aveiro, sofremos um golo de bola parada e sem o merecer. Logo voltámos a ser sempre mais perigosos e, com tanto desperdício, acabou por se lançar Hulk que acabou por resolver como só ele sabe. Pelo meio duas ou 3 jogadas perigosas do Paços sempre com o mesmo protagonista: um paraguaio emprestado pelas papoilas ao Paços que, em cada metro de corrida de Otamendi, lhe ganha três metros de avanço. Jogador interessante. O paraguaio, não Otamendi.

Individualmente posso dividir o grupo em 3:

Bem: Rodriguez (MVP), Belluschi (apesar de um passe assassino na segunda parte), Hulk (que decidiu a coisa) e Souza (voltou às exibições do início da época).

Mal: Varela (ou o tipo que esteve lá no lugar dele), Kleber (apesar da assistência para o primeiro golo), Otamendi (lento demais), Maicon (palavras para quê)

Assim-assim: Mangala (a rever no lugar de Otamendi), Alex Sandro (a rever), Bracalli (teve pouco trabalho), Djalma (controlou o Melgarejo), Moutinho e Fernando

Ficámos a aguardar o regresso das competições a sério...

domingo, 18 de dezembro de 2011

Afinal não foi preciso ir à bruxa


Mas estava a ver que tínhamos de lhe fazer uma visita. Incrível como apenas chegamos ao golo no último quarto de hora. Pior: o Marítimo tem a única grande ocasião para marcar pouco antes. Naquele lance em que o madeirense passa de mota pelo Otamendi... Talvez o único remate que fez à baliza, na única vez que passou do meio campo na segunda parte. Era o chamado 'golpe de teatro'. Ainda bem que os nossos receios não se concretizaram. Melhor ainda o facto de ter sido o CR10 a quebrar o enguiço.

Vamos ao jogo. Gostei muito da primeira parte. Se esta semana me queixava da falta de oportunidades de golo e a relacionava com a falta do ponta-de-lança, nada melhor do que analisar a primeira parte de ontem. De facto, o problema resolve-se com a movimentação e com a dinâmica que se emprega no jogo. Continuo a achar que, com Kleber no lugar de Djalma fazíamos ainda melhor, mas fiquei contente com a evolução que temos demonstrado nos últimos jogos. Não consigo é dissociá-la da actuação de um jogador nuclear: João Moutinho. Que grande primeira parte que fez! Tudo na perfeição. Uma circulação de bola que deixou a defesa contrária em constantes situações de pânico perante as investidas de Hulk, James e Belluschi que apareceu mais solto e com ordens para atacar a área adversária. Na segunda parte, não fomos tão organizados mas, ainda assim, com grande ascendente com um adversário entregue à exibição do guarda-redes, ao nervosismo dos nossos avançados e a alguma sorte que foi tendo. 

Individualmente destaco Moutinho e Belluschi. Os melhores. Depois, Álvaro e Fernando que continua a jogar muito. Pela negativa a lesão de James que estava a ser dos melhores e a exibição de Djalma. Ainda melhorou quando passou a defesa direito mas no resto foi um desastre. Não gostei muito da forma como Otamendi foi comido no lance mais perigoso do Maritimo. Pior ainda o facto de Rolando estar a ver o lance de cadeirão, em vez de ajudar com a dobra. Por último destacaria as substituições. Achei a de Maicon estranha. Julguei que iria assumir a linha de 3 defesas mas afinal Djalma foi jogar para lateral. Mais surpreendido fiquei quando, pouco depois, sai o Djalma e se desloca o Otamendi para a lateral direita da linha de 3. Não percebi o que se tentou fazer nos minutos entre as duas substituições.

Em suma, boa vitória e até é pena que venha agora o interregno do Natal. Vem interromper uma serie em que crescemos a cada jogo.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

É só em Fevereiro...


É o meu único consolo. Até Fevereiro muita coisa pode mudar. Se não mudar, resta-nos constatar que nos calhou a fava... Venham eles!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Ponta de Lança


Temos discutido muito a opção por Maicon a defesa direito. É a opção que mais contribui para os nossos calafrios, mas talvez não seja o grande problema da equipa no momento. Para mim, é a questão da colocação de Hulk a ponta de lança. Não está em causa o rendimento de Hulk nessa posição que até tem sido bastante acima das minhas expectativas. Nos últimos dois jogos, voltámos a demonstrar uma característica que nos empolgou nos primeiros jogos, nomeadamente o jogo da Supertaça Europeia. Recuperámos a bola rápido e no campo do adversário. Isso dá-nos a sensação que estamos a fazer um bom jogo. E até é verdade. No entanto, não vos parece que uma equipa que joga desta maneira deveria ter mais oportunidades de golo? Aquelas que aparecem nos resumos do Telejornal. E não vos parece também que temos usado e abusado dos remates de fora da área? Julgo que isto está relacionado com o facto de não jogarmos com um ponta de lança. São várias as situações em que abdicamos dos cruzamentos por não termos ninguém na área. E assim o jogo afunila. Já sei que o Barcelona joga muito e joga com Messi no meio, mas convenhamos que não é comparável. É o Barcelona e é o Messi. E até pelas características de Hulk que, quando recebe a bola, ou sai arranque para a baliza ou sai assistência ou sai remate. Não põe a equipa a jogar como faz Messi. Precisamos de uma referência de área para que este 4-3-3 funcione.  Para que possamos aproveitar melhor as subidas de Alvaro e último passe do James e para que Hulk possa voltar ao lugar onde é mais desequilibrador que é de frente para a baliza, seja na ala ou seja no meio atrás de um outro avançado.

Se essa referência é Kleber, isso já é outra história. Eu julgo que poderá ser, mas a sua inclusão precoce na equipa tem-no prejudicado. Não que jogue mal. Um jogador destes não faz nada sozinho. No período em que a equipa jogou mal, ele não tocava na bola e portanto não fazia nada. E Vitor Pereira deixou-o cair da equipa. De qualquer forma, não vejo em Djalma e em Varela um rendimento que justifique que se empurre Kleber e até Walter para o banco. Para mim é simples: se queremos mais oportunidades e mais golos, temos de jogar com um ponta de lança.

PS: Há quem peça um ponta de lança no sapatinho, mas acho difícil. Segundo me contam, as dificuldades de tesouraria são de tal ordem que vamos ter de vender para aguentar o barco e não para ir ao mercado novamente. E não estou a falar das modalidades. Isso é um assunto à parte.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

FC Porto 4-1 Marítimo (89-90)...

Notas:
- André a marcar de cabeça na sequência de um canto? Fantástico...
- O gajo do Marítimo passou-se? Na sequência Pinto da Costa a sair do banco e a mandar vir... MUITO BOM!
- O remate na atmosfera de João Pinto na segunda parte...
- O árbitro a transformar um penalty (bem dentro da área) num livre perigoso...
- Os livres de Branco eram qualquer coisa... passou a ser o meu ídolo após a saída de Gomes para o Sporting...
- Ewerton, e a sua barba, o mítico guarda-redes do Marítimo...

domingo, 11 de dezembro de 2011

Seguimos lambendo as feridas


Depois da desilusão de terça-feira, o mais importante era ganhar. Pelo menos isso está feito. O jogo foi completamente dominado pelo FCPorto e o facto de o Beira Mar ter estado na frente do marcador foi uma autêntica aberração. Nada tinham feito até essa altura e pouco fizeram a partir daí. Jogámos sempre no meio campo adversário, é certo que causando pouco perigo, mas também é certo que, se lá estamos, é sempre mais provável marcar. Até que Otamendi se lembra de fazer uma falta desnecessária e golo. É uma bola parada. Pode acontecer. Nada de demasiado grave. Importava ver a reacção. Não foi má. Tal como aconteceu no jogo todo, não foi nada de muito intenso, mas nota-se que já vai havendo mais confiança e mais vontade. Na segunda parte Hulk tratou de resolver o resto dando justiça ao marcador. Quem pareceu indiferente à justeza do resultado foi Maicon. Naquela fracção de segundo, vi outra vez o jogo de Nicosia. Não é que nos vamos lixar outra vez perante um adversário que passou três vezes o meio-campo e rematou duas? Os deuses do futebol não permitiram. Mas esses mesmos deuses permitem que haja treinadores que apostem consecutivamente em Maicon a lateral direito... Até quando Vitor? Aproveita o oxigénio destas vitórias e da exibição agradável frente ao Zenit para corrigir a teimosia.

Invividualmente, a equipa acentou nos pilares do costume. Falo de Alvaro, Fernando, Moutinho e Hulk. Desta vez com participação mais activa de James. Boa notícia. Precisamos dele. Hulk não vai chegar para todas as encomendas. Belluschi é demasiado intermitente. Faz coisa óptimas e depois desaparece ou, quando aparece, complica. Rolando continua numa época em que aparece poucas vezes ligado aos golos sofridos mas,convenhamos que está poucas vezes lá, onde se tem de cortar. Nesse capitulo Otamendi é muito mais interventivo, mas aqueles passes... Parece muitas vezes que está a gozar de tão maus que são. Djalma é uma solução transitória. Enquanto o Varela andar desaparecido. Que se cuide! 30 segundos de Iturbe entusiasmam mais que meia hora dele. Quanto a Maicon, é uma opção tão absurda que me recuso a avaliar o seu desempenho. É possível dizer mais que um «faz o que pode»?

Ultimo destaque para Xistra. O costume. Toda a vitória do FCPorto com Xistra a apitar é uma vitória apesar do árbitro. Não fugimos à regra. Mas já que falamos de arbitragem, não pude deixar de reparar na análise do jornal O Jogo aos lances da partida. Destacaram o lance do primeiro golo. Queriam saber se há fora-de-jogo de Hulk. Desculpem? Que combinado de comprimidos, alcool, cogumelos, verniz, diluente, creolina andaram a tomar? Resolvi ler. A única conclusão que tirei é que o Coroado está senil...

Para terminar, convém dizer que vi grande parte dos jogos dos três grandes este fim-de-semana. Começo a perceber como é possível o Vitor ficar tão contente com as nossas exibições. O Sporting então, é uma total fabricação. Basta ver as capas dos jornais de Domingo e os diferentes tratamentos aos dois jogos. Então a nossa vitória é que foi sofrida? Só se for pelo brinde do Maicon. De resto não sofri nada. Já o Sporting... Há gente que se contenta com pouco! O Benfica continua a jogar tão pouco que é uma questão de tempo até perder pontos.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Beira-Mar 0-1 FC Porto (89-90)...

Notas:
- Três centrais???
- O que foi aquela saída do Baía nos minutos iniciais?
- No miolo, Branco foi o grande esteio? No lugar normalmente de André?
- Um Egípcio e um Sueco no Beira-Mar??? E o Bozinovski (Australiano/Macedónio) foi o melhor jogador do Beira-Mar??? E agora é que é só estrangeiros???
- Uma vitória feliz? Eu diria que tivemos mais do que oportunidades e até marcamos cedo...

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Segundo objectivo falhado


«Lá está o gajo a implicar... Viu o mesmo jogo que nós?» Não é isso. A nossa Champions não se mede só no jogo de ontem e a dura das verdades é que não nos conseguimos apurar num grupo bastante acessível. Direi até que ontem não tivemos a sorte que tivemos na Ucrânia. Direi também que jogámos melhor que no único jogo que vencemos em casa. Isto interessa? Não somos clube de vitórias morais e há que assumi-lo: a equipa falhou um crónico objectivo. É uma desilusão dada a qualidade do plantel e, tal como aqui previ, pouco a pouco os objectivos e ambições legítimas da equipa e do clube e dos adeptos vão sendo defraudados. Que termine por aqui.

Vamos ao jogo. Ao contrário do que aconteceu no jogo com o Braga, gostei da forma como jogámos nos primeiros 30 minutos. Dinâmica, ataque organizado, ideias de jogo e futebol variado com James e Moutinho a pensar o jogo. Nada do pontapé para a frente que chegámos a ver no último jogo do Dragão. Depois disso e sobretudo na segunda parte, deixa de haver cabeça, deixa de haver treinador e só há coração. Houve muito, mas não chegou. De falta de empenho não os podemos acusar. Quanto a Vitor Pereira, não concordei com a equipa e já aqui expliquei porquê. Ninguém saberá se não teria sido diferente se tivéssemos tido um ponta-de-lança de raiz a jogar durante o nosso melhor período. Ou se o Hulk não se teria conseguido soltar mais vezes se tivesse a entrar nas costas o Fucile em vez do Maicon, que até nem jogou mal, mas que ofensivamente não consegue mais que aquilo. Pelo menos meteu num bolso rafeiro luso-venezuelano...

Individualmente, Moutinho foi um gigante. Voltou aos grandes jogos e começa a assumir a equipa, o que constitui uma óptima notícia para Vitor Pereira. Depois gostei do Alvaro e do James. Mais atrás gostei também do Otamendi que matou cedo vários contra-ataques. Hulk não esteve soberbo mas não consigo dizer que jogou mal. Por último, destacaria o ridículo que é acabar o jogo com Rolando na área adversária não havendo opções de avançados no banco. Problema que já vem de trás. Mais uma vez, a Champions não se perdeu ontem... Mas se se tivesse perdido, gostaria de destacar também um espanhol que parecia que vinha com o guião delineado pelos russos. Incrível a entrada que, não só não expulsa por acumulação um jogador do Zenit, como tira do jogo por lesão, um Defour que vinha crescendo no encontro. Isto por entre uma serie de decisões bizarras como os amarelos a Helton e Hulk, uma falta por marcar sobre Djalma em cima da área e um período de compensação ridículo.

Resta-nos tentar o Bi. Se assim for, cairá bem na mesma. Mas, depois de uma repescagem da Champions, não será a mesma coisa...

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

FC Porto 4-0 Dínamo de Bucareste (90-91)...

Vídeos made in Basculação...


Notas:
- Taça dos Campeões Europeus - Época 90/91 - 2.ª Eliminatória...
- Apenas os primeiros segundos do vídeo não têm som...
- Domingos... muita classe... a assistir, a cair para a piscina e, claro, a marcar...
- Kostadinov... rapidíssimo...
- Geraldão, mesmo a marcar penalties, não pensava muito... apenas puxava o pé atrás...

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Já que temos de ganhar...

Convém entrar com uma equipa para ganhar! Imagino que se aposte na mesma equipa que jogou na Ucrânia e contra o Braga. Mesmo assim, deixo a minha sugestão: Helton; Fucile, Rolando, Otamendi e Álvaro; Fernando, Moutinho, Belluschi; James, Hulk e Kleber.

Notam com certeza que estão sublinhadas as alterações que proponho e que não são meras trocas de elementos. São antes trocas de filosofia. Da contenção para a emotividade, do 'play it safe' para a ambição. Joga-se a época e ainda mais depois de olharmos para as contas que foram divulgadas na passada semana.

Com Fucile deixamos de estar coxos ofensivamente nas laterais. Com Belluschi juntamos a James outro 'artista' para inventar caminhos até à baliza e com Kleber, as despesas da finalização deixam de ficar entregues unicamente a Hulk que ficará mais liberto. E nem terá que necessariamente ser encostado a uma ala. Poderá até insistir nos movimentos nas costas que fez enquanto jogou como ponta-de-lança. Seria mais um elemento de surpresa para um Zenit cuja especialidade, não é certamente defender.

PS: parece que, este ano, os vasquinhos têm caminho aberto para o Jamor. Com 2 jogos em casa e com as meias finais a duas mãos, convenhamos que fica mais fácil. É o sorteio...

PPS: gostaria de me debruçar sobre as contas da SAD. Falta tempo, mas não faltam os sinais de preocupação. Mas a minha preocupação com as contas já vem de longe...

PPPS: Eu acho que o meu FCPorto joga pouco. E digo-o tendo como referência os nossos padrões de qualidade. Se tivesse em consideração o contexto nacional, ficaria muito menos preocupado. Sexta-feira isso ficou mais uma vez provado...