domingo, 2 de novembro de 2014

O momento



Nem sei onde ouvi, nem quem foram os autores, mas tenho ouvido muito esta teoria de que o futebol é o momento. Querem com isto dizer que é facil passar de bestial a besta, sobretudo os treinadores. Neste caso, prefiro ir pelo sentido mais literal. De facto, futebol é aquele momento em que Brahimi nos tirou mais uma vez das cadeiras! Sublime! Será sacrilégio dizer que Brahimi é um Madjer 2.0? Eu arrisco!

Já falamos do mais importante. Vamos ao jogo. Lopetegui tentou refrescar a equipa, tacticamente e fisicamente, com a saída de Herrera por Oliver. Já se tinha ensaiado este esquema com o Moreirense, na altura com Brahimi no lugar de Quintero. Não direi que é uma solução a esquecer. Direi que tem que ser repensada e retocada. Tivemos uns primeiros minutos interessantes e chegámos ao golo cedo e com naturalidade. Depois veio a reacção do adversário e, tal como seria de esperar o jogo partiu-se um pouco. Oliver corria muito e nem sempre bem, Casemiro ia apagando fogos e Quintero nem entra nestas discusões sobre posicionamentos e dinâmicas. Para ele, futebol é bola no pé. No dele e no dos avançados que ele tenta isolar. Logo aqui, percebemos que tínhamos um meio-campo a funcionar a ritmos diferentes. E o miolo é o coração do jogo. Logo, ficámos entregues às individualidades, às correrias em transições e às oportunidades de golo nas duas balizas. O Nacional teve menos, mas também as teve. Tal como o Braga, o Bilbau, os vasquinhos, quase todos os que visitaram o Dragão. Bastou um período menos inspirado de Quaresma e Brahimi para o Dragão temer problemas. Só haverá uma maneira de termos jogos descansados no Dragão. Eficácia nos primeiros minutos! Golos! Não podemos estar à espera de um milagre técnico que nos faça gerir melhor a posse, os ritmos, etc. Lopetegui não quer. Gosta deste futebol vertiginoso. Adivinham-se calafrios, mas também se adivinham Bate's Borisov's...

Individualmente, destaco Brahimi como MVP. Uns segundinhos de jogo, bastaram para tal façanha. Isto apesar das trapalhadas e dos individualismos excessivos que lhe vamos notando a espaços. O resto, vai compensando.., Danilo foi mais constante na qualidade. Talvez o melhor Dragão neste inicio de época. Já merecia o golo. Também gostei do espírito combativo de Casemiro. Bate muito e bate quase sempre bem. Também é dos únicos que bate... Falta alguma agressividade na equipa e Herrera ajuda mais. Pela negativa, Quintero que não conseguiu espalhar a magia que esperávamos dele. O Lopes mexeu bem, com a entrada de Herrera. Segurou a vitória.

Em Bilbau, a oportunidade atingir já um dos objectivos da época. Acredito que Tello e Herrera deverão regressar no lugar de Quaresma e de Quintero.

1 comentário:

Lamas disse...

Sem dúvida... que momento!

Também acho que o Herrera entra, mas acho que o Quintero fica no lugar do Quaresma... a ver vamos... e até sabemos, que o normal, é ele mexer muito...