segunda-feira, 18 de agosto de 2014

O Arranque e o Regresso


O estádio encheu e o que se pedia era uma vitória. Nada mais! Óbvio que queríamos ver alguns números artísticos e percebe-se que esta equipa poderá crescer até patamares muito interessantes, se entrar numa dinâmica de vitórias. Isto porque, apesar de algumas dúvidas, se percebe que há uma ideia e que há artistas para a interpretar. E depois tivemos um extra que foi a estreia do miúdo Ruben Neves com um golo. Curioso aparecer um talento destes logo no ano da 'invasão espanhola'...

A exibição foi segura sem ser deslumbrante. Deu a ideia que não estivemos muito inspirados no momento da definição das jogadas. Ou seja, fraca finalização para o volume de futebol produzido e facilmente verificável no número de passes e na percentagem elevadíssima de posse de bola. Acresce que permitimos apenas uma ocasião ao adversário. Para estreia, não está mal. 

O golo surgiu muito cedo e na sequência de uma das muitas variações que vimos nas marcações de cantos, ora curtos com participação dos laterais, ora directos, sobretudo ao primeiro poste. Logo aqui uma diferença para o ano anterior: há várias coisas que notamos que são trabalhadas. Sejam os cantos, sejam os movimentos de um dos médios entre linhas, seja o movimento do extremo do lado contrário da bola para se colocar em condições de receber a bola numa das constantes variações do centro do jogo, seja na saída para os centrais no pontapé de baliza. Percebe-se que há trabalho e rotinas. Veremos como funcionam e se se notarão nos jogos contra o Lille.

Individualmente gostei de Brahimi, Oliver e dos laterais. Destacaria Brahimi como MVP por ter sido o maior 'incendiário' no futebol da equipa. Um talento para desfrutar ao longo da época, de preferência na ala, mas também pelo meio. Digo 'de preferência na ala' porque tenho gostado muito de Oliver. Incrível entrega ao jogo na pressão e nas movimentações sem bola, sendo até invulgar em jogadores que a tratam tão bem. Poderia ter escolhido um dos laterais por estarem a interpretar na perfeição o que Lopetegui pretende deles em termos ofensivos. Não o fiz porque ambos tiveram erros que não comprometeram, mas que eu considerei graves. Não gostei muito de Quaresma. Percebo que se entregou ao jogo como poucos, mas espero mais de um jogador destes, do que remates que quase parece que são para as estatísticas. Tello fez melhor em 10 minutos. Ainda assim esteve bem melhor que Herrera que fez uma exibição estranhamente pobre. Quanto a Lopetegui, além dos elogios que já lhe fiz, juntaria outro: pôs a jogar os onze melhores da pré-época. Que o faça sempre. Apenas me custou perceber a subida do Ruben no terreno aquando da entrada de Casemiro.

Até aqui discutimos o arranque. Passemos ao regresso. Hoje jogou-se um Braga-Boavista que é a última pedra colocada em cima do ridículo 'Apito Final'. Talvez a maior ofensiva administrativa que sofremos até hoje e o Boavista apanhou por tabela. Eu gosto do simbolismo destas coisas e faz-me recordar que, por muito que eu vá gostando dos desenhos do Lopetegui e das fintas do Brahimi, o futebol joga-se em vários tabuleiros e que temos que jogar muito mais que os outros para retomar o caminho das vitórias interrompido no ano passado.

3 comentários:

Lamas disse...

Eu destaco essencialmente a dinâmica... ;) muito bom para o primeiro jogo oficial da época...

Uma palavra também para o Alex Sandro que acabou a época passada a "passear a toura" e começou a pré-época no mesmo sentido... na sexta mostrou a entrega que queremos e que já sabemos que ele pode dar...

prata disse...

http://www.porta19.com/2014/08/la-volta-este-camelo-a-berrar-contra-os-que-assobiam/

Leitura aconselhada.

bruno rodrigues disse...

este alex sandro a mim faz-me uma confusão enorme. No ano passado, sabia e tinha a noção de que iria jogar sempre e ser titular sempre, pois não tinha concorrência, não havia no plantel nenhum outro jogador que jogasse na sua posição, logo sabia que o seu lugar estava garantido. Como tal, não se esforçou minimamente, fez péssimas exibições e comprometeu dezenas de vezes. Este ano, sabe que já não é assim, sabe que hà outro defesa-esquerdo no plantel e como tal sabe que o seu lugar não está garantido, e só por causa disso é que tem estado a exibir-se ao mais alto nível, está a ser o mesmo alex sandro de hà 2 anos. Isto só revela uma enorme falta de profissionalismo e uma enorme falta de caráter.