segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Sinais



Eu, como muitos portistas, não pude ver o jogo com o Zenit por ser a horas incompatíveis com grande parte dos nossos horários de trabalho. Vi resumos e fui ouvindo comentários de amigos portistas. Dizem-me que fizemos uma boa primeira parte e que fomos traídos por mais um erro defensivo individual e inexplicável e que, mais uma vez, não apresentámos um rendimento uniforme ao longo do jogo. Podíamos até ter perdido. Enfim, nada que eu não esperasse apesar de ainda ter aquela leve e esperança que, de um momento para o outro, o FCPorto apresentasse a tal exibição portentosa que relançasse a época. Não aconteceu na Rússia e a Liga Europa está aí bem perto.

No entanto, tal exibição também não aconteceu ontem em Guimarães. Está visto que isto vai ser um processo gradual de retoma. Isto se chegar a acontecer. Nesse sentido, vi no jogo de ontem mais coisas que me agradam. Pena que, mais uma vez, não fosse um FCPorto de 90 minutos. Pelo menos, fizemos o suficiente na primeira parte para obter um resultado que desse tranquilidade ao resto da exibição. Nessa primeira parte, apesar de nunca termos estado imunes a alguns calafrios auto-inflingidos mas sem grande perigo, apresentámos uma boa dinâmica no meio-campo e um bom serviço a Jackson, algo raro nos últimos tempos. Fernando e Defour apareceram bastante atrevidos e Josué e Lucho foram distribuindo jogo a preceito. Só Varela teve dificuldades em se incluir no 'carrossel'. Não será estranho visto que o jogo priviligiou mais o centro do terreno, mas a qualquer altura poderia ser preciso variar e nesses momento ele não estava muito inspirado. Queria, no entanto falar mais da questão 'Fernando e Defour'. Muito se tem falado do duplo pivot. Julgo que o Paulo Fonseca nunca teve a intenção de alterar as funções de Fernando. Se teve, fez mal. O que se pede é que haja um outro jogador que, perante as investidas de Fernando, se posicione na retaguarda do meio-campo garantindo que há sempre um ponto para recomeçar a construção de jogo ou para iniciar a protecção aos defesas perante transições rápidas dos adversários. É certo que isso ainda não está a funcionar bem, e esse será um dos problemas com mais influência nas exibições mais fracas desta época. E a "experiência Herrera" não ajudou muito... No entanto, ontem já vimos essa dinâmica a funcionar bem melhor. Poderão reparar que não passamos por tantos calafrios em zonas centrais e que, alternadamente, Fernando e Defour têm participações decisivas nos dois golos e em várias recuperações em terrenos adiantados. Terá sido só neste jogo? Veremos daqui a quinze dias...

Resumindo, o jogo foi melhor mas deu a ideia que o controlámos mais pelo resultado do que pela serenidade do nosso jogo. A qualquer momento pode aparecer uma asneira como, por exemplo, um lance em que Otamendi, depois de ganhar a frente do lance se deixa ultrapassar e a abordagem de Mangala ao lance em que é expulso. É mal expulso, porque eu não tenho a certeza se ele dá com o braço e porque se trata de um tentativa de domínio e não de corte do lance. Ainda assim, Mangala pode abordar o lance de uma maneira mais segura, por exemplo de cabeça ou deixando a bola correr e ganhando em velocidade como em lances anteriores.

Individualmente, não gostei de Varela pelo que já disse acima. Jackson não esteve particularmente inspirado na finalização mas fez um bom jogo. Gostei do meio-campo com Fernando, Defour, Josué e Lucho que é para mim o MVP pela sua intervenção nos golos. O golo do Fernando faz-nos sorrir porque nos lembramos imediatamente de um grande capitão do FCPorto. Por último, não gostei de Fabiano quando ele demorou demasiado tempo para marcar um pontapé de baliza. Podia ter tido mais atenção ao facto de o resultado estar 2-0, de estar a meio da segunda parte e, mais importante, de ele já não jogar na Olhanense... Gostei do momento cómico em que Josué explica ao árbitro que está a correr enquanto se aproxima num ritmo escandalosamente lento da linha de meio-campo para ser substituído. Nessa altura Mangala tinha acabado de ser expulso e já fazia algum sentido. Mas gostei por ser cómico não pela atitude de perder tempo que, no FCPorto, só aceito em condições muito especiais.

3 comentários:

Lamas disse...

Já não tínhamos uma vitória tranquila, desde do jogo com o Gil em casa... embora o do Arouca também tenha sido relativamente controlado... mas a ganhar 2-0 ao intervalo, desde do Gil...

Eu gosto do Defour por ser um jogador à Porto... ainda ontem, por acaso, tive a rever o mítico jogo do Kelvin, em que ele, escassos minutos antes do golo, faz um corte na raça, penso eu ao Gaitan, com aquela vontade (vg. "trincar a língua") normal de quem veste aquela camisola... poderá faltar algo mais para ser completo, mas eu gosto... é dele o passe de ruptura para o Lucho ontem, por exemplo...

O lance que narras do Josué é fantástico... mas eu se fosse o "Jorge Sousa", o gajo tava fdd comigo no próximo jogo... e o Josué deve, por causa desta e de outras, ter muitos amigos... mas eu gosto dele... é talvez, esquecendo o Lucho, o meu jogador de eleição do momento por reunir características únicas para um jogador à "Porto" e ser dos poucos do plantel que quando pega na bola eu espero algo mais...

Taqui disse...

Quando o Josué, é titular indiscutivel; quando bate penalties (mt bem diga-se, mas...); Qd cospe nos adversários; Qd faz estas cenas de levar amarelos, coisa mesmo de equipa pequena, tá tudo dito! Este ano vai ser dificil...
Nao gosto dele! Joga pouco. e mal vai o porto qd precisa de um jogador assim...
Precisamos urgente de um ala, mas para entrar directo no 11. É impressionante gastarem 18 milhoes em 2 mexicanos e nao gastarem num extremo.
Pronto, hoje deu-me para criticar/desabafar, tb é para isso que cá estamos!
Abraço

Taqui disse...
Este comentário foi removido pelo autor.