quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Grupo fraco - parte 4


Nuno Espírito Santo fala de ineficácia no ataque e enaltece a capacidade de sofrimento. Diz que temos de marcar mais golos para descansar mais no jogo. Concordo com a parte da ineficácia mas será que tínhamos de sofrer? Por muitos desenhos, por muitas conversas sobre o jogador à FCPorto e por muitos chavões que se usem nas conferências de imprensa, o nosso problema maior não é a eficácia. O nosso grande problema deste ano é um dos clássicos momentos de jogo que é o momento de 'Organização Defensiva'. Básico! Temos uma linha defensiva incrivelmente recuada. E isto aconteceu em quase todos os jogos no Dragão quando nos apanhámos em vantagem. Bruges, Copenhaga, Arouca, Boavista... Tudo colossos do futebol mundial que nos fazem 'tremer de medo' e fixar a linha de batalha bem próxima da baliza de Casillas. Isto inviabiliza, muitas vezes o apoio à primeira pressão de André Silva e Jota, que correm muito para nada e depois não têm a frescura física para atacar e finalizar melhor. A linha de 4 médios, que se vê constantemente à frente da linha defensiva, tem dificuldade em perceber se se aproxima dos 2 da frente ou se recua. Tal faz com que seja facilmente ultrapassável, porque sobra sempre espaço entre-linhas, onde os médios adversários têm tempo de rodar e organizar. E depois os passes longos e os constantes alívios, muito mais vulgares em defesas que jogam com pouco espaço nas costas. Nuno Espírito Santo fala de falta de eficácia no ataque, mas não fala da espectacular eficácia na defesa. Com uma linha tão recuada, perante a constante e deficiente organização defensiva, e perante adversários que apostam num 'futebol aos trambolhões', os defesas, e nomeadamente os centrais, têm tido um rendimento muito bom! Até os laterais e Danilo têm brilhado mais em acções defensivas. Até ao dia... O problema é que, assim, o futebol torna-se mais aleatório, quando não o devia ser contra estes adversários. Basta ver o golo do Copenhaga. Bastou um erro de Alex Telles para sofrermos um golo, em apenas uma oportunidade de golo concedida. Essa foi a grande diferença ontem: Casillas defendeu!

Nuno até tem sido hábil a esconder as suas limitações. Quando a equipa é desorganizada, ele fala da juventude. Quando não marca, esconde-se na grande quantidade de oportunidades de golo e na ineficácia. Quando não consegue estabilizar o onze, fala de processo de assimilação da ideia de jogo. Nada disto me tranquiliza e confesso que estou assustado. Há um ano e há dois, eu sabia o que Lopetegui queria da equipa. Gostando ou não, sabia como se posicionava, as suas rotinas, as suas limitações, quais os jogadores em quem confiava. Hoje não sei. Porque não acredito que este plano, de defender à Estrela da Amadora, seja o plano de Nuno para o FCPorto. Mas é o que vejo. Não acredito que Nuno queira que se passe o jogo a despejar bolas para os ciclistas correrem atrás dela, como acontecia no Salgueiros do Mário Reis. Mas é o que vejo. Não acredito que se pense nos centrais do FCPorto como os campeões da 'bola para o pinhal' como os saudosos centrais Tanta e Dinis, mas as estatísticas não mentem. Já sei que uma vitória no Domingo muda tudo mas, neste momento, não passa de 'wishfull thinking' e daquela velha noção de que nos clássicos tudo é possível.

Individualmente não me é fácil dar o MVP. Poderia ser André Silva pelo golo, mas passou o resto do jogo em correrias estéreis. Os centrais estiveram bem, mas eu não gosto de os ver jogar assim, sem classe e só a aliviar. Casillas esteve lá quando foi preciso. Talvez Danilo apesar de uma grande nabice a meio da segunda parte. A entrada de Ruben Neves trouxe alguma serenidade e segurança. Algo que não combina com Herrera. É mais apatia, tendência trágica para o disparate... Enfim. Não tarda e volta ao banco e poderá ser já no Domingo. Oliver e Otávio complicaram mais do que o que criaram e Jota parece ainda mais perdido do que o André.

Este jogo poderia ter sido um factor de motivação. Não o foi. Mas não me lixem! Para Domingo é preciso motivação extra?

7 comentários:

Lamas disse...

Eu também fico preocupado quando comento com o meu colega de trabalho nomes como o Mário Reis, Tanta ou Dinis e ele, que até percebe totil de futebol, não sabe do que eu estou a falar... fdx... tamos velhos...

E motivação para domingo parece não faltar... Oliver já disse que vai morrer em campo...

miguel87 disse...

Concordo em especial com o primeiro paragrafo, aliás já tinha dito isso a meio de agosto:

"miguel87 disse...
A culpa é do Lopetegui! :)

Daqui a 3 ou 4 semanas a culpa será do Nuno. :)
(...)
Quanto ao jogo jogado que se viu até agora na época, não sendo fã desta táctica de linhas baixas a defender (4-4-2 com a linha dos 4 médios muito chegada à linha dos 4 defesas) e saida em contra-ataque, aceito e compreendo que seja a opção do Nuno atendendo às circunstâncias.
De resto a única coisa que lhe tenho a apontar é não pôr a jogar o nosso melhor jogador.
Para quem tem dúvidas, falo do Ruben Neves! Ou há qualquer coisa que nos escapa (não quero crer que seja o que escreveu o Taqui), ou então é mais um daqueles estranhos mistérios do futebol que toda a gente vê, menos o treinador!
Espero que o motivo verdadeiro seja a obrigação da titularidade do Danilo e Herrera para os tentar vender... esses sim, seria um alivio vê-los ir à vidinha.

sexta ago 19, 01:23:00 da tarde"

Se na altura aceitava e compreendia, atendendo às circunstâncias, depois de 3 meses de competição já não há paciência para este tipo de futebol que é um espelho fiel da qualidade e valia do treinador.

Domingo é sempre um jogo de tripla, mas a minha confiança está no zero.

Anónimo disse...

O Oliver disse que vai morrer em campo!
Eu ainda não notei até à data que ele desse algum sinal de vida

Silva disse...

Por muito que o coração sofra e puxe, com alguma frieza insisto na mesma ideia que já aqui referi: o declínio competitivo do Porto só mudará no dia em que tivermos um treinador competente. O que temos hoje vale menos que o Lopetegui. O espanhol tinha uma ideia de jogo (que até era boa nos seus princípios) e tentou implementá-la (a execução foi péssima na minha opinião), o NES não tem uma única ideia de esquema, de dinâmica ou de comportamentos colectivos. Vejam e defesa do Casillas no final do jogo de ontem que nos salvou, com o cruzamento da esquerda da nossa defesa e vejam que os jogadores do meio campo (Layun incluido que tinha entrado para aquele flanco) estão a marcar individualmente os adversários. Não há nenhum comportamento colectivo sistematizado, nem a atacar nem a defender. Só sofremos menos golos agora do que no início da época porque a defesa estabilizou e as linhas estão mais juntas. Nada contra o NUNO, que foi um excelente profissional e é bem intencionado. O problema é que a este nível exige-se competência máxima, senão qualquer ex-jogador (e temos bem mais simbólicos) poderia treinar o Dragão. Os problemas são de fundo, como já aqui discutimos, mas enquanto houve competência (Mou, AVB, VP, etc) a equipa ganhou. Os jogadores que temos merecem mais e melhor trabalho colectivo. Vamos andar o ano todo nisto (outra vez): um bom jogo de quando em vez, como é normal quando se tem bons jogadores, e no final não ganharemos nada. Abraço e que venham melhores dias (prefiro dizer isto hoje, na sequência de uma importante vitória, porque não são os resultados que condicionam a minha opinião, é o futebol jogado ou, melhor dizendo, a falta dele). Abraço

Anónimo disse...

Diogo J, Ruben Neves, Otavio, Oliver, Sergio Oliveira, Layun poderão ser bons jogadores num Paços de Ferreira, Arouca ou Tondela, nunca no F. C. do Porto.

prata disse...

Temos anónimos muito exigentes... :)

JB disse...

Acho que temos é anónimos completamente sem noção. Concordo com tudo o que disse o Silva. Colectivamente este Porto é 0. Não se vêem ideias nenhumas a não ser baixar as linhas sem critério. Podemos conseguir alguns bons jogos porque temos bons jogadores, mas duvido que consigamos ir além disso.