quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Reagindo


Vitória muito importante! E é importante sob três perspectivas: 'resultadista', técnica e psicológica.

Do ponto de vista do resultado estabelecemos um fosso em relação ao adversário de ontem, que nos permitirá gerir os próximos três jogos com outra confiança. Sete pontos em três jogos, tendo já jogado em casa do principal adversário, roça a perfeição.

Depois havia Lopetegui. O que é que o tipo iria inventar depois da Taça? Dizia 'O Jogo' e o próprio, na conferência de imprensa de lançamento, que tudo permaneceria igual. Nem tudo... Na minha opinião jogou um dos melhores onzes possíveis, ou próximo disso. Talvez pudesse encontrar lugar para Oliver e Rúben na equipa ou até para Quaresma,  mas o onze satisfez. Logo à partida, o receio das invenções atenuou um pouco. O esquema também não desiludiu. Entrámos bem no jogo e a primeira parte é bem agradável. Conseguimos fomentar a criatividade de Quintero e simultâneamente promover a velocidade de Danilo e Tello. Voltamos a ter alguma dificuldade nas decisões. Tello, Brahimi e Quintero demoram eternidades a rematar e os lances foram-se perdendo por falta de objectividade. Mas o futebol estava lá e acabou por compensar mesmo no final, com o golo do 'patinho feio'. O problema é que o arranque da segunda parte foi pior. As alterações  no Bilbau foram cirúrgicas e expuseram as nossas limitações num meio-campo que tem Quintero. Já vimos que não podemos ter tudo. Ou temos os passes para golo ou temos a segurança defensiva no miolo. Ainda por cima, Tello e Brahimi não têm a capacidade de nestas alturas ajudarem Jackson na pressão à saída do adversário e foi muito vulgar ver os médios criativos adversários a receber entre linhas, de frente para a baliza. O jogo ficou partido e o golo surgiu em mais uma perda de bola mas, neste caso, poderia ter acontecido de outra forma, tal era a nossa incapacidade de controlar a reacção do adversário. Lopetegui reagiu tarde mas bem, apesar da indignação do Dragão. Depois de controlar o jogo tentou ganhá-lo com Quaresma e conseguiu. Outra solução possível poderia ser a entrada de Oliver por Quintero. Poupava nos assobios e acredito que o efeito seria semelhante. Mas acho que o Lopes esteve bem. Apenas lhe posso apontar que o Rúben poderia ter entrado 5 minutos mais cedo.

Por último, o efeito psicológico. Perante a contrariedade fica a reacção e isso traz motivação. Não era fácil reagir perante aquele coro de assobios, perante mais um golo oferecido e perante o resultado de Sábado. Reagimos na entrada em jogo e reagimos perante o empate. Veremos os efeitos já no fim de semana. Mas este efeito só poderá ser aproveitado numa lógica de estabilidade nas escolhas. Aguardemos...

Individualmente gostaria de destacar Tello e Alex Sandro. Tello foi o avançado mais perigoso e apenas peca na decisão. Parece que só remata com o pé esquerdo. Talvez a confiança que vai acumulando mude isso. Alex Sandro esteve bem. Defendeu como sabe e apenas cometeu um erro que foi um falta estapafúrdia na cabeça da área, perto do final. Poderia ter sido grave porque foi perigoso... Fica o registo do seu regresso às boas exibições e o facto de continuar a equilibrar a equipa com as subidas constantes de Danilo que, do outro lado, continua a ser dos jogadores em melhor plano. Jackson dificilmente joga mal e Herrera esteve bem, mas manchou a exibição com o mau passe para Casemiro e com o desnorte no início da segunda parte. Casemiro também piorou bastante na segunda parte. Pela negativa, Maicon. Tem de pôr os olhos no seu colega de sector. Indi está longe de ser um fora-de-serie, mas parece viver bem com as suas limitações. Conhece-as e adapta-se ora com agressividade, ora com sentido prático. Maicon, que poderia ser bem melhor, não consegue ser. Vejam a cobertura ridícula que faz no lance do golo. Antes disso um lance em que ganha a frente e consegue ser ultrapassado na mesma, sem usar o corpo nem a vantagem que tinha. Erros demasiado primário para um jogador com tantos anos de casa. Não gostei também de Fabiano. Foram vários os lances de aflição em cruzamentos. 

Referência para os adeptos do Bilbau. Por muito que tenha corrido relativamente bem e de os tipos que estavam à minha volta serem simpáticos, há que repensar se o dinheiro da bilheteira poderá ser trocado pela segurança dos adeptos portistas e dos do Bilbau. Estavam todos espalhados pelo estádio e até dava a ideia que encheriam uma bancada inteira se estivessem todos concentrados no mesmo sitio. Agora expliquem-me como é que iriam controlar aquilo se houvesse algum problema? Ainda por cima, aquela cor não combina nada bem com o estádio...

Para terminar um episódio no Dragão. Não me consigo habituar à malta que me rodeia no meu sector na bancada central do Dragão. Chega a parecer que é um portismo que oscila entre o aburguesado e a crítica pelo mero sabor da crítica. Não gosto, mas vou comendo calado... Ontem,  sentia-se a instabilidade crescente da equipa na segunda parte. O público foi ajudando com o seu incentivo em forma de assobio a cada passe em direção a Fabiano. Mas, inversamente, também assobiavam se os defesas jogavam longo e não acertavam na zona de nenhum avançado. Especialistas... Mas o melhor veio quando o Lopes lança Ruben e tira Quintero. O homem já mancava e, assim que saiu, teve de 'ligar' a perna para conter as dores. Além disso, o jogo estava completamente descontrolado mas, mesmo assim, queremos avançados! Queremos Quaresma! Queremos um esquema de 2-2-6! Vamos à vitória Porto! É nestas alturas que eu até aprecio treinadores com o feitio de Lopetegui. Estava-se a marimbar para os assobios e fez o que tinha de fazer. Mas podia ter-se defendido mais ao meter Oliver, mas ele não quer saber. Mas o episódio que queria contar era outro. Perante a assobiadela geral houve três adolescentes que se levantaram à minha frente e, com aquele tom de voz, normal nestas idades e que oscila entre o esganiçado e o quase grosso, gritaram «Portistas de Merda!», para admiração geral. E continuaram virados para trás revoltados com as reacções de gozo e de paternalismo. O portismo destes miúdos é ceguinho e provavelmente acrítico. Mas, sinceramente, eu prefiro um portista que acredita sem saber porquê, do que um portista que critica sem saber porquê...


7 comentários:

Jorge Vassalo disse...

Caro prata,

Grande crónica! Assino por baixo!

Esta gente que assobia merecia mesmo que, como estes 3 miúdos, devesse ter uma muralha para os calar. Nunca pensei ver esta imbecilidade no meu Porto!

E especialmente, meu caro prata, central são a 20 € para sócios em média, 320 € lugar cativo... quer ver que esta gente paga esta enormidade para ir insultar A PRÓPRIA EQUIPA!?

Mas está tudo doido ou já enfardaram bem a palha dos media da capital... tristes!

Lamas disse...

Os últimos jogos do FCP têm tido quase sempre a mesma característica... totalmente partidos... tanto podem dar como não dar... estamos sempre com o coração nas mãos... vá lá que só com o Sporting o desfecho não foi o desejável, jogo que, também ele, poderíamos ter ganho bastando um ou outro momento do jogo ter outro desenlace...

Ganhamos, o mais importante... vitória fundamental depois das últimas incidências... vamos aguardar pelas cenas dos próximos capítulos...

Notas rápidas: Maicon foi uma nódoa... Casemiro deu cacete até dizer chega... Quintero cada vez com mais minutos (é algo que eu aprecio)... Tello é estupidamente rápido e desequilibra com muita facilidade (com mais cabeça nas decisões no último terço é um caso sério)...

Anónimo disse...

Eu também sou masoquista e ninguém ocupa o meu lugar no Dragão. A primeira parte com os constantes lançamentos para a correria do Tello até que não foram maus, o pior é que Tello levantava a cabeça e só via Jackson entre 5 bascos. Depois lá surgiu o passe adocicado de Quintero para irmos para intervalo satisfeitos. Começa a 2ª parte e desde logo se notou a insegurança habitual na equipa de Lopetegui. Respeito a sua opinião, mas acho que a reacção da equipa foi motivada pela reacção do publico. Lopetegui finalmente ouviu o público do Dragão, que não é parvo e gosta de futebol e ainda foi a tempo de emendar a mão. Vitória muito importante e uma mensagem muito forte para o treinador e jogadores, só com garra e determinação é que são dignos de representar o F. C. do Porto.

Mirone disse...

Se tivéssemos a falar do Lucas Mareque, a exibição tinha sido boa, agora este continua a não ser o Alex Sandro de há duas épocas atrás. Tem que subir e muito!

Começo a perder a esperança no Casemiro. Só distribui cacete e poucas bolas recupera. Dizem que ele é um "8" mas se ele a "6" já se mexe pouco, quanto mais a "8". Notou-se logo uma diferença quando entrou o Rubén.

Tirando o Casemiro pelo Ruben, acho que apostava neste 11. As mudanças de posição entre o Quintero e Brahimi dão dinâmica ao meio campo. O Brahimi defende melhor e o Quintero surge no meio nas accções ofensivas, ao jeito do que o James fazia.

bruno rodrigues disse...

O melhor em campo foi o danilo, sem dúvida, e esteve muito melhor que o alex sandro (que, tal como escreveu, e bem, o mirone,este continua a não ser o Alex Sandro de há duas épocas atrás). Por outro lado, cada vez cresce mais o meu ódio por aquele tello, acho que está a passar ao lado de uma carreira recheada de sucessos no atletismo, sim, porque velocidade não lhe falta, o que lhe falta é qualidade com bola nos pés, já nem vou escrever sobre a finalização, porque, sinceramente, o tello é um dos piores finalizadores que já jogou no porto, desde sempre. Eu pessoalmente, não me lembro de nenhum finalizador pior que ele.

prata disse...

Este Alex tinha dado muito jeito no Sábado. Quanto a Tello, as trapalahadas na finalização treinam-se. A explosão é inata e faz com que seja raro... Casemiro jogou bem na primeira parte. Apenas não consegue pôr ordem no meio-campo quando estamos em aflição. Isso pode ser falta de rotina na posição.

pancas disse...

Prata,
Reveja la o lance do golo do Bilbau!!!

O Maicon vem a correr do lado direito do campo (a sua zona) para o lado esquerdo (onde o basco vem a entrar) e chega la antes de todos.
Depois falha a intercepcao, sim senhor.
Entretanto, o Indi, que vinha a fingir que corria, travou!!! como se a jogada tivesse acabado, em vez de se ir por entre o Maicon e a baliza (em cobertura) e depois fingiu-se muito admirado quando o basco ficou isolado... Quem tem mais culpa???

Ja foi a mesma coisa com o Braga - quando o Brahimi perdeu a bola, o Indi estava a marcar o fiscal de linha em vez de se posicionar correctamente (entre a bola e a baliza) e depois nao consegue arrastar o cu a tempo para recuperar da ma posicao inicial... e quando consegue e para entrar no fisico (o arbitro nao marcou penalti contra nos neste jogo nao sei como, ele poe-se a jeito...)