quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Tenso e Intenso


Não fizemos uma grande exibição e voltámos a demonstrar muitas dificuldades perante o poderio ofensivo do Leipzig. Mas saí do Dragão com uma satisfação plena. A razão é simples, o FCPorto enfrentou uma equipa que demonstrou ser superior tecnicamente, mas que não conseguiu sobreviver à fúria do Dragão. Tal como tem acontecido sucessivamente, este FCPorto de Sérgio Conceição, supera-se perante as adversidades.

E a primeira veio logo nos primeiros minutos. Depois do que aconteceu com o Besiktas, poucos antecipavam que Sérgio apostasse numa frente de ataque reforçada e antecipava-se o regresso de Sérgio Oliveira ao onze. Corajosamente, apesar da ausência de opões ofensivas no banco, apostou-se em Corona para reforçar o ataque, num claro sinal de que se pretendia entrar forte e resolver o jogo cedo. A lesão de Marega veio complicar as contas. É que no banco faltavam as outras opções já testadas nessa posição: Soares e Otávio por lesão e Galeno que julgo que nem está inscrito. Sérgio teve de improvisar e optou por mudar o esquema de jogo com a entrada de André André, num esquema mais parecido ao que tivemos em Leipzig. Como seria de esperar, fiquei logo aziado por não se ter optado por Oliver, que tem outros argumentos ofensivos. Ainda agora me custa a perceber a opção de Sérgio Conceição, mas a verdade é que a estrelinha que nos tem acompanhado voltou a atuar em força. Perante uma substituição claramente defensiva, num jogo em que era obrigatório ganhar, do canto ganho por Marega na sua última jogada em campo, surge o nosso primeiro golo. Melhor era impossível. O problema é que a pressão dos alemães era muito forte e o nosso meio campo teve grande dificuldade no controlo do jogo. O Leipzig dominou o jogo como quis até ao golo do empate. Isto apesar de não ter tido grandes ocasiões de golo. Houve poucas no jogo. Estranhamente ou não, o Leipzig desapareceu após o golo do empate. Gostaria de dizer que o FCPorto passou a dominar o jogo, mas não consigo. Passámos a jogar melhor do que na primeira parte mas, pareceu mais um aumento de intensidade e da garra, do que domínio das operações. Parecia um domínio mais consentido pelo adversário do que conquistado, até porque Brahimi não conseguia pegar no jogo e Corona já dava sinais de cansaço. O segundo golo de bola parada veio dar à equipa a confiança de que precisava. A partir daí, todos os cortes eram festejados como se se tratasse de um golo, até ao efectivo golo de Maxi que trouxe a explosão geral de um estádio que esteve sempre com a equipa, mesmo quando passámos mal na primeira parte. Por falar em Maxi, mais uma vez a estrelinha de Sérgio Conceição a funcionar... Até agora, as entradas em jogo de Maxi significavam sempre uma subida de Ricardo no terreno. Desta vez, foi ao contrário e deu golo. Inexplicável, mas isso torna o momento do golo ainda mais saboroso.

Em suma, foi um jogo que não dominámos e que ganhámos no único pormenor em que fomos muito superiores ao adversário: na garra, na intensidade e na vontade de vencer.

Individualmente não consigo dar um MVP. Estatisticamente, Danilo foi decisivo com um golo e uma assistência.  Herrera também marcou e cresceu no segundo tempo. Mas não consigo esquecer o desnorte destes dois na primeira parte. Tiveram 180 minutos para perceber como controlar as investidas de Keita e Forsberg e nem com a ajuda de André André deixámos de sofrer com a acção desses jogadores no miolo. Se tivesse de escolher iria mais para Marcano ou Corona que não estiveram soberbos mas que tiveram exibições mais consistentes. Destaque negativo para Brahimi que, depois de vários jogos em que foi o melhor, não conseguiu soltar-se da apertada marcação que sofreu.

Voltamos no sábado e Sérgio faz bem em queixar-se do calendário. Não se percebe porque é que os interesses televisivos se hão de sobrepôr aos interesses de um clube, numa semana em que fomos os únicos a obter um vitória na Champions. Mais uma adversidade para ultrapassar!

Sem comentários: