segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Sinais de retoma


Peseiro chegou numa altura difícil. Vai ter estas sequências de jogo, depois treino de recuperação, depois dois treinos, novamente jogo e assim sucessivamente. Por isso é que as 'chicotadas' são a excepção e não a regra... E por isso é que as duas primeiras aparições do FCPorto de Peseiro geraram, pelo menos em mim, grande apreensão. Havendo este 'handicap' de termos poucos treinos, parece-me que se quer mudar tudo já. Chegámos a ouvir Peseiro a confessar que treinou o esquema de quarta-feira durante 20 minutos... Medo! Sem pré-época é sempre preferível uma evolução a uma revolução.

Mas temos tido uma revolução. Até no plantel. Limpámos os 'flops' Osvaldo e Tello e preparamo-nos para limpar Imbula. No Estoril vimos um sistema de jogo ainda mais marcado pela diferença. Até no desenho que me pareceu que passou a partir de um 4-2-3-1, com Herrera e Danilo a formar um duplo pivot e com os outros 3 de meio-campo a trocarem de posição entre si. Este médios procuram muito zona interiores abrindo espaço para a incorporação de Maxi e Layun, que voltaram a estar muito ofensivos. Passemos aos resultados evidentes. Por um lado, temos mais poder de fogo. Foram muitas e claras as oportunidades de golo. Só André André falhou três antes de marcar, entre outras. Uma delas foi por Aboubakar, mas nem quero lembra-me desse lance. Por outro lado, os calafrios na defesa passam a ter maior frequência. A equipa parece mais desequilibrada e tem sido frequente ver os jogadores adversários a receber entre-linhas sem grande oposição. Falta saber se se tratam de consequências de uma adaptação ao novo esquema ou se passaremos a ter de viver com isso em permanência. Não será um problema se continuarmos a marcar 3 ou 4 golos por jogo. A verdade é que, também aí, houve uma evolução em relação ao jogo com o Marítimo. Houve menos calafrios apesar do habitual golo de bola parada sofrido. Esperemos que se continue a notar em Barcelos e no Dragão com o Arouca.

Foi um jogo de boas exibições individuais. Gostei dos laterais. Maxi esteve melhor mas Layun foi mais decisivo nos golos. Gostei também de Marcano que voltou às boas exibições. Aboubakar esteve muito melhor do que nos últimos dois jogos. Ainda assim, conseguiu manchar a exibição com mais um lance inacreditável. Mas o melhor foi mesmo André André. Foi o jogador mais influente da equipa, esteve em dois golos e em quase todos os outros lances de perigo. Mas além disso tem aquela garra que se vê na foto. Tinha acabado de falhar um golo... É disto que precisámos. Com o regresso de André às grandes exibições, acredito mais na equipa e na capacidade de adaptação a Peseiro. Por muito que o treinador invente, há jogadores que até rendem à baliza. André André é um deles. Não tenho destaques pela negativa. Varela entrou muito desastrado, mas acabou por render. Apenas diria que fizemos um jogo de boa produção ofensiva e, para isso, nem precisámos de uma grande exibição de Brahimi ou de Corona. Indicador de que, com estes dois a render, só poderemos melhorar.


3 comentários:

Lamas disse...

Acrescento os comentários habituais do tipo houve mais atitude, mais vontade... E ainda por cima com uma entrada em falso que podia ter deitado tudo a perder..

miguel87 disse...

Não gosto muito de ver a equipa com menos posse de bola, principalmente quando deixam o adversário trocar a bola à vontade no nosso meio campo. O que vale é que era o Estoril e não souberam aproveitar os espaços concedidos, vamos ver contra outras equipas mais fortes.
Já o Maritimo tinha conseguido construir jogo à vontade desde a defesa deles até à nossa area, mas isso dou o desconto de ter sido o primeiro jogo depois de apenas 3 treinos. Vou esperar pela evolução...

Quanto ao André, ele joga tanto tanto tanto (ou é só tanto tanto?) que nem sequer aguenta 2 jogos seguidos... estranho e preocupante no minimo!

prata disse...

Se é para poupara que seja na taça