segunda-feira, 9 de junho de 2014

Sete pecados capitais do FCPorto 2013/2014 - O Interino




Fique claro que não está em causa Luís Castro como treinador. Está em causa o rótulo que lhe aplicaram.

O conceito de treinador interino em futebol é, por si só, um portador de uma ambiguidade que limita o efeito da ‘chicotada psicológica’. O treinador de hoje em dia é cada vez mais um gestor de ânimos e de emoções. Essa gestão vai ganhando cada vez mais preponderância e terreno ao conhecimento táctico e da preparação física. Como poderemos exigir a um treinador que tire o máximo de uma equipa em sub-rendimento se não lhe damos legitimidade para tal? Disse-o aqui: à primeira contrariedade voltaríamos ao mesmo estado em que estávamos com Paulo Fonseca. Não só se cumpriu como, decorrido o efeito da ‘chicotada’, conseguimos agravar os problemas, contando desaires nas competições em que ainda tínhamos aspirações.

Na minha opinião, com a saída de Paulo Fonseca, o ideal seria planear o resto da época como a pré-temporada de 2014/2015. Não que se baixasse o nível de exigência. Simplesmente deveríamos definir com quem contávamos para construir a equipa de 2014/2015, seja no plantel, seja na orientação técnica. A alternativa era a de apesentar uma solução em que fosse assumido que éramos candidatos a tudo o ainda houvesse para ganhar, numa solução de curto prazo. Ora, em nenhum dos casos cabe a solução do treinador interino. Não lhe poderemos pedir que planeie convenientemente uma época em que não irá participar na orientação técnica. Basta perceber, a título de exemplo, que os jogadores que Luís Castro promoveu neste final de época como Reyes, Quintero, etc., poderão não agradar ao novo treinador. Por outro, lado, não podemos exigir a um treinador interino que incuta na equipa a ambição e exigência, que permita retirar da equipa o rendimento máximo e de forma imediata. Até podemos, mas não me parece que essas expectativas sejam realistas... O problema está no treinador a prazo, seja ele Luís Castro ou André Villas-Boas. É uma questão de legitimidade perante os adeptos e perante o próprio plantel.

Com esta solução ficámos a meio do caminho. Por um lado, demos um sinal à equipa de mudança, mas estabelecemos logo que Luís Castro iria ser apenas uma ‘pré-mudança’. À primeira contrariedade a equipa voltou a quebrar. Previsível!

Indiferente à tarefa impossível que tinha em mãos, Luís Castro procurou preparar a nova época. Criou pontes mais definidas entre a equipa principal e a equipa B e começou a renovar o onze mostrando aos adeptos e ao mundo que há ali jogadores que poderão fazer parte do futuro do clube. E fê-lo tentando enquadrá-los num sistema mais parecido ao anterior, sobretudo no desenho de meio-campo. Nem todas as opções foram boas, mas percebeu-se a definição de um rumo e uma ideia de jogo diferente. Não levará uma avaliação positiva porque acabou por fazer piores resultados que Paulo Fonseca. Mas não consigo culpá-lo por isso. Valeu mais a ambiguidade da interinidade do que a objectividade com que ele abordou o desafio. 

Tenho pena porque respeito a figura e o treinador.  Acho que não teve condições para fazer melhor e como tal desprezo qualquer crítica às suas capacidades e repugnam-me associações ao rendimento do projecto ‘Visão 611’. Não é por termos dado um nome ao projecto que me convencem que havia de facto intenção de revolucionar a nossa abordagem à formação portista. Ainda assim, a fantástica performance da equipa B deste ano tem bases no malfadado projecto ‘Visão 611’...

Que fique muitos anos no FCPorto, Prof. Luís Castro!



PS: Este tema foi desenvolvido numa apresentação no âmbito do III Encontro da Bluegosfera no passado Sábado em Espinho. No entanto,  artigo já estava escrito há algum tempo.
 

4 comentários:

Lamas disse...

Robson e Mourinho foram bons exemplos do que falas... Que Lopetegui seja estilo AVB ;)

reine margot disse...

Lamas, Deus nos livre do Lopetegui ser ao estilo AVB; fica um ano e vai-se? Quero um Lopetegui ao estilo Moncho. Com um projeto com pés para andar e muitos anos para o perseguir !
Quanto ao Luis Castro, deixo a minha grande admiração por esse exemplo de dedicação ao clube. Eu não teria pegado na equipe naquelas circunstancias, sabendo que voltaria para a B.... Que tudo dependia do que aos jogadores lhe apetecesse fazer...
Quanto a preparar a nova época, ao estilo, para o ano é que vai ser, também achei que deveria ter sido. Mas, talvez as circunstancias sejam diferentes e os adeptos não estivessem preparados para tal... e com certeza, o treinador não poderia ser interino...

Lamas disse...

Sim reine margot... nesse aspecto não vi bem... também prefiro algo mais consistente e de futuro e não fugaz como a do AVB... mas aquela época foi qualquer coisa...

bruno rodrigues disse...

Na minha opinião, o Luís Castro é, no meio de todos, aquele que menos culpa tem da nossa época péssima. Quando escrevi "no meio de todos" estava a referir-me a paulo fonseca, jogadores, treinadores-adjuntos, SAD, estrutura, direção, presidente, etc... Para mim todos estes têm culpa e responsabilidade desta nossa época péssima. Mas, na minha opinião, o professor Luís Castro cometeu um erro IMPERDOÁVEL que foi determinante para o insucesso desta época, nomeadamente na taça de portugal. O erro que ele cometeu foi, na minha opinião, meter o reyes a jogar na luz em detrimento do maicon (jogo da 2ª mão das meias-finais da taça de portugal). Meter um jogador jovem inexperiente que poucas provas tinha dado até ao momento e que tinha passado a maior parte da época na equipa B, no jogo mais importante do ano em detrimento de um jogador experiente, compoetente, com muita qualidade, e que já deu muitas provas do seu enorme valor foi COLOSSAL e isso provou-se durante o jogo. O reyes foi determinante para a nossa derrota nesse jogo (não tão determinante como o proença) e tenho a certeza de que, com o maicon a jogar no lugar do reyes quase decerteza não perdiamos o jogo. Esse erro, eu nunca irei perdoar ao professor Luís Castro. BIBÓ PORTO