segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Agradável


Apenas isso. Não foi um portento, não foi demasiado emotiva nem arrebatadora. Foi uma exibição capaz de nos dar a sensação de que o golo iria aparecer a qualquer momento. Dava a sensação e não a certeza, porque ainda nos lembrávamos do jogo com o Braga. Mas engane-se quem pensa que a única coisa que mudou entre os dois jogos foi a felicidade de obter um golo. Acho que mudámos muito. Em primeiro lugar aquela irritante mania de 'desligar' logo a seguir à obtenção de uma oportunidade de golo. Ontem houve períodos em que a equipa investiu consecutivamente sobre a área do adversário nomeadamente no período final da primeira parte e no início da segunda até ao golo. As bancadas foram acompanhando com apreensão e alguns (poucos) protestos. Mas julgo que o que se pedia era maior objectividade. Dá a ideia que se tem de dar sempre mais um 'toquezinho' antes de rematar. E isso irrita, obviamente, mas não significa que a equipa esteja a jogar mal. No final, tudo se resolveu.

O que mudou? Eu sou suspeito porque há muito que venho reclamando oportunidades para Evandro. Isto porque critico muito a deficiente utilização das zonas interiores do campo. Com Evandro os médios mais recuados têm opção de passe entre-linhas e Aboubakar tem alguém mais perto dele. Alguém com critério de passe com capacidade de rodar e organizar na cabeça da área. André tem vindo a disfarçar nessa posição porque é muito mais intenso e rápido que Evandro e aparece mais na área, mas não tem esta qualidade de jogo. O que precisámos mais nessa posição? Em termos meramente técnicos apostaria no Evandro, mas percebo que André traz empolgamento, garra, portismo que é algo de que a equipa precisa mais neste momento. Como tal, mais uma vez, tal como aqui disse à 15 dias, o FCPorto tem tido este ano quatro jogadores nucleares: Aboubakar, Brahimi, Ruben e André. Antes de uma pausa de 15 dias na competição acrescida de uma eliminatória para a taça, não se compreende a poupança de André André na primeira parte. Não consigo compreender! Que tal um meio campo com Ruben, André e Evandro? Seria assim tão absurdo? Não seria por ganharmos e por reconhecer que jogámos bem, que deixaria de apontar este risco desnecessário que corremos. Uma última referência para  a coragem de Lopetegui. Não lhe apeteceu ouvir assobios e fez a substituição da polémica ao intervalo...

Individualmente, destaque claro para o MVP Layun. Dá um golo, marca outro e ainda teve mais dois remates perigosos. A atenção a Brahimi faz com que sobre espaço para Layun e o mexicano já provou que tem instinto atacante capaz de aproveitar esses espaços com qualidade. É óbvio que não me enche as medidas como defesa, mas como atacante, rendimento excelente! Menção honrosa também para Aboubakar e para os centrais. O primeiro porque não desistiu enquanto não chegou ao golo. Os segundos porque foram muito importantes e agressivos na recuperação rápida da bola. Nestes jogos é importante termos momentos de sufoco do adversário e, nessas alturas, a rapidez na recuperação da bola é fundamental. Não registo grandes exibições negativas. Só no banco.

9 comentários:

Mirone disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mirone disse...

Análise ao meio campo um bocado injusta. O Danilo tem sido bem mais constante que o Ruben Neves, e faz o trabalho "sujo" que nenhum dos três apontados para o meio campo no artigo faz. Não é da "casa" mas temos de ser menos facciosos.

Vamos ver se conseguimos fazer uma série inédita de boas exibições na era Lopetegui, para apertarmos com os vasquinhos e para ver se o pessoal anima, como se sentiu neste jogo.

prata disse...

Esse facciosismo aceito! :) Mas não é isso.

Clarificando, eu acho que o Ruben é melhor a 6 que o Danilo. É um tipo de jogador que aprecio mais e não é por ser portista. Acho que o futebol do FCPorto em 90% dos jogos precisa de um jogador que organize bem logo aí. Por ser mais versátil, por ter melhor qualidade de passe, melhor remate e por ter 18 anos, tal como aconteceu no ano passado com Casemiro, está a ser retirado da sua zona natural, para uma zona onde é bom mas não é excelente. E assim, em certos jogos, acaba por brilhar mais o Danilo ou o Casemiro. Julgo que agora ficou claro

Lamas disse...

Tello também tem andado melhor... mais interventivo, mais aplicado e com mais vontade... a concorrência fez-lhe bem...

Anónimo disse...

Oh Prata essa fixação pelo Evandro faz-me lembrar quando eu falava do Luís Aguiar (aquele que o médico do zbordem deixou com menos uns centimetros numa perna). Prefiro o Imbula com o Ruben e o André. Um rasga com passes, o outro rasga na progressão e o André rasga em tudo o que faz.

Artur

Anónimo disse...

em relação a questão Rúben/Danilo achei muito interessante o jogo com o Maccabi no Dragão, aí foi visível que o Maccabi (que evidentemente tinha a estratégia bem pensada, apesar de ser uma equipa muito limitada) apostou muito em bolas no ar para a zona do Rúben na 1ª parte, o que nos causou certos problemas (que o Maccabi depois não foi capaz de materializar na mesma, mas por outros motivos). a entrada do Danilo ao intervalo resolveu isso.

e óntem não me causou escandalo nenhum ver o Rúben sair ao intervalo, até achei notório que a gestão de esforço se impõe porque ele parece um pouco menos fresco fisica- e psicologicamente. afinal é um miúdo e vamos precisar dele muitos anos!

e no que ao Evandro diz respeito sinceramente tenho dificuldade em ver-lhe o génio que muitos portista dizem existir. claro prefiro 1000x que seja ele a jogar do que o Herrera (que graças a Deus está a cair em esquecimento), mas se é para jogar entre linhas deixem jogar o Bueno, ou o Sérgio.

-- tom

prata disse...

Mas eu concluí que, se for para escolher entre os dois, escolho o André...

Não acho que o Evandro seja um génio mas acho que é uma solução que merecia mais minutos, nomeadamente naquele período em que ainda não se tinha percebido que uma dupla Imbula/Herrera era uma nulidade. Num período em que era preciso uma transição harmoniosa em vez de uma revolução no meio-campo. Ainda não fez nenhum jogo assombroso este ano mas lembro-me bem que ele esteve excelente em dois dos nossos melhores jogos do ano passado, a saber: Sporting e Basileia em casa. Para mim é claro que tem qualidade para lutar pela titularidade e traz coisas diferentes.Como tal, custa-me que só apareça na equipa nesta altura.

Essa história de que o um médio tem de ganhar as bolas de cabeça é de quem nunca viu Pirlo a jogar na posição...

Anónimo disse...

não estava a criticar as suas opiniões, simplesmente quis deixar as minhas (que só diferem em detalhes de qq forma).

também não tenho dúvidas que o Rúben vai lidar bem com bolas pelo ar na sua zona, mas foi notório naquele período do jogo com o Maccabi quando os israelitas conseguiram sair mais no contra-ataque que estava a sentir dificuldades. é normal, ele está a aprender a este nível. e foi o Rúben, 18 anos, que vi nesse jogo, e não o Pirlo com 30 e tais.

e sim, não me escandalizava nada que o Evandro jogasse mais. afinal todos tem maior facilidade de atingir o seu rendimento quando jogam de forma regular. mas o Bueno também gostava de ver mais vezes... neste momento parece que o Herrera está completamente a mais no plantel, o Sérgio infelizmente não parece ter oportunidades, e o Imbula ainda demora a encaixar. esta algo sobrelotada essa zona do campo.

-- tom

Anónimo disse...

Vale o que vale, mas a minha opinião para o melhor meio campo era: Danilo, Imbula, Evandro/Herrera.