segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Estava-se mesmo a ver...


... mas o desastre não aconteceu. Seria um castigo demasiado cruel para o FCPorto, dado o jogo que se viu na sexta-feira no Dragão. Mas aquela sequência de bolas paradas para o adversário que vimos nos últimos minutos chegou para lançar o pânico nas bancadas. Sobretudo pela irritante e eficaz repetição do método do Tondela. Ganhavam lançamentos laterais consecutivamente mais adiantados até ganharem cantos. Aconteceu pelo menos umas 5 vezes nos últimos minutos. Vá lá que a defesa esteve bem mais eficaz do que o ataque e não houve qualquer oportunidade de golo nesses lances.

Na semana que passou, além da idiotice dos adversário, segundo os quais estaríamos a 'tentar ganhar na secretaria', devem ter ouvido muitas vezes da boca de portistas que, contra o Tondela, menos de 5-0 era derrota... Acabámos aliviados e a achar que o 'meio a zero' já não foi mau... Outra ironia que detectei foi a de, apesar de termos criado um número muito elevado de oportunidades de golo, termos ganho com um golo oferecido por um adversário. Não deixa de ser engraçado depois do que se disse sobre o Tondela-Benfica e sobre as assistências de Rosic em Braga, na semana passada. Mais vale concentrarmo-nos em coisas palpáveis e evitar estes caminhos sem retorno das teorias de conspiração.

Falei já da eficácia defensiva por oposição ao nível épico do desperdício, sobretudo na segunda parte. Vínhamos de uma primeira parte no Estoril muito má, talvez a pior da época, em que todos estiveram mal. Desde José Sá (mal colocado) até ao Marega (muito trapalhão), passando pelo mais culpado de todos, Sérgio Conceição. A forma como substituiu Brahimi é assustadora porque me faz ponderar se ele percebe mesmo a equipa que montou e quais são os seus pontos-chave. Mas regressaremos a esse jogo em Fevereiro, altura em que se terá a hipótese de redenção que se pretendia, com as duas substituições que Sérgio tinha planeadas para o intervalo. O que pretendo com a alusão a esses 45 minutos é que poderiam ter deixado marcas. Tínhamos perdido o primeiro lugar, apesar de temporariamente, e isso teve impacto no jogo de sexta-feira. É a única explicação que tenho para tanto desperdício. Aquela sofreguidão que demonstrámos, acabou por ser contraproducente e isso manifestou-se no resultado escasso. Pepa pôde congratular-se por não ter sido goleado mas, se formos comparar com os jogos anteriores, o nosso domínio e a nossa capacidade de gerar oportunidades de golo foi igual ou superior à dos jogos anteriores no Dragão. Isto para não falar da arbitragem que mais uma vez não teve um nível aceitável...

Uma menção, no entanto, para as substituições de Sérgio Conceição. Bastante conservadoras... Temi que a equipa recuasse e deixasse de criar perigo, mas tal não aconteceu. E já sabemos que Sérgio Oliveira tinha de ter minutos para ganhar ritmo. É que vem aí um jogo com o Sporting...

Individualmente, dou o MVP a Danilo. Tem sido uma distinção repetida por aqui, mas é justo reconhecer que está numa forma nunca antes vista, desde que está no Dragão. Gostei também de Felipe, Marcano e Ricardo Pereira.  Não tenho grandes destaques ofensivos dado o problema de eficácia que demonstraram, Pela negativa não tenho grandes destaques. Ia falar do nervosismo de José Sá, mas julgo que melhorou muito no final do jogo e esteve muito seguro naqueles momentos finais.

Vem aí a fase final da Taça da Liga. Mais do que a Taça, será importante marcar terreno frente a um Sporting que, depois do resultado que teve e das reacções exageradas que se seguiram, poderá ficar muito fragilizado se perder na Quarta-feira.

3 comentários:

Anónimo disse...

Fdx Prata, pk k expulsaste o pessoal todo do blog?


Artur

Barba azul disse...

Só para prova de vida...

prata disse...

thanks! Se a malta não comenta é porque concorda. Basta ver o relambório que aqui fica quando digo o que penso sobre Herrera... :)

Mais a sério, a tendência é para isto ser mais movimentado quando as coisas correm mal. Se assim continuar, é bom sinal!