segunda-feira, 13 de março de 2017

Passeio



Pode parecer desrespeitoso para o adversário, mas deixem-nos saborear esta recente fartura nos números apresentados pela equipa. Depois das goleadas no Dragão voltaram as goleadas nos jogos fora de casa. O jogo foi bastante descansado, sem grande necessidade de 'carregar no acelerador'. Quem diria depois da dificuldade que tivemos em marcar golos nos jogos em Novembro, mas também em Dezembro e no início de Janeiro. Pelo meio tivemos duas excepções nos jogos com Leicester e Feirense, mas nos restantes jogos andamos sempre 'em esforço' e muitas vezes a sofrer para segurar os resultados. A dinâmica recente é curiosa. Começou por vitórias muito sofridas como as caseiras contra Rio Ave, Sporting e fora com o Estoril, com um futebol muito pouco elaborado e essencialmente eficaz. A determinada altura, o futebol começou a melhorar e os resultados passaram a ser mais folgados. A única excepção foi o Bessa, mas fizemos por merecer melhor sorte. 

O que aconteceu? A teoria mais comum é a da dinâmica de vitórias: de tanto ganhar, mesmo jogando mal, atingimos graus de confiança que os permitiram elevar o nosso nível de jogo, de forma a aliar os resultados a exibições seguras e um futebol bem melhor. Mas é uma teoria muito simplista. Para mim esta evolução é assente em dois grandes pilares. Spoiler alert: Soares não é um dos pilares. Ele tem sido um dos melhores e está com um rendimento incrível, mas o segredo vem mais de trás. Brahimi e Oliver dão aquele 'upgrade' ao nosso jogo que permite que os outros brilhem mais, incluindo Soares. Depois temos os que aproveitam melhor as dinâmicas criadas e, nesse aspecto, sobretudo Soares tem aproveitado a preceito. Um pouco mais que André Silva que parece que ainda se está a habituar à presença dominante de Soares no nosso ataque. Este é aliás um novo desafio que se coloca a Nuno para os próximos jogos. Parece que ainda não se conseguiu optimizar a coexistência de Soares e André Silva, como dupla de ataque. Para já ainda parece que joga cada um por si. Soares tem brilhado e André Silva tem vindo a piorar o seu rendimento e o facto de se tentar que feche na direita e que parta dessa posição, não tem ajudado. Julgo que seria mais proveitoso que fosse um dos médios a fechar do lado direito, libertando o André Silva para o ataque às costas da defesa e para a finalização, e menos para a condução de jogo e o drible que não são os seus fortes. 

Quanto ao jogo, foi totalmente dominado pelo FCPorto e com uma autoridade que não tem sido vulgar longe do Dragão. A equipa está num bom momento e tem todas as condições para chegar à Luz e impor respeito e lutar pelo primeiro lugar. Individualmente, o MVP é Brahimi. Interessante ter assumido as bolas paradas, visto que alguém terá de substituir o Alex nessa tarefa em Turim. Nota elevada também para Oliver e Soares. Gostei também de Maxi. Pela negativa, André Silva que fez um jogo desastrado, sobretudo na segunda parte antes de sair. Independentemente do que se disse atrás sobre o seu novo posicionamento, parece acusar o protagonismo de Soares. Pelo contrário, Jota parece estar a reagir muito bem à perda de titularidade. Sempre com golos ou assistências. O André que se cuide.

Na Terça temos a Champions. Não esconderei que não estou confiante. Poderia vir com 'tretas' de esperança clubista mas, racionalmente, espero um bom jogo do FCPorto, talvez um susto para a Juventus, mas uma eliminação perante uma equipa que é de facto superior. Lá estarei para apoiar!

Sem comentários: