segunda-feira, 1 de maio de 2017

Esperança


Depois de termos a prova de Chaves superada com nota positiva, continuamos com uma esperança ligeira. É uma esperança que aumenta e diminui de portista para portista. Os portistas que viram o adversário a permitir mais oportunidades em 10 minutos num jogo em sua casa do que o FCPorto nos últimos 5 jogos no Dragão têm mais esperança. Os que apenas vêem resumos e consultam a classificação têm menos. Os que tentam comparar calendários concluem que, agora, o nosso parece mais vantajoso. Os que vêem a forma como este campeonato tem sido cozinhado através de sinais como o infame castigo de Brahimi e a gritante disparidade de critérios arbitrais acredita menos. Uma coisa é certa: no final do próximo fim de semana teremos uma boa ideia sobre se teremos ou não campeonato até ao fim. Ambos jogam em campos muito complicados e nesses dois campos joga-se o título e o acesso à Liga Europa. Força Rio Ave!

Vamos ao jogo. As lesões e castigos trouxeram a obrigatoriedade de mudar a equipa. Nuno resolveu mudar ainda mais e tirou da equipa os jogadores que mais têm vindo a cair de produção: Oliver e André Silva. Se no primeiro caso a quebra pode ser física, no segundo a culpa é do próprio Nuno Espírito Santo. É aquela velha táctica de resolver o excedente de soluções com a colocação de um dos jogadores em locais que não o favorecem e esperar que seja o próprio público a exigir que ele saia da equipa. É uma 'chico espertice' clássica, mas no entretanto empatámos três jogos... Abordarei este assunto no final da temporada mas, independentemente do resultado, direi que Nuno tem muita responsabilidade no facto de termos chegado a Abril dentro da luta. Mas as suas limitações surgiram hiperbolizadas neste período em que não conseguimos 'dar a estocada final'. Esperamos que o consigamos agora nestes últimos três jogos.

Houve portanto muitas mudanças no onze, do meio campo em diante. As mudanças no meio campo foram as que tiveram efeitos mais proveitosos. Ruben dá outra fluidez ao nosso jogo e Otávio é hiperativo e está sempre em jogo, seja a tocar, seja a assistir, seja a picar o adversário, seja a levar pancada. Já tínhamos saudades deste menino. Na frente, Jota e Corora deram velocidade, mas pouco mais. Não estiveram muito inspirados. O jogo ganhou-se a meio campo, pela dinâmica e pelas bolas que se ganharam no campo adversário. O maior exemplo é o primeiro golo que é uma segunda bola ganha na raça pelo André André, num momento em que até estávamos a reclamar mais um penalti não assinalado. Boa vitória, mas não convem esquecer que voltámos a demonstrar muito pouca produção ofensiva numa das partes. Lembro-me apenas dos livres de Ruben Neves.

Individualmente, nota muito alta para todo o meio campo e MVP claro para André André. Gostei também mais de Jota do que de Corona. O resto são notas regulares. Apenas uma nota negativa para Maxi. Não lembra a ninguém aquela entrada, sabendo do nosso habitual tratamento arbitral.

No próximo fim-de-semana somos nós a jogar antes. Há que pôr pressão alta no jogo de Vila do Conde!

1 comentário:

Anónimo disse...

O Basculação está sem andamento!! Isto está para mudar dentro de pouco tempo. Ou com os abutres a virem criticar tudo e todos ou com os abutres e os restantes a festejarem o título.
É um pouco a história do estádio do Dragão ao longo da época!!
Eu acredito que no final lá estaremos todos!

Artur