quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Autoritários


A estratégia pareceu conservadora a priori e confirmou-se. Lopetegui não quis arriscar e quis ter bola na maior parte do tempo de jogo. A estratégia funcionou em termos de controlo de jogo e em termos de resultado, que foi muito bom. A bola foi nossa e o fundamental golo fora de casa, também. Não podemos deixar de notar que tivemos apenas uma oportunidade de golo em todo o jogo. Poderemos elogiar a eficácia de 100%, mas também podemos reconhecer que a estratégia delineada não funcionou tão bem, tal como no jogo anterior, no momento da definição das jogadas. Também não ajudou o facto de termos enfrentado um Lille demasiado cínico. Passaram o jogo a distribuir pancada e a esperar pelo erro que só aconteceu duas vezes no final de cada uma das partes e nem aí aproveitaram. Pobre, para quem quer jogar uma Champions e ainda por cima jogando em casa...

O jogo correu bem sobretudo nas primeiras meias horas das duas partes. O nosso jogo responsabiliza muito os defesas e os médios. Tem de ter bola com segurança máxima e nessas alturas fizeram-no com critério. De uma forma geral, a equipa demonstrou grande agressividade e isso notou-se nas recuperações de bola de Jackson, Herrera e sobretudo Oliver, em zonas de terreno avançadas. Pena que não tenha sido dada a devida sequência a estas recuperações. Sobretudo Herrera, que fez bem a ligação a Jackson mas que raramente definiu bem. Nesse aspecto faltou clarividência a todos menos a Rúben Neves. 

Passando à avaliação individual, continuo a achar incrível a calma do miúdo e numa posição que não é a dele! Até agora só o tinha visto a jogar a 6 ou a central. Para mim foi o MVP. Pensei em Maicon mas teve um erro grave no último minuto da primeira parte. No resto esteve o Maicon de há três anos. Depois, continuo a gostar de Oliver e gostei pela primeira vez de Casemiro sobretudo na construção de jogo, que se aproxima cada vez mais do que me parece que Lopetegui pretende e o Rúben também já faz a preceito. Não gostei de Fabiano. Duas intervenções inseguras. Não posso dizer que não gostei de Brahimi, nem Quaresma no jogo anterior. Apenas poderei dizer que Tello já fez melhor. Marcámos três golos e ele está em dois. Merece uma oportunidade. E que o Cigano nem pense em amuar! Pela primeira vez, desde que está no FCPorto, ele precisa mais da equipa do que o que a equipa precisa dele. Se amua, perde o comboio e seria uma pena.

Pequena referência à arbitragem que na primeira parte nos brindou com duas decisões ridículas: o amarelo a Danilo e o penalti não marcado sobre Jackson.

Em suma, bom resultado e boas perspectivas! É assinalável para as transformações que a equipa sofreu. Por exemplo, o Lille mantém a estrutura do plantel e a equipa técnica da época passada...

1 comentário:

Lamas disse...

Foi muito bom... em especial a atitude e agressividade em ganhar a bola rápido sempre que a perdíamos... falta muita coisa como referes, mas atitude teve lá... também já gostei mais do Casemiro...

Abre boas expectativas para a época e, em particular, para a importantíssima presença na Champions...