quinta-feira, 8 de junho de 2017

Época 2016/17 - Perplexidades


Já passámos pelos destaques positivos e negativos e até tentámos avaliar o rendimento dos jogadores emprestados. Há no entanto, no plantel do FCPorto, alguns jogadores cujo rendimento me causa dúvidas por causa do potencial que eu, bem ou mal, lhes atribuí. Nestes casos, o rendimento e o potencial têm andado em rotas diferentes quando, a médio prazo, deveriam convergir. Mais uma vez, eis as minhas maiores perplexidades por ordem crescente em termos de classificação e de grau:
5º - Ruben Neves e Oliver 
4º - Alex Telles
3º - Soares
2º - Felipe
1º - Corona
 
Comecemos então por dois casos que para mim são semelhantes. Para mim, uma equipa do FCPorto que tem estes dois jogadores no plantel, facilita muito a tarefa do treinador porque tem duas opções decididas à partida. Ainda por cima, no meio campo. São jogadores com tamanha qualidade e potencial que, na minha opinião, deveriam ser indiscutíveis. E porque é que não são? O meu instinto é dizer que temos tido treinadores fraquinhos, mas não pode ser só isso. Dou por mim a pensar que, se eles fosse assim tão bons, eram indiscutíveis mesmo com o José Mota. Apesar da minha perplexidade, o que posso desejar é que haja uma boa proposta pelo Danilo e pelo Herrera... O próprio Presidente anunciou que isso já chegou a acontecer... Mais a sério, espero que este seja o ano em que os dois 'pegam de estaca' e vão ver que o nosso futebol vai melhorar e muito.

De seguida temos Alex Telles. Foi talvez o jogador que mais cedo demonstrou que seria reforço. Foi tendo um percurso com muito poucos erros, até ao momento em que passou a acusar a pressão. O episódio com a Juventus foi o mais grave, mas notou-se uma quebra emocional e de confiança deste jogador. Que Alex teremos no futuro? O que é capaz de meter um Gelson no bolso ou o que consegue ser expulso, em menos de 5 minutos, por acumulação de amarelos?

Soares teve um percurso entusiasmante no FCPorto. Entrou a marcar muitos golos e a revolucionar uma aflitiva falta de eficácia que a equipa vinha demonstrando. Mas Soares já joga em Portugal há uns anos e parecia impossível ele, de repente, ser assim tão bom. E era mesmo impossível! Rapidamente golos que marcava com o ombro e com a canela passaram não ir para a baliza, como é natural. Rapidamente o espírito combativo passou a dar lugar às faltas desnecessárias. Um avançado com aquele ritmo de concretização não joga muito tempo por estas paragens e este é um processo normal em qualquer avançado, sobretudo num avançado de uma equipa que tarda em regressar aos títulos. Chegamos assim à minha perplexidade. É para mim claro que o Soares foi uma excelente contratação de inverno. No entanto, para mim o talento é o André Silva. Esse é o titular indiscutível. Soares é uma alternativa que, a tempos, poderá ser o titular, mas nunca um titular indiscutível num plantel que também tem o André.
 
Felipe é um caso especial. O seu rendimento ao longo da época foi para mim uma surpresa enorme. Era capaz de apostar que Felipe iria ter muitas exibições desastrosas como a que teve em Moreira de Cónegos. Isto porque me parece um jogador descontrolado. Demasiado impulsivo e inexperiente para a idade que tem. A verdade é que isso não aconteceu e Felipe teve apenas uma exibição claramente má ao longo da temporada. Isto apesar do penalti na Luz do amarelo no primeiro minuto em Braga e da escorregadela frente ao Vitória de Setúbal. As exibições de Felipe foram consistentemente boas e com erros pontuais como acontece com todos os centrais. A minha perplexidade é perceber se eu estava errado e se Felipe é mesmo muito melhor do que o que parecia. Aparentemente é, mas sou teimoso e continuo a olhar para ele com uma desconfiança, talvez injusta.

Por último, temos Corona. É um jogador desconcertante. Um talento puro, que em certos ponto até parece superior ao de Brahimi. Mas continua a tardar o momento em que Corona se firma como um indiscutível talento. Tem pés, tem velocidade, mas não tem o 'mindset' necessário. Aquela fúria de vencer que vemos, por exemplo, no André Silva e no Maxi. O problema é que dizemos isto há dois anos. Quando é que ele vai deixar de jogar para o FCCorona? Será que vale a pena esperar ou vamos ter de aturar estas épocas de 'fogachos' e de talento por cumprir?

Sem comentários: