sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Por uma vez o Vitor não tem culpa em maus resultados


E daí até tem alguma. Pouca. A Champions do ano passado ficou aquém das expectativas... 

Mas não foi por aí que veio este resultado negativo. Sem grandes e aprofundadas análises até porque, apesar de ser esta a minha área, isto é um tasco cibernético onde se fala essencialmente de futebol, direi que sempre me mantive preocupado com a gestão e a saúde financeira do clube. E é nesse estado que continuo. Todos sabemos que a actividade do futebol dá rendimentos a toda a gente menos aos clubes, que vão acumulando resultados negativos e passivos galopantes. Acontece assim com quase todos os clubes grandes, médios, pequenos e até com o clube do fundo da nossa rua. O problema é que isto é tratado como uma inevitabilidade. Assume-se que para equilibrar o barco financeiramente a parte desportiva sofre. Assentes nesta premissa os gestores aplicam os seus esforços numa gestão de danos por forma a que o seu rombo seja inferior ao do adversário. No final, quando isto começar tudo a 'estourar', e não faltará assim tanto, os outros 'estouram' primeiro... Ora eu não acho que isto tenha de se aplicar ao FCPorto. A brilhante gestão desportiva das últimas décadas deu ao FCPorto algo que a maior parte dos clubes não tem, que é um rendimento desportivo muito superior ao que seria de esperar perante os recursos de que dispomos. É isto que a maior parte dos clubes não tem e é isto que, na minha opinião, poderia e poderá ser aproveitado para que a gestão financeira passe a acompanhar mais de perto o nosso sucesso desportivo. Mas não é isso que tem acontecido e continuamos demasiado dependentes daquele encaixe na venda dos nossos melhores jogadores, da prestação na Champions, etc., quando, pelo menos, já deveríamos estar numa posição de maior segurança.

Quanto às contas em si, deixo apenas umas notas até porque ainda só temos o anúncio. Faltará a análise ao mapa dos fluxos de tesouraria que é a área que mais me preocupa, o detalhe do que são as amortizações e do que são as imparidades, e falta também saber o que está nas contas de 'saco' nomeadamente a dos 'Outros Passivos' corrente e não correntes. Ainda assim é fácil de explicar o decréscimo nos proveitos operacionais, visto que este ano já lá não temos os 15 milhões do AVB e visto que o rendimento na Champions foi medíocre. Faltará mais uma vez saber em que consiste o aumento nos FSE's. Conseguimos perceber que a mais valia nos negócios Falcao e Guarin não foi tão elevada como se esperaria visto que o resultado na transacção de passes foi inferior ao dos dois anos anteriores. Os jogadores saem por preços elevados mas os custos de aquisição têm crescido consideravelmente... É de referir que aqui não entraram Hulk e Alvaro Pereira. Esses ficarão para o próximo ano. Quanto à parte patrimonial, é de referir que este resultado negativo é mais do dobro dos resultados positivos acumulados nos últimos 5 exercícios e voltamos a ter Capitais Próprios negativos. Mau sinal. É também preocupante o montante do passivo corrente: 170 em 220 milhões. É demasiado e indica que as dificuldades de tesouraria que nos vão chegando por rumores e por notícias de atrasos em pagamentos como no caso de Defour e Mangala, são para continuar. É de referir que vai cair este ano o empréstimo obrigacionista. Óbvio que será substituído por outro. Falta saber as condições que se terão de oferecer para garantir o sucesso desta operação.

Mas já me alonguei mais do que o que queria. Em suma, continuo preocupado e julgo que os portistas deveriam ter uma melhor noção de que a situação das contas do clube está bem longe do seu habitual fulgor desportivo. Mais cedo ou mais tarde isso vai começar a influenciar os resultados desportivos. Será que aí já darão importância ao assunto?

4 comentários:

Lamas disse...

Pois, eu, para já, sou sincero... também dou pouca importância (nunca dei) a isso, embora perceba e concorde tudo o que escreves, porque também percebo bem essa linguagem... acredito que possa ser um dos que vou mudar de atitude se as coisas começarem a correr menos bem...

Lamas disse...

... desportivamente falando, claro!

Mas nisto, eu "meto" quase sempre o coração e deixo a razão um bocado de lado... sei disso...

riskolas disse...

Para me pronunciar cabalmente, um blog não chegava quanto mais um comentário.

Resumindo, o sucesso desportivo tem permitido muito devaneio e abuso.

Ver o FCP ganhar Champions, Europa League e afins permite-me ignorar tal facto.

No fundo, há que ter um pouco mais de pudor, sobretudo, nas rubricas "comissões".

prata disse...

Para se ter uma ideia melhor recomendo este post: http://www.reflexaoportista.pt/2012/10/as-contas-das-ultimas-5-epocas.html

Faltou falar da já famosa rubrica de custos com o pessoal. Está ao nível do exercício anterior mas aí pagaram-se prémios por campeonato, Taça e Liga Europa...