domingo, 19 de julho de 2015

Plantel 2015/2016 - Avaliação intercalar



Abordando brevemente o jogo de sábado destacaria apenas 3 pontos:
1) O esquema de jogo muda um pouco. Parece que não teremos este ano uma posição de pivot único de meio campo, voltando ao malfadado 'duplo pivot' de Paulo Fonseca. Não sei se será definitivo. Pode ser perfeitamente uma forma de aproveitar a invulgar quantidade de jogadores que temos neste momento no plantel, para aquelas duas posições. No jogo de Sábado todos estiveram bem, o que ajuda a lançar a confusão.
2) Gosto da opção por André Silva, porque é um avançado de qualidade invulgar para a idade e até para o nível geral dos jogadores vindos da nossa formação. Mas percebo que esta sua utilização me leva a concluir que, mais uma vez Adrian não conta. Tal significa que o mercado não está fechado para a posição de avançado.
3) Lembram-se de algum jogo em que tenhamos em simultâneo duas grandes exibições dos extremos? Brahimi é um jogador que roça o estratosférico em determinados jogos ou até pequenas partes dos 90 minutos. Parece, no entanto, um jogador muito temperamental. Quando as coisas não lhe correm de feição, fecha-se em si mesmo e aborda os lances com menos ousadia, o que o volta a aproximar dos mortais. Por outro lado, Tello vive com os fantasmas das lesões e tal impede que deixe tudo em campo. Lopetegui já os deve conhecer bem mas, sem Jackson, torna-se fundamental conseguir tirar o melhor rendimento destes dois jogadores, sempre.

Abordando a construção do plantel, correndo o risco de fazer asneira, dado que o mercado fecha no final de Agosto, começo por elencar as necessidades à partida. Todos concordam que o plantel do ano passado era muito equilibrado. Havia apenas alguma posições onde não tínhamos um titular de qualidade 'Top'. As situações mais faladas eram a baliza e a dupla de centrais. Ainda assim, Helton, Maicon, Marcano e Indi pareciam ser suficientes. Tal significava que a abordagem de mercado teria de ser preventiva para as substituições dos jogadores que iriam sair: Jackson, Danilo, Casemiro e Oliver. Não foi o caso. Algumas das contratações pareceram ser mais baseadas no aproveitamento das oportunidades do mercado do que num planeamento cuidado e baseado nas lacunas do plantel.

Comecemos por uma excepção: Jackson. Para mim será o jogador mais difícil de substituir. Digo-o porque o seu substituto do ano passado teve bom rendimento e, mesmo assim, notava-se demasiado a ausência do capitão. O que me parece que está a ser feito é uma mudança do esquema por forma a que a posição 9 não gere tanta dependência no resto da equipa. Reconhecendo a dificuldade de encontrar um jogador barato com estas características, procura-se encontrar uma forma de dividir o esforço concretizador pelos jogadores que aparecem mais próximo, daí a contratação de Bueno. Sendo assim, apostando-se em Aboubakar, faltaria um suplente com um perfil semelhante: jovem de potencial para evoluir em paralelo com André Silva, para mais tarde assumir e depois vender. Parece-me um bom plano.

No caso do meio-campo também não parecia fácil substituir dois jogadores sendo que o terceiro, só irá aparecer para treinar em Agosto... Aqui fomos mais pela quantidade. Foram quatro contratações de jovens com muito potencial, dos quais três dos melhores médios da Liga do ano passado e um dos mais promissores sub-21 do mundo. O problema é que temos ainda, além de Herrera, dois jogadores que passaram a época passada a 'bater à porta' da equipa principal: Evandro e Rúben Neves. Aqui pareceu que foram negócios mais de oportunidade e não de planeamento. Caso contrário, o passo natural seria a aposta no nosso melhor produto da formação dos últimos 10 anos (no mínimo). Sendo assim, parece possível que o Rúben vá jogar ainda menos do que na época anterior. E não nos podemos esquecer de Quintero que perde o lugar num plantel com tantos médios.

O caso da substituição de Danilo é diferente. Como é meu costume arrisco desde já uma posição forte sobre esta contratação. Aqui substituímos por um jogador de qualidade inferior e mais velho. Trata-se de puro oportunismo de mercado e de uma táctica já gasta de 'beliscões' no adversário. Mas não é isso que me choca, nem o simbolismo da camisola 2 e nem o facto de o Presidente ter falado nele como 'jogador à FCPorto'. Isto apesar de me custar que o epíteto de 'jogador à FCPorto' seja mal utilizado pela personalidade que melhor representa e que sempre representará o que significa ser Portista. O que me incomoda é o facto de andarmos a ensaiar há dois anos um substituto para Danilo jovem e português que, chegada a hora da verdade, como em Munique, não conta. É preferível um jogador, já de si pior que Danilo, e em fase descendente da carreira. Ou seja, não é melhor e não o será por muito que seja um jogador extremamente intenso e batalhador. Não poderemos dizer o mesmo daquele que foi um dos melhores jogadores do Europeu de sub-21. Convido-vos para analisar paralelamente as primeiras exibições de Danilo e as de Ricardo. De certeza que o Ricardo não fica a perder... A própria selecção nacional está com problemas de renovação e especificamente neste lugar, apresentando uma oportunidade acrescida de valorização do jogador.

Quanto à troca de Varela por Quaresma é uma questão de opção do treinador que não compreendo, mas que não me choca. Não sei se se pretende que o Varela seja um suplente menos incómodo que Quaresma. Não me parece que vá acontecer dessa forma e teremos mais um jogador para colocar em Janeiro. Aguardemos... Jogador por jogador, ficamos a perder.

Por último, o único caso que já abordei aqui: Casillas. Mais um negócio de oportunidade. Mas aqui há uma atenuante de se tratar, na minha opinião, de um jogador que traz um 'upgrade' claro de qualidade ao plantel e ao onze titular. Além disso não 'tapa' a evolução de nenhum talento. Poderá até contribuir para a evolução de Gudiño, uma das nossa maiores esperanças e talvez o grande responsável pelo título de sub-19 do ano passado. Representa o que um negócio de oportunidade deve ser. Não precisávamos de guarda-redes mas, tendo aparecido uma oportunidade única de reforçar consideravelmente uma posição, aproveitámos.

Poderão reparar que não abordei sequer os custos envolvidos nas contratações. Assumo com uma inocência extrema que isso está salvaguardado. Também assumo com uma inocência do mesmo género que está tudo a correr bem no processo de renovação com Alex Sandro...

2 comentários:

Lamas disse...

Gostei do que vi... Vamos aguardar pelos próximos capítulos...
Somente uma nota... Para o lugar de Bueno, e nesta nova tática, não parece haver um substituto claro nesta posição... Lugar que encaixaria como uma luva em Quintero, onde não teria tantas preocupações defensivas...

Pispis disse...

Vou ter pena de ver André André ou Sérgio Oliveira dispensados e continuar a ver um Adrian por ali, por exemplo...

Tello fez lembrar grande parte do início da época do ano passado e Varela estando bem pode ser uma mais-valia tremenda c a vantagem de n criar um ambiente de merda no balneário :-)

Vamos esperar pelos próximos jogos mas por mim era Gudino, Ricardo e André Silva a titulares (dou o benefício da dúvida ao Iker, quanto mais não seja pelo número de like's q nos fez ter no facebook) :-)