terça-feira, 3 de abril de 2018

Tremideira


E em três jogos, todo o entusiasmo se transformou em profunda preocupação. Será que vamos ver repetida a história do ano passado? Será que este FCPorto de Sérgio Conceição finalmente sucumbiu perante limitações do plantel e perante o acumular de jogos? Logo agora que a intensidade de jogos diminuiu? A vantagem é que teremos de esperar pouco tempo até ter resposta, visto que o jogo da Luz é já daqui aproximadamente 15 dias e o de Alvalade vem logo a seguir.

Se houver um guião para jogos em que uma equipa grande perde um jogo apenas por intranquilidade, eu diria que o seguimos à risca. Muitas oportunidades desperdiçadas de um lado e enorme eficácia do outro. Capacidade de complicar o que parece fácil de um lado e um cínico sentido prático no outro. Já vimos este jogo vezes sem conta, nos últimos anos de FCPorto. Simplesmente não estávamos habituados a vê-lo este ano. E se em Paços de Ferreira as condições do relvado e da meteorologia em geral condicionaram em muito a nossa exibição, ontem não temos essa desculpa. Nem temos a do anti-jogo visto que o tempo perdido foi o normal nestas circunstâncias. Até ao nível das lesões tivemos regressos importantes...

Mas tivemos uma ausência que se notou imenso. Podem estar descansados! Não vou falar de Marega... Também faz falta mas, num jogo em que o que mais se pedia era tranquilidade, Marcano faz muita falta. É ele o nosso verdadeiro capitão. Herrera dá muito à equipa e este ano tem tido um rendimento óptimo e muito acima das épocas anteriores. Pode até ser um tipo porreiro e popular no plantel, mas é o Marcano que tem as características que este FCPorto precisa num capitão. Basta ver a diferença de rendimento de Felipe, sem Marcano ao lado. Ontem Felipe está intimamente ligado ao resultado, com um erro claro no primeiro golo e com uma falta imbecil que dá o segundo.

Não consigo dar um MVP. Prefiro destacar o público que transformou um estádio a mais de 300 kms do Dragão num jogo em que mais parecia estarmos a jogar em casa. Esse é até um dos factores que torna ainda mais inexplicável esta tremideira. Graças ao apoio massivo dos adeptos, há muito tempo que, na prática, não jogámos fora de casa para o campeonato.

Individualmente notas mínimas para a dupla de centrais. Muito intranquila! Se em Osório conseguimos entender, em Felipe não se compreende... Se tivesse que dar um MVP daria a Ricardo. Acho que Aboubakar saiu muito cedo, até porque estava melhor no jogo que Soares, e acho que Paulinho não trouxe nada ao jogo. Notou-se o efeito de Alex na qualidade das bolas paradas apesar de se notar também que ainda não estava a 100%. Ainda assim, a maior parte das nossas melhores oportunidades surge dos seus pés. Dos seus pés ou de Brahimi. O nosso mágico tentou muito e até foi dos melhores, mas também foi dos que mais acusou a intranquilidade. Saúda-se a entrada de Danilo, apesar de se ter revelado inútil para o resultado. Dadas as exibições recentes de Sérgio Oliveira, deverá recuperar o lugar no próximo jogo. É certo que o Sérgio também jogará nos dois seguintes visto que costumamos reforçar o meio campo nos jogos mais complicados.

Já não estamos no primeiro lugar. Chegou a acontecer por alturas da trapalhada no Estoril e reagimos bem. Esperemos que aconteça o mesmo e que se consiga ir à Luz buscar o campeonato. Não nos digam que não é motivo para alarme! Desperdiçar uma vantagem de 5 pontos em 3 jogos quando falta 6 para o final é dramático. Há que reagir!

1 comentário:

Anónimo disse...

Desperdiçar uma vantagem de 5 pontos em 3 jogos quando falta 6 para o final é dramático e criminoso.