quarta-feira, 29 de maio de 2013

Em equipa que ganha, não se mexe...


... mas o FCPorto mexe sempre... É uma das consequências do nosso sucesso. O FCPorto habituou-se a preparar as épocas contando com a eventualidade e até a elevada probabilidade de perder os seus heróis. Foi assim com Mourinho, com Deco, com Lucho, com Quaresma, com Villas Boas, com Falcao, com Hulk, etc. Isto só para citar os meus preferidos. Este ano parece que se resolveu cedo com Moutinho e James... Isto para dizer que aquela máxima que tanto ouvimos aplicada ao futebol não tem sido possível aplicar. Nem que quiséssemos...

Após o intróito vou directo ao assunto: devemos renovar com Vítor Pereira? Julgo que a decisão já estava tomada e que o golo de Kelvin e o suplemento de alma e de crença que a equipa apresentou nos últimos jogos veio baralhar as contas... Até me parece estranha a hesitação, mas acredito que vai haver troca de treinador no Dragão.

Vamos a prós e contras. A maior virtude que atribuo a Vítor Pereira é o facto de ser portista. Para mim isso é cada vez mais importante em planteis com poucos portugueses e poucos portistas. E isso pode ter sido fundamental nestes últimos dois títulos. Em ambos tivemos de recuperar uma desvantagem e acredito que a transmissão da identidade do clube é fundamental nessas alturas de adversidade. Outra característica importante das equipas de VP é a organização. A equipa raramente se desposiciona e nota-se que isso é trabalhado até à exaustão. Outro 'pró' claro é a eficácia de 100% em títulos nacionais. Duas tentativas, dois sucessos. E isto apesar do crescente investimento do nosso adversário directo, apesar da maldição dos fins-de-ciclo que a saída de Villas Boas deixou, das saídas de titulares como Alvaro Pereira, Rolando, Guarin,  Falcao e de Hulk. Além disso, este ano houve lesões importantes de Maicon, James e Moutinho. Há que reconhecer que o treinador nunca teve vida fácil no Dragão em termos de empatia com os adeptos.

Quanto a contras, apresenta melhores resultados em competições de regularidade que em competições a eliminar. Isso poderá indicar que não é um treinador que seja capaz de motivar a equipa no momento. Uma boa serie de resultados leva a equipa a patamares de confiança elevados, mas, no momento de adversidade, em competições a eliminar não noto muita confiança na equipa. Exemplos, a eliminatória do ano passado com o City, o jogo do ano passado com a Académica para a Taça de Portugal, etc. Outra crítica que tenho a apontar é o da obsessão com a organização. Não é por acaso que ponho isto nos prós e nos contras. Por vezes, uma virtude torna-se contraprodutiva se levada à exaustão. Se um extremo é exímio a procurar o terrenos interiores, se o faz em todas as jogadas, mais cedo ou mais tarde, essa jogada vai deixar de funcionar com a mesma eficácia, por muito bom que o jogador seja. Há oscilações de forma, os defesas nunca são os mesmos, etc. Direi o mesmo quanto ao futebol de posse que Vitor Pereira apresentou. O esquema assenta numa organização e numa disciplina de circulação de bola que vençam pelo  cansaço a organização defensiva contrária. 'Cheiram tanto a bola' que abrem espaços, que ficam disponíveis a serem aproveitados. Eu gosto da ideia. A verdade é que  prática demonstrou que, por um lado, actores diferentes resultam em eficácia diferente. As lesões de James e sobretudo de Moutinho causaram danos claros no jogo da equipa. O abaixamento de forma de Jackson quase nos custava o título. Logo ele que tanto fez pela equipa este ano. Por outro lado, nota-se que a organização está a amarrar a equipa a um jogo com uma dose de risco muito reduzida. Não é necessariamente mau quando temos pelo menos um jogador que varia o jogo e que joga de maneira diferente. Por exemplo, Hulk no ano passado. Sem Hulk, o 'plano b' não existe. Varela vai tentando, Atsu foi aparecendo mas, para já, apenas temos artistas a mastigar e o Jackson a encostar. Faltam os malabaristas. O sal do futebol que iria dar uma nova vida ao esquema que Vitor Pereira desenhou. Mas será que o Vitor Pereira gosta disso? Ou será que o futebol mastigado que fomos apresentando o satisfaz em pleno? Pelo menos ele não deu mostras de ter capacidade de inverter a tendência. Cmo podemos falar do jogo da primeira mão com o Malaga como um sucesso, quando tivemos tão poucas oportunidades de golo? Para serviram nesse caso os 80% de posse de bola? Será que o Vitor viu isso? Isso assusta-me. 

De facto a coisa está equilibrada. Por um lado, temos um treinador que surpreendeu muita gente. Portista, jovem, competente, com resultados internos bons e que valorizou alguns dos activos do plantel, nomeadamente Fernando, Maicon, Mangala e Alex Sandro. Nunca alinharei nessa teoria de que qualquer um que se senta naquele banco se arrisca a ser campeão... Por outro lado, teve maus resultados na Europa e nas competições a eliminar e parece obcecado com um sistema de jogo que está demasiado atado ao rendimento de 3 ou 4 jogadores nucleares. E recordo que dois deles já saíram. A minha opinião não é difícil de adivinhar a quem me lê regularmente. Havendo soluções disponíveis no mercado, eu aproveitaria para trocar de treinador e abrir um novo ciclo. Estou convencido que a formula de Vítor Pereira teve méritos mas que se esgotou. Eu ambiciono um FCPorto que não se contenta com um campeonato e com as dores dos outros. Nem que sejam 3 seguidas... O FCPorto deverá manter um perfil dominador dentro de portas e assustador na Europa. Temo que, nas duas últimas épocas, não cumprimos a segunda parte. Venha daí novo projecto!

12 comentários:

Lamas disse...

Concordo com a análise Prata... acho que o VP não teve vida fácil, nem de longe nem de perto, e em 2 campeonatos ganhou os 2... são factos... mas também concordo com os pontos menos bons que lhe apontas e penso que chegou a hora de um "novo ciclo"... de novos ares... mesmo para espevitar os jogadores...

Agradeço bastante ao VP, mas está na altura de entrarmos num ciclo novo... Domingos é a minha aposta...

miguel87 disse...

Eu acho que estamos muito bem servidos de treinador e se há aspecto a melhorar, tem que ser o plantel.

O VP mostrou evolução nesta segunda época e subiu de qualidade no sentido inverso do plantel (perda do Hulk).
No campeonato foi superior a um adversário que tinha um plantel melhor e nas competições a eliminar não podemos esquecer que apenas perdemos por contingências do jogo, nos 3 casos (taça, taça da liga, champions) apenas quando ficamos reduzidos a 10!

Eu gosto do sistema de jogo, que resulta e só não é mais eficaz precisamente por falha do plantel que não tem nenhum jogador criativo; James era quem mais se aproximava dessa figura e muitas das melhores exibições foram conseguidas com ele em melhor forma, ressentindo-se a equipa na altura da sua lesão e posterior baixa de forma.

Reforçando o plantel devidamente e mantendo o treinador acho que temos todas as condições para continuar a melhorar em relação às 2 épocas anteriores.
Pelo contrário, não vejo no mercado um treinador que seja claramente melhor e que consiga manter o nível sem sobressaltos numa eventual mudança.

prata disse...

Fiquei com um bocado de medo do Domingos com as últimas duas experiências... Mas não acho que seja de descartar essa hipotese e preferia ao Leonardo Jardim. E ainda há o Jesus que é um treinador que agrada muito a Pinto da Costa. Mas estava a pensar de seria possível um estrangeiro tipo Laudrup.

Lamas disse...

Se VP ficar é merecido... aquela fase dos jogos contra o Gil e o Guimarães foi fantástica... mas a principal crítica que lhe faço não é em termos técnicos, mas mais em termos motivacionais e de conseguir ter os jogadores na mão... uma liderança forte...

Se fosse eu a decidir mudava... mas se ele continuar, volto a dizer, que é merecido e tenha cada vez mais moral perante os jogadores e as coisas podem sair ainda melhor...

Concordo contigo Prata nas exibições menos conseguidas pelo Domingos ultimamente... mas eu gosto do estilo... e no FCP penso que pode fazer melhor...

Artur disse...

O Lamas assustou-me com a alternativa Domingos. Gosto muito dele mas ainda não é treinador para nós. Eu queria VP com melhores jogadores ou pelo menos com mais alternativas. Não concordo quando o Miguel diz que os Benfas tinham melhores jogadores. Os titulares do Porto um por um são, de longe, melhores que os do Benfas. O problema é que quando faltaram não havia ninguém. Mesmo assim confio sempre na decisão do Presidente.

Mirone disse...

O VP tem pé quente, por muito que se fale de esquemas tácticos e jogadores, ele conseguiu inverter os dois últimos campeonatos com golos nos finais dos jogos... o factor sorte também é muito importante.

Creio que ele melhorou muito da primeira para a segunda época, principalmente ao nível do discurso com a imprensa. Este ano já não respondia a todas as perguntas com "nesta casa joga-se sempre para ganhar e somos Porto". O facto de ter sido campeão o ano passado também lhe deu estofo para lidar com o plantel este ano e criou bases para a solidez que demonstramos.

Quanto aos malabaristas, com a saída do Hulk deixamos de ter jogadores que conseguem inventar um golo do nada, o James é muito bom mas poucos coelhos da cartola saca. O Varela acabou a época com 3 bons jogos, o resto da época foi uma desgraça, e provavelmente levava guia de marcha senão fosse este final.

No final de contas estou com o Artur, apoio a permanência do VP, mas têm que lhe dar matéria prima. Sem ovos...

miguel87 disse...

Artur, eu não disse que os jogadores do benfas eram melhores, disse que o plantel era melhor, são coisas diferentes. Por ex. basta ver o banco que o Porto apresentou na Luz.
De resto estamos em sintonia, que fique VP mas com um plantel melhorado.

Até agora estou a gostar das contratações apresentadas, principalmente do Josué. Falta ir buscar o Ghilas e um lateral direito.

Lamas disse...

Também aprovo a do Josué... é um jogador à Porto... agora falta singrar num grande... se singrar é menino para ser expulso algumas vezes... ;)

Vi a estreia dele no Dragão, num dia de muito frio, à noite, durante a semana e para a Taça da Liga contra o Setúbal... Diogo Viana e Rabiola foram as outras estreias com o último a marcar o golo da vitória...

Fernando disse...

excelente análise ! o VP não é um treinador que arrisque muito mas é um perfeccionista trabalhador. Tenho saudades de um futebol imprevisível e mágico como foi o do Villas Boas, mas ele também tinha mais opções e outro gênero de jogadores. Contra o Málaga, em Espanha faltou ter mais soluções contra uma equipa experiente que só foi eliminada pelo Borussia a muito custo. Se o Porto tivesse apanhado aquele colosso alemão tinha sido massacrado. O Pinto desiluidia-me muito com o bronco do JJ... voltava-mos ao tempo do Octávio Machado.Medo, muito medo

riskolas disse...

Prata gostei da análise mas se o VP não será tão mau como eu o pintei e pinto, também não é tão bom como alguns querem pintar.

Um dos maiores defeitos que os treinadores podem ter é a inflexibilidade táctica ou estratégica e o VP tem esse defeito. Ele insiste na posse e valoriza isso. Talvez por isso nos jogos a eliminar onde temos de ser mais incisivos, onde temos de marcar um golo cedo para definir o jogo corra tão mal.

O meu treinador é o Marco Silva.

Estou a gostar das contratações.
Falta um bom avançado para juntar ao JM9 e um bom trinco para o lugar do Fernado.

Lamas disse...

Pelas contratações parece ser... ;)

prata disse...

E um extremo para o lugar de Atsu...

Se tiver tempo abordarei esta iminente saida.