domingo, 4 de outubro de 2015

A braçadeira


O FCPorto fez um bom jogo com um adversário incapaz de travar  Brahimi e Corona endiabrados. Sobretudo o primeiro. Mas já lá vamos. Excepcionalmente o meu destaque vai não vai parra o MVP, mas para o braço do Ruben Neves. Quando o vejo regressar do balneário com a braçadeira fiquei com a sensação de que estaria a assistir a um momento que poderá ser histórico. Basta que Ruben cumpra nos próximos anos o que se espera dele: um capitão com um grande talento e com sangue portista.

Quanto ao jogo, julgo que apresentámos o nosso melhor onze no momento e isso ajudou. Já sabemos que este futebol de Lopetegui é previsivelmente lateralizado. Mas Lopetegui não tenta ser previsível. Simplesmente tenta potenciar o talento dos seus alas e isso foi plenamente conseguido ontem. Em noite de tamanha inspiração dos dois alas, em simultâneo, poucas serão as equipas que não sofrerão no Dragão. Aconteceu com o Belenenses, que chegou a assustar na primeira parte com duas ocasiões de golo. Mas do lado contrário as ocasiões eram inúmeras e os golos chegaram tarde, mas com naturalidade. Os caminhos para Aboubakar estavam bem tapado, mas os alas conseguiram compensar plenamente. Boa exibição no Dragão perante uma equipa que promete trepar na tabela. Sobretudo pela frente de ataque que tem.

Individualmente gostei do MVP Brahimi e de Corona pelas mesmas razões. Temíveis no 'um para um' e sempre a criar pânico na defesa contrária. Brahimi conseguiu ser mais decisivo ganhando quase todos os duelos individuais. Os laterais também ajudaram mas parecem talhados para funções ofensivas. A defender... No lance da bola ao poste do Belenenses, a nabice de Layun é igual à de Cissoko na Madeira. O resultado é que foi diferente. Gostei também da exibição de Ruben Neves. À patrão! Osvaldo esteve melhor que o apagado Aboubakar. Imbula também esteve ausente. Achei arriscada a solução de Danilo a central. A amostra que tínhamos tido no Moreirense não tinha deixado saudades. Ainda assim cumpriu. Tello fez uma assistência. Ainda aguardamos o seu regresso.

P.S.: Quanto ao árbitro, julgo que esteve bem. O único erro grave é que Maxi deveria ter sido expulso por acumulação de amarelos... :)

2 comentários:

Lamas disse...

Sem dúvida que o momento foi a braçadeira no sítio certo... ;)
18 anos... fantástico, em particular para ele... ;)

Pispis disse...

Reparei que nesta crónica houve muita análise à equipa adversária :-)