segunda-feira, 19 de março de 2018

Mini Férias


A partir de certa altura, com o acumular de lesões em jogadores nucleares, esta pausa para as selecções tornou-se quase numa miragem. Via-se vagamente no horizonte, mas nunca mais chegávamos lá... Por várias vezes se discutiu a importância de chegar em vantagem a esta pausa. É certo que seria melhor se a vantagem fosse de 5 ou de 3 pontos, mas são 2 e, se chegam para vencer no final, são suficientes para nos dar segurança. É que o nosso mais direto perseguidor também tem de lidar com um perseguidor que está bem perto e que, por sua vez, também tem de lidar com um Braga que já nada tem a perder. Já fez a sua época e agora tudo o que vier é lucro. Há pressão que chegue para os três da frente... Ora estes 15 dias, começam com uma folga de três dias após a qual começaremos a preparar o ataque final à Liga e à Taça com 2 ou 3 reforços de peso: Soares, Alex Telles e Danilo. Começam também com boas notícias das Selecções portuguesas. Um convocado nas equipas A e B garantem repouso merecido a Ricardo e Sérgio Oliveira. Bem precisam. A Selecção também precisa deles, mas só se irá notar lá para o fim da fase de grupos no Mundial da Rússia...

Vamos ao jogo. Comecemos pelo mais importante. Conseguimos os 3 pontos com relativa segurança mas sem uma grande exibição. Digo que não foi uma grande exibição porque o ponto de referência que este FCPorto tem dado, nos jogos em casa, é o do domínio avassalador com goleada. Além disso tem feito sempre grandes reacções às derrotas. Ora a goleada poderia ter acontecido, mas o domínio avassalador não se notou. Desta vez a entrada forte resultou em apenas um golo e foi-se esmorecendo aos poucos até que, no final da primeira parte já nem estávamos claramente por cima. A segunda parte começou com a mesma tendência e só mudou com a entrada de Oliver. É certo que marcámos o segundo golo, pouco depois, mas pareceu-me que já tinha mudado alguma coisa antes. 'Wishful thinking' talvez... A partir daí dominámos por completo e o terceiro golo parecia inevitável. Mas foi porque voltámos a falhar um penalti. Mais uma coisa para ir treinando nestes 15 dias... Em suma, vitória clara segura que era o mínimo que se exigia. Não goleámos e isso permitiu ao treinador do Boavista, como ao do Tondela, dizer que esteve bem e que discutiu o jogo. Algo ridículo para quem viu o jogo, mas que permite transmitir uma mensagem eficaz para quem só vê os títulos dos jornais ou os resumos no telejornal.

Individualmente, dou o MVP a Ricardo. Começou por fazer de Marega, depois fez de Corona e acabou a fazer de Ricardo.  Até podia ter feito de Brahimi ou de Alex Telles. É uma polivalência mas que tem pouco de Caneira. Basta ver que fez melhor que Waris e Corona no último jogo... Ricardo tem demonstrado efectiva utilidade e rendimento alto em todas as posições que tem ocupado ao longo da época. A sua não convocação para a Selecção, por muito que nos descanse quanto ao repouso que precisa, não deixa de ser bastante ridícula. Notas altas para Herrera que fez muita falta na semana passada, para Felipe que marcou e para Aboubakar e Maxi. Gostei bastante da entrada de Oliver. Primeiro serenou o jogo e depois pôs a equipa a jogar. Pela negativa, Dalot e Otávio não estiveram ao seu nível. Esperava mais das entradas de Gonçalo e Corona numa altura em que podíamos partir para a goleada.

Com a pausa, pausamos nós aqui também. Até daqui a 15 dias.

1 comentário:

Anónimo disse...

Estou a aguardar pelos pastéis.....