domingo, 11 de março de 2018

Foi-se a almofada


Custa perder a vantagem e custa deixar 3 pontos em casa do penúltimo. Mas, se conseguimos uma vantagem, serve exactamente para estes jogos. A almofada serve para jogos em que nos faltam 4 (!?) titulares, em relvados impraticáveis, com condições meteorológicas hiperadversas e com Paixão no apito e Xistra no VAR. É para estes jogos e para estas eventualidades que se deve construir vantagens. É certo que poderia ter sido diferente, mas não há motivo para alarmes. 

Ainda assim, a redução da nossa vantagem torna ainda mais importante a detecção de alguns erros e algumas coisas que não correram bem. Comecemos pela primeira parte que fez lembrar o que tinha acontecido no Estoril. Muito amorfa e com menos intensidade que o adversário. Não ajudou o facto de faltar Herrera no meio campo, já que ele, na ausência de Danilo, tem sido o nosso grande motor no arranque das partidas. Ainda assim, esperava-se muito mais até porque além de a entrada forte ser algo marcante na nossa matriz de jogo, este relvado e as condições meteorológicas aconselhavam a que se tentasse resolver o jogo o mais cedo possível. Outro factor que não ajudou foi o modelo de jogo. Sérgio Conceição projectou o jogo nos moldes habituais, apesar de termos interpretes diferentes. Tal veio a confirmar-se como um erro. Um meio campo a dois não é a mesma coisa sem o poder físico de Danilo ou Herrera. Os primeiros minutos de jogo perderam-se nessa luta a meio campo. Ora quando o meio campo não funciona, temo-nos safado através dos lançamentos para Marega. Mais uma vez, não é a mesma coisa ter lá Marega ou Waris. Aliás, Waris ainda não provou ser alternativa em qualquer das posições que jogou, seja a ponta-de-lança, seja a avançado mais móvel, seja a extremo. Confesso que no fundo do meu ranking de alternativas, foi ultrapassado por Hernani, e isso é o pior 'elogio' que lhe poderia fazer... Em suma, Sérgio tentou jogar da mesma forma perante condições e opções diferentes. É certo que já vimos isto funcionar várias vezes este ano, mas também já vimos esta estratégia falhar redondamente, como na primeira parte do Estoril. Estou cada vez mais convencido que os jogadores fazem a táctica e não o contrário. Haverá excepções por esse mundo fora, mas não com estes jogadores.

A partir do momento que sofremos o golo o jogo mudou. Sérgio Conceição queixa-se do baixíssimo tempo útil de jogo e tem razão, mas é certo que nós também passámos a jogar sem cérebro e isso custou-nos uma série de oportunidades falhadas e uma série de faltas desnecessárias. Conseguimos ter oportunidades suficientes para virar o jogo, mas não estivemos inspirados na concretização. Há jogos assim. Até nos demos ao luxo de falhar um penalti. Podemo-nos queixar da falta de prática e podemo-nos queixar de Brahimi. Mas convém reforçar aqui que o nosso mágico não foge das suas responsabilidades, ao contrário do marcador de penaltis que estava pré-designado e que não quis marcar.

Quando foi anunciada a equipa de arbitragem tememos o pior. Acabo com a sensação que poderia ter sido pior. Já sei que parece haver falta sobre Corona antes do golo e já sei que Paixão apita demasiado e que fez uma gestão ridícula do tempo útil de jogo. Mas insisto que esperava pior e até acho que não foi por aí que perdemos.

Individualmente, não tivemos grandes exibições. Dou o MVP a Felipe que conseguiu o penalti que nos poderia ter colocado na luta pela vitória. Aboubakar foi conseguindo ligar o nosso jogo, mas falhou um golo que não pode falhar. Brahimi inventou grande parte das nossas jogadas mais perigosas e os laterais conseguiram cruzamentos que mereciam melhor sorte. Gonçalo foi o que trouxe mais do banco, ainda assim pouco. Notas negativas tenho várias. Desde logo, para Sérgio Conceição pelas razões acima. Nota bastante negativa para o outro Sérgio. Sem Herrera, teve uma noite para esquecer. Nem nas bolas paradas fez esquecer o Alex Telles... André André também não ajudou muito. Waris, muito menos. Estas duas substituições foram demasiado tardias. Hernani... Só quando os jogos estiverem decididos é que pode entrar.

É apenas a primeira derrota. Teria sido importante chegar ao Boavista com os cinco pontos de vantagem. É que se seguem quinze dias de jogos de selecções que são mais duas semanas para recuperar os nossos lesionados... Jogaremos mais uma vez, conhecendo o resultado do nosso maior adversário. Temos de agarrar esta liderança!

1 comentário:

Anónimo disse...

Quem diria a falta que Herrera faz.