quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Alguém queria que houvesse Taça


Já desconfiávamos que o jogo de ontem seria bem mais difícil que o anterior. Não pelo Boavista, que não assusta ninguém e que infelizmente não terá argumentos para se manter na primeira Liga. Digo infelizmente porque eu acho que o futebol se faz de rivalidades e sempre gostei de não gostar do Boavista e de os defrontar. Voltando ao ponto, estava com receio que a goleada nos fizesse abordar o jogo de uma forma menos intensa e que as alterações pudessem trazer perda de rendimento. Ainda assim contava com uma vitória mais fácil. Complicou-se por dois motivos que se encontraram num lance capital do jogo: árbitro e Imbula. 

Vamos ao primeiro motivo. Eu sei que esta geração de 'sarrafeiros' do Boavista é bem mais suave que algumas gerações que ajudaram a cimentar o clube como um dos icone da selvajaria no futebol português. Ainda assim, um Boavista suave é sempre um Boavista.  Enfrentá-los e ter um score de 6 amarelos e 1 vermelho contra apenas 1amarelo para eles, é obra! Poderemos agradecer a um critério absurdo e demasiado protector do estilo de jogo do adversário, marcado pela bipolaridade entre o 'sarrafeiro' e o 'fiteiro'. Costuma-se dizer que 'há Taça' quando o 'underdog' vence. Parece que o Sr. árbitro estava com vontade que houvesse Taça.

O segundo factor é Imbula. Será coincidência ou a pior fase do FCPorto no encontro foi quando estávamos onze contra onze com Imbula em campo? Eu não acredito. É inenarrável o que joga este  jogador, que chegou para ser titular! Não há nada. Não faz um passe, faz péssimas coberturas, só foi minimamente agressivo na jogada em que foi mal expulso. Quando comparado com André, Danilo, Ruben, Evandro e Sérgio Oliveira perde em todos os capítulos. É inexplicável o rendimento deste jogador. Mesmo que recupere a confiança e expluda até ao potencial que lhe atribuem, vamos sempre recear a chegada do momento em que o 'menino' fique outra vez deprimido e volte a estas anedotas de exibições, que tem feito desde que chegou ao FCPorto. Ainda por cima não tem sorte nenhuma com os árbitros. Já com o Kiev marcaram-lhe um penalti incrível. Eu acho mesmo que o FCPorto passou a defender melhor quando ele foi expulso. Não fossem as ofertas de Helton e Indi e não teríamos permitido oportunidades de golo, jogando com 10.

Individualmente, o MVP vai para Brahimi. Marcou o golo da vitória e foi o jogador mais perigoso. Gostei também de Layun e de Herrera. Varela fez uma exibição de sacrifício que foi vital na segunda parte. Quanto a Helton não é o MVP porque tentou oferecer um golo ao adversário. Pela negativa Indi. Ele tem sido o nosso melhor defesa nos últimos tempos, mas ontem estava a fazer uma exibição má, que se transformou em péssima no momento daquele inexplicável atropelamento, na última jogada do encontro. É até ridícula essa jogada.

Já cheira a pic-nic no Jamor!

3 comentários:

Lamas disse...

Apenas a nota de ressalva para o Indi, porque também foi ele que salvou o "enterro" do Helton... embora o gajo também não tenha acertado em condições na bola...

Vítor Meireles disse...

O Layun ataca bem mas tem sérias dificuldades a defender.

prata disse...

concordo