domingo, 16 de abril de 2017

O campeonato num jogo


Pode parecer pelo título do post, mas estão enganados se julgam que este é uma crónica do adeus ou do meu anúncio do fim da esperança. Nada disso! É apenas uma constatação de que a nossa época se pode resumir neste jogo e nesta frase que o resume: Empate resulta da nossa habitual tendência para apresentar rendimentos demasiado dispares entre duas partes do jogo e da equipa de arbitragem, e o seu carácter humano... 

Esta humanidade do erro tem vindo a brindarmos com dificuldades acrescidas deste a segunda jornada do campeonato e não é expectável que tal vá mudar até ao final. Seria mais uma razão para que a equipa entrasse em campo com outra atitude competitiva. Mas repetiu-se o medo cénico que vimos na Luz. Uma grande segunda parte não chegou para inverter o que de mal se fez na primeira. Mais uma vez vamos ouvir argumentações que levantam o problema da ausência de Corona do onze, dado o seu efeito quando entrou na partida, algo que já se tinha visto no fim de semana passado. Mas o problema está na insistência neste desenho de ataque híbrido, em que não se percebe bem o que se exige a André Silva. Tem de abrir pela direita ou tem de apoiar Soares pelo meio? Ou as duas hipóteses anteriores? Nem Nuno sabe... É um problema recorrente e até poderia ser uma daquelas dinâmicas que evoluísse ao longo dos largos minutos em que tem sido implementada. Mas não! Tem piorado. Enquanto assim for, parece-me óbvio que não deverá ser tentada novamente e também me parece que Nuno vai ter de passar a usar a dupla da frente com Brahimi e Corona nas alas. Para a semana até terá de ser Otávio dado a cirúrgica escolha do quarto árbitro na expulsão de Sábado. Mais uma vergonha!

Dizem por aí que esta foi a deslocação mais difícil até ao final do campeonato. Pois eu estive lá e não me parece que este Braga esteja ao nível de Marítimo e Chaves. Talvez o Braga mais frágil que vi nos últimos dez anos. As lesões não ajudam e parece-me que o treinador que escolheram também não.

Individualmente, continuarei a destacar Brahimi. Claro MVP e o nosso único farol quando as coisas não estão a correr bem. Foi um erro tirá-lo de campo e faria muito mais sentido não mudar, ou tirar André Silva por Jota. Corona voltou a entrar muito bem e quase deu a volta ao jogo. Pela negativa tenho três destaques. Alex Telles ficou a filmar o golo do Braga quando podia ter acabado com o lance na raiz. Felipe ficou amarelado no primeiro minuto. São os dois jogadores em mais se nota o nervosismo. Quem também não esteve nos seus dias foi Oliver. Ainda por cima teve o erro que quase nos tirou do jogo. André André não esteve muito melhor e Danilo também esteve muito lento a soltar a bola.

Toda a esperança em Alvalade! É o que nos resta... Mas entretanto, temos de resolver a questão da diferença de golos já contra o Feirense.

1 comentário:

Anónimo disse...

Eu ao André Silva apenas lhe pedia que dominasse as poucas bolas que lhe surgem ou que rematasse à baliza. Acho que ele quer ficar como o outro que dizem ser o melhor do mundo. Até agora está a conseguir aproximar-se na vaidade e no cabedal. Falta saber fazer a diferença.

Abraço

Artur