segunda-feira, 28 de julho de 2014

Sem crónica


Não há internet dentro do avião e por isso não vi o jogo nem há crónica. Ainda assim, deixo umas pequenas reflexões que andam na cabeça dos adeptos nesta altura (pelo menos os que têm falado comigo):
- A propósito do 0-0 na apresentação e da falta de oportunidades de golo nesse jogo, será que o 'futebol de posse' de Lopetegui vai ser mais parecido com o de Guardiola ou com o de Vítor Pereira? É que já sabemos que o segundo não agradou muito aos adeptos apesar de, para consumo interno, ter chegado para as encomendas.
- A propósito das indefinições no plantel no momento da apresentação, direi que é normal. Até acho que já estamos adiantados dado que o mercado está aberto em Agosto. Tal não implica que o plantel esteja a ser bem montado. Na minha visão de leigo, não percebo a necessidade de um guarda-redes perante as provas dadas por Fabiano. Pelos vistos ontem voltou a demonstrar o seu valor. Depois a questão do meio campo defensivo. Temos três opções e uma delas tem 17 anos e deverá regressar aos juniores ou à equipa B e outra é para vender se o PSV chegar a valores decentes. Ou seja faltarão dois jogadores para compor as coisas. Falta ainda um lateral esquerdo, um central e um avançado para suprir a provável perda de Jackson. Pelo contrário, não faltam médios ofensivos e extremos. Conto quatro jogadores que podem jogar a 10... Ou seja, parece que estamos a construir a equipa 'da frente para trás'. Costuma ser ao contrário...
- Depois temos a invasão espanhola. Desde o tempo dos Filipes que não se via tal... Fugindo ao exagero e à piada fácil, reparem que entre contratações e rumores temos cerca de oito jogadores espanhois ou ligados ao campeonato espanhol. Lembro que quando Van Gaal foi para Barcelona levou uma serie de holandeses, sobretudo no segundo ano. Quando ele saiu, julgo que só Frank De Boer, Kluivert e Cocu permaneceram como titulares. Os outros ficaram encostados ou vendidos. Diferença significativa: Van Gaal era campeão Europeu e Lopetegui chega pela primeira vez à alta competição entre clubes. Para mim, por muito que me custe um FCPorto sem portugueses, prefiro um FCPorto vencedor, nem que seja com onze espanhóis. O problema é que fico com a ideia que se está a jogar as fichas todas no treinador. Estamos a fazer as vontades todas ao menino. E se sai dali uma opção tão falhada como a anterior? Estamos mal porque, perante a debandada espanhola, teremos de refazer o plantel duas vezes em dois anos.
- O assobio é uma forma de crítica que detesto. Pode até indicar que o estádio inteiro está de acordo com os doze ou treze que assobiam epode dar uma ideia errada aos jogadores. Assim aconteceu com Messi no jogo do Deco e assim aconteceu ontem. Assobiar uma equipa no momento da apresentação aos sócios onde o objectivo é dar minutos e ritmo aos jogadores todos, é algo que tenho muita dificuldade em compreender. Assobiar Messi quando ele está na nossa casa a homenagear um dos nosso ídolos ultrapassa todos os limites. Costumo ser tolerante com as opiniões dos outros, mas aqui não resisto a dizer: É burrice pura!

Seguirei preocupado até que os jogos a doer me provem que não há razão para isso. Nunca mais começa a época!

4 comentários:

Lamas disse...

Apenas uma nota para o jogo de Óliver Torres... gostei bastante... estava em todo lado... contra o Genk não me tinha chamado atenção...

Lamas disse...

Quanto ao post... confesso que estou mais apreensivo que nos anos anteriores... não me lembro de uma política de contratações deste nível e até já tenho alguns anitos disto...

Anónimo disse...

Puerto, Puerto, Puerto...

tripeiro invicto disse...

Ao menos temos uns putos que estão a mostrar qualidade. Conseguimos livrar de jogadores medianos para contratar jogadores ambiciosos que querem voltar a jogar em Espanha e sabem que para isso têm que mostrar valor em Portugal.