segunda-feira, 1 de julho de 2013

Fazendo as coisas por outro lado



Esta é para mim a frase mais grave de todo o processo do Apito Dourado. Nós portistas temos de  aturar as piadas da fruta, do café com leite, do calor da noite, enfim... Não aprecio muito. Mas, se pensarmos bem, não deixa de ser caricato os nossos adversários esconderem as suas amarguras e incompetências atrás do mais estéril processo judicial de que há memória. Querem-nos convencer que foi pela influência do FCPorto sobre o poder judicial... Ridículo! Tanto dinheiro e esperanças se canalizaram para um processo que se saldou em meia dúzia de dirigentes e árbitros de campeonatos secundários. Até o Boavista vão ter de reintegrar. Mas não nos deixemos enganar pelo ridículo destas manifestações de pureza dos nossos adversários. Esta frase do «faço as coisas por outros lado...» foi apanhada numa escuta e, estranhamente não suscitou nenhuma curiosidade nos investigadores. A gravidade que eu atribuo à afirmação não está na afirmação em si mas nas consequências que ela não teve. Qual outro lado? Vão se inscrever no Girabola? Ninguém quer saber... Pelo menos ninguém com poder de decisão ou livre para tomar decisões. E esta frase foi ficando sempre e lembro-me dela muitas vezes. Algumas delas em momentos de regozijo, como poucos minutos após aquele vólei de pé esquerdo do nosso moicano brasileiro, Kelvin. Por outro lado? Pela esquerda, pelo centro, pela direita, mas sempre dentro do rectângulo onde se desenvolve este jogo que adoramos. O nosso adversário habituou-nos ao contrário. Ao jogo de bastidores e ao lobying. Não tenhamos a ilusão de que o nosso FCPorto não se movimenta nesses meios. Mas tenho sempre a sensação de que nos movimentamos melhor dentro dos bastidores do futebol do que nos bastidores de um poder mais abrangente. Esse acesso é nos negado. E assim nós não conseguiremos fazer as coisas por outro lado. Sobra-nos o campo e que bons resultados nos tem dado...

A mais recente estratégia foi a da Benfica TV. Muito pouco tempo depois de José Eduardo Moniz ter dito de Luís Filipe Vieira pouco menos do que eu diria desse mesmo indivíduo, aparece como grande trunfo da última campanha eleitoral. Logo associei o evento à guerra que decorre há anos com Joaquim Oliveira, às falhadas intenções de Paes do Amaral de criar um canal de desporto concorrente, às ligações de Eduardo Moniz a esse monumento de empresa de lobying à portuguesa que é a Ongoing. Logo pensei que a direcção teria de passar a ser bicéfala e estranhei que LFV se dispusesse a isso. Continuo a estranhar mas as coisas começam a fazer sentido. Perdeu o poder interno, mas ficou em melhores condições para fazer as coisas da forma que tanto gosta. Sempre teve como objectivo o derrube do império que Joaquim Oliveira criou no futebol. Esse império foi criado à custa de um insano adiantamento de receitas aos clubes que, há uns anos atrás os salvou da bancarrota. Inclusivé ao clube que agora o quer derrubar. Para LFV sozinho e com o avultado investimento que tem no plantel e no treinador, seria impossível empreender uma estratégia de destruição da Olivedesportos. Já todos percebemos que a Benfica TV não tem uma estratégia de negócio viável. O objectivo é dividir o mercado tronando os players mais vulneráveis. Não cabe na cabeça de ninguém que um adepto do Sporting, do FCPorto ou de qualquer outro clube que não o das papoilas saltitantes, assine o canal para ver os jogos da liga inglesa. Mesmo os adeptos do Benfica... Faz sentido pensar que vai haver um aumento de subscritores? Pelo menos os de Lisboa e arredores, para quem tinha o produto que lhe interessa gratuito na Meo vai passar a subscrever dois serviços de desporto? Pode ir ver ao estádio... É obviamente impossível que estas negociações com a Zon, PT e a Zap, tenham resultado num bom negócio para o Benfica. Todos estes operadores já dispõe de um canal com maior variedade de oferta desportiva inclusivé de jogos do Benfica. O que os operadores podem oferecer vai ser o que vão conseguir poupar pelo facto de a SportTV ter perdido conteúdos importantes. Será assim tanto? E publicidade? Num mercado em declínio serão eles a fazer a diferença? Depois há os custos de transmissão de jogos, os 3-4 milhões que se vai pagar por época só pelos direitos da liga inglesa, a que adicionaremos 1 milhão de euros do Brasileirão, a estrutura do canal que terá de ser forçosamente reforçada, etc. Tudo a investir num canal que tem actualmente uma audiência média mensal de 3 mil pessoas...

Façam lá as contas e vejam quantos dos 500 mil assinantes da Sport TV teriam de mudar para que o negócio não fosse ruinoso. Percebe-se que o objectivo não é fazer dinheiro. Para mim a estratégia é o clássico 'divide and conquer'. É enfraquecer Joaquim Oliveira e permitir que a médio prazo, alguém, angolano ou não, entre no mercado de televisivo de desporto Português em posição dominante e em condições de atacar outros mercados Europeus. Tal entidade ficará grata pelos serviços prestados pelo Benfica e poderá até pagar pelos direitos televisivos, não valor insano que foi pedido a Joaquim Oliveira, mas o valor realmente pretendido pelo Benfica. 

Concluindo, na terra das papoilas saltitantes continua a gastar-se muito dinheiro e tempo nestas manobras 'por outro lado'. E essa fonte não vai secar. Convém não adormecer nos sucessos desportivos, porque vêm aí batalhas fora de campo, tão ou mais importantes. É pena mas o futebol actual é isto...

PS: a estratégia ainda vai ter outras pequenas vantagens. Há portistas preocupados com a falta de objectididade das transmissões televisivas da Benfica TV e com a influência destas nas avaliações de árbitros, nos castigos por imagens televisivas, etc... Vai passar a haver repetições de todos os ângulos para as faltas de uns e zero repetições para agressões, foras-de-jogo de outros. Só para dar uns exemplos...

5 comentários:

Nuno Silva disse...

boas...

o fazer "isto pelo outro lado" já teve um episódio mais negro que poucos perceberam e os agentes do desporto ignoraram.

na época do túnel... a Sagres adiantou 9 anos de publicidade ao benfica pelo valor de 45M euros... ao mesmo tempo que entrou com muitos milhões na Liga de futebol e taça da Liga de futebol.

ou seja: foi o mesmo patrocinador de um concorrente, que patrocinou as competições. a Sagres foi o principal patrocinador deste 2 lados que supostamente deveriam estar em posições neutras... o dinheiro da Sagres deu então para pagar salários no benfica, mas também salários dos árbitros, delegados da liga, membros do concelho disciplinar , etc...

.. .foi este o esquema. quem pagou foi a sagres, quem mamou foi o benfica

Lamas disse...

Vamos aguardar pelos próximos desenvolvimentos, mas estou curioso para saber o que a Sportv vai fazer...

Este pormenor, que não é tão pequeno assim, lembrado pelo Nuno Silva já foi consumado e de facto, temos de continuar a ser melhores onde interessa, porque fora de lá, eles são muitos e andam por todo lado...

Taqui disse...

Só um clube do regime, que joga com esses lobies, se consegue movimentar assim. Podem ter o controlo da TV, podem ter isso tudo. Nós vamos sendo campeoes e isso é o mais importante!
Eles vao-se perdendo na imensidão e na ilusão do que aquilo vale... o ano passado foi tudo nos descontos...chegarão lá outra vez?!

Pispis disse...

Tão farto de Portas e Cª que vim ler o texto com mais atenção :-)

Eu acho um escândalo um clube de futebol poder comprar os direitos televisivos de um campeonato e até de poder fazer as suas próprias transmissões... Incrível como não consideram que pode haver conflito de interesses, enfim, enquanto tiverem gajas a festejar os golos do Porto na Benfica TV eu fico contente mas tenho pena de agora ter que arranjar novas formas de acompanhar a Premier :-)

Muito bonito também esta cedência de terrenos da Câmara do Seixal para alargarem o centro de estágio, logo eles que tanto criticaram a Câmara de Gaia, pelos vistos conseguem fazer pior...

riskolas disse...

E convém não esquecer o fenómeno dos streams