segunda-feira, 10 de abril de 2017

Diferença de golos


Senti o Dragão inquieto mas acabou por ser o jogo tranquilo que todos ansiávamos. A segunda parte do jogo começou com alguma 'trapalhada' e com lembranças traumáticas do último jogo no Dragão, mas cedo se  transformou numa contagem de golos que irão contribuir para o nosso potencial de diferença de golos. Os mais atentos não esquecem que esse pode ser o factor que decide o campeonato.

Voltámos àquele híbrido estranho de ter dois avançados e em simultâneo não os ter. André Silva bem tenta ser útil neste esquema mas está difícil. Muito faz ele ao lutar por todas as bolas como se fossem as últimas e ainda conseguiu uma assistência para o primeiro golo de Danilo. Mas não me parece que este seja um esquema que aproveite bem as potencialidades de ter dois goleadores em campo. Nuno tarda em encontrar uma solução para estas dificuldades. Ainda há muito a trabalhar em termos de posicionamento. Muitos tenderão a associar a saída do miúdo e a entrada de Corona com os golos da tranquilidade mas, dos 60 aos 70 minutos, multiplicaram-se as oportunidades de golo e parecia certo que o golo ia surgir a qualquer momento. Vitória justa e calma que não apaga, no entanto, uma notória bipolaridade exibicional dentro jogos. Foi clara a diferença de rendimento entre a primeira e a segunda parte. Com o Setúbal tinha sido ao contrário... Em Braga vai ser preciso um rendimento mais constante ao longo do jogo e julgo que Nuno, perante a primeira parte de ontem, deverá voltar ao esquema da Luz.

Individualmente dou o MVP a Brahimi. Voltou a ser o mais desequilibrador e é o nosso jogador em melhor forma. Surpreendentemente gostei de Boly. Foi a primeira vez que gostei. Esteve melhor que Felipe. A propósito, há por aí um linha da cartilha que nos tenta iludir e dizer que Felipe deveria ter sido expulso. Foi mesmo à minha frente e o jogador que para quem se destina o passe cortado pelo Felipe, supostamente com a mão, está claramente em fora-de-jogo. Não acreditem em tudo que vos dizem, mesmo sendo no tribunal d'o jogo que até costuma ser 'amigo'. Gostei também da entrada de Corona que surtiu efeito quase imediato. Não tenho notas negativas.

Em Moreira de Cónegos continuaram duas tendências que vêm marcando o campeonato em 2017. Por um lado, a falta de vergonha continua e foi mais uma arbitragem 'amiga'. Por outro, a qualidade exibicional do nosso adversário mantém-se pobre. Como diria o nosso mal amado ex-treinador Lopetegui, este Benfica dá-nos «mucha ilusion»...

4 comentários:

Taqui disse...

Faltou contabilizar mais 2 penalties... aliás nem vai ser preciso contabilizar, no fim da época compra se o livro dos Recordes do Guiness e vem lá tudo!!!!

Anónimo disse...

É fácil resolver o problema Soares/André. É meter o Corona e deixar o André no banco nos jogos mais difíceis e mete-lo nos faceis. Isto porque no final da época temos que enganar alguém!

Abraço

Artur

prata disse...

Enganar alguém com o Corona ou com o André?

Anónimo disse...

Com o André, claro. O Corona é pura classe.
Não estou a querer dizer que o André não seja bom. Apenas não é aquilo que muita gente faz dele e por isso deveríamos aproveitar a publicidade.

Artur