quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Dragão dá força


Poucos terão sido os que não terão soltado um fo$%#§-se quando olharam para o onze inicial. Eu soltei vários no meio do trânsito... Mas deu em vitória. Como tal, o asno transforma-se num génio! 

Mas não entrarei em grandes euforias. É certo que, depois do campeão alemão na época passada, foi a vez do campeão inglês sofrer no Dragão. Mas este jogo está bem longe dessa exibição de luxo da época passada. Também não podia ser com uma equipa tão renovada. Não gostei das opções iniciais mas gostei muito da exibição. Gostei da garra, gostei do ritmo da segunda parte e gostei de sentir que o estádio estava a ajudar a equipa a superar-se. Isto apesar de reconhecer que tivemos ontem a 'pontinha' de sorte que nos faltou na passada sexta-feira.

Vamos à táctica inicial. Pareceu-me limitada por ser demasiado conservadora. Limitada no apoio dos laterais que ocorreria apenas pela direita. Limitada por ter três médios de características defensivas. Limitada por esconder um médio na posição de extremo fazendo com que nunca se buscasse a linha pelo flanco direito. E por fim, limitado porque havia o risco de não conseguir fazer chegar a bola aos únicos desequilibradores da equipa: Brahimi e Aboubakar. Isto era a teoria. A prática começou por confirmá-la. A bola não entrava na frente e a pressão do Chelsea rendeu algumas oportunidades perigosas que Casillas resolveu. O tempo foi passando e Brahimi e Aboubakar foram emergindo no jogo. Ruben Neves foi ocupando o espaço entre eles e o resto da equipa e fomos melhorando. A melhor fase chegou já depois dos golos, com momentos de total subjugação de um adversário, já de si traumatizado. Poderíamos ter conquistado um final de jogo mais descansado. Era merecido pela boa segunda parte que fizemos. Deu-me mesmo a sensação que a equipa foi crescendo no jogo, também alimentada pelo público e pelo grande ambiente no Dragão!

Individualmente não encontro más exibições Achei alguns jogadores mais nervosos, como Marcano e Danilo. Tivemos grandes exibições de Brahimi, Aboubakar, de Maxi e de Martins Indi. Mas para mim o destaque vai para Ruben Neves, MVP. Primeiro porque foi o elemento agregador da confusão táctica implementada por Lopetegui. Depois porque fez de tudo defensivamente e ofensivamente. Até teve um dos lances mais perigosos da equipa. Imbula fez a sua melhor exibição pelo FCPorto. Tardava mas aconteceu.

Em suma, bom jogo, boa atitude mas não convém esquecer que este 2-1 poderia facilmente ser um 5-4.  Ou pior. O jogo poderia ter acabado como acabou a primeira parte... Ainda temos muito a melhorar!

Domingo voltámos ao Dragão. Espero já ter um resultado descansado quando chegarem as primeiras sondagens...

2 comentários:

miguel87 disse...

Só queria dizer duas palavras: Ruben Neves!

Lamas disse...

Eu acrescento mais duas: Que Jogador!