quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Comprometedor


Depois do resultado de ontem em Belém e do de Setúbal, já começava a teorizar sobre a possibilidade de a psicologia do jogo em atraso, que ainda temos de disputar no Estoril, se ter invertido. Na minha cabeça, tal seria um trunfo para o FCPorto porque, a eventualidade de podermos ficar com uma vantagem de 4 pontos para o segundo e 7 para o terceiro, teria de fazer mossa nos adversários. Ora o empate de hoje, confirmou que não vamos ter descanso nos próximos tempos, quanto à tabela classificativa. E bem precisávamos dada a sequência terrível de jogos que temos em Feverreiro.

Óbvio que o resultado é uma aberração quando comparado com o que se viu no jogo. Temos uma equipa que, apesar de jogar em casa, fez dois remates no jogo todo, sendo que um foi interceptado por Felipe e outro pareceu mais um alívio. Jogaram para o pontinho e foram bem sucedidos. Mas já não é comum que equipas com estas estratégias consigam pontos e conseguiram-no com bastante felicidade. Há ali jogadas de finalização simples e que foram desperdiçadas de forma incrível. Lembro-me especialmente de duas. Lembro-me de Brahimi que fez um remate na atmosfera, de fazer inveja ao Marega e lembro-me da recarga ao livre do Alex. Felipe poderia ter sido bem mais impetuoso. Bastava metade do ímpeto com que habitualmente defende, para ter sido golo.

Mas, apesar das inúmeras oportunidades, a bola não entrou. Não é caso para alarme mas importa, no entanto, analisar o nosso futebol ofensivo. Houve um problema claro de falta de eficácia que já vem dos últimos jogos. Mas noto ali que talvez seja preciso variar mais o nosso jogo. Ontem estreou-se Paulinho que acabou por tentar emular o papel de Brahimi no flanco direito. A estratégia deu alguns frutos e Paulinho conseguiu arranjar espaços nas costas da defesa contrária em duas ocasiões de muito perigo. Mas pareceu-me que o modelo poderia ter funcionado mais vezes, se não se procurassem sempre os movimentos interiores. Ricardo e Alex ficam consecutivamente 1 para 2 na ala e acabam por cruzar poucas vezes da linha. Ou seja, gosto do modelo e acho que funciona com estes jogadores, mas temos de ter a capacidade de variar mais. Ou até de variar a partir do banco com Corona, que nem foi a Moreira de Cónegos. Outro exemplo de variações que podemos fazer, dentro do mesmo modelo de jogo, são os remates de meia distância. Parece que estamos obcecados com a procura das costas da defesa e não aproveitamos para pôr pressão no guarda redes. Isto é especialmente para ti, Oliver! Em suma, se temos dificuldade em marcar, há que buscar alternativas e temos de fazê-lo cedo no jogo.

Outro factor, notório no jogo, e que nos impediu de fazer uma ponta final melhor, foi a frescura física. Mas isso... Já sabíamos que ia ser assim. Foi o plantel que tivemos até agora e não estica mais que isto.

Individualmente, gostei do Felipe. Precisávamos de uma liderança forte, na ausência de Danilo e de Marcano e tivemo-la em Felipe. Também gostei do Alex e do Ricardo que tiveram uma tarefa, às vezes inglória, de fazer a ala toda. Sobrou agressividade à dupla Herrera e Oliver, mas faltou mais capacidade de decisão sobretudo do espanhol. Não gostei de Brahimi e Marega pelo mesmo motivo. Muitas nabices em zona de decisão. Em Marega já estamos habituados, mas em Brahimi é mais alarmante e talvez mais um sintoma de desgaste. A estreia de Paulinho não foi deslumbrante mas pontuo de forma bem positiva. Waris e Soares só vieram ajudar ao acumular de nabices na área adversária. Ajudaram pouco.

Podemos ficar atrás. Temos de reagir já no sábado!

5 comentários:

Anónimo disse...

Duas razoes a explicar empate:
a) Moreirense a jogar com autocarro la atras a fechar espacos interiores? Surpresa????
Claro que nao!
Solucao de Sergio C.: Vamos por dois alas de pe contrario a jogar e privilegiar os movimentos interiores deles (a juntar aos 2 avancados e dois medios centro), deixando a largura so para os laterais.
Nao resultou?! a serio que nao se previa que isto iria dificultar ainda mais?
Solucao devia ser dar largura com pelo menos um extremo (da direita ja que Brahimi e' imprescindivel ali), tentando abrir mais buracos pelo meio. O tal transito que o carvalhal falou contra o Liverpool, so que desta vez o Porto tb quis ficar parado em vez de procurar auto estradas.
b) Oliver. Equipa nao pode ser campea com um medio centro naquelas funcoes a jogar como o Oliver (tal como o Sporting com o Adrien nas ultimas epocas). E' bom moco, esforcado, da o litro, mas isso nao chega. Falta muito mais. Ontem ele jogar ou jogarmos c 10 iria dar ao mesmo. Comparando ate Andre andre e sergio Oliveira parecem craques

Anónimo disse...

Marega, Herrera, Brahimi, Aboubakar, estão estourados graças à má gestão de esforço de SC.
Mas temos Sérgio Oliveira, André André, Paulinho, Corona, Waris, Gonçalo Paciência e Soares que podem entrar e mostrar o seu valor.

miguel87 disse...

Concordo com Felipe para MVP, entrou mal mas acertou rapidamente e foi o único com vontade e atitude para mais.

Herrera continua irrepreensível, mas agora a fazer o lugar mais atrasado do meio campo, naturalmente não chega tão à frente para fazer maior número no ataque.

Paulinho, pelo que vi no Portimonense, tem que jogar sempre dentro e não a partir da ala.

0liver Torres (escreve-se assim mesmo, com 0)...

De resto, foi a rouVAR como sempre.

Anónimo disse...


Incrível !!!!
uma crónica onde não se queixam de ter sido roubados...
Muito bem !!!!

bastava terem marcado um golo nas não sei quantas oportunidades claras que tiveram e já ganhavam o jogo...

Barba azul disse...

Gamados, anónimo? Não, acho que não. Não tivemos um benefício como o dado ao SLB, de prolongar os descontos para o golito do empate, mas não, gamados não fomos.