domingo, 4 de março de 2018

Mais um passo


Foi muito importante a nossa vitória de sexta-feira! Ter uma vantagem de 5+8 é crucial nesta altura e, neste momento, só a recente instabilidade nas opções disponíveis é que pode perigar esta nossa arrancada até à vitória final. Neste mesmo jogo, voltámos a sofrer com o 'elevado grau de síndrome lesional' de que falava o médico da Seleção Nacional no último Mundial. Marega saiu logo após mais uma das suas arrancadas, que deveriam ter acabado com o jogo mais cedo. Não marcámos, logo sofremos... É a regra. Mas o sofrimento final está longe de retirar mérito à exibição, ao contrário do tenho lido e ouvido. O jogo foi muito equilibrado. Não se esperaria outra coisa. Não fossem as imensas ausências e até poderia esperar algo diferente. Neste estado do nosso onze, sem Danilo, Alex e Ricardo e com dois miúdos a fazerem a estreia em clássicos, e com as ausências no adversário, não esperava outra coisa que não um jogo equilibrado e com mais oportunidades do que os anteriores. 

Mas foi rápido o processo que transformou um jogo equilibrado num jogo em que o Sporting mereceu ganhar. É curioso perceber como rapidamente, duas oportunidades de golo perto do final mudam a percepção geral. É tão fácil ter memória selectiva. Estou neste momento a ver o Gobern (tantos sportinguistas que havia na sexta-feira...) a dizer que o Sporting esteve melhor em todos os capítulos da estatística, incluindo o número de oportunidades de golo. Mas a própria citação desses números adgvoga muito melhor o equilíbrio do que a superioridade de uma das equipas. Além de que esta coisas das oportunidades não ser propriamente estatística, dada a óbvia subjectividade. Há ali muita 'vontade do freguês'... Desde logo, às vezes não considerámos que os golos são oportunidades de golo... Eu até posso fazer as minhas contas. O FCPorto tem os dois golos e tem mais três pelo Marega (de cabeça ao poste, isolado pelo Gonçalo na direita e isolado por Aboubakar no lance em que se magoa) e um remate à malha lateral de Gonçalo. Já o Sporting tem o golo, uma pelo Doumbia em que Marcano ajuda, outra pelo Montero negada pelo Iker, outra pelo Ruiz ao poste e a final pelo miúdo Leão. Eu até conto mais do FCPorto. Só se quisermos contar a do suposto penalti. De facto, é muito perigoso e, se fosse o Marega, eu ficava lixado por ele ter preferido atirar-se em vez de rematar, visto que estava numa posição privilegiada. Se a contarmos temos 6-6. Mais uma vez equilíbrio. E recordámos que este jogo era a última oportunidade do Sporting para se meter na luta. Foi perfeitamente natural o pressing final e o nosso recuo.

Por falar em memória selectiva, tenho ouvido e lido que os sportinguistas falam em campo inclinado. Mais uma vez, pegam num lance e ignoram tudo o resto. Para quem considera que houve penalti de Dalot, recomendo que analisem a acção de Ruiz sobre Brahimi no lance que resulta no empate. Falta óbvia por empurrão. É de referir que eu consideraria que era penalti se fosse sobre o Marega e esse é normalmente o meu 'teste do algodão'. Ainda assim, acho que Doumbia, apesar do toque, continuava em posição de marcar e que devia ter rematado. Preferiu atirar-se e ficou sem golo e sem penalti. Recomendo também que analisem a mão de Mathieu que impede Marega de se isolar. Já sabemos que, pelas regras, não seria mais que amarelo porque não tinha a bola controlada, mas é um facto que ele estava sozinho. Por último, recomendo que me tentem explicar porque é que as judiarias do caxineiro (cachineiro) parafinado continuam a passar incólumes. Se expulsa os bombeiros, e bem,porque é que não lhe dá amarelo? De facto o campo inclinou bastante...

Continuando, confesso que esperava mais do FCPorto. Apesar das ausências, estava convencido que iríamos aproveitar melhor o desespero classificativo do Sporting. Raramente o fizemos. Se as estatísticas demonstram equilíbrio, eu diria que também equilibrámos em nervosismo e eu não esperava isso. Que a vitória nos dê a segurança que precisámos para os próximos tempos. Este FCPorto vai terminar a temporada sem aprender a controlar o jogo, a não ser através da marcação de golos. Pela forma como nos corre a época, isto não parece importante, mas é nestes jogos que se nota mais. Nestas alturas Sérgio devia apostar mais em jogadores que escondem a bola do que os que procuram a vertigem. Raramente o faz e, neste jogo, sofremos calafrios desnecessários, quer pela matriz habitual da equipa, quer pelas opções de Sérgio que não procuram acalmar as coisas. Porque não trocar Otávio por Oliver? É que, sem Danilo, os nossos médios são especialistas em desposicionamento... Outro dos factores que foi intranquilizando a equipa foram as oportunidades desperdiçadas e aqui destaco dois jogadores. Marega vai terminar o campeonato com mais golos claros desperdiçados do que os que Jonas vai marcar. Nada de muito grave visto que Marega vai marcar mais de 20... Mas nestes jogos isso nota-se mais e dá cabo do coração dos adeptos. O outro jogador que destaco é Corona. As trapalhadas de Corona tiraram-nos a tranquilidade que deveríamos ter tido no final. Com a agravante de ter acabado todas as jogadas, em que apareceu isolado na direita, sem finalização. De facto, mais valia ter entrado Oliver no seu lugar...

Individualmente, por exclusão de partes, escolho Gonçalo Paciência para MVP. Enquanto esteve em campo esteve em todas as nossas oportunidades de golo com a excepção do golo de Marcano. Conseguiu segurar a bola inúmeras vezes apesar das cargas constantes que sofreu e teve tempo de assistir para o golo da vitória. Grande estreia a titular! Concordo com o Sérgio quando diz que ele deveria ter feito aquilo mais vezes. Mas também gostaria que ele aplicasse essa exigência e espírito crítico a outros colegas... Por exemplo, Marega... Por falar no Maliano, teria o MVP se marcasse apenas uma das suas três oportunidades de golo. Como falhou todas... Outro jogador que teria condições para ser MVP foi o Marcano. Mas o erro que permite que Doumbia se isole é muito grave  mancha o resto. Também me parece que não devia ter 'saltado' da linha no lance do golo sofrido, mas a recuperação lenta de Herrera também não ajudou... Dalot esteve bem ofensivamente mas teve naturais dificuldades a defender quando teve de se juntar aos centrais. Brahimi continua a perder bolas mas continua a ser o nosso único jogador com capacidade de a reter com qualidade. Os adversários apercebem-se disso e tentam cercá-lo, às vezes com sucesso. De resto, não tenho mais destaques. Apenas queria referir que não veio grande ajuda do banco. Corona foi um desastre e Reyes veio a tempo de ter uma das suas paragens de cérebro quando simplesmente decide deixar de marcar Rafael Leão, no lance que poderia ter resultado no empate.

Vitória saborosa, mas não foi uma afirmação de força como as anteriores. Espero que em Paços voltemos aos 'statements'!

Na próxima terça-feira, os basculantes vão estar no mítico Anfield a apoiar a equipa do FCPorto e não haverá crónica no dia seguinte. Espero que o FCPorto possa poupar grande parte dos seus titulares. Há que perceber que estamos a perder um titular por jogo devido a lesões... Não há aqui honras e orgulhos, a nossa luta é outra!

2 comentários:

Jorge Vassalo disse...

Meu caro, é "caxineiro", das Caxinas. Também podes escrever "catchinéiro", se quiseres usar o dialecto local.

E nem uma menção ao Iker?! Ai, carumba! Para mim, MVP!

Abraço e boa basculanizadela Anfieleira.

prata disse...

Autocorrect... :)

Iker foi um lapso voluntário. Esteve muito bem. Mas pareceu-me que valorizar demasiado ia contra o que disse sobre a histeria dos sportinguistas que dizem que mereceram ganhar. Pontuação táctica...