sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

O homem que só levou com o chicote uma vez...


E porque ainda vamos a tempo de prestar a nossa homenagem a José Maria Pedroto, nada melhor que esta história contada na primeira pessoa por alguém que lidou de perto com ele: Joaquim Queirós. Sei que muitos não gostam do filho (Eugénio Queirós), mas antes de ser anti-portista (ainda vão ter que me convencer desta) é leixonense!

Vários jornais, no dia de hoje, publicaram extensas prosas sobre a vida do treinador José Maria Pedroto, quando da passagem do 25º ano da sua morte. Associamo-nos à efeméride e lamentamos a perda de um nome grande do futebol português e de um amigo. Mas algo ficou por contar, talvez pela juventude de alguns dos que falaram sobre o "Zé do Boné", que não tiveram oportunidade de privar com o mesmo, mas já é de lamentar que a história da sua carreira não tenha sido bem contada. Também já nos falta o Manuel Dias para saber falar de tudo.

Ora o Pedroto que começou a sua carreira nos juniores do Leixões, quando ainda residia em Pedras Rubras e frequentava a relojoaria do saudoso Albano Basto, dirigente, anos a fio, do Leixões, cedo começou a dar nas vistas e quando do serviço militar foi para Tavira e jogou em Vila Real de Santo António. Naturalmente, deu nas vistas. E o Belenenses arregalou os olhos, servindo-se do meio em que se movimentava da alta política e do sócio Américo Tomaz, Pedroto foi transferido ao abrigo duma Lei Militar (nesse tempo ainda não se falava em apito dourado). E Leixões nada conseguiu dizer. Caladinho porque o respeito e o Estado Novo mandavam assim.

Passado algum tempo, para espanto de todos, Pedroto é transferido para o FC Porto, salvo erro por 300 contos (então a maior transferência no futebol Português) e o Leixões nem sequer teve direito a...300 escudos!

E começa então a ascensão do futebolista até vir a ser treinador, também se a memória não me atraiçoa estreando-se na Académica. Depois seguiu-se o Leixões e acontecer-lhe-ia a única "chicotada psicológica" da sua grande e gloriosa carreira.
O Leixões tinha perdido em Torres Vedras por 4-0 e ficou com os pés mergulhados na descida de divisão. A Direcção presidida por Francisco Mil Homens decidiu despedir Pedroto. E fomos nós que tivemos de o fazer, na qualidade de secretário geral do clube. Não esqueceremos, jamais, as escadas da sede em Roberto Ivens, por cima da garagem S. Salvador, quando lhe demos conhecimento. Custou-lhe, naturalmente, a aceitar. Até chorou, dizendo-nos: "não me façam isso" . E o Leixões tinha de o indemnizar, mas não tinha dinheiro, o que motivaria, mais tarde, uma acção judicial, em que até as chuteiras dos jogadores foram penhoradas.

Tivemos, então, de contratar um novo treinador, sendo incumbidos da dificil missão nós e o outro dirigente que era o saudoso Mário Maia. Este sabia muito de andebol, portanto, como nós já andávamos pelos jornais, responsabilizou-me pela tarefa. Conheciamos um nosso amigo jornalista, já falecido, casado com uma senhora espanhola, das Canárias, que tinha relações de amizade com uma família canarinha em que havia um treinador. Chamava-se Ruperto Garcia e havia treinado a selecção da Venezuela.
O senhor veio a Matosinhos e tudo foi tratado a alta velocidade. Um homem sério que até prescindia dos prémios para os distribuir pelos jogadores. De treinador percebia pouco e os seus métodos eram até discutidos pelos jogadores. Mas a verdade é que logo na primeira saída o Leixões foi ao Seixal e venceu por 3-0. E daí para a frente os resultados foram aparecendo e o Leixões não desceu de divisão.
Ruperto Garcia foi-se embora no final da época, mas decidiu escrever uma autobigrafia, na qual escreveu: "em tantos de tal, fui treinar o Leixões, substituindo José Maria Pedroto e salvei o clube de descer de divisão". E foi verdade.

Mais tarde, já quando Pedroto era o treinador glorioso e nós havíamos feito as pazes com ele, já jornalista, nas madrugadas debaixo da pala do Café Orfeu, na Julio Diniz, quando a discussão era grande com o Nuno Brás, Pinto de Sousa, Manuel Dias, Serafim Ferreira, Frederico Mendes, nós quando queriamos ver o Pedroto "saír dos carris", atirávamos: "olhe que eu vou buscar o livro do Ruperto Garcia". E entornava o caldo.

Recordamos a sua passagem pelo Leixões internacional (jogos com o Celtic) e quando Pedroto decidiu ir buscar o seu colega de equipa Carlos Duarte para jogar no Leixões. Nas zangas dele com Auricélio Matos por causa da preparação. Na exigência que ele fez ao clube na contratação do espanhol Cambre, que jogava no Arosa, dizendo que era dos melhores jogadores que vira. Fez o Leixões um esforço danado e foi quase "raptar" o "El Cordobez" a Espanha. O rapaz veio, mal teve tempo de conhecer Matosinhos, embarcou para Escócia, apanhou pancadaria dos escoceses (perdemos por 3-0), regressamos a Matosinhos e o Cambre nunca mais jogou...


Fizemos depois um percurso de amizade e de admiração. Seguimos a sua terrivel doença e não esquecemos o abraço que lhe demos numa tarde de sábado, nas Antas, depois de um dos seus regressos de Londres, onde se tratava.

7 comentários:

Ricardo de Sousa disse...

O mestre Pedroto é eterno...
Mais que um grande treinador, um grande homem que ajudou a construir aquele FCPORTO que hoje vemos...

Abraço
O Tunel Dourado em http://carregaporto.blogspot.com

Lamas disse...

Ontem, num jornal da RTP N, o Grande "Bitaites" referia que a história do FCP está divida em duas partes... AP e DP... "Antes de Pedroto" e "Depois de Pedroto"... isso diz tudo da sua marca na vida do nosso clube...

Quando Pinto da Costa assumiu o comando do FCP, ele, Pedroto, foi a prioridade... e juntos tornaram o nosso clube, tantas vezes designado por regional, num dos maiores clubes a nível mundial, o único português que se sagrou, efectivamente, e por duas ocasiões, o MELHOR CLUBE DO MUNDO!

Um Obrigado Sentido ao Mestre Pedroto!

Anónimo disse...

"Há uma guerra fria cuidadosamente desenvolvida contra o FC Porto pelos meios de Comunicação Social de Lisboa (jornais, rádio e RTP) e alguns jornalistas influentes em jornais do Porto "
Palavras de JMPedroto

___________________________

Pensem, Pensem...

Anónimo disse...

"As gentes do Porto são ordeiras porque, se não fossem, há muitos anos teriam recorrido à violência perante os enganos dos árbitros que têm decidido da perda de muitos campeonatos e Taças de Portugal"
Palavras de JNPedroto
______

E já agora leiam estas também.

Anónimo disse...

"Lava as mãos perante noticias que inquietam um associado, assume por actos que estava a atrasar o processo e agora viola regras básicas do direito"

in o jogo ( sobre a Comissão Disciplinar )
______________

Viva a verdade desportiva...

Anónimo disse...

A incrível justiça desportiva
00h00m
O jogador de futebol Lisandro, que jogou no F.C. Porto, entrou para a história do futebol português por ser, até hoje, o único futebolista castigado por simular uma falta passível de grande penalidade.

Há quase um ano, num jogo com o Benfica, o jogador foi punido e, agora, já Lisandro joga em França há meio ano, o Conselho de Justiça da FPF validou a decisão da comissão disciplinar da Liga.

Que um jogador seja punido por simular uma falta parece normal. Anormal é que só um tenha sido punido. Mas a justiça desportiva portuguesa está cheia de anomalias que, por sinal, têm o F. C. Porto como protagonista ou, mais bem dito, como alvo.

Anteontem, por exemplo, os jogadores Hulk e Sapunaru foram ouvidos na Liga. Os dois jogadores estão suspensos preventivamente desde o jogo com Benfica, no fim--de-semana anterior ao Natal. Alegadamente, terão agredido "stewards" no túnel de acesso aos balneários.

Atente-se nisto:

- A presença de "stewards" no dito túnel é proibida pelos regulamentos. Ninguém sabe porque lá estavam, mas, estando eles lá, é preciso saber quem os lá pôs e para quê, até porque ninguém acredita que os jogadores os tenham confundido com bonecos e descarregado neles o desgosto com a derrota. Ou estavam lá e provocaram os jogadores? Parece mais crível esta hipótese, não é?

- Por esses alegados incidentes estão os jogadores suspensos preventivamente e assim poderão estar por três meses. Cabe na cabeça de alguém que a justiça desportiva puna de forma mais severa uma falta cometida na escuridão dos túneis do que em pleno relvado?

- E cabe na cabeça de alguém que sendo os jogadores chamados a depor - como foram na sexta-feira - não lhes seja mostrado o filme que supostamente sustenta a tese das agressões?

- Os jogadores foram ouvidos já depois de concluído o prazo de instrução do processo e, pelo andar da carruagem, tudo indica que urgência é palavra que os membros da comissão disciplinar da Liga desconhecem. A quem aproveita tal lentidão?

Os portistas têm razões de sobra para desconfiar. Bem recentemente, o caso do Apito Dourado, envolvendo Pinto da Costa, foi o que foi. Na justiça comum, o presidente portista está livre e sem que se tenham provado as acusações. A justiça desportiva ainda anda às voltas. Como há dias escrevia Miguel Sousa Tavares em "A Bola", "é uma chatice que a justiça comum tarde em render-se à campanha de moralização do futebol português, tão exemplarmente encabeçada pelo exemplar Sr. Vieira".

In JN (Jornalista José Leite Pereira)

Cromos da Bola disse...

O blogue ganhou uma distinção entregue pela nossa SAD. Passem pelo nosso blogue e bebam champanhe a partir da taça.