sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Um 2008 à FCPorto!

Por muito que me falem nos 7 pontos de vantagem e do adversário acessivel que nos calhou em sorte na Champions, a verdade é que acabamos 2007 como começamos: a perder um jogo com um adversário bem inferior. Por muito que nos custe o nacional da madeira (ou será o nacional de pernambuco?) é bem mais fraco do que em anos anteriores e bem mais fraco que grande parte das equipas que defrontamos este ano. Mas perdemos e por vezes acontece perder-se com equipas fracas. É essa a beleza do futebol. Isto é, não é a derrota que é preocupante, mas sim as fragilidades que deixou a nu.

Primeira: inexistência de alternativas credíveis a Quaresma e Tarik. E aqui temos um problema sério. Para mim a solução nunca seria ir ao mercado. Temos quase 20 alas emprestados e grande parte deles com sucesso. Ainda há dias, MST fez um contabilidade interessante: «Jesualdo deveria meditar um pouco, por exemplo, nas lições deste fim-de-semana. Segundo as crónicas, o melhor jogador do Vitória de Setúbal foi, uma vez mais, o Cláudio Pittbull, o melhor do Vitória de Guimarães foi a Alan, o melhor da Académica foi o Helder Barbosa e o melhor do Leixões foi o Diogo Valente. Têm em comum serem todos avançados, poderem jogar todos nas alas e serem todos jogadores emprestados pelo FC Porto.» Para mim é obvio que Alan, Pitbull e Jorginho não devem regressar e que se deve aproveitar a valorização para tentar vendê-los, mas há aí jogadores que se podem e devem aproveitar e vocês sabem de quem é que eu estou a falar... Não se devia ter pensado nisso na construcção do plantel? Porque não integrar um jovem, se é quase certo que Quaresma será vendido no fim desta época? Para mim a solução mais correcta para o problema 'Tarik/Taça das Nações Africanas', é voltar a deslocar Lisandro para a ala. Primeiro porque, na minha opinião é lá que pode dar mais à equipa. Além disso Lisandro, e volto mais uma vez a insistir nisto, não joga na ala. Joga sim, a partir da ala criando desequilibrios na defesa com as suas diagonais. Além disso equilibra a equipa porque defende a sério e não faz cócegas como o Tarik, e duvido que deixe de marcar golos... É obvio que para isso precisávamos de um avançado. Aqui sim exijo que me provem que Farias e Edgar não servem. Relativamente a Postiga e Adriano não tenho grandes dúvidas: não servem. Estou farto de avançados que só começam a render quando marcam dois golos em jogos seguidos. Que tal arranjarmos um avançado com personalidade para variar? Se não existe no plantel vamos às compras... Agora comprar extremos é que não vale a pena.

Segunda: a falta de rodagem ou qualidade das segundas linhas torna quase impossível que haja rotatividade no onze sem que o rendimento da equipa baixe drasticamente. Se há alguns que parecem definitivamente não ter lugar no plantel, há outros que entram e vão mostrando pormenores, por exemplo, o Kaz, o Leandrinho, o Bolatti, o proprio Mariano que foi dos que mais lutou contra o marasmo na choupana. Mas o que me parece é que a aposta descontinuada e aleatória nestes jogadores está a impedi-los de demonstrarem o que podem fazer. Pergunto para que serve a Liga Intercalar? Parece que o Rui Pedro anda com a equipa às costas... Porque não chama-lo aos convocados? Dá-me a ideia que não vamos conseguir nada de jeito destes jogadores enquanto não lhes dermos minutos de uma forma equilibrada. Relembro que o melhor jogo que o Bolatti fez pelo FCPorto foi único da liga em que jogou os noventa minutos...

Concluindo, nada de alarmismos nem nada de euforias. É assim que devemos abraçar o 2008. Por um lado a vantagem não pode dar a ilusão de facilidades, por outro, a primeira derrota não pode ter o mesmo efeito que teve no ano passado. Até porque, apesar da má exibição, fomos extremamente infelizes na Madeira. Tudo correu mal, desde golos falhados em remates em cima da baliza, penaltys por marcar, o adversário marca na única meia oportunidade que teve, Postiga parecia jogar mais pelo nacional, Bosingwa jogou apenas 5 minutos no jogo em que se precisava mais dos seus desequilibrios... Enfim, o que se passou naquele jogo foi mau, mas não é nada que a equipa não resolva já no próximo jogo.

Que seja um 2008 à FCPorto!

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Está relançado o campeonato… da segunda circular…

Eis que finalmente a diferença pontual traduz a diferença abissal de talento, de organização e de vontade de vencer. Para mim é claro que a supremacia do FCPorto nunca poderia estar traduzida por um valor de apenas um dígito. Importa continuar a cavar a diferença porque vamos precisar de ter as cabecinhas bem concentradas para o ataque à Champions. Não estou a dizer que somos candidatos à vitória, mas gostava de ver assumida de uma forma clara, pelo menos, a candidatura aos quartos de finais. Parece uma estupidez. Estamos nos oitavos e parece óbvio que somos candidatos à passagem. No entanto, desafio-os a contar quantas vezes ficamos nos oitavos… Começa a saber a pouco…
Quanto ao jogo parece unânime o elogio à atitude ofensiva do Guimarães e ao seu destemido treinador, Manuel Cajuda. Mas para mim, acho que o que teve mais influência no empolgamento do adversário foram o falhanço de Lisandro e as perdidas inacreditáveis de Quaresma e Tarik. Para mim, isso tornou difícil o que o incrível futebol de Lucho estava a tornar fácil. Ainda por cima Lucho estava a faze-lo sozinho, visto que Meireles pouco fez e o que fez, fez errado (sim, já sei que fez o passe para o golo). Helton teve lances maus e lances óptimos. Pedro Emanuel continua a ser o elemento mais seguro da defesa e o Bosingwa continua em muito boa forma. E aqui, partilho convosco uma preocupação minha. Eu assumo aqui plenamente não gosto do Bosingwa. Acho que não tem personalidade à Porto. Desconfio até que seja um jogador nocivo ao balneário. Reparem no jogo de Chaves. Bosingwa depois de correr Kms na luz e pela selecção apareceu logo lesionado… Teve de ser o desgraçado do Fucile a dar uma perninha em Chaves. Foi aliás o único habitual titular que jogou os 90 minutos. Logo ele que tem sido um dos jogadores mais sacrificados em termos físicos. Estou mesmo a ver a diferença. Um arma-se em vedeta e diz logo que lhe dói qualquer coisa e o outro mostra-se sempre disponível para qualquer esforço mesmo que isso signifique perder mais um jogo da Liga. Foi no que deu. Perdemos o Fucile para o jogo com o Guimarães, e o ‘grande’ Bosingwa voltou a encantar… Espero que seja só uma suspeita… Está visto quem eu prefiro dos dois.
Para acabar, gostava de partilhar convosco a minha opinião sobre o resultado dos prémios da France Football e da FIFA. Kaká ganhou ambos os prémios e Ronaldo e Messi trocaram de posição nos dois prémios. Digo já que por mim não havia este unanimismo à volta do Kaká. É um excelente jogador que no ano passado brilhou na Champions e isso é fundamental. Agora, relembro que o Milan, no ano passado, acabou em quarto num Cálcio sem Juventus. E este ano onde anda o Milan? Para mim isto é importante. Não quero com isto dizer que não é merecido. Trata-se de um excelente jogador, um médio dinâmico e é o protótipo do número 10 que eu tanto gosto, mas não está a anos de luz dos outros. Relembro que Ronaldo é um extremo que vale 15 golos/época no melhor campeonato do mundo, foi o melhor marcador da Selecção no apuramento para o Europeu e joga em qualquer posição na frente. Quanto a Messi é um jogador com um futebol excitante mas continuo à espera de uma época em que ele não esteja, pelo menos, 15 jogos lesionado. Conclusão, concordo com a votação da France Football mas acho que a diferença entre os 2 primeiros não deveria ter sido tão grande. Para o ano cheira-me que Ronaldo é um candidato sério visto ser o único que vai ao Europeu. Daqui a uns aninhos cheira-me que vai sobrar para Anderson. Impressionante como até encostado à defesa consegue espalhar magia em Inglaterra. Mas não deixa de ser um crime lesa futebol ver o miúdo jogar tão recuado…
Equipa para a Madeira:
Helton; Zé, Pedro Emanuel, Bruno e Fucile; Paulo, Lucho e Raul; Tarik(Mariano se Tarik continuar lesionado), Adriano e Lisandro.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

O Primeiro Pote

Apesar de o facto ter, aparentemente, escapado à atenção da sagaz imprensa desportiva lisboeta, é mesmo verdade: vencemos uma fase de grupos da Champions! No entanto, desta vez tenho de concordar que o acontecimento não é assim tão destacável como isso. É óbvio que o que os motiva é a habitual inveja dos medíocres, e como tal tendem em desvalorizar. Eu, pessoalmente acho que não é um acontecimento nada de especial para uma equipa que nos últimos anos só não se qualificou com o louco do Adriaanse. É óbvio que a consistência e experiência adquirida na prova dão frutos e isso é fulcral no panorama europeu. Ganhar respeitinho na Europa do futebol é algo que demora anos a conseguir e isso penso que temos vindo a conseguir paulatinamente.
Mas agora há que colher os frutos. Para isso é preciso ter o campeonato arrumado até Fevereiro. E já agora alguma felicidade no sorteio… Por mim, Celtic, Olimpiakos ou Shalke 04 servem bem. Lyon e Fenerbahce também estão ao alcance, mas são mais complicados. Roma e Arsenal já é outra história, mas estão longe dos tubarões do pote 1 que evitamos… (O Arsenal é perigosíssimo mas é uma equipa capaz de tudo…) E isso foi o que nos faltou no ano passado. Lembram-se que chegamos à última jornada a depender de nós para ficar em primeiro do grupo? Analisando friamente, o que terá tido mais importância na nossa eliminação no ano passado contra o Chelsea? Terá sido o frango o Helton ou a falta de ambição que demonstramos contra o Arsenal? Íamos para o Pote 1 na mesma…
Mas a exibição medrosa do ano passado não se repetiu. Isto apesar de um discurso estranhamente calculista do Jesualdo… A equipa fez uma exibição segura e sem sobressaltos. Por acaso até nem estava nada à espera. Mas afinal parece que o FCPorto da Luz é para continuar. Estou bastante contente com a equipa nos últimos jogos. Sóbria, capaz e segura o suficiente para permitir que os nossos avançados ‘pintem a manta’ lá na frente.
Notas:
Zé – Grande jogo em todos os aspectos. Para mim o MVP da partida.
Paulo – Saberá jogar mal?
Pedro Emanuel – Compensa com personalidade o que lhe vai faltando em velocidade.
Bruno Alves – Impressionante como continua a saltar ao eixo por cima dos avançados. Terá perdido alguma bola de cabeça? Parece estar de regresso depois de 2 ou 3 percalços.
Quaresma, Lisandro e Tarik – Pânico constante…
Lucho e Meireles – Enchem o campo.
Fucile – Está cansadíssimo…
Equipa para Guimarães:
Helton; Ze, Pedro Emanuel, Bruno e Cech; Paulo, Lucho e Raul; Quaresma, Lisandro e Tarik

sábado, 8 de dezembro de 2007

D. Chaves 0-2 FC Porto (Taça de Portugal)

Eu tremi... quando vi a equipa inicial... especialmente aquele meio campo com Bolatti, Kaz, Mariano e Leandrinho com as rotinas que nós conhecemos... nenhumas...

Mais uma vez o mister Jesualdo mudou quase tudo e as últimas experiências a este nível tinham tido resultados catastróficos... sem ver o jogo, pouco ou nada posso dizer, mas fica o registo da entrada do Lucho na segunda parte que penso, terá sido acertada e talvez decisiva...

Fica ainda o registo do golo de belo efeito do para muitos mal amado Hélder Postiga e claro a trivela de classe do Lucho no segundo golo (também com um bom pormenor de matador de Adriano)...

domingo, 2 de dezembro de 2007

A lei do mais forte

Era previsível a vitória na luz. Era tal a diferença notada entre as equipas, que mesmo contando com alguma imprevisibilidade dos clássicos, estava plenamente confiante. Era o contraste entre uma equipa com uma estrutura de jogo enraizada e uma equipa que muda a estrutura todos os jogos. Era óbvio que camacho andava a tocar de ouvido desde que chegou. Era óbvio que havia apenas um jogador que constrói no nosso adversário de sábado. A sorte teria de acabar. Era óbvio que aquela manta de retalhos sucumbiria perante uma equipa a sério. E isto já a contar com a fase de forma nada brilhante do nosso FCPorto. Teria de imperar a lei do mais forte.

A verdade é que foi um pouco mais difícil do que o que eu esperava. Muito (e preocupante), cansaço na segunda parte, e uma arbitragem á medida dos supremos interesses da instituição fizeram perigar uma vitória que nem por isso deixou de ser clara e inequívoca.



Escolhi para a imagem do jogo o grande Lisandro Lopez. É impressionante a entrega deste jogador. Claramente o nosso MVP do início de época. Por tudo: pelos golos, pelas assistências, pela garra mas sobretudo por esta sensação que nos dá de que nasceu para jogar no FCPorto. Aqui está um jogador que encontrou um clube do tamanho do seu coração de guerreiro. Cada vez mais é um jogador que empolga o resto da equipa. A classe de Lucho, a arte de Quaresma e a garra de Lisandro mais que chegam para liga b-win. Falta mostrarem na Europa (e já agora à anta que é o seleccionador Argentino) do que são feitos.

Notas:

- Aquele erro de Bruno Alves que quase deu golo, fez-me ver que os erros de Stepanov não poderão durar para sempre na nossa memória. «Se fosse o Stepanov dava golo»- pensei... Quando entrar na equipa teremos que o aceitar de novo e esperar que pegue de estaca. Funcionou como o Pepe...

- Mariano continua a custar a engolir...

- Postiga também...

- Bosingwa continua com uma displicência irritante...

- Helton fez uma excelente exibição, apesar de uma saída em falso na primeira parte.

- Ao contrário do que eu esperava, Pedro Emanuel esteve óptimo.

- Paul Assunção também... (para variar...)

- Tarik continua a jogar apenas 20 minutos...

- Bolatti entrou e ao contrário do que aconteceu na amadora, segurou o jogo.

- Para terminar, o melhor para além do excelente golo de Quaresma: foi muito bonita a humilhação que apanharam os cor-de-rosinhas nos minutos finais dos jogos. Apanhamos uma semana em que já cheirava a campeão para os lados da luz. Alertava a sagaz comunicação social para o poderoso final de partida da equipa da instituição. Pois nos ultimos 10 minutos de jogo eles só tocaram na bola em falta ou para cortar para fora. Gostei... Grande ponta final...