quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Resultado MarTELLado


Por certo que já tinham saudades de um bom trocadilho no título dos nossos posts. Pois deliciem-se com a criatividade do menino... Graçolas à parte, até porque hoje não foi um dia para grandes alegrias, esta é a ideia reinante. Alex Telles cometeu um erro individual grave que nos retirou da possibilidade de discutir o resultado. É de facto, difícil discordar desta opinião generalizada. Posso aqui juntar as opiniões que põe a culpa no árbitro, algo que considero absurdo, porque foram boas decisões, tais como tinham sido as que nos deixaram em superioridade numérica em Roma. 

Mas pretendo sair um pouco dessa onda porque eu sou daqueles que acha que, onze para onze, o resultado seria semelhante e igualmente negativo. Isto porque continuo a achar que este sistema de Nuno está a piorar a cada jogo. Temos um jogo cada vez mais partido, com pouco recorte técnico e muito baseado em ideias de jogo de equipa que não dispõe de grande talento e recursos técnicos. Ora como eu acho que temos talento e bons jogadores, acho este modelo limitado e resultadista. Eficaz? Claro! Não há como contra argumentar. As 5 vitórias seguidas no campeonato são claras em termos de avaliação de resultados. Mas não me tentem convencer que isto funciona perante equipas como a Juventus. Até tenho dúvidas que resulte cá... Basta ver a primeira parte com o Tondela, com o Estoril, a segunda parte em Paços de Ferreira. Tudo exemplos do que pode acontecer a uma equipa que, obcecada com a transição defensiva, tenta partir o jogo e esperar que os nossos avançados ganhem os choques, os ressaltos e as lutas individuais. As melhores equipas do mundo assumem o jogo, defendem com bola. Potenciam a criatividade e o talento dos seus melhores jogadores e não os põem a 'picar pedra e assentar cimento' na defesa. Ser Porto é jogar de acordo com o nosso legado! O que nos fez grandes na Champions era o facto de não temermos nenhum adversário na nossa casa. Jogar com 8 jogadores de características defensivas e dois tolinhos a correr na frente não é jogar como equipa grande. Não é Ser Porto. Que interessa ser o primeiro a dizer uma frase icónica se não sabemos o seu verdadeiro significado? Nuno não sabe! Primeiro as arbitragens, depois os resultados tangenciais e enganadores, ontem o erro do Alex. Tudo factores que têm protegido um treinador que pratica um futebol que não está à altura do FCPorto, dos seus adeptos e do seu legado.

Individualmente, dou o MVP a Marcano. Foi o que mais se destacou em ações defensivas, mas Danilo e Felipe também estiveram bem. Alex tem nota mínima pela expulsão e vimos nos golos a falta que ele fez. Layun sempre foi fraco a defender, mas esta época está um desastre e ontem não fugiu a essa regra. Não percebo porque Soares tem prioridade sobre André Silva. Tem experiência de Champions? Tem mais resistência? Tem mais estatuto junto dos adeptos? Segura melhor a bola? Não percebo. Também não percebo a troca posicional de Herrera quando sai Rúben. Porque não uma troca directa na ala? Ainda por cima veio-se a provar que estava a jogar lesionado. Para mim, são duas substituições absurdas!

No Domingo teremos um grande duelo de futebol ao estilo boavisteiro. Esperemos que seja o FCPorto a equipa que melhor o aplica...

6 comentários:

JB disse...

"O que nos fez grandes na Champions era o facto de não temermos nenhum adversário na nossa casa. Jogar com 8 jogadores de características defensivas e dois tolinhos a correr na frente não é jogar como equipa grande. Não é Ser Porto. Que interessa ser o primeiro a dizer uma frase icónica se não sabemos o seu verdadeiro significado? Nuno não sabe! Primeiro as arbitragens, depois os resultados tangenciais e enganadores, ontem o erro do Alex. Tudo factores que têm protegido um treinador que pratica um futebol que não está à altura do FCPorto, dos seus adeptos e do seu legado."

é isto. mais nada a acrescentar. muito triste este futebol, ainda por cima quando temos Óliver no banco e Otávio a ver da bancada. (já nem falo de João Teixeira)

Anónimo disse...

Esta tendência de muitos portistas em criticar um dos nossos sem fundamento parece que continua. Ainda estamos a pagar o que fizeram da última vez que fomos campeões mas parece que ainda não aprenderam. O Ser Porto tem a ver com a garra, intensidade e vontade de ganhar do nosso grupo e por isso o Nuno criou a frase e implementou essa cultura no grupo. Critiquem a estratégia, a táctica, os que jogam, os que deviam jogar mas não o "ser Porto" porque isso está lá e vai levar-nos ao título.

Abraço,

Artur

prata disse...

Se ser porto fosse só garra, não seria dificil de imitar...

Anónimo disse...

Posso concluir então que o Mourinho não é treinador Porto. Já vi dele estratégias tão defensivas, a jogar com um bloco de defensivo de 10 jogadores encostado á sua baliza. No entanto vai ganhando. Se calhar vocês preferem o Tuchel,,,tudo muito bonito e não ganha nada.

Mirone disse...

Sera so culpa do treinador? Este já é o quarto...

Só o AVB e que foi unânime, todos os outros (mesmo Mourinho) foram criticados e muitos ganharam.

No entanto partilho da opinião que este futebol sido um bocado fraco, um misto de tática do Salgueiros dos anos 90 e espírito do Boavista do J. Pacheco, mas será que dá para mais?... temos bons jogadores ou jeitosos esforçados?

prata disse...

Essa do Mourinho nem merece grande discussão. É uma simplificação demagógica. É tão portista que se esquece do que foi Mourinho como treinador do FCPorto e confunde-o com a sua temporada no Inter. Como é possível algum portista rotular o futebol de mourinho no FCPorto de «estratégias tão defensivas, a jogar com um bloco de defensivo de 10 jogadores encostado à sua baliza»? Já foi há mais de dez anos mas temos memória... Mesmo no Inter há circunstâncias muito atenuantes, nomeadamente na Champions, enfrentar equipas com um talento muito superior ao que ele tinha.

Quanto à questão de não haver treinador que pegue nos últimos tempos, tem a ver com a urgência de vitórias. Parece que isso faz com que tenham sempre de tomar atalhos que os prejudicam. Mas neste caso parece mais frustrante porque Nuno consegue tirar dos jogadores um empenho que não víamos há uns anos, mas está a desperdiçá-lo num futebol fraco e demasiado dependente do fator aleatório do futebol.