segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Teste superado



Normalmente a foto inclui o nosso MVP da partida, mas resolvi abrir uma excepção. Esta foto de Corona é mais uma imagem perfeita da revolução de Sérgio Conceição. Corona, que sempre pareceu um jogador que joga mais para ele do que para a equipa, aparece capaz arrancar a camisola com a felicidade de um golo. E fá-lo num ano em que se exige dele o dobro em termos defensivos e ofensivos. Há um lance que personifica o novo Corona que é um em que perde a bola em zona comprometedora e, segundos depois, aparece a cortar em mergulho de cabeça na área. Poderíamos dizer o mesmo ou arranjar lances com semelhanças de Aboubakar, de Marega, de Brahimi, etc. Começo a tender para concluir que treinar em futebol é 80% de psicologia e 20% de conhecimentos técnicos e de táctica. E o trabalho do treinador, nesse campo da psicologia, parece notar-se na atitude em geral e nestes pequenos pormenores como o festejo de um golo ou o grito colectivo no final dos jogos. Para quem não viu o de ontem, recomendo que voltem atrás na box. Foquem sobretudo o Otávio, Ricardo, Alex Telles e Oliver no final. Isto pode desaparecer com as contrariedades, mas parece claro que temos ali um bom espírito de grupo.

Passando ao jogo, esse espírito de grupo foi fundamental numa vitória em 'teste de fogo'. É certo que o Braga não chegou sequer a fazer um remate enquadrado com a baliza, mas chegou a ameaçar várias vezes, no final da primeira parte, e pareceu jogar sempre no limite da agressividade, bastante protegidos pela a habitual 'xistralhada'. Muitas faltas, muita luta e foi preciso o FCPorto adaptar-se a isso. Poderão reparar que as jogadas mais perigosas do Braga surgiram todas de lances em que os nossos jogadores não se conseguiram soltar da pressão ou até de lances faltosos do adversário. Lembro-me de duas perdas de bola de Brahimi em zona proibida e de dois lances que se sucederam a momentos em que, tanto Ricardo como Felipe, tinham a situação aparentemente controlada e perderam a bola. Ora, na segunda parte, não houve nada disso. Controlámos muito melhor o jogo e só as faltas de Xistra causaram alguns momentos de dificuldade. Ofensivamente, entrámos muito bem, como tem sido habitual. O jogo não foi mais descansado porque estivemos bastante desinspirados na finalização, especialmente Aboubakar, que teve um 'hat trick' de falhanços escandalosos. Tivemos oportunidades suficientes para ter resolvido o jogo bem mais cedo. Mas, mais que o desperdício, o grande destaque do jogo foi a forma como o controlamos na segunda parte. Com o resultado em 0-1, o Braga entrou uma vez na nossa área nos últimos 15 minutos e foi na sequência de uma falta desnecessária de Ricardo. Isto demonstra confiança, segurança e boa cultura táctica.

Individualmente, dou o MVP a Danilo que reinou naquela selvajaria que é um meio campo em jogos apitados pelo Xistra. Nota bastante alta para os laterais Ricardo e Alex Telles. Nota alta também para os jogadores que entraram na segunda parte, sobretudo o Otávio e o André, que foram fundamentais para segurar a vitória. Pela negativa, Aboubakar que falhou demasiados golos fáceis.

Chegada a primeira interrupção competitiva, estamos em boa posição. Seria muito importante chegar a Alvalade só com vitórias.

4 comentários:

Anónimo disse...

Gosto tanto de ver o Basculação com a caixa de comentários vazia!!

Abraço, Artur

miguel87 disse...

É bom sinal, não é Artur? :)
Eu tenho visto maus sinais na equipa, mas ando sem vontade de comentar, agora só mando emails...
Continuem que eu estou sempre atento.
Abraço

prata disse...

Agora é só likes

Anónimo disse...

Até tenho saudades do GLORIOSO SLB!!!
Agora apaguem tudo!!!

Artur