quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

O Lobo Míope abre o jogo...

Na semana de estreia desta crónica semanal sugerimos dois potenciais reforços para o nosso F.C. Porto. Marc Janko e Alessandro Rosina.

Obviamente, trata-se de dois nomes apetecíveis para todos os grandes clubes europeus e, portanto, de difícil alcance para o nosso clube.

Tal, aborreceu-me, na medida em que, apesar de concordar, plenamente, que é difícil ombrear com os tubarões ricos na Europa do Futebol, estou convencido que difícil não é sinónimo de impossível. E, para suportar esta minha convicção, bastam dois nomes: Luís Fabiano e Diego.

Eram (e são) jogadores da selecção principal Brasileira! Ora, qualquer jogador que seja, frequentemente, convocado para a selecção principal brasileira (excepto o Luisão!), é um jogador com lugar em qualquer plantel deste mundo! Nós tivemos e desaproveitamos dois deles. O que me importa discutir aqui não são os motivos que conduziram ao fracasso destes dois meninos na nossa equipa mas sim a nossa capacidade de os contratar!

Nesse sentido, decidi fazer uma comparação directa com o Olympique Lyonnais, que é o clube mais próximo do nosso, pelo menos, em termos de dimensão e aspirações nas competições europeias.

Temos um curriculum muito mais vasto mas é, a par da nossa equipa, a que mais vezes se intromete na luta com os tubarões. Não consegue passar dos 1/4s de Final da Champions League mas é sempre um candidato e acaba por ter uma filosofia de gestão desportiva similar à noss: Compra barato e vende caro, muito caro.

Além disso, o grupo liderado por Jean-Michel Aulas assumiu a gestão na década de 80, ou seja, mais uma semelhança. A diferença é que o Lyon estava na segunda divisão francesa!

Actualmente, Pinto da Costa e Aulas serão, provavelmente, os supra-sumo na venda de jogadores.

Todavia, a gestão e o sucesso do Lyon não se esgota nas mais-valias realizadas na compra e venda de activos.

Antes de mais, importa referir que nem o Lyon nem o F.C. Porto se podem dar ao luxo de contratar galácticos que não rendem no campo mas potenciam receitas em merchandise e nas bilheteiras. Portanto, a gestão tem de ter mais acuidade.

O sucesso do Lyon começa no aproveitamento das ineficiências do mercado. Da mesma forma que o nosso clube faz, o Lyon compra jovens promessas por um preço baixo e vende-o pelo triplo, pelo quíntuplo, ou até por vinte vezes mais! Ou seja, as grandes equipas vão buscar jogadores que custam, por exemplo, cinco vezes mais que os jogadores que o F.C. Porto e o Lyon contratam mas que não são cinco vezes melhores! É aqui que a gestão de activos no F. C. Porto e no Lyon é bem melhor do que nos tubarões por essa Europa fora… É melhor (teremos alternativa??) uma boa equipa no campo do que no papel…

Exemplo recente é a contratação de Anderson por cerca de 5,5 Milhões de Euros que, ao fim de dezoito meses (tendo só jogado, praticamente, apenas 6 meses) foi vendido ao Manchester United por 35 Milhões de Euros! É crível que aconteça algo semelhante com o Hulk.

Onde o Lyon tem sido mais bem sucedido que o F. C. Porto é na antecipação destas vendas. Isto é, quando, por exemplo, o Lyon vendeu o Essien ao Chelsea, o Tiago já estava garantido e custou quatro vezes menos!

No F. C. Porto, saiu o Bosingwa e ainda não foi substituído. Saiu o Paulo Assunção e estamos, ainda, a construir um substituto. Saiu o Quaresma e saiu-nos o Hulk na rifa mas que obriga a uma mudança no sistema de jogo que só o treinador ainda não percebeu!

Entretanto, já contratamos o Miguel Lopes e acredito que podemos resolver o problema deixado pelo Bosingwa com um ano de atraso. Ou seja, apesar de tudo, nada mau. Quanto ao Paulo Assunção, acredito muito no Madrid. Pelas informações que recolhi em Braga, os problemas físicos que atormentaram o Madrid estão ultrapassados mas Vandinho está a fazer uma época fabulosa e não podia sair do onze de Jorge Jesus.

Depois, há a questão da responsabilidade pelas transferências. Há muitas vozes a criticar um certo alheamento forçado da equipa técnica no processo das transferências. Neste ponto, eu concordo com Aulas. As transferências têm de ser feitas por pessoas que estão no clube há muito tempo e não por aquelas que estão de passagem (treinadores). Aqui, o que nos falta é um verdadeiro director técnico. Não quero um Rui Costa mas precisamos de alguém com experiência no futebol, que conheça os segredos dos relvados e dos balneários. O Lyon tem Lacombe a desempenhar esse papel. Lacombe treinou o clube entre 1996 e 2000. Se Jesualdo fosse portista poderia assumir este papel.

Em simultâneo, devíamos evitar que membros dos quadros superiores do nosso clube tenham relações próximas com os mediadores destes negócios. Acho que não estou enganado quando escrevo que o Dr. Adelino Caldeira tem relações familiares com um responsável máximo por uma das sociedades de agenciamento de jogadores com quem temos tido grande envolvimento comercial. Levanta suspeitas desnecessárias, sobretudo, quando os valores são elevados e a qualidade dos jogadores contratados é, no mínimo, duvidosa…

No seguimento do parágrafo anterior, há outro ponto que distingue estes dois clubes, e refere-se ao aproveitamento e às oportunidades dadas aos jogadores provenientes das camadas jovens.

A referência do Lyon chama-se Karim Benzema. Tem 21 anos e é o capitão da equipa há 1 ano. É desejado por meio mundo! Outro miúdo que saiu das camadas jovens foi Hatem Ben Arfa, que foi vendido ao Marselha… para substituir Nasri (produto das escolas do Marselha) que foi vendido ao Arsenal. E mais exemplos há!

São estes os valores que podem proporcionar enormes mais valias financeiras que, depois, permitem contratar jogadores como Sonny Anderson, Milan Baros, Juninho, Edmilson, Fred, Kim Kallstrom, Tiago… Fazendo o paralelismo, é vendendo jogadores como Pepe, Ricardo Carvalho, Deco, Maniche que podemos contratar jogadores como Luís Fabiano, Diego, Marc Janko, Rosina.

Temos de saber vender o trampolim que somos. Temos de convencer estes craques em potência que podem passar 2 ou 3 épocas no Dragão, onde vão jogar na Champions, onde vão ser campeões, onde vão ser vendidos para equipas de topo que lutam por títulos e não para equipas de meio da tabela que pagam salários elevados!

Voltando às camadas jovens, se ganhamos campeonatos de juvenis e de juniores e temos selecções competitivas, é, no mínimo estranho, que os últimos produtos da nossa cantera sejam o Bruno Alves e o Postiga(!!!). Espero por resultados do projecto 611.

Outro ponto fundamental é a gestão económica e financeira, que não tem obtido os resultados desejados e, de certa forma, exigíveis face ao volume de vendas realizado nos últimos anos.

Vou-me escusar de fazer a análise económico-financeira da S.A.D Azul e Branca – recomendo uma leitura atenta à análise feita no blog “Reflexão Portista” - http://reflexaoportista.blogspot.com/2009/02/os-balancos-funcionais.html

De qualquer modo, gostaria de “plagiá-los”, citando-os, onde se lê: “A situação esteve relativamente controlada até 2003-2004, por força das campanhas de sucesso nas competições europeias e que proporcionaram a realização de consideráveis mais-valias com a alienação de passes de jogadores. Não obstante, a sociedade inverteu o seu FM para valores negativos e viu as suas NFM crescerem ao longo do tempo, o que significa que a prossecução da actividade está fortemente dependente de capitais alheios e das transacções de jogadores por valores muito elevados, o que não é, de todo, uma situação desejável (note-se que os capitais alheios – empréstimos bancários – embora tendo estabilidade, não são integralmente permanentes). A sociedade manteve-se numa situação de desequilíbrio desde 2003-2004 pois uma parte substancial das suas necessidades cíclicas continuou a ser financiada com recurso a operações de tesouraria de curto prazo.

De uma forma sumária, e apesar das frequentes mais-valias obtidas, a FC Porto, SAD não demonstra capacidade de inverter a sua tesouraria líquida para valores positivos, o que a coloca num problema de solvabilidade e de eventual risco, revelando uma elevada dependência do sistema bancário e uma forte exposição aos valores obtidos através da alienação de passes de jogadores.”

Conclusão: nada acontece por acaso!


Nota 1: Porque esta crónica visa destacar potenciais reforços para o nosso clube, tenho que fazer uma menção especial a Wason Rentería. Tem feito uma época fantástica.
Ontem, marcou um golo fabuloso.

Wason Rentería é muito mais do que um finalizador (até porque contínua a falhar, de forma incrível, golos que parecem feitos). É um avançado que se move de forma inteligente, é rápido, tem drible, tem força, sabe jogar para a equipa, sabe proteger a bola… Enfim, se afinar a pontaria e lhe dermos a oportunidade que merece, poderá render muitos e muitos euros.

Nota 2: Continuando a falar de transferências, como se diz que a saída do Prof. Jesualdo é certa no final da época, o Lobo Míope aproveita para adiantar os seus 3 nomes preferidos para o substituir.

  1. Mourinho – “Parece” fora de hipóteses!
  2. Queiroz – Também, não deve ser possível!
  3. Jorge Jesus



    – Sei que há muitos portistas que temem que este seja o próximo treinador do F.C. Porto. No entanto, gostaria que pensassem e me dissessem qual foi a última época em que o Jorge Jesus não atingiu, brilhantemente, os objectivos subjacentes à sua contratação para o respectivo clube. Queria que me dissessem quando é que o F. C. Porto fez jogos como o S.C. Braga fez ontem, ou em Milão, desde que o José Mourinho saiu. Trata-se de uma equipa que joga só com um médio defensivo, em que todos os jogadores sabem os espaços que ocupam. É uma equipa que gosta de ter a posse de bola e não deixa os adversários jogarem. Muito francamente, se lhe puséssemos um saco na cabeça e o calássemos, muitos de nós diríamos que era o José Mourinho que treinava o S. C. Braga. Assim, em primeira mão, os meus votos para 2009-10 são o ingresso de Jorge Jesus e os regresso de Rentería e Ibson.
P’ra semana há mais! Yupi kayey!!!! Aúúúúúúúúú

13 comentários:

Lamas disse...

JJ no FCP não seria nenhuma surpresa...

Daniel disse...

Fala-se também em Paulo Bento. A ver vamos, mas gostava de ver Jesualdo a ficar na estrutura do futebol, com um cargo de relevo, onde as decisões de escolha de jogadores e de treinadores passasse por ele. Ele e o Baía a trabalhar em conjunto. Antero nas negociações. Era um bom cenário. Vai-se especular muito até final, mas há 3 troféus para ganhar. FORÇA PORTO!

prata disse...

Por onde começar? Tantos os assuntos focados...

Vamos ao binómio FCPorto-Lyon. Também me custa um pouco perceber que a nossa gestão financeira não acompanha a Gestão desportiva como no caso do Lyon. Isto apesar de Bolattis, Benitez's e Marianos. A gestão desportiva é na globalidade boa! Pode ser bem melhor, lógico. Mas de facto não podemos estar a contar com os frutos da boa gestão desportiva (venda das jóias)para equilibrar a coisa. É nesse ponto que o Lyon parece estar bem à frente. Mas também não podemos excluir a envolvente economico-financeira. É óbvio que gravita muito mais dinheiro à volta do futebol francês. Mesmo que não apresente, em termos de clubes, resultados ao nível dos nossos, sobretudo o FCPorto. Mas o dinheiro ajuda a que jogadores como Tiago e Milan Baros prossigam as carreiras lá. Conseguem pagar o mesmo ou quase o mesmo que nos grandes campeonatos. Nós apenas podemos oferecer a parte desportiva. Por isso mesmo é que defendo que não podemos ir além do que temos ido. A tendência tem de ser gastar no máximo 10 a 15 milhões por época em contratações. (De referir que nos últimos anos gastámos bem mais...) Assim e usando conveniente a formação (com poucos resultados até agora)tenderemos a ter menos problemas em remunerar convenientemente os nossos melhores jogadores, evitando problemas como o do Lisandro. É que dá a ideia que não lhe oferecemos melhor porque já há 3 a ganhar acima de um certo numero e que 4 seria incomportável... É aí que nos temos de aproximar da europa. No nível salarial mas dada a conjuntura acumulada parece difícil...

Quanto ao Renteria, tenho gostado mas assusta-me a forma com ele é incapaz de marcar golos fáceis. Mas como este ano estamos tão predulários, dá mesmo a ideia que tem lugar no plantel.

Quanto a Jorge Jesus, que dizer? O SCBraga joga muito bem mas... Poderá ser preconceito pelo facto do gajo parecer um cientista maluco e azeiteiro. Veremos o que faz até ao fim da época. Uma coisa é certa, acho que só este ano começa a fazer por merecer melhor.

miguel87 disse...

Grande crónica, com a qual concordo no geral.

Ontem vi o Braga e finalmente vi uma equipa portuguesa a jogar futebol! (tirando o Porto não tenho visto com atenção outros jogos da liga portuguesa, prefiro sempre que posso ver a premiership ou o Barça) Aquilo sim é ter resultados aliados ao prazer de ver futebol.

Jesus para treinador? porque não? Como li por ai algures o problema dele não é nada que o departamento de comunicação/marketing do Porto não possa resolver (vide observação acima "Poderá ser preconceito pelo facto do gajo parecer um cientista maluco e azeiteiro." que concordo que deve ser a opinião geral dos Portistas).

Já Queiroz não me cheira...acho que é +/- da craveira do Jesualdo, muito estudioso e teorico mas sem pulso para um balneario ou carisma para grandes equipas.

Eu, até prova em contrário, continuo a acreditar que uma boa opção seria um treinador da casa (Domingos, J.Costa) pois têm o que é preciso para ganhar: conhecimento do clube, do balneario, o espirito necessário e não complicando têm um plantel mais que suficiente para brilharem. Veja-se os casos de Ancelotti, Guardiola ou Rijkaard por ex. mesmo que este último não tenha sido jogador no Barça, encaixa no perfil que estou a dizer.

Resumindo, pontos chave para a próxima epoca (independentemente dos resultados desta):
1-Novo treinador
2-Recuperar os melhores emprestados e aproveitar a formação
3-Pôr a equipa a jogar futebol

riskolas disse...

Prata, quanto às contratações, eu defendo a integração de 2 ou 3 jovens da formação, a contratação de 2 ou 3 jogadores do campeonato que tenham dado nas vistas ou das Américas e 1 ou 2 craques em potência da Europa.

Não acredito que não possamos pagar um bom salário ao Marc Janko e ao Rosina, por exemplo.

O Milan Baros e outros que referi foi no sentido de "dar nome" aos jogadores mas, obviamente, não me esqueço que era um jogador que vinha do Liverpool!

Há 2 anos vocês ouviram-me falar no Riera e no Guiza. Não sou nenhum génio mas temos de estar atentos aos craques das equipas europeias de metade da tabela.

Nesse sentido, na próxima semana, falarei de BAFETIMBI GOMIS (7Golos/2Assistências) do AS Saint-Etienne (18º Classificado!!!) e de ANDRÉ-PIERRE GIGNAC (15G/2A) do Toulouse (4º Classificado), que é o melhor marcador da Ligue 1.

Lamento ter estragado a surpresa relativamente à próxima semana mas pode ser que me lembre de mais qualquer coisita! :)

prata disse...

Parecem-me outras duas boas escolhas, mas já adivinhas que se vai argumentar no mesmo sentido...

Esqueci-me de dizer uma coisa. Vergonhosas as 3 capas dos desportivos de hoje. Por muito que eu historicamente não goste mesmo nada do Braga, acho que era justíssimo um destaque maior ao feito de ontem. Um cantinho da capa não chega...

riskolas disse...

Em Braga, a capa do OJOGO destaca a vitória do Braga.

Quanto aos argumentos que apontas que se vão repetir na próxima semana, eu desmontei-os hoje.

Se houver quem não quer entender, já não é problema meu.

Admito que não se concorde porque simplesmente se tem outra visão dos assuntos e outras ideias. O argumento dos salários, esse já foi desmontado!

Anónimo disse...

19-02-2009 LABAREDAS

Já estão a investigar?

Há um tema no ar que continua a intrigar o Labaredas. Será que as autoridades competentes já recuperaram as declarações recentes do ex-presidente da Assembleia-Geral da FPF acerca da visita do Sp. Braga à Luz? Já estão a investigar o seu teor e possíveis implicações? Perdoem esta chama de curiosidade, mas não parece normal se as palavras de Mesquita Machado passarem em claro.

O ex-presidente da AG da FPF afirmou ter «conhecimento de que teria havido influências externas para que o árbitro fosse alterado». Perante isto, já entraram em campo os justiceiros do costume? Ou será que há colours que a razão desconhece?

prata disse...

Bem... Até me obrigas a ler o post outra vez. o problema não está desmontado. No máximo provas que já poderia estar resolvido e aí concordo. De facto não se vê produtos das Camadas jovens e também não parece que a gestão financeira tenha sido a melhor. Agora não me parece que esse argumento do trampolim não esteja a ser tentado. O problema é que só colhe para o mercado sul-americano. Não consegues convencer um Rosina a vir ganhar praticamente o mesmo que ganha em Itália com a mera garantia de uma possibilidade de entrada pela porta grande num clube de topo. Não me parece provável. O jogador e sobretudo o empresário só vê o imediato. Não me parece mesmo possível chegarmos a este tipo de jogadores das 4 maiores ligas.

Por último e no seguimento, só queria realçar que quando falas de Fabiano e Diego falta dizer algo. Óbvio que podemos oferecer a estes jogadores bem melhor do que recebiam no Brasil, tal como acontece com Lucho e Lisandro. Sendo assim não é comparável. E convém não esquecer que tínhamos acabado de vencer a Champions o que nos dava um poder atractivo grande que fez com que passássemos a chegar aos melhores jogadores dessas ligas e julgo que o efeito ainda se faz sentir mas apenas na america do sul.

prata disse...

Quanto ao último Labaredas que pergunta pela investigação em relação às acusações de Mesquita Machado, acho que já se está a ver a investigação. Numa semana saíram 3 notícias de irregularidades da sua responsabilidade na câmara de braga, no correio da manhã. Há ou não há investigação? LOL
Coincidências... Mas também quem tem telhados de vidro...

Daniel disse...

Completamente de acordo com o Prata no primeiro comment. Muito atento o Prata em relação ao segundo comment. É uma vergonha este país. Tudo com a cobertura de apoio da maior monstruosidade da nossa comunicação social: o correio da manhã. É ridículo e vergonhoso este povo mesquinho que temos. FORÇA PORTO!

Tony Silva disse...

Na questão do treinador, se queremos alguém com carisma (e eu acredito que no FCP não é preciso ser um professor a nível táctico, basta não inventar e saber colocar as pedras nos seus lugares), então a escolha certa poderia ser mesmo o Jorge Costa.
Adorei qd há semanas a propósito do embate entre Benfica e Olhanense, lhe perguntaram se eram as duas melhores equipas de cada divisão (acho que foi isto...).
Ele respondeu simplesmente "o Olhanense é!" :)

Em termos de pulso no balneário e carisma, acho que não poderiamos pedir melhor. Já a nível tecnico/tactico não conheço o seu trabalho, mas como disse atrás, no FCP acho que é mais importante é ter os cojones no sitio para assumir que somos a melhor equipa Portuguesa e jogar como tal. Sem medos!

PS-Riskas, faltou o "Mothafuck" na despedida incendiária à Bruce Willis :)

riskolas disse...

Caro Tony, o Pascoal não me deixa escrever essas coisas! :)

Quanto a treinador, devo-te dizer que, segundo o que me disse uma pessoa que fica no relvado nos jogos do Braga, o Jorge Costa, estranhamente, era extremamente manso na liderança do balneário.

Também pensava que ele era gajo para ser um verdadeiro líder mas disseram-me, precisamente, o contrário.

Gostava que ele fosse um treinador à imagem do jogador que foi.

Aliás, o Domingos parece-me ser bem mais disciplinador.

Eu defendo o Jorge Jesus por uma razão muito simples.

Tem aquilo que mais falta ao Jesualdo: AMBIÇÃO!

É um treinador que tem uma saudável arrogância na forma como desafia os treinadores adversários, na forma como olha para o jogo como se de uma partida de xadrez se tratasse.

Adoro a maneira como ele vibra com o jogo, a forma como os jogadores vão sempre ter com ele para festejar com ele... enfim, só visto no tempo de Mourinho!