segunda-feira, 20 de março de 2017

Tudo na mesma



Há quem diga que, se tivéssemos jogado antes do Benfica, tínhamos ganho com facilidade. Não é fácil de suportar esta opinião, sobretudo para quem não é astrólogo, mas parece-me uma crítica forte ao nível de maturidade da equipa. Não me parece que tenha tido a ver com maturidade. Foi um jogo que se complicou, num timing complicado e que pôs a equipa sob uma pressão que fez com que a própria equipa complicasse o que na primeira parte parecia simples. Mas não convem que se tente complicar ainda mais, vendo nisto o fim da nossa tendência de crescimento, ou o principio do fim da nossa reacção. Seguimos confiantes!

Foi um jogo atípico que acontece a qualquer equipa. Um jogo em que a bola não quer entrar e em que o adversário faz um golo na única oportunidade que cria, com uma infelicidade de Felipe à mistura. É motivo para dramas? Não! Há que valorizar que a tendência para criar muito futebol ofensivo e oportunidades, esteve lá. Apesar de termos tido menos oportunidades na segunda parte, tivemos suficientes para matar o jogo e para recuperar a liderança. As virtudes que temos demonstrado estiveram lá e os problemas, que sempre aqui apontámos, mantiveram-se. A equipa continua a ter dificuldade em descansar com bola e isso notou-se no início da segunda parte. Continuamos a ter uma tendência para despejar bolas quando nos vemos aflitos, o que não ajuda nada. O ambiente era quente, com muitos portistas, e isso deu ânimo à equipa na primeira parte e também deu algum nervosismo na segunda, apesar do apoio incessante, porque se notou que os jogadores estavam a tentar dar algo mais ao adeptos. Aquele velho chavão do 'mais com o coração do que com a cabeça'...

Esqueçam os dramas. Já tínhamos interiorizado que tínhamos de ganhar na Luz. Esta perspectiva só mudou durante cerca de 24horas. Assim sendo, há que voltar rapidamente ao 'mindset' inicial sem valorizar demasiado a desilusão de hoje.

Individualmente, dou o MVP a Marcano que esteve bem na defesa e ainda mandou uma bola ao poste. Toda a frente de ataque esteve bem melhor na primeira parte do que na segunda apesar dos falhanços. O de André Silva é incrível e há dois de Soares que não ficam atrás. Oliver e Brahimi não renderam na segunda parte. Otávio e Jota entraram com fome, mas notaram-se mais a recuperar bolas do que a criar jogo. Danilo pareceu cansado. Felipe escorrega no lance do golo, algo que penalizou uma exibição que estava a ser boa.

Quanto ao anti-jogo, nada a dizer. Muitos e justos minutos de compensação e amarelo para o redes logo na primeira parte. Custa que o crime compense, mas é assim...

Interregno não vem em má altura. Se tivéssemos ganho,  talvez dissesse o contrário...

2 comentários:

Lamas disse...

Crónica assertiva... mas cá dentro ainda não passou... mas resumes bem o que se passou... e atitude, essa esteve lá...

Sem dúvida que este "time-out" foi perfeito...

Anónimo disse...

Boa crónica Prata. Nós, os de sempre estávamos lá para apoiar e estaremos também na luz. Tenho pena é que alguns milhares de convidados tenham vindo para tentar estragar o nosso ambiente. Sim, esses mesmos que vão voltar depois de ganharmos na luz e na nossa festa final.
Ninguém pode travar o caminho desta grande equipa que pode tropeçar mas não vai cair até à vitória final!

Abraço,

Artur